Prostituição na Amazônia, a facção PCC 1533 e uma sobrevivente

Mergulhe na complexa realidade da Prostituição na Amazônia, onde exploramos as histórias ocultas de exploração do Primeiro Comando da Capital.

Prostituição na Amazônia revela um cenário sórdido e desesperançado. A vida ali é marcada por exploração, pobreza e violência, envolta num nevoeiro de invisibilidade social. Detalhes chocantes são narrados por mulheres que, frequentemente, são as únicas testemunhas dessas realidades ocultas.

No coração desse submundo, a presença perturbadora do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533) é um indicativo da complexidade e profundidade do problema. Sua interferência na região é parte crucial dessa história, uma peça inquietante num quebra-cabeça de desumanização.

Convidamos você, leitor, a mergulhar conosco nesse relato. Comente suas impressões no nosso site, em nosso grupo de leitores, ou diretamente conosco, em mensagem privada. A sua participação é fundamental para iluminarmos essa realidade.

Prostituição na Amazônia: sobrevivência na selva

Em meio à vasta selva da Amazônia, onde a natureza se revela em todo o seu esplendor e brutalidade, aninha-se uma realidade selvagem e desumana, onde a inocência é vendida ao preço da sobrevivência: a prostituição. E uma das mãos que manipulam os fios desta obscena marionete é uma organização tão impiedosa quanto eficaz – o Primeiro Comando da Capital.

A trama começa com uma sombra que se move silenciosamente nos bastidores da economia subterrânea, estendendo seus tentáculos criminosos para além do tráfico de drogas, atingindo o submundo da exploração sexual. A prostituição na Amazônia tem sido o campo de colheita mais recente para o PCC, uma área onde o vulnerável se torna presa fácil.

As cidades situadas ao longo do rio Amazonas, com suas luzes cintilantes refletindo na água escura como olhos de gato na noite, proporcionam o cenário ideal para um romance policial. No entanto, ao contrário dos filmes americanos, não existe aqui um detetive brilhante nem uma força policial eficaz para solucionar o mistério. Aqui, os autores dos crimes são conhecidos e as vítimas, juntamente com o seu sofrimento, estão expostas a todos.

Projetos de infraestrutura que não levam em conta o meio ambiente trazem homens de todas as partes do Brasil e até de outros países para a região amazônica. A facção PCC, vê nessa movimentação uma chance de expandir seus negócios. A pobreza e a falta de oportunidades tornam-se as ferramentas de recrutamento, transformando as mulheres locais em mercadorias.

A exploração sexual e as organizações criminosas

A exploração da prostituição na Amazônia pelas organizações criminosas, entre elas o Primeiro Comando da Capital não é apenas um drama criminal, mas também uma tragédia humana, onde cada vítima tem sua própria história, cada uma carregando um fardo de dor que ultrapassa os limites do tolerável e onde cada algoz também tem sua história.

Essa realidade se torna ainda mais cruel quando percebemos que muitos que outrora foram vítimas acabam por se tornar algozes. A batalha para reverter essa situação parece um desafio esmagador. A solução não se encontrará somente nas leis ou na repressão policial, mas também na mobilização social, no entendimento do mecanismo dos interesses humanos e na criação de oportunidades para aqueles que, no momento, possuem escassas.

Em meio a esta trama densa e sombria, as organizações de direitos humanos e a sociedade civil têm um papel importante a desempenhar. No entanto é importante ressaltar que a exploração sexual pelo crime organizado é algo tão antigo quanto a civilização humana, e apesar de não ser de meu conhecimento quando o Primeiro Comando da Capital começou nesse negócio, posso arriscar que se deu com a incorporação nas operações da facção de grupos que já atuavam até mesmo antes da existência das facções criminosas no Brasil.

Minha experiência com a prostituição

Desde a distante época de 1982, minha rota me levou a muitos prostíbulos, cada um com suas luzes ofuscantes e sussurros secretos, antes mesmo de a facção criminosa assombrar as esquinas. Alguns deles persistem, não apenas no pulsar contínuo da capital paulista, mas também na quietude do interior. Hoje, porém, as sombras do PCC se infiltraram em cada um deles, deixando a sua marca indelével.

Recordo-me de uma ocasião em particular, em Sorocaba. Ao lado de um integrante da facção, testemunhei a negociação para a compra de um prostíbulo. Sua postura e olhar determinado eram impenetráveis. Até hoje, me pergunto se a motivação por trás daquela decisão foi puramente econômica, ou se o que realmente estava em jogo era uma demonstração crua de masculinidade e poder. Naquele momento, vi refletido em seus olhos o mesmo brilho sombrio que encontrei em tantos outros ao longo desses anos: o anseio por controle, o desejo de domínio.

Porém, a sombra da facção não era a única presente naqueles locais. Também conheci jovens mulheres, algumas praticamente meninas, que se entregavam a homens por quem não sentiam a menor afeição. Trocavam carícias falsas por dinheiro real, garantindo assim a sobrevivência, não apenas delas, mas também de seus filhos inocentes. Algumas, porém, se submetiam a essa vida sombria, não para alimentar os pequenos corpos que dependiam delas, mas para alimentar seus próprios vícios insaciáveis – álcool, drogas, as maldições modernas.

Entre as vítimas, 62% são mulheres e 23% são meninas, e em torno de 80% das vezes o objetivo é explorá-las sexualmente.

El País: Pelos ‘prostibares’ da Amazônia, como funcionam as redes de prostituição na selva

Depoimento de um leitor do site

Entre as vozes que ecoam nos corredores dessas casas, está Mclovin, um leitor fiel deste relato. Ele me presenteou com um testemunho, um fragmento da realidade que ele viveu…

Eu tenho uma amiga no Pará que tá nesse corre. Ela já foi presa e tudo, mas as coisas estão feias por lá e ela não tá tendo oportunidade de ganhar dinheiro, aí o caminho é a prostiuição. Essa amiga ela passou por isso.

Foi presa, aí solta mas hoje está de preventiva, é mãe solteira e como não encontra oportunidade no crime por ser mulher e a região está em guerra, ela decidiu se prostituir pois nem emprego normal consegue.

Recebeu um convite de melhoria para se prostituir no garimpo, embora ela seja explorada e passe por condições desumanas, ainda assim ela prefere está lá pois tem o que comer e dá para seu filho.

Na voz quem viveu na pele a prostituição na Amazônia

Na reportagem do site Sumaúma – Jornal do Centro do Mundo, uma conversa com uma dessas mulheres que compõem essa teia de prostituição é apresentada ao leitor. A jornalista Marcela Ulhoa, versada em Resposta Humanitária, migração, questões de gênero e populações indígenas, nos guia através da história de vida de Patri. Uma mulher cujo nome é mascarado para proteger sua identidade, mas cuja existência é tão real quanto a nossa, ainda que viva uma realidade que nenhum de nós pode verdadeiramente compreender.

A seguir um resumo do texto do artigo do site Sumaúma, para ler a reportagem completa com as fotos clique no link!

No coração da floresta amazônica, a sobrevivência tem suas próprias regras. Encontramo-nos com a história de Patri, uma venezuelana que buscou nos garimpos brasileiros a promessa de uma vida mais próspera. Deixando seu filho para trás, ela penetrou em um mundo regido pela busca insaciável de lucro, onde a vida humana torna-se uma moeda e o PCC, uma facção criminosa de renome, exerce um poder ameaçador.

Dentro da paisagem inóspita, Patri se agarra a um fio de esperança: um caderno de capa azul. As páginas do caderno absorvem suas experiências no garimpo, narrando casos de abuso, exploração e violência. O garimpo, um barril de pólvora onde a cobiça e o perigo fervem, se tornou seu novo lar – um lugar onde a vida balança perigosamente entre a sobrevivência e a brutalidade.

Iludida pela promessa de um Eldorado, uma terra repleta de oportunidades, Patri se aventurou na direção de Homoxi e Xitei, na Terra Indígena Yanomami. Levava consigo uma fé ingênua e uma esperança cintilante no brilho do ouro. No entanto, o Eldorado que ela encontrou era uma amarga caricatura do que ela havia sonhado.

O ouro e a prostituição na Amazônia

Na luta pelo ouro na densa selva da Amazônia, existe uma realidade sórdida que muitos escolhem ignorar: a prostituição na Amazônia. A história que se desenrola a seguir mergulha nos detalhes sombrios da experiência de uma trabalhadora sexual em um garimpo, onde a realidade é cruel, perigosa e vivida à margem da sociedade.

A descoberta de ouro na região desencadeou uma corrida frenética que atraiu indivíduos de todos os cantos, cada um ansiando por um pedaço do tesouro escondido na floresta. Mas com a riqueza, veio a exploração. Nesse cenário, surgiram os cabarés – lugares onde se vende sexo aos trabalhadores exaustos e desesperados, entre outras mercadorias.

Com o passar do tempo, Patri colecionou cerca de 25 gramas de ouro, o que equivalia a aproximadamente 5.000 reais. Não era o Eldorado que ela havia sonhado, mas era uma recompensa pelo sacrifício que havia feito. Ela retornou de sua odisséia ao garimpo carregando consigo um relato marcante de sobrevivência e coragem.

A saga de Patri ressoa como um aviso, uma visão indomada da realidade encarada por tantas mulheres em situações análogas. Sua luta é um testemunho da tenacidade do espírito humano, uma prova de que a esperança e a dignidade podem perseverar até nas condições mais desumanas. Ela sonha com o dia em que suas memórias serão impressas, tornando-se uma luz guia para outras mulheres que atravessam adversidades semelhantes.

Neste idílico povoado as alunas do Internato Indígena de San Francisco de Loretoyaco são o alvo de muitos olhares de desejo. Homens bem mais velhos que elas as seduzem na saída do colégio…

El País: Pelos ‘prostibares’ da Amazônia, como funcionam as redes de prostituição na selva

a realidade brutal registrada dia à dia

A saga de Patri é um testemunho sombrio da crueldade humana, mas também de uma resiliência surpreendente. Suas lembranças, meticulosamente gravadas nas páginas de um caderno azul, clamam por nossa atenção e ação. A resolução desta história está por ser decidida e, certamente, depende do envolvimento de todos nós. O grito silencioso de Patri, ecoando na selva, serve como lembrete perene do valor da vida humana, mesmo quando ofuscado pelo brilho do ouro.

Patri nos conduz através de sua experiência no garimpo com um realismo que roça o brutal. Ao desembarcar naquele ambiente, ela percebeu rapidamente que sua autonomia estava à mercê da proprietária do cabaré, uma mulher que controlava desde os clientes até a comida. Esta mulher decidia os parceiros de Patri, a remuneração por cada encontro e até mesmo o tempo que cada um duraria.

A trabalhar na sala do cabaré, Patri estudava a dinâmica entre as trabalhadoras sexuais e seus clientes. Notou que um “contrato” mais longo, onde a mulher coabitava e servia a um homem por um período determinado, geralmente implicava mais do que a simples troca de favores sexuais. Esperava-se que essas mulheres cozinhassem, lavassem roupa e garantissem exclusividade.

A prostituição nos fuscons

Patri também detalha o “fuscon”, a denominação dada ao local onde ocorriam os programas. Ela conjectura que o termo possa ter origens na língua indígena local. Estes “fuscones” eram recintos pequenos, improvisados com troncos e lona. Ocasionalmente, as trabalhadoras recebiam uma cama, mas, em outros momentos, apenas uma rede lhes servia de leito.

A realidade inóspita do garimpo se estendia muito além do trabalho sexual. As condições de higiene eram desastrosas, os alimentos exorbitantes e havia uma cultura arraigada de consumo excessivo de álcool e de tiroteios casuais. Para acessar a internet, as mulheres eram forçadas a pagar taxas exorbitantes. Patri também fez questão de relatar a onipresença de drogas, armas de fogo, munições, ouro e gasolina no garimpo.

A discriminação sofrida pelas trabalhadoras sexuais venezuelanas se manifestava intensamente. Patri, sendo uma delas, estava frequentemente à mercê de comentários depreciativos, sendo rotulada de forma depreciativa como “mira”.

Refletindo sobre sua experiência, Patri revela um pesar profundo pelas decisões que a levaram ao garimpo. Ela detalha como as condições árduas de trabalho e de vida corroeram sua saúde mental e física. Comenta o medo persistente da violência e a pressão constante para manter um semblante de dignidade. A dinâmica de poder no garimpo, em sua visão, assemelhava-se à do tráfico de pessoas, uma comparação que ecoa com contundência em suas palavras.

A quem recorrer nesse mundo?

O relato de Patri lança uma luz impiedosa sobre as cruéis realidades de uma vida no garimpo, marcadas pela exploração, pela precariedade e por uma distribuição de poder grotescamente desequilibrada. Ela não poupa críticas ao sistema que perpetua essas condições, nutrindo a esperança de que sua história possa agir como um catalisador para uma mudança necessária.

Certo dia, um cliente regular, empregado do proprietário do cabaré, apresentou-se bêbado. Acabou por adormecer na cama da trabalhadora sexual, deixando-a sem alternativa senão buscar um outro lugar para repousar. No meio da noite, foi abruptamente despertada por outro cliente que lhe propunha um encontro.

As coisas pioraram quando o homem embriagado acordou e, num estado de fúria alcoolizada, confrontou-a com uma faca. Ele a ameaçou com a morte, semeando o terror em seu coração. Nesse momento, a trabalhadora sexual compreendeu que estava absolutamente desprotegida, mesmo dos supostos donos do estabelecimento.

Um cliente mais velho e experiente a advertiu que deveria deixar o cabaré, já que sua vida estava em risco ali. Para tal fuga, o proprietário exigiu o pagamento em ouro, moeda corrente naquela parte isolada do mundo.

A decisão de abandonar esse mundo

Decidiu, então, rumar para outro garimpo, conduzida por indígenas locais, que a auxiliaram respeitosamente em sua odisseia. Ela encontrou em seu tratamento um contraste marcante em relação ao que recebia dos rudes mineiros com os quais normalmente se relacionava.

Apesar de nunca ter testemunhado diretamente a exploração de mulheres indígenas, ouviu histórias dos próprios mineiros, que confidenciavam suas ações repugnantes. No garimpo, a prostituição é apenas uma das muitas facetas da exploração, que inclui ainda a degradação ambiental e o desrespeito aos direitos indígenas.

A narrativa da trabalhadora sexual revela a realidade tenebrosa e oculta que acompanha a corrida do ouro na Amazônia. As histórias de exploração sexual se entrelaçam com a destruição ambiental, tecendo um cenário sombrio de cobiça e desrespeito aos seres humanos e à natureza. Nesse contexto, a prostituição na Amazônia continua a ser uma questão alarmante e urgente, que demanda ação e atenção a nível mundial.

Patri relata que testemunhou índios, sob efeito da cachaça, transformarem-se de tal maneira que chegavam a matar por razões fúteis, evidenciando a triste realidade do alcoolismo em suas comunidades. As mulheres sofriam, assim como as crianças. Foi então que compreendeu o desejo das índias de pôr fim ao comércio de cachaça, visto que os homens, quando embriagados, se metamorfoseavam em criaturas monstruosas. Nesse momento, ela entendeu a importância crucial do respeito à cultura e à integridade das comunidades indígenas. A prostituição na Amazônia, apesar de ser um trabalho para muitas mulheres, tem um impacto direto sobre a vida destas comunidades.

O Cabaré Pequena Sereia

Os garimpeiros, cegos pela cobiça do ouro, ignoravam o efeito destrutivo de suas ações sobre o meio ambiente, as comunidades indígenas, e cada mulher presa à prostituição. “Se todos pudessem ver o que eu vi, sentir o que eu senti, talvez as coisas pudessem mudar”, supõe Patri. Talvez a prostituição na Amazônia pudesse ser vista sob uma luz diferente, uma luz de respeito, compreensão e empatia. Uma luz que revela a dura realidade enfrentada por tantas mulheres e comunidades indígenas na Amazônia.

Os dias passados no cabaré Pequena Sereia continuam impressos na mente de Patri, vívidos como se fossem ontem. Os rostos das índias, dos garimpeiros, dos amigos e colegas de profissão no mundo da prostituição dançam em suas memórias. Com eles, recebeu lições sobre a existência – o embate pela sobrevivência, a dor intrínseca à vida, a resistência necessária para encarar cada dia. Acima de tudo, compreendeu a relevância do respeito e da empatia para com o próximo.

As mulheres indígenas e a prostituição

As mulheres indígenas envolvidas na prostituição são mães, cuidadoras de seus filhos. Ao dar à luz outra criança, a mais velha é confiada às irmãs, às tias, às avós – a responsabilidade pela criação dos pequenos recai sobre as mulheres da tribo. Enquanto os homens se empenham na lavoura e na caça, as mulheres se dedicam à difícil tarefa de educar os jovens.

Em uma ocasião, Patri informou a uma dessas mulheres, mãe de oito filhos e incapaz de ter mais, que o hospital público realizava a esterilização de forma gratuita. No entanto, a mulher recusou-se a ir, alegando que os funcionários do hospital a tratavam mal por sua origem indígena. Patri percebeu que a vergonha marcava a mulher, agravada pelo desprezo com que os indígenas, sobretudo as mulheres, eram tratados.

A mulher estava visivelmente desolada, seus olhos expressando uma angústia profunda. Patri se ofereceu para levá-la até a cidade, falar com um médico, arranjar a cirurgia. Contudo, a mulher recusou, aterrorizada pela ideia de ser maltratada, de sofrer ainda mais. À beira do desespero, suas lágrimas silenciosamente imploravam por socorro. E, diante dessa cena, Patri se viu impotente, incapaz de fornecer o auxílio de que a mulher tanto precisava.

Patri se viu imersa na tristeza da indígena, compartilhando a sua dor. A mulher se afastou, carregando seu bebê nos braços, e Patri a observou ir, sem nada poder fazer. Foi a primeira vez que ela presenciou uma indígena em lágrimas. Sempre as via fortes, corajosas, lutadoras. Mas naquela ocasião, a vulnerabilidade e fragilidade daquela mulher ficaram expostas. E aquilo a tocou de forma inesquecível.

Patri voltou do inferno para contar ao mundo

Ao ingressar na vida do garimpo, Patri não tinha ideia do que a esperava. Ela não imaginava que seria testemunha de tanta dor, de tanta tristeza. Ela não previa que encontraria a exploração, a degradação, a violência. Ela não antevia que se depararia com a prostituição na Amazônia.

Ela viu a exploração dos indígenas pelos garimpeiros, usados como ferramentas na busca pelo ouro. Viu a degradação da floresta, a destruição da natureza. Viu a violência, a agressão, a exploração sexual. Viu a prostituição, a exploração das mulheres.

Ela viu tudo.

Frente Carolina Ramírez fornecedora da facção PCC perde carga

Este artigo detalha a recente operação contra a Frente Carolina Ramírez, um grupo criminoso ligado ao narcotráfico. Exploramos o impacto deste grupo na América Latina e a resposta das autoridades e no Primeiro Comando da Capital.

Frente Carolina Ramírez, organização criminosa acusada de assassinar quatro indígenas, está no centro de uma importante operação anti-narcotráfico liderada pelo presidente Gustavo Petro. Fornecedor do Primeiro Comando da Capital (Facção PCC 1533), o grupo tem causado um impacto significativo no cenário criminal da América Latina.

A ação contra a Frente Carolina Ramírez é uma resposta direta aos eventos de 18 de maio, quando foram acusados ​​de cometer o crime. As operações, realizadas em Caquetá, Putumayo, Guavie e Meta, resultaram na apreensão de três toneladas de maconha ‘creepy’, enfraquecendo financeiramente o grupo e impedindo a distribuição de milhões de doses no mercado ilegal.

Quer saber mais sobre a Frente Carolina Ramírez e a crescente luta contra o narcotráfico no Cone Sul? Acompanhe nossas atualizações e deixe seu comentário abaixo, participe do nosso grupo de leitores ou envie uma mensagem privada. Queremos ouvir suas opiniões e perguntas sobre essa importante questão.

Frente Carolina Ramiréz e a morte dos indígenas

Um evento alarmante envolvendo o assassinato de quatro indígenas, sendo três menores de idade, que haviam fugido de um recrutamento forçado gerou repercussão internacional e desencadeou uma resposta firme das autoridades colombianas. O crime, cometido pelo grupo criminoso conhecido como Frente Carolina Ramírez, um dos fornecedores do, levou à implementação de uma operação autorizada pelo presidente Gustavo Petro.

Em 18 de maio, a Frente Carolina Ramírez do Estado-Maior Central, divisão da antiga FARC, sob o comando de Iván Mordisco, foi acusada de cometer o crime. Esta situação fez com que o presidente ordenasse a reativação das operações ofensivas contra este grupo em Caquetá, Putumayo, Guavie e Meta, zonas de intensa atividade narcotraficante.

A logística da Frente Carolina Rodrigéz

Ontem, 6 de junho, três toneladas de maconha do tipo ‘creepy’ foram apreendidas e destruídas, em duas operações simultâneas da Procuradoria Geral da República. A primeira operação foi realizada no corregimento de Araracuara, zona rural de Solano, em Caquetá, e a segunda em La Pedrera, no Amazonas, zona fronteiriça com o Brasil.

Araracuara, situada na zona rural de Solano, em Caquetá, é uma localidade estrategicamente relevante para as operações de tráfico de drogas. A presença de aeroportos facilitam o envio de cargas ilícitas por via aérea. Contudo, quando a fiscalização aérea se torna mais intensa, os traficantes têm a opção de usar o Rio Caquetá para despachar as drogas para o Brasil.

O Rio Caquetá, com seu longo e sinuoso curso, funciona como uma rota alternativa e discreta para o transporte de substâncias ilícitas. A ausência de postos de controle efetivos ao longo do rio e a vastidão da floresta ao seu redor permitem que pequenas embarcações transportem as drogas com relativa facilidade e baixo risco de detecção.

Esta região da Colômbia tem sido historicamente marcada pelo tráfico de drogas e pela presença de grupos armados ilegais, sendo considerada uma das principais áreas de produção e expedição de cocaína e outras drogas ilícitas para outros países, incluindo o Brasil. As autoridades têm feito esforços para coibir essa atividade, mas a geografia desafiadora e a falta de recursos tornam a interdição e a prevenção do tráfico uma tarefa extremamente complexa.

La Pedrera, na Colômbia, está localizada a apenas 19 quilômetros de Vila Bittencourt, no Brasil, uma proximidade que facilita consideravelmente o trânsito ilegal de mercadorias e pessoas. O acesso entre as duas localidades é marcado por trilhas na densa floresta tropical, geralmente utilizadas por contrabandistas e traficantes de drogas.

A região é marcada por sua vasta biodiversidade, composta por uma variedade de flora e fauna únicas. No entanto, a beleza selvagem é ofuscada pela intensa atividade ilícita que acontece na zona fronteiriça, onde a fiscalização se torna um desafio devido à complexidade do terreno e à densa vegetação. A presença de grupos criminosos, a exploração ilegal de recursos e o narcotráfico são algumas das questões que assolam a área, tornando-a um ponto crítico para as autoridades de ambos os países.

18,6 milhões de Reais de prejú em um único dia

A droga estaria em trânsito para o Brasil, onde as organizações criminosas como Comando Vermelho e Primeiro Comando da Capital a distribuiriam para consumo interno. Desta maneira, a apreensão deste carregamento atinge diretamente as finanças do grupo criminoso colombiano, com um prejuízo estimado em cerca de 18,6 milhões de Reais.

Além do dano financeiro causado à organização criminosa, também se evitou a circulação de mais de dois milhões de doses no mercado ilegal internacional, mitigando a contaminação dos recursos naturais nas áreas de selva da Amazônia.

O líder do grupo é acusado de homicídios, atos criminosos, violações dos direitos humanos, violações do Direito Internacional Humanitário e confrontos com outras estruturas dedicadas ao narcotráfico. Assim, estas operações buscam enfraquecer a rede que comete crimes na Amazônia colombiana.

A Prisão: Histórica Fábrica de Injustiça, Crueldade e do PCC 1533

A narrativa desvela ‘a prisão’ no Brasil e seu papel paradoxal no fortalecimento do Primeiro Comando da Capital, contada através da jornada de Barba, o contrabandista resiliente.

A prisão, como palco de nossa narrativa, abriga uma complexa teia de realidades e conflitos humanos. Neste cenário, encontra-se Barba, um contrabandista com uma história única e poderosa. Cada detalhe de sua existência oferece um vislumbre do ciclo de crime e punição, tecendo uma relação direta com o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533).

Seus corredores sombrios ecoam com a verdadeira voz de ‘a prisão’, um chamado urgente que clama por sua atenção. Dentro de suas muralhas, a vida é um jogo de sobrevivência e o prêmio é um lugar nas fileiras do temido PCC 1533. Nossa matéria traz luz a este mundo pouco conhecido, e é um convite para que você descubra a verdade crua escondida nas sombras de ‘a prisão’.

Ao fim da leitura, sua opinião importa. Queremos ouvir o que você pensa sobre ‘a prisão’ e seu impacto no fortalecimento do PCC 1533. Deixe seus comentários no site, no nosso grupo de leitores ou envie-nos uma mensagem privada. Seja parte desta discussão importante.

Barba: De Contrabandista a Integrante do PCC

A prisão é frequentemente vista como o fim da linha para muitos. No entanto, para Mateus Cesar Rocco, também conhecido como “Barba”, foi um lugar de transformação e sobrevivência. Nascido nas ruas densamente povoadas de São Paulo, ele encontrou no crime a única forma de sobrevivência possível, e, especificamente, atuava no transporte de drogas do Paraguai para o Brasil.

Barba sempre foi resiliente, usando seus recursos para enfrentar a pobreza e a adversidade. No entanto, a prisão testou essa resiliência de maneiras que ele nunca poderia ter imaginado. Preso após uma tentativa malsucedida de contrabando, ele foi jogado no caótico sistema prisional brasileiro, um lugar que o Dr. Gerciel Gerson de Lima descreve como “um reflexo concreto de seu passado”.

A finalidade inicial da prisão era a de escravizar pessoas e transformá-las em “propriedade” – era o caso dos prisioneiros de guerra: quando não eram mortos eram presos e escravizados.

A prisão era apenas uma forma de evitar a fuga de um indivíduo, já que as penas variavam entre a morte, o suplício, a amputação, a perda de bens, ou trabalhos forçados.

A Prisão e o PCC: Como o Sistema Prisional Alimenta a Facção Criminosa

As memórias de Barba sobre as histórias dos criminosos do passado, contadas através das lentes distorcidas de Tiradentes e outras figuras históricas, ganharam vida na prisão. O tratamento brutal dos prisioneiros ecoava as punições atrozes sofridas por essas figuras históricas, conforme ilustrado por Michel Foucault na descrição da pena de Damiens.

O prisioneiro devia perdão publicamente diante da porta principal da Igreja. Lá chegava acompanhado numa carroça, nu, de camisola, carregando uma tocha de cera acesa de duas libras; … torturado nos mamilos, braços, coxas, e barrigas das pernas, suas mãos queimadas com fogo de enxofre, e às partes em que será torturado se aplicarão chumbo derretido, óleo fervente, piche em fogo, cera e enxofre derretidos conjuntamente, e a seguir seu corpo será puxado e desmembrado por quatro cavalos e seus membros e corpo consumidos ao fogo, reduzido a cinzas, e suas cinzas lançadas ao vento.

No entanto, a prisão não quebrou Barba. Em vez disso, moldou-o, endurecendo-o e ensinando-lhe as regras de sobrevivência em um ambiente brutal e desumano. Ele se juntou ao Primeiro Comando da Capital, uma das maiores organizações criminosas do Brasil, ganhando respeito e proteção por sua lealdade e sagacidade.

Barba é um lembrete vivo da realidade da prisão no Brasil e em outros países em desenvolvimento, onde a brutalidade e a desumanidade muitas vezes são mais severas do que em nações mais desenvolvidas. Ele representa os indivíduos marginalizados e sem esperança que se voltam para o crime como meio de subsistência, forçados a essa vida por uma sociedade que falhou em lhes oferecer alternativas.

Barba e a realidade da prisão que ele vive e enfrenta são um reflexo de uma sociedade que construiu sua primeira cadeia com o objetivo de controlar “pessoas sem amanhã, sem governo pra confiar e jogadas a suas próprias sorte”. No entanto, mesmo dentro desse ambiente hostil, ele encontra formas de resistir e sobreviver.

A Ironia Sombria: Quando a Prisão Fortalece, ao invés de Combater, o Crime Organizado

A narrativa de Barba não é singular, mas pinta um retrato incisivo do ciclo implacável de crime e punição que aflige incontáveis almas no Brasil e além de suas fronteiras. Ela serve como um lembrete perturbador que, enquanto ‘a prisão’ permanecer em sua forma atual, sempre haverá aqueles que, tal como Barba, serão compelidos a achar meios de sobreviver em seu interior.

Porém, essa sobrevivência não vem sem seu próprio preço sombrio. Para muitos, como Barba, o caos da prisão não serve como um fim, mas como um início distorcido. Aqueles que emergem de seus portões não estão quebrados, mas endurecidos, solidificados na resiliência forjada no calor da adversidade.

É aqui que o Primeiro Comando da Capital – PCC, a facção criminosa mais poderosa do Brasil, encontra seu ganho. Este sistema caótico e malévolo, longe de combater a criminalidade, serve apenas para alimentá-la, criando uma nova safra de criminosos endurecidos prontos para se juntar às suas fileiras.

E assim, a prisão, em vez de ser um instrumento de justiça, torna-se uma fábrica involuntária de recrutamento, preparando os indivíduos para uma vida de crime organizado. Portanto, o sistema prisional, na sua forma atual, em vez de impedir o crime, está, inadvertidamente, a promovê-lo – uma ironia sombria que não podemos ignorar.

Esta é a dura realidade de ‘a prisão’, a melancólica verdade que espreita por trás de suas paredes frias e impessoais. Uma verdade que devemos enfrentar, se alguma vez desejamos quebrar o ciclo vicioso de crime e punição que continua a assolar nossa sociedade.

originalmente escrito para o site aconteceuemitu.org em 17 de janeiro de 2012

Morte em Sorriso: Noite de Confronto Entre as facções PCC e CV

Morte em Sorriso: uma cidade pacata, foi palco de um sangrento confronto entre membros do Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV). A violência escalou, resultando na morte de dois membros do PCC e deixando a cidade em suspense: O que o futuro reserva para Sorriso, neste aparentemente interminável conflito entre facções?

Morte em Sorriso, uma tragédia que balançou os alicerces desta tranquila cidade mato-grossense. Uma noite que ilustrou a crueldade da guerra entre facções, e que permanecerá para sempre gravada na memória dos moradores. Vítimas de um confronto entre o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533) e o Comando Vermelho, deixaram suas marcas na paisagem urbana e nas almas dos que ficaram.

Presencie o drama de Elieberty, jovem de apenas 23 anos, cujo destino foi brutalmente roubado em um banho de sangue sob o manto negro da noite. Sinta a fúria de seus amigos, Paulo e Pará, que reagiram em um ato de desespero e vingança, uma sequência trágica que culminou na morte de Pará e na prisão de Paulo.

Estas são histórias que necessitam ser contadas, reflexões que devem ser feitas. Compartilhe conosco suas opiniões sobre esse episódio angustiante. Comente em nosso site, participe do nosso grupo de leitores, ou mande uma mensagem privada. Juntos, vamos dar sentido a essa “morte em Sorriso”.

Morte em Sorriso: A primeira vítima da facção PCC na batalha fatal

Sorriso, uma pitoresca cidade a 397 km de Cuiabá, parecia imersa em uma morbidez desconhecida, enquanto as trevas envolviam a cidade em um manto noturno. A violência, como uma entidade voraz, devorava as ruas pacatas, enquanto duas das mais poderosas organizações criminosas, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV), lançavam-se uma contra a outra na mais cruel das danças mortais.

Em meio ao caos, Elieberty Cruz de Oliveira, um jovem de 23 anos, membro da facção PCC, estava destinado a ser o trágico herói desta noite fatídica. Ele era um membro orgulhoso da Família 1533, um homem cuja lealdade à sua gangue tinha marcado irremediavelmente o curso de sua vida. Mas a vida, como a morte em Sorriso, podia ser tão cruel quanto imprevisível.

No bairro de São Domingos, um Gol branco surgiu de repente, carregado com os membros do Comando Vermelho. Como a morte na noite, eles se abateram sobre Elieberty, disparando tiros que cortaram o silêncio e encontraram sua marca fatal. Apesar dos esforços desesperados para salvá-lo, a morte em Sorriso tinha reivindicado sua primeira vítima.

Paulo e Pará: A busca por vingança e o destino incerto do PCC em Sorriso

Mas a noite ainda não estava acabada, e o sangue derramado de Elieberty não passou despercebido. Paulo e Pará, seus camaradas do PCC e amigos, testemunharam o horror. Transformando sua tristeza em raiva, eles montaram sua motocicleta e entraram na escuridão, em busca de vingança.

Enquanto perseguiam o Gol branco e metralhavam o “Bar do Careca”, os policiais militares foram chamados para intervir. Tentando abordar a dupla, Pará, enlouquecido pela vingança, foi atingido. A morte em Sorriso tinha reivindicado outra vítima do PCC.

Paulo, no entanto, foi preso em flagrante, sendo conduzido à delegacia para esclarecimentos. As câmeras do Programa Vigia + MT capturaram toda a cena, registrando a morte em Sorriso e fornecendo provas valiosas para a investigação em andamento.

A noite avançou, deixando para trás a prata glacial de uma pistola e a amargura da perda. Sorriso, com suas cicatrizes de batalha, ficou se perguntando – o que o futuro reserva para uma cidade dilacerada pela guerra entre as facções? Essa é a verdadeira face da morte em Sorriso – uma cidade perdida no conflito sem fim do PCC contra o CV.

texto baseado em artigo no J1 Agora: Briga entre membros de facções resulta em duas mortes em MT

Atentado Moro: a mal contada história do atentado da Facção PCC

Investigação de 2023 sobre atentado Moro envolve fantasmas da facção PCC 1533 que sumiram em 2021. A história fica mais doida ainda com a desconfiança do Presidente Lula.

Atentado Moro: mistério sinistro rola no PCC, com dois irmãos que sumiram antes de armar a parada. História pesada, com acusações, sumiços e um ataque programado contra o futuro senador. Já ouviu falar do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533)?

Os manos Nadim e Tobé, acusados de planejar o atentado Moro, podem ter sido vítimas do próprio PCC. Como é que fica a fita? Essa treta, cheia de perguntas sem resposta, desafia o raciocínio e bota a mente pra funcionar. Quer entender essa parada? Continua na leitura que o bagulho é complexo.

E aí, não esquece de deixar sua ideia no nosso site ou no grupo de leitores. Se preferir, manda uma mensagem privada pra mim, vamos trocar uma ideia. Queremos saber o que cê pensa sobre o atentado Moro e essa fita toda no PCC.

Atentado Moro: dois fantasmas investigados

Em 2023, a polícia investiga dois irmãos do Primeiro Comando da Capital, conhecidos como Nadim e Tobé. Eles foram acusados de planejar uma fita pesada em 2022, contra o futuro senador Sergio Moro. Aí que a parada fica louca, os caras sumiram do mapa lá em 2021.

A juíza Sandra Regina Soares liberou a denúncia contra os manos e mais um monte, todos acusados de fazer parte de uma organização criminosa e de armar sequestro pra extorquir. Nos papos que os caras trocavam, o nome dos dois aparecia direto, mostrando que eles eram os chefes do esquema. Nadim era o cara da célula terrorista e Tobé era o cérebro das finanças.

Os homens do Ministério Público de São Paulo acham que os caras foram condenados à morte pelo “tribunal do crime” do próprio PCC, mas ninguém sabe qual foi a real pra eles terem levado chumbo.

Atentado Moro: difícil de engolir

Agora, presta atenção na sequência: os caras tão sendo acusados em 2023 por um esquema que armaram em 2022, mas o corpo do Tobé foi achado numa vala em São Bernardo do Campo lá em 2021. E o Nadim? Sumiu no começo de 2021, deixando só o carro dele abandonado na Vila Maria, Zona Norte de Sampa.

Os irmãos faziam parte de um bonde de 13 acusados que planejaram o sequestro do senador Sergio Moro. A cana diz que quem armou a fita foi o Nefo, que tá em cana desde março desse ano.

Aí fica a questão: como é que os caras tão sendo acusados de armar uma parada em 2022 se já tavam desaparecidos ou mortos em 2021? Essa fita tá toda enrolada, mano. E ainda tem mais, depois que Nadim e Tobé sumiram do mapa, a missão foi passada pro Tuta e pro Deva, que também desapareceram. O que rolou com eles, ninguém sabe. Mas a suspeita é que encontraram o mesmo fim trágico.

Lula já Desconfiava da Fita do Atentado Moro

O presidente Lula, na função atual, mandou a letra de que tá achando que essa fita do atentado ao Moro é toda armada. De acordo com ele, a Polícia Federal tá só cumprindo a vontade do Moro, colocando o dedo nos caras da facção. E aí, o sinal de alerta tá ligado, porque a parada tá cheia de contradições que fortalecem o que Lula tá falando.

Numa correria no Rio, Lula deixou claro que não quer acusar ninguém sem prova concreta, mas não deixa de suspeitar que essa história toda é mais um jogo do Moro. “Vou descobrir o que aconteceu, é visível que é uma armação do Moro, mas vou investigar, entender o porquê dessa parada”, ele disse na lata.

Ele prosseguiu, “vamos aguardar a real. Não vou atacar sem ter prova, mas se for mais uma armação, o Moro vai ficar mais na cara ainda”. Na visão de Lula, o Moro pode estar se queimando com toda essa mentira. Mas o foco dele, Lula, não é o Moro, e sim melhorar a vida dos mais de 200 milhões de brasileiros.

Na voz, o promotor de Justiça Gakiya

Então, vê só, o Lincoln Gakiya, promotor do Gaeco, entrou numa briga da pesada em 2018, trombando de frente com o Primeiro Comando da Capital. A situação ficou braba quando ele mandou os líderes do PCC, incluindo Marcola, o cara que manda na quebrada, pra cadeia federal.

Bolsonaro, e o Moro, tão no palco da Band falando que mover o Marcola foi ideia deles. Os caras até esculacharam o Lula, dizendo que o presidente nunca teve coragem de fazer o mesmo nos tempos do governo petista. Mas o barulho de verdade, quem fez foi o MP-SP: eles disseram que a ideia de mudar o Marcola foi do Gakiya, não do Bolsonaro ou do Moro.

O Gakiya já tinha mandado a letra da transferência em novembro de 2018, mas a parada foi segurada por medo de confusão, os homens temiam que o crime fizesse um estouro. Então vem a pergunta: Se nem o Moro e nem o Bolsonaro levaram os manos do PCC pra federal, que história é essa de eles estarem na mira do PCC? Essa fita tá estranha, mano, não tá batendo.

Tribunal do Crime do PCC e a Operação Antígona do GAECO

A parada é o seguinte: contamos aqui o rolê pesado que o GAECO armou pra botar os irmãos do PCC 1533 que participavam do Tribunal do Crime do Primeiro Comando da Capital atrás das grades. O corre todo começou lá em 2017 e desenrolou 418 anos de cana pro comando.

“Tribunal do Crime”, cê sabe o que é isso, família? Aquele esquema que o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533) usa pra dar um final nos vacilões e nos inimigos. Só que o bagulho foi longe demais em 2017, quando um armeiro do PCC foi decretado em Itu, essa parada foi o estopim pra um corre pesado do GAECO, que montou a tal da Operação Antígona.

Agora a parada ficou séria, família. O Tribunal do Júri em Ribeirão Preto deu o veredito e os irmãos do PCC tão levando 418 anos de cana no total. Isso é o sistema fazendo a roda girar.

Quer saber mais sobre como o crime foi desenrolado e como os irmãos do PCC tão pagando o pato? Chega junto no site, cola no grupo de leitores ou manda uma MP pro mano que escreveu essa fita. Vamo trocar uma ideia sobre esse corre, tamo junto!

Um caso do Tribunal do Crime: 2017

Saca só, irmão, é mais ou menos assim: a parada gira em torno do investigador André de Sorocaba, de olho nos corres do Rodrigo Teixeira Lima. Esse Rodrigo era treta, trabalhava de assessor parlamentar pro Deputado José Olímpio, mas também se metia com um esquema de desmanche de carros e era o armeiro da facção PCC na área de Sorocaba.

O André tava de olho em Rodrigo, acompanhando seu passos, sabendo que tinha mais truta nessa correnteza. Parecia que o Rodrigo tava devendo pra alguém, tinha que se encontrar pra “acertar umas contas”.

Rolou um encontro, depois outro, mas o mano que queria trocar uma ideia com o Rodrigo deu cano nas duas vezes, aí um terceiro rolê foi marcado.

Aí que a fita aperta, mano. Se o sujeito tivesse pedido o endereço, talvez a parada tivesse ficado na moita, mas o cara quis se achar esperto, tentou chegar “no sapatinho”. Daí começou a chover de ligações pro Rodrigo pra encontrar o destino, só que o investigador André tava na escuta.

Desvendando a parada e desmontando o Tabuleiro do Crime

Nessa troca de ideia, o André colou que o Rodrigo ia encarar o Tribunal do Crime pra esclarecer um lance de estupro de uma mina de 13 anos. Em uma das gravações, o cara solta:

A mina que tava comigo já vazou, eu mandei a real pra ela.

Essa foi a última vez que a voz de Rodrigo ecoou no ouvido do investigador, mano. Depois, nada além de silêncio. Não demorou pra acharem o corpo do armeiro do PCC, jogado perto do rio. André, esperto, ligou os fatos e seguiu o rastro do carro até o local onde desapareceu, perto do Tietê, na beira da Estrada Parque em Itu.

Mano, a fita é essa: se o Ratinho RT, o irmão que ia levar o Rodrigo pro Tribunal do Crime, não tivesse se perdido e papagaiando no celular, talvez a parada não tivesse sido descoberta.

André que tinha granpeado o número, passou a fita para o investigador Moacir Cova, que achou a placa do Gol branco do Ratinho pelas câmeras de segurança, então conseguiram descobrir o dono do carro, que levou aos manos do Tibunal do Crime do PCC que iam julgar o suposto estuprador. Derrubaram um por um que nem castelo de cartas.

Aí fechou o ciclo, o Ratinho RT foi identificado pelo investigador Moacir Cova como o disciplina da quebrada. Tudo se encaixou, mas se o Ratinho não tivesse se perdido, talvez ninguém tivesse sido pego, e ele nunca teria sido reconhecido como o irmão disciplina de Itu do Primeiro Comando da Capital, facção PCC 1533. E é assim que funcional.

O Tribunal do Crime: 2023

Agora segura essa: seis dos irmãos do Primeiro Comando da Capital levaram cana dura na Justiça de São Paulo por mandar rolar “Tribunal do Crime” lá em Ribeirão Preto. As penas chegam a mais de 418 anos de cadeia, sacou?

“Esse ‘Tribunal do Crime’, ou ‘Tabuleiro do PCC’, é a parada que a galera organiza pra dar o troco em inimigos ou nos que furam as leis da quebrada. As sentenças vão de uma coça até uma passagem sem volta, conduzida por um Disciplina ou algum irmão de respeito no pedaço.

Operação Antígona contra o Tribunal do Crime do PCC

Essa fita foi revelada pela Operação Antígona, jogada pelo Gaeco, do MPSP, lá em 2017, quando o mano Ratinho tomou um tombo. E olha só, até um assessor de deputado tava no rolo, o que fez a política inteira tremer.

Antígona, que é o nome que o GAECO colou pra operação contra o Tribunal do Crime do PCC, tem a ver com enterrar o cara vivo. Há 2400 anos, Sófocles contou a história de uma mina, filha do Édipo, aquele carinha que se envolveu com a própria coroa, a Jocasta. Depois que ela deu as caras de novo em Tebas, a Antígona foi enterrada viva, lá no subterrâneo, numa caverna, que nem os irmãos do PCC são enterrados no sistema prisional do Brasil. Entendeu o nome?

Na última fase da Operação Antígona foi em março em São Bernardo, mandaram ver em 11 mandados, seis de busca e cinco pra prender os manos. Três integrantes do PCC acusados de botar pra decidir no ‘Tribunal do Crime’ foram para trás das muralhas.

A menor pena foi 51 anos e a maior 102

No ano passado, 2022, sete irmão também caíram por por sequestro, tortura e execução de um condenado pelo Tribunal do Crime. Além de mandar para dentro do sistema mais três dos pesados do crime organizado, os policiais encontraram mais de 11 mil ‘doletas’, uns celulares e um carro.

No fim das contas, a parada de Ribeirão não tinha nada a ver com a de Itu, mas deu força para o GAECO tocar a operação e agora sobrou pra esses nove manos ligados à cúpula do PCC em Ribeirão Preto, os responsas por organizar e mandar ver nos ‘tabuleiros’ de lá.”

No Tribunal de Justiça de São Paulo, os julgamentos foram divididos em cinco júris populares, rolou entre 2021 e 2023. Os irmãos do PCC responderam por homicídio, sequestro, ocultação de cadáver e organização criminosa. Tinha até uma mina entre os condenados. As penas foram de 51 a 102 anos de prisão.

A investigação, encabeçada pelos promotores Marcos Rioli e Giullio Chieregatti Saraiva, começou depois de um vídeo que mostra três irmãos do PCC dando fim a um rival com golpes de podão, uma espécie de facão de lavoura. Entendeu a fita, mano?

Central de Comunicação da facção PCC: Operação Grajaú On-line

Vamos mergulhar no mundo da “central de comunicação” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533), explorando suas origens, seus perigos e um caso recente envolvendo mais de 300 integrantes da facção.

“Central de comunicação” é a chave para desvendarmos juntos as complexas teias de informação tecidas pelo Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533). Depois de embarcar conosco nessa viagem fascinante, convidamos você a compartilhar seus pensamentos e impressões conosco – seja aqui no site, no nosso grupo de leitores ou através de uma mensagem direta.

Na primeira parte, voltamos no tempo para descobrir as raízes das centrais telefônicas – uma ferramenta crucial que impulsionou o crescimento da facção, mas que também trouxe riscos significativos para seus membros. Na segunda parte, revisitamos casos reais de 2012, onde a desmantelamento de uma dessas centrais resultou na prisão de vários membros.

Finalmente, na última parte, vamos ao coração do caso atual que envolve mais de 300 indivíduos ligados à facção. Esperamos que você nos acompanhe nessa viagem intrigante, e ansiamos para ouvir suas opiniões e insights!

Rede de Comunicação da facção PCC: origem

A revolução da comunicação trazida pelos celulares e o Whatsapp mudou o cenário global, incluindo o domínio do crime organizado. A rede de comunicação do Primeiro Comando da Capital, não é diferente, apesar do seu método eficaz de comunicação se estender muito antes da existência dessas ferramentas.

No ano de 2007, a facção PCC executou uma manobra brilhante, a criação de “centrais telefônicas” descentralizadas. Uma época em que os celulares eram quase inexistentes e a rede de comunicação era dominada por linhas fixas. Estas “centrais”, que operavam por linhas dedicadas, proviam o nível de privacidade necessária nas conversas.

O método usual era um familiar de um integrante preso alugar uma casa exclusivamente para receber ligações de vários presídios e intermediar os contatos com a rua e lideranças. O sistema funcionava eficientemente. Ocasionalmente, uma central era descoberta em uma operação policial ou por acaso, e as autoridades proclamavam ter desmantelado as comunicações do PCC. Um acontecimento similar ocorreu recentemente com a descoberta de um grupo de Whatsapp, no qual membros da facção relatavam a chegada da polícia.

Em 2007, a rede de comunicação da facção PCC englobava um sistema híbrido com telefones fixos, celulares, rádios e dispositivos Nextel. Com a chegada do Whatsapp em 2009, rapidamente se tornou parte integrante da rede. Mesmo com a evolução tecnológica, a estratégia fundamental dessa rede de comunicação permanece a mesma na facção até hoje. Embora as autoridades reiterem que estão no controle, a realidade dessa complexa rede de comunicação sugere um cenário diferente.

A Rede de Comunicação do Irmão Japa

Keiti Luiz, mais conhecido como “irmão Japa” do Primeiro Comando da Capital, já havia sido mencionado neste site em 28 de fevereiro de 2012 por suas conversas telefônicas, nas quais expressava receio de que sua linha pudesse estar sendo monitorada pela polícia.

Normalmente residente no Presídio de Avaré, Japa repreendeu um colega que ousou perguntar ao telefone sobre uma “fita de maconha”. Ele estava plenamente ciente de que tais conversas telefônicas poderiam ser monitoradas, uma suspeita confirmada pelo investigador de polícia Moacir Cova, que passou os últimos 50 dias escutando suas conversas.

Japa tentou moderar seu comportamento, mas a mudança na linguagem não o salvou de uma futura condenação. Em uma ocasião, ordenou que um “brinquedinho” – supostamente uma arma escondida – fosse buscado na casa de um comparsa, dono de um bar, que possivelmente guardava uma pistola Imbel.

Para evitar maiores problemas, Japa decidiu parar de discutir assuntos sensíveis ao telefone, um hábito adquirido após notar que seus adversários começaram a ser presos, um a um, após conversarem com ele por telefone sobre armas ou drogas.

Apesar dos esforços de Japa para limitar suas comunicações, outros estavam dispostos a falar por ele. Luiz Carlos, conhecido como irmão Piloto, um traficante de Salto, mencionou Japa em uma conversa telefônica enquanto procurava por drogas. Outro associado, Maia, também se referiu a Japa durante uma ligação, buscando um fornecimento quando seu próprio estoque estava baixo.

Passando celulares para confundir a polícia

No meio dessas tramas intrincadas, temos o caso de Fernando, de Indaiatuba, que pediu um empréstimo de dez mil reais a Japa para “fazer mercado” e teve que trocar os telefones que Japa estava usando por drogas, para confundir a polícia. O dinheiro foi entregue na casa de Márcia, esposa de Fernando, mas a polícia não se confundiu não.

Existe também a intrigante questão do relacionamento entre Japa, Palha e Delei. Delei era um revendedor de Japa, ou pelo menos foi o que ele afirmou para o traficante Palha. No entanto, Palha não sabia que Japa havia proibido Delei de vender drogas para ele, então Delei encontrou outra fonte para adquirir o produto. Tudo isso foi relatado pelo investigador Moacir Cova, que acompanhava as gravações telefônicas.

As drogas de Japa estavam escondidas na casa da irmã de um colega. Não se sabe se ela estava ciente disso, mas é mais uma prova da natureza familiar do PCC. Japa também tinha controle sobre uma “central de comunicação” localizada na cidade de Itu. Outro personagem que caiu por causa do monitoramento nessa “central de comunicação” de Japa, foi o irmão Cara de Bola que havia comprado as biqueiras nas quebradas da cidade.

Normalmente, este blog transformaria esses episódios em artigos detalhados, mas por hoje essas histórias se tornaram apenas comentários breves. É uma pena, pois é um material rico que, em outras circunstâncias, seria explorado de maneira mais aprofundada, mas menciono aqui apenas para contextualizar o caso que agora vem à tona, com a polícia ganhando espaço na imprensa por derrubar um grupo de WhatsApp do PCC — desculpe, eu não ia rir sozinho.

Julho de 2023: Polícia derruba central de comunicação do PCC

Se os caras passar aqui na Rubi, nós vai mandar o ‘salve’, falou?

informa um membro do grupo do PCC

A Operação Grajaú On-line foi lançada com o objetivo de cumprir 31 mandados de prisão temporária e 40 de busca e apreensão, visando desmantelar uma rede organizada pelo Primeiro Comando da Capital, principalmente em Santana de Parnaíba e Grajaú na zona sul de São Paulo.

Os criminosos utilizavam um grupo do WhatsApp denominado “Original Florim” com 366 membros para monitorar as atividades policiais em tempo real e alertar seus integrantes, evitando assim a detenção de foragidos da Justiça, além de prejuízos nos pontos de drogas e a prisão de patrões e dos moleques dos corres.

Caíram áudios que revelam alertas sobre a presença ou chegada da Polícia Militar, Polícia Civil e Guarda Civil Municipal em locais de venda de drogas e pontos de acesso, revelando a eficácia do sistema de comunicação em tempo real. Devido à operação, um indivíduo foi preso em flagrante por tráfico de drogas e seis outros foram indiciados. Além disso, 13 pessoas foram identificadas, incluindo o “disciplina” da região, responsável por manter a ordem na comunidade.

A Polícia Civil segue empenhada na identificação dos membros restantes do “Original Florim” e investiga a possível existência de outros grupos similares operando no WhatsApp. Entre os áudios analisados, há menções de suspeitas de policiais infiltrados no grupo central de comunicação:

Tira esse número do grupo, aí, mano. Tá na mão dos caras, entendeu?

outro avisando que um dos celulares caiu na mão da polícia

Conselho de Pai, sintonia geral da cidade da facção PCC 1533

Este artigo explora o tema “Conselho de Pai” através da lente da história de Júlio César, também conhecido como irmão Preto do Jardim Vitória. Preto, um líder influente da facção PCC 1533, tenta guiar seu filho para longe do mundo do crime, oferecendo uma perspectiva única sobre o impacto da orientação paternal no submundo do crime.

“Conselho de pai” é o fio condutor desta narrativa envolvente, explorando a intersecção entre fé, família e destino. Destacamos a história de Júlio César, conhecido como Preto, um líder influente no Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), que tenta orientar seu filho para um caminho longe do crime. Esta história, embora situada em uma realidade dura, oferece uma perspectiva única sobre o poder e a influência da orientação paterna.

Neste texto, encontramos um contraste fascinante entre a sabedoria bíblica do Rei Salomão e o “conselho de pai” oferecido por Preto a seu filho. Mesmo em circunstâncias adversas, o desejo de guiar e proteger prevalece, proporcionando uma janela para as complexidades humanas dentro do mundo do tráfico de drogas. Através desta perspectiva única, somos convidados a refletir sobre o valor da orientação paternal, independentemente do contexto.

Originalmente escrito em janeiro de 2012, este artigo agora ressurge, convidando leitores a mergulharem nesta história de paternidade, destino e escolha. Adoraríamos ouvir seus pensamentos. Por favor, sinta-se à vontade para comentar no site, no nosso grupo de leitores ou mandar uma mensagem privada para mim. Participe desta discussão rica e complexa sobre o “conselho de pai”.

Conselho de Pai: Salomão e Irmão Preto do PCC

O respeito aos pais, uma premissa central da fé cristã, é um pilar frequentemente questionado na sociedade moderna. Atualmente, muitos jovens tendem a dispensar o “conselho de pai”, optando por forjar seu próprio caminho. Em vez de se voltar para a sabedoria da família, eles procuram orientação em seus amigos e na mídia, como a televisão.

Em meio a este contexto, a Bíblia fornece várias advertências sobre as consequências da negligência do “conselho de pai”. Mesmo que a fé religiosa seja deixada de lado, a sabedoria paterna continua a ter valor pelo seu profundo entendimento das complexidades da vida.

Um exemplo marcante dessa sabedoria é encontrado nas palavras do Rei Salomão, personagem bíblico renomado por sua inteligência. Ele aconselhava fortemente seus filhos a honrar as palavras de sua mãe:

Elas serão uma coroa de graça para a tua cabeça e colares para o teu pescoço. Meu filho, se os pecadores quiserem te seduzir, não consintas.

O rei Salomão enfatizava a importância de seguir o “conselho de pai” para garantir “longos dias, anos de vida e paz”.

Primeiro Comando da Capital: O Impacto do Conselho Paternal no Submundo do Crime

Surpreendentemente, essa vontade de guiar e proteger também pode ser encontrada em Júlio César, conhecido como irmão Preto do Jardim Vitória, o sintonia geral de Itu, membro destacado do Primeiro Comando da Capital. Apesar de ser uma figura importante no tráfico de drogas, e comandar Preto tenta manter seu filho longe desse caminho perigoso.

Preto fornece um “conselho de pai” do interior de uma cela de prisão, suas palavras parecendo ecoar as de Salomão.

Aí, a fita é o seguinte mano, se liga só na fita, você não tem tempo não mano, para curtir não. Procura ganhar um dinheiro, daqui uns dias aí, vai estar guardando dinheiro no banco, comprando um carro, reformando sua casa, ou construindo uma casa aí no fundo para você, entendeu mano.

Reflexões sobre o Conselho de Pai: De 2012 até Hoje

A vida de Preto é marcada pelo arrependimento, apesar de sua posição de liderança na organização criminosa. Ele reconhece a brutalidade da vida no tráfico e deseja um destino diferente para seu filho. O filho de Preto parece acolher esse “conselho de pai”, respondendo com esperança:

Essa é minha intenção, aí ó!

No entanto, a história de Roboão, filho de Salomão, serve como um aviso. Ignorando o “conselho de pai”, Roboão sofreu grandes perdas após a morte de Salomão. Assim, o destino pode estar aguardando o filho de Preto, demonstrando que mesmo as melhores intenções podem ser superadas pelo inevitável.

Ficha Psicossocial de Preto

Júlio César, mais conhecido como irmão Preto, é uma figura multifacetada, que ao mesmo tempo em que exerce papel de líder no Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), também é pai preocupado com o futuro de seu filho.

Psicologicamente, Preto apresenta uma combinação de pragmatismo brutal e profundo amor paternal. Apesar de suas ações criminosas, ele é claramente motivado por um forte senso de responsabilidade paternal. Ele é consciente das implicações de suas escolhas e busca fervorosamente desencorajar seu filho de seguir seu caminho. Sua comunicação revela uma tentativa de orientar seu filho a partir de sua própria experiência, provando que, apesar do ambiente brutal em que se encontra, o instinto paternal não é suprimido.

Sociologicamente, Preto é um produto do ambiente em que vive. Ele pertence a uma facção criminosa poderosa e exerce uma posição de liderança dentro dela. No entanto, sua vida no crime o levou a uma existência solitária na prisão, que ele descreve de maneira triste. Essa visão de sua situação indica que ele compreende as implicações de suas ações e o efeito destrutivo que elas tiveram em sua vida e na vida de outros.

Preto, portanto, é um personagem complexo. Enquanto líder criminoso, ele personifica a face dura e inescrupulosa do crime organizado. No entanto, como pai, ele encarna a essência de um homem que quer proteger seu filho dos perigos que ele próprio não conseguiu evitar. Seu perfil psicossocial, portanto, é um estudo sobre as contradições humanas e a complexidade do amor paternal, mesmo nas circunstâncias mais adversas.

Esse texto foi publicado originalmente em 9 de janeiro de 2012 no site aconteceuemitu.org

“A Guerra dos Mundos” e a Ascensão da facção PCC 1533

Este artigo compara “A Guerra dos Mundos” com a ascensão do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), demonstrando como a sociedade lida com ameaças desconhecidas e a necessidade de estratégias efetivas.

No fascinante “Guerra dos Mundos” de H.G. Wells, descobri paralelos impressionantes com a realidade brasileira do “Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533)”. Prepare-se, vou te levar nessa viagem intrigante.

Vamos explorar como, tanto na ficção quanto na realidade, as pessoas reagem a ameaças antes inimagináveis. Marcianos invasores ou o surgimento de uma organização criminosa poderosa, ambos os cenários desafiam nossas percepções e exigem respostas firmes.

E aqui vem a reviravolta: no final, faço uma ligação entre a “Guerra dos Mundos” e a histórica Guerra de Canudos. Quer descobrir como? Confira e, depois, adoraria ouvir suas ideias! Deixe seus comentários no site, no nosso grupo de leitores, ou envie-me uma mensagem direta. Mal posso esperar para saber o que você acha!

Paralelos Inquietantes: “A Guerra dos Mundos” e a facção PCC

Nessa minha folga, decidi tirar a poeira de livros há muito tempo começados e abandonados. O primeiro que finalizei foi “A Guerra dos Mundos” de H. G. Wells e, claro, não consegui evitar fazer comparações com a situação do Primeiro Comando da Capital.

Intrigante como consigo encontrar correspondências mesmo em contextos distintos. Apesar das diferenças, vejo muitas similaridades entre a obra de Wells e a origem e ascensão da facção PCC 1533 no Brasil.

No livro de Wells, marcianos invadem a Terra sem aviso prévio, empregando tecnologia superior para rapidamente dominar a humanidade. A sociedade humana, avançada e confiante, não está preparada para este inimigo desconhecido e mais poderoso. Isso resulta em caos e destruição em massa, deixando as pessoas desesperadas e impotentes.

Guerra dos Mundos: alienígenas e criminosos

A situação do PCC tem semelhanças notáveis. O grupo criminoso emergiu dentro do sistema prisional brasileiro na década de 1990, um resultado não planejado de políticas de Segurança Pública e de práticas de encarceramento desumanas e segregadoras. Assim como os marcianos no livro de Wells, o PCC era inicialmente um inimigo desconhecido e invisível para muitos. No entanto, tornou-se rapidamente uma força poderosa e influente, instigando medo e insegurança na sociedade brasileira.

As semelhanças continuam na maneira como a sociedade e as autoridades reagiram em ambos os casos. Em “A Guerra dos Mundos”, líderes e militares mundiais inicialmente subestimam a ameaça marciana, até que é tarde demais. Da mesma forma, o PCC foi inicialmente ignorado ou subestimado pelos líderes políticos e pela polícia, que não possuíam estratégias eficazes para lidar com esse novo tipo de crime organizado. O resultado foi um crescimento da violência e da criminalidade, com o PCC expandindo sua influência por todo o Brasil e até mesmo além de suas fronteiras.

O Governador Mário Covas, que Deus o tenha em Seu Reino, bradou aos sete ventos que não existia a facção criminosa que dominava presídios, impondo aos detentos uma lei de cão… Foram sete anos negando até que a realidade chutou sua porta. Muita gente morreu e sofreu enquanto ele tapava o sol com a peneira, e nós, todos nós, incluindo você não queríamos ver.

A organização criminosa expande sua atuação

Em ambos os cenários, havia pessoas que tentaram alertar a sociedade por meio da imprensa ou em conversas pessoais sobre a catástrofe iminente. No entanto, esses indivíduos foram ignorados ou ridicularizados, situação retratada no filme “Não Olhe Para Cima”. Experimentamos situação semelhante aqui, com pesquisadores, principalmente aqueles ligados às universidades, sendo menosprezados por apontarem o problema que estava sendo gerado dentro de nosso sistema prisional.

Invasão Comparada: ‘A Guerra dos Mundos’ e a Ascensão do PCC

Assim como os terráqueos do livro, o Estado buscou o confronto direto com a facção PCC, utilizando seu máximo poderio bélico contra o inimigo. Em “A Guerra dos Mundos”, o resultado foi a destruição de Londres, escassos danos aos alienígenas e a ampliação de seu domínio. Na nossa realidade, apesar da disparidade de forças, o Estado conseguiu inicialmente exibir muitos corpos à imprensa, presos ou mortos. No entanto, em relação ao contingente, a vitória foi mínima, permitindo que a facção dominasse todos os presídios e grande parte das periferias das grandes cidades, além de uma rápida e consolidada expansão.

Em “A Guerra dos Mundos”, as pessoas confrontam uma força alienígena além de seu entendimento ou controle, causando pânico e desordem generalizada. As estruturas sociais e políticas que geralmente proporcionam segurança e estabilidade desintegram-se rapidamente diante dessa ameaça desconhecida. Isso espelha reações humanas comuns ao medo e à incerteza: desorientação, negação, raiva, pânico e, por fim, desespero.

A ascensão do PCC provocou reações similares na sociedade brasileira. A facção paulista PCC é uma força poderosa que atua fora do controle das autoridades, instigando medo e incerteza. Muitos se sentem impotentes e frustrados, pois as estruturas sociais e políticas parecem incapazes de lidar com essa ameaça. Isso pode levar ao desencanto com as instituições, sentimentos de desesperança e, em alguns casos, à resignada aceitação do PCC como uma realidade inevitável.

A Política e a Organização Criminosa

O resultado na nossa sociedade é o uso do “Primeiro Comando da Capital” como argumento discursivo por todas as vertentes políticas para angariar votos. Isso é feito seja pela exploração do sucesso de suas ações no combate à facção, seja pela exploração da incapacidade do outro lado em controlar o problema. A manipulação do pânico, medo e incerteza é uma ferramenta política frequentemente utilizada.

Não, senhores liberais conservadores, não foram os governos de esquerda do PT ou o ‘isentão’ PSDB que geraram a facção PCC! Ela foi gerada em um ambiente liberal e conservador.

PCC: PT PSDB, quem é o pai da criança?

Tanto “A Guerra dos Mundos” quanto a ascensão do PCC revelam as falhas e fragilidades das nossas instituições sociais. Em ambos os casos, é evidente que a sociedade não está preparada para lidar com esses desafios, e as estruturas existentes são insuficientes ou inadequadas. Isso pode provocar uma crise de confiança nas instituições e na liderança, bem como mudanças sociais e políticas radicais.

A presença de uma ameaça persistente e incontrolável como os marcianos ou o PCC pode afetar significativamente a saúde mental das pessoas. Isso pode resultar em ansiedade crônica, estresse, depressão e outros problemas de saúde mental. Também pode levar a um estado de hipervigilância, onde as pessoas estão constantemente à espera do próximo ataque ou ameaça. Esses fenômenos físicos e psicológicos podem levar os indivíduos a tomarem atitudes equivocadas, seja por desespero, seja por terem simplesmente abandonado a luta.

Nós, o padre e o artilheiro

Em “A Guerra dos Mundos”, o padre e o artilheiro adotam estratégias muito diferentes para lidar com a invasão marciana. O padre, perdendo a esperança e a fé, se entrega à desesperança e ao desespero. Já o artilheiro tenta se adaptar à nova realidade.

Observamos nossa sociedade dividida em dois grupos distintos. O primeiro, assemelhando-se ao padre, deposita sua fé na resolução do problema pela intervenção de um poder superior, no caso, o Estado e suas forças policiais. No entanto, a cada ano, esses veem suas esperanças cada vez mais distantes.

Existem aqueles que, como o padre, entram em desespero diante de uma ameaça aparentemente insuperável. Eles se rendem ao medo e põem sua fé em dúvida, optando pela rendição em vez da luta. O desespero do padre e sua incapacidade de se adaptar à nova realidade culminam em sua eventual morte pelas mãos dos marcianos.

O pragmático artilheiro

Por outro lado, o artilheiro, um personagem mais pragmático, busca desenvolver estratégias para sobreviver no novo mundo dominado pelos marcianos. Concebe um plano para viver nas tubulações de esgoto e, eventualmente, lançar uma resistência contra os marcianos. Apesar de suas ideias serem extremas e, por vezes, desumanas, ele tenta se adaptar, sobreviver e resistir, com o objetivo de, no futuro, infiltrar-se e vencer os inimigos utilizando sua própria tecnologia e suas fragilidades.

Existem aqueles que, como o “artilheiro”, buscam desenvolver um planejamento de resistência a longo prazo, mesmo aceitando a inconveniência da convivência com o grupo criminoso. No entanto, assim como o artilheiro, algumas dessas abordagens podem ser extremas e até mesmo contraproducentes, como a adoção de políticas de segurança pública muito severas que não abordam as raízes sociais e econômicas do crime organizado, e o enraizamento que a organização pode alcançar após um certo tempo no poder.

Encontrando o meio termo

Em ambos os cenários, a solução ideal provavelmente se encontra em algum lugar entre esses dois extremos. É necessária uma abordagem equilibrada que reconheça a gravidade da ameaça representada pelo PCC, mas que também busque soluções eficazes e sustentáveis baseadas em políticas sociais justas, reformas prisionais e judiciais, e melhor treinamento e apoio para a polícia.

Em última análise, tanto “A Guerra dos Mundos” quanto a situação do PCC nos lembram que a sociedade frequentemente não está preparada para enfrentar ameaças desconhecidas e poderosas, sejam elas de invasores alienígenas ou do crime organizado. Em ambos os casos, é necessária uma abordagem proativa e adaptável para enfrentar essas ameaças e proteger a sociedade.

Por último, também existem diferenças significativas entre os dois casos. Por exemplo, a ameaça marciana é externa e claramente maligna, enquanto o PCC é um produto das condições sociais e políticas internas do Brasil. Além disso, enquanto os marcianos são derrotados por uma doença, é menos claro como o problema do crime organizado pode ser resolvido. Isso exige uma abordagem multifacetada, incluindo políticas sociais e econômicas justas, reforma do sistema prisional e judiciário, e melhor treinamento e apoio para a polícia.

A Guerra dos Mundos e Canudos: Opressão além da Ficção

Em 1897, enquanto H.G. Wells trazia ao mundo a narrativa de “A Guerra dos Mundos”, onde uma sociedade bem-estruturada era atacada e dizimada por marcianos superiores, algo semelhante, porém cruelmente real, acontecia no sertão da Bahia, Brasil. Canudos, uma comunidade autônoma e estruturada, era cercada e atacada pelas forças do recém-estabelecido governo republicano brasileiro.

Ambas as histórias, uma fictícia e a outra tristemente real, trazem paralelos inquietantes de sociedades sendo oprimidas por forças invasoras.

Os marcianos de Wells eram uma força estrangeira tecnologicamente superior que, impiedosamente, sugavam o sangue dos seres humanos para se sustentarem. A imagem dos alienígenas consumindo o sangue humano é uma metáfora literal da exploração e do roubo de recursos pelos invasores, um reflexo grotesco da exploração colonial que marcou a história humana.

Já em Canudos, o governo brasileiro representava uma força autoritária que, com o pretexto de unificar a nação sob a nova bandeira republicana, destruiu uma comunidade que procurava viver segundo suas próprias regras e convicções. Milhares foram mortos e Canudos foi erradicada, numa demonstração brutal do poder estatal de subjugar seu próprio povo.

Marcianos, Canudos e o Mundo Moderno

A opressão narrada tanto em “A Guerra dos Mundos” quanto na “Guerra de Canudos” não é um fenômeno relegado ao passado. Hoje, continuamos a testemunhar a dominação de estruturas de poder econômico e estatal sobre as pessoas, especialmente as mais vulneráveis.

Nos vemos diante de forças corporativas e governamentais que, em busca de lucro e controle, exploram trabalhadores, consomem recursos naturais de maneira insustentável e ignoram as necessidades das comunidades marginalizadas.

Da mesma forma que os marcianos sugavam o sangue dos humanos e o governo republicano esmagava a resistência em Canudos, as forças do capitalismo moderno e os governos complacentes muitas vezes ignoram os direitos humanos e a justiça social em nome do progresso e da ordem.

Essa opressão, embora menos visível do que os marcianos de Wells ou as tropas em Canudos, é igualmente devastadora e exige resistência e mudança.

A história nos ensina que é possível resistir e, eventualmente, transformar as estruturas de poder opressivas. Hoje, assim como nos tempos de “A Guerra dos Mundos” e Canudos, a responsabilidade recai sobre nós para garantir que nossa sociedade não seja vítima de invasores, sejam eles marcianos fictícios, governos autoritários ou forças econômicas desenfreadas.

Podemos agir diante dessa situação como os personagens do livro de Wells: o padre, o artilheiro ou o narrador. No entanto, o que não podemos fazer é ignorar o que está se passando e acreditar que a situação não chegará até nós.

O Anjo da Guarda no Clube Comerciários de Itu e a facção PCC

“Anjo da Guarda” traz uma narrativa surpreendente, misturando elementos do sobrenatural com a dura realidade das ruas. O conto explora o papel protetor dessas entidades espirituais durante uma noite turbulenta que se desenrola em um clube noturno e nas ruas da cidade, envolvendo até o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533).

“Anjo da guarda” não é apenas um conceito religioso, mas uma força que pode atuar de maneiras inesperadas. Nesta narrativa, acompanhe um anjo em uma noite cheia de desafios, em um ambiente pouco comum para estas criaturas celestiais. No Clube Comerciários de Itu, nosso anjo precisa intervir em uma briga entre mulheres.

A complexidade da situação aumenta quando se torna aparente que o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533) tem interesse na resolução rápida da confusão. Este relato traz à tona como forças divinas e humanas podem se intercalar, e como o inesperado pode ser um instrumento de paz e resolução.

Esta história, originalmente escrita em dezembro de 2011, nos lembra da importância de buscar compreender o incomum e o sobrenatural. Convidamos todos os nossos leitores a compartilhar suas opiniões e reflexões sobre a narrativa no site, em nosso grupo de leitores ou através de mensagens privadas.

Anjo da Guarda pede ajuda ao Disciplina Primeiro Comando da Capital

Dizem aos anjos-da-guarda para nunca escolherem suas missões, e naquele instante, ele entendia o porquê.

A mãe daquela menina sempre ensinara que a noite era para repouso, um momento para recuperar as forças após um longo dia de labuta e estudo. Que os anjos cuidavam dos que descansavam em seus lares, mantendo-os em paz. Mas ela estava errada. A noite era um campo aberto para aventuras e paixões, para a dança, para os encontros e desencontros. Era quando os anjos tinham que estar mais vigilantes, protegendo aqueles que buscavam diversão nas ruas, pontos de encontro e clubes.

O anjo-da-guarda que tinha a missão de proteger a jovem estava exausto. Apesar disso, ele a tinha escolhido. Depois de inúmeras gerações protegendo homens que frequentemente se metiam em confusões mortais por motivos banais, ele desejou uma mudança. As mulheres pareciam mais sensatas, pensou ele, que era por evitar conflitos desnecessários.

Agora, no entanto, ele questionava sua escolha. Talvez seu superior tivesse feito uma brincadeira de mau gosto ao designar sua protegida. Ela estava no Clube Comerciários em Itu, um local onde ele já havia testemunhado uma briga que acabou com uma alma enviada ao inferno. Agora, ele via sua protegida envolvida em uma confusão semelhante…

Anjo da Guarda e a briga de mulheres no clube

Lauren Cristiane acabara de levar um soco. Ela afirmou que estava apenas passando perto de um trio de mulheres quando alguém esbarrou em suas bebidas, desencadeando uma reação violenta. Elaine Cristiane, que estava por perto, testemunhou que Lauren levou a culpa sem merecer. A verdadeira culpada foi uma mulher com cabelos kanekalon que havia causado o acidente. Mas em meio à confusão, Lauren foi a primeira a ser agarrada.

Os seguranças do Clube Comerciários, Valdemar e Edilson, intervieram. Eram parte da equipe comandada pelo temido e respeitado investigador Moacir Cova, uma figura cuja reputação sempre precedia seu nome. Rapidamente, eles agiram para interromper a confusão, colocando as duas mulheres para fora do clube. De alguma forma, o anjo da guarda sussurrou em seus ouvidos, alertando-os do perigo de haver um derramamento de sangue.

No entanto, a raiva não se dissipou. Os grupos de mulheres, longe de se acalmarem, continuaram a se agredir em frente ao clube. No entanto, o lugar era conhecido por outro tipo de atividade noturna – o comércio de drogas. Era um dos pontos mais lucrativos de Itu, gerenciado pelos traficantes do Primeiro Comando da Capital. Eles observavam as mulheres, preocupados que a atenção indesejada que a briga estava atraindo pudesse prejudicar seus negócios.

Nesse momento, o anjo-da-guarda interveio novamente. Dessa vez, ele alertou os traficantes sobre os riscos que a continuação do conflito poderia acarretar. Eles entenderam o recado e agiram, colocando um fim à briga para evitar atrair mais atenção para o local. Assim, mesmo que de maneira inusitada, o anjo conseguiu proteger sua protegida. Mas a lição estava aprendida – nunca mais escolheria uma missão.

O desfecho se dá na Justiça dos homens

Após a tempestade, Lauren, a protegida do anjo, tomou uma decisão. Inconformada com a injustiça, ela foi à Delegacia da Mulher DDM de Itu durante a semana, determinada a dar seu depoimento. Encontrou a Guarda Civil Municipal Doralice de plantão naquele dia. A história foi contada em detalhes, com Lauren descrevendo a agressora: uma garota de 1,70m, cabelos castanhos escuros presos em rabo de cavalo, magra, de rosto fino e branco, com uma tatuagem na barriga. A mulher foi identificada como Camila.

Uma testemunha que estava presente corroborou a história de Lauren. Ela afirmou que Camila havia se gabado de sua suposta imunidade, dizendo que todos deveriam saber com quem estavam mexendo. No entanto, essa arrogância não foi bem recebida pelo juiz de direito, Dr. Hélio Villaça Furukawa, que não estava impressionado com tais ameaças.

De acordo com a sentença do Dr. Furukawa, Camila foi condenada a pagar ao Instituto Formando Gente a quantia de R$ 800,00. A justiça havia sido feita, graças à coragem de Lauren, ao trabalho diligente da GCM Doralice e à intervenção oportuna do anjo-da-guarda. Mas a lição ainda ressoava – os anjos-da-guarda nunca devem escolher suas missões.

texto publicado originalmente em dezembro de 2011 no site: aconteceuemitu.org

Armas do Paquistão nas Mãos do Primeiro Comando da Capital

Neste artigo, exploramos a intrigante transação entre o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533) do Brasil e a máfia ‘Ndrangheta da Itália. Em um trama que desafia a imaginação, estas entidades trocam “Armas do Paquistão” por cocaína, criando uma rede de crime internacional que desafia a lei e a ordem.


“Armas do Paquistão” – duas palavras simples, mas capazes de abrir um labirinto de sombras e segredos. Adentre neste emaranhado onde o perigo se esconde a cada esquina. Nesta trama, o Primeiro Comando da Capital (Facção PCC 1533), uma facção brasileira, une-se ao obscuro mundo da ‘Ndrangheta italiana, em uma aliança envolta em mistério.

A revelação dessa parceria, uma inquietante descoberta, é o convite para uma jornada que promete te transportar para o submundo da criminalidade internacional. Prepare-se para mergulhar na trama que une Brasil e Itália de uma maneira nunca antes imaginada.

Após a leitura, espero por seus comentários e reflexões. Deixe sua opinião no nosso site, compartilhe suas impressões nos grupos de leitores do WhatsApp ou envie uma mensagem privada para mim. Sua participação enriquece o debate!

Armas do Paquistão via ‘Ndrangueta

As armas do Paquistão encontraram seu caminho até o Brasil, adquiridas de forma sinistra pelo Primeiro Comando da Capital. A poderosa facção criminosa conseguiu essa façanha em troca de cocaína, um acordo fechado com a ‘Ndrangheta, uma organização mafiosa sediada na Calábria, Itália. A surpreendente revelação foi feita pelos incansáveis oficiais da Direção Antimáfia Italiana (DIA), culminando na prisão de 132 suspeitos.

Longe de serem apenas organizações criminosas, a ‘Ndrangheta e o PCC agem como epicentros de vastas federações criminosas. Uma colcha de retalhos de culturas, base e origem, estão enraizadas em nações diferentes, permeando diversos continentes. Enquanto a ‘Ndrangheta mantém sua fortaleza na Calábria italiana, o PCC opera predominantemente no sudeste do Brasil.

O envolvimento da ‘Ndrangheta no tráfico de armas internacional foi desmascarado. Uma operação que revelou o envio de armas do Paquistão ao PCC em troca de remessas de cocaína. Nessa sinistra rede de crime, um padrão de lavagem de dinheiro foi revelado, com “investimentos massivos na Bélgica, Alemanha, Itália, Portugal, Argentina, Uruguai e Brasil”.

Conexões Insólitas, a Estrada para o Velho Continente

Embora distintas, essas organizações estabeleceram laços perturbadores. O tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro são apenas algumas de suas atividades conjuntas. A parceria sinistra levou toneladas de cocaína da América do Sul para a Europa.

Os primeiros indícios dessa aliança sombria surgiram em 2014, revelados durante a Operação Overseas da Polícia Federal brasileira. Este projeto expôs uma rede que incluía a ‘Ndrangheta italiana, criminosos colombianos e a máfia sérvia, todos unidos na tarefa de transportar cocaína para a Europa.

A maior parte da cocaína entrava pelos portos da Antuérpia, na Bélgica, Roterdã, na Holanda e de Gioia Tauro, na Calábria, sul da Itália.

Ao desembarcar na Europa, a droga passava para as mãos habilidosas da máfia sérvia. Conhecidos por operar discretamente ao redor do mundo, eles garantiam a distribuição final da mercadoria, tecendo uma complexa rede de contatos e intermediários.

Uma Antiga Ligação, Clã Šarić e o Porto de Santos

Embora a união entre a máfia sérvia e a facção PCC seja conhecida apenas desde 2014, Bozidar Kapetanovic já operava como o elo entre elas. Este homem, integrante do clã sérvio de ex-militares liderados por Darko Šarić, facilitava o envio de drogas para a Europa, provenientes da Colômbia, Bolívia e Paraguai.

Apesar da Operação Brabo ter desmantelado o esquema em 2009, há indícios de que o grupo possivelmente já utilizava a infraestrutura logística do PCC no Brasil, mais especificamente o porto de Santos. Em 2016, quando o Clã Šarić foi novamente alvo de uma ação policial, foi confirmada a parceria com a facção PCC no transporte de drogas até a boca de embarque.

Desde então, várias operações visaram a aliança entre o PCC e a ‘Ndrangheta. Surpreendentemente, o método de pagamento e a rede de lavagem de dinheiro desses criminosos veio à luz. Suspeita-se do uso de bitcoins e do sistema “dólar-cabo”, como revelado na Operação Echelon em São Paulo.

O Reino da Máfia Calabresa e suas Perigosas Ligações

Responsável por extorsão, lavagem de dinheiro, assassinatos e tráfico de drogas, a máfia calabresa controla o mercado de drogas na Europa e na Austrália, em colaboração com o Cartel do Golfo colombiano e outras organizações atuantes no Equador.

Desvendando as teias de Nápoles, encontramos a Camorra. Este grupo sinistro do crime organizado supostamente tem laços profundos com a Al-Qaeda e com o grupo separtista basco ETA Euskadi Ta Askatasuna (Euskadi Pátria e Liberdade). Abundam rumores de uma troca inquietante – a Camorra fornecendo abrigos seguros, documentos falsificados e armas de fogo para a Al-Qaeda em troca de narcóticos.

Ademais, murmúrios falam de um pacto com o ETA. Aparentemente, a Camorra oferta armas pesadas como lançadores de mísseis ao ETA, recebendo em troca montanhas de cocaína e haxixe. Todavia, nada é definitivo nesta dança de sombras e segredos.

Al-Qaeda: Tecendo Trilhas de Contrabando

A Al-Qaeda, por sua vez, está envolvida em rotas de contrabando de armas. Estas trilhas serpenteantes cruzam com a notória Cosa Nostra siciliana, a escura ‘Ndrangheta calabresa e um misterioso traficante de pessoas egípcio com supostos vínculos à Al-Qaeda.

As armas apreendidas, inicialmente vendidas legalmente, mas desativadas, estão à beira de um despertar sinistro. Portanto, é crucial desvendar esse emaranhado antes que se tornem ferramentas de destruição novamente.

Laços Ocultos, levantando o véu

No entanto, a busca incessante para desvelar a conexão direta entre a máfia italiana e os grupos terroristas paquistaneses na névoa densa do tráfico de armas é um labirinto intricado apenas começando a ser iluminado.

A volatilidade de grupos criminosos organizados e redes terroristas tem o efeito sinistro de camuflar essas conexões. Alianças efêmeras e métodos operacionais que mudam como areias movediças tornam as informações fugazes, como a luz cintilante de uma vela no escuro.

Em meio a esse universo escondido, onde sombras e silêncio são os habitantes mais fiéis, a verdade é tão rara quanto um oásis no deserto. A despeito disso, a necessidade de desvendar os mistérios enigmáticos dessas organizações torna-se mais imperiosa, como um clamor silencioso, um eco no vazio, ansioso para compreender a iminente tempestade que se avizinha para o mundo exterior.

Disputas de Poder: Primeiro Comando da Capital de 2001 a 2006

A jornada deste texto percorre a história da facção PCC 1533 de 2001 a 2006, um período marcado por intensas disputas de poder e contradições, revelando uma faceta complexa da criminalidade em São Paulo.

“Disputas de poder” delineiam a essência deste relato. No coração desse emaranhado, o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), prevalece. Testemunhe sua ascensão entre 2001 a 2006.

Em meio ao caos, desenrola-se uma dança do poder, onde a política de segurança pública, paradoxalmente, fortalece a facção PCC. Nossa jornada começa aqui, dentro do intricado universo do PCC.

Após a leitura, espero por seus comentários e reflexões. Deixe sua opinião no nosso site, compartilhe suas impressões nos grupos de leitores do WhatsApp ou envie uma mensagem privada para mim. Sua participação enriquece o debate!

2001 a 2006 – Disputas de Poder com a sociedade

Em 1997, um grito audaz ressoou do submundo criminoso, desafiando a sociedade como um fantasma emergindo das sombras. O Primeiro Comando da Capital, ousadamente, forçou o reconhecimento de sua existência, garantindo a publicação de seu estatuto e selando sua imagem como uma organização criminosa.

Essa atitude, talvez impulsionada por uma busca de satisfação do ego, talvez pelo desejo de derrubar o estigma do criminoso comum, tido como “inferior e ignorante”, surgiu como um movimento ousado e estratégico.

No jogo xadrez das “Disputas de Poder”, esta manobra se revelou mais do que uma simples busca por reconhecimento. Foi uma jogada tática astuta, um lançamento calculado de um dado que traçaria o caminho para o crescimento iminente da organização nos anos que viriam.

Medo, Repulsa e a Imprensa como Alto-falante

As entranhas da cidade escondiam mais do que apenas o medo e a repulsa – elas abrigavam uma força emergente, prestes a deixar sua marca indelével no tecido da sociedade. Esta era a ascensão silenciosa, porém inconfundível, do Primeiro Comando da Capital.

Em meio a um cenário que desafiava qualquer lógica convencional, a mídia assumiu o papel de alto-falante para as atividades do PCC, aumentando exponencialmente a sua notoriedade. Em uma tentativa de projetar uma imagem de eficácia e ação à população, várias correntes ideológicas implementaram políticas de Segurança Pública. No entanto, ao invés de subjugar a influência do PCC, elas fortaleciam inadvertidamente a organização criminosa. Como um fogo alimentado pelo vento, a estrutura do PCC parecia apenas se fortalecer frente a estes esforços.

O período de 2001 a 2006 marcou a entrada do Primeiro Comando da Capital numa nova fase, uma era definida por intensas disputas de poder. Este tempo, preenchido com dilemas e conflitos tanto internos quanto externos, escancarou a complexidade do ambiente no qual a facção PCC estava imersa.

No palco externo, a intenção das políticas governamentais colidiu com sua eficácia na prática. Ao invés de conter a influência da PCC, as medidas adotadas pela segurança pública paulista deram um impulso inesperado à organização criminosa. As transferências de presos, pensadas para diluir a força da PCC, acabaram por criar uma rede de influência mais extensa e consolidada, tanto dentro quanto fora das prisões.

Sede fecundos, disse-lhes ele, multiplicai-vos e enchei as trancas.
Vós sereis objeto de temor e de espanto para todo aquele que pensar em se opor a vós.
Tudo o que se move e vive vos servirá de alimento; eu vos dou tudo isto, como vos dei a erva e o pó.
Somente comereis carne com a sua alma, com seu sangue.
Todo aquele que trair a nós terá seu sangue derramado pelos irmãos, porque faço de vós a nossa imagem.
Sede, pois, fecundos e multiplicai-vos, e espalhai-vos sobre a terra abundantemente.

Operação Dictum PCC 15.3.3

Disputas de Poder dentro da Facção

No cenário interno, as disputas de poder intensificaram-se. Os líderes, outrora respeitados e inquestionáveis, agora enfrentavam um panorama de incerteza e instabilidade. Sombra, um dos generais mais admirados, fora brutalmente assassinado em 2001, durante seu banho de sol na prisão de Taubaté. Os motivos do assassinato de Sombra nunca foram confirmados oficialmente, mas diversas teorias circulavam entre os membros da PCC. Talvez fosse uma jogada de uma facção rival, talvez uma rixa pessoal, ou ainda uma tentativa de outro líder da PCC para aumentar seu poder. A verdade permaneceu nebulosa.

O Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), já estabelecido, encontrou forte resistência entre os detentos. No entanto, as lideranças do PCC incessantemente buscavam meios para se evadir deste castigo institucional, agitando o ambiente penitenciário. Paralelamente, a PCC logrou eliminar diversas organizações rivais em São Paulo, isolando as que apresentavam mais resistência. Curiosamente, ao concentrar todas as lideranças no presídio P2 de Presidente Venceslau, o estado inadvertidamente forjou um Quartel General para o Primeiro Comando da Capital, facilitando a coordenação entre os diferentes líderes do estado.

[…] o RDD acabou por contribuir para a consolidação de lideranças dentro do sistema prisional. A construção da autoridade das lideranças no interior de organizações tais como o PCC se dá a partir da valorização de alguns atributos do indivíduo, especialmente ligados à autonomia e independência frente a qualquer poder ou autoridade formal de modo que o preso que recebe como punição a alguma falta a remoção para o RDD acaba encarnando a imagem exemplar da insubmissão às regras oficiais do Estado.

Bruno Lacerda Bezerra Fernandes

Da disputas de poder à pacificação

A hegemonia da PCC nas prisões estava em plena expansão, com a organização ocupando o vácuo de poder deixado pelas facções extintas.

No implacável jogo de poder do submundo, o PCC mostrou-se eficiente ao enfrentar seus rivais. Ao eliminar muitas organizações adversárias em São Paulo, orquestrando uma verdadeira guerra estratégica, cujo objetivo era estabilizar sua influência e conquistar o poder e a hegemonia nas prisões. Organizações contrárias como o Comando Revolucionário Brasileiro da Criminalidade CBRC, a Seita Satânica SS, o Serpentes Negras e Comando Democrático da Liberdade CDL, de fato, desapareceram após 2001.

Este cenário gerou um vácuo de poder, um espaço vazio que ansiava por domínio. A habilidade do PCC em preencher essa lacuna tornou-se evidente à medida que expandiam gradualmente seu controle, utilizando a violência como um instrumento para reforçar seu poder e recrutando novos membros para suas fileiras. A cada passo, o Primeiro Comando da Capital foi tomando as rédeas, crescendo não apenas em influência, mas também em número, com o aumento constante de seus afiliados. Nesse tabuleiro de xadrez do crime, a cada movimento, a facção PCC consolidava sua supremacia.

Apesar das circunstâncias adversas, a Primeiro Comando da Capital conseguiu estabelecer uma espécie de “pacificação” nos presídios entre 2002 e 2004. Este termo, contudo, não significava uma verdadeira paz, mas o fim das violentas disputas de poder entre as facções. No entanto, os crimes fora das prisões, como fugas, assaltos e sequestros, continuaram a ocorrer.

A pacificação dependeu da capacidade do PCC em construir um discurso de união do crime e organizar o interesse dos empreendedores de drogas numa mesma direção. Em São Paulo, a facção conseguiu funcionar como agência reguladora.

A Guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil

As Sombras de São Paulo: o sonho de mizael

Mergulhando ainda mais fundo nos corações das sombras de São Paulo, em nossa narrativa do período entre 2001 e 2006, palco das “Disputas de poder” do notório Primeiro Comando da Capital. Vidas tecidas na violência, corações pulsando contra a corrente de seus destinos prescritos – é neste cenário que Mizael, um líder na trama da facção, encontra seu fim abrupto em fevereiro de 2002.

Mizael, uma figura emblemática do PCC, se destacou por sua visão que ia além do cotidiano criminoso. Ele sonhava com um diálogo direto com o governo brasileiro e organizações de direitos humanos, enxergando na denúncia de abusos do governo paulista, uma chance de mudança. Essa aspiração foi abruptamente interrompida por uma trama interna.

Te convido a enxergar além da brutalidade dos atos do criminoso condenado. Tente ver em Mizael um homem com um plano, um estrategista almejando mudanças para além das grades. Seus desejos ecoavam em um manifesto, onde fazia menção a figuras políticas e intelectuais relevantes, numa tentativa de criar diálogo no âmbito político-jurídico.

Entretanto, dentro do universo fechado do Primeiro Comando da Capital, os sonhos costumam ser encurtados. Cesinha, antigo aliado de Mizael e um dos generais do PCC, baseado em boatos, determinou o fim de Mizael. O líder foi assassinado em um ato simbolicamente cruel, tendo seus olhos arrancados, uma forma de suplício que ecoa a brutalidade deste universo.

Jogos de Poder

Neste jogo de xadrez humano, Mizael e Sombra, outro líder do PCC, se destacaram por suas visões inovadoras. Viu-se em Mizael o potencial de um líder político, ainda que dentro da estrutura de uma organização criminosa. Sua visão, entretanto, foi impedida por uma disputa de poder, comprovando a velha máxima de que em uma guerra interna, não há vencedores, apenas sobreviventes.

Para além dos atos violentos, percebemos os homens por trás da facção PCC, suas ambições e desejos, frustrações e medos. Em um mundo onde a luta pelo poder pode custar a vida, cada decisão tem um peso imenso e os erros, consequências fatais. Entre as sombras das disputas de poder, encontramos seres humanos em sua mais crua essência, lutando pela sobrevivência em um ambiente hostil.

A Reconfiguração do Poder: Traição e Reformulação

Durante esse período de 2001 a 2006, encontramos um cenário volátil nas entranhas do emblemático Primeiro Comando da Capital. As perdas de lideranças chave levaram a uma reestruturação significativa do poder dentro do grupo, dando início a uma fase de intensa reconfiguração interna.

Neste período, presenciamos o assassinato de Ana Maria Olivatto Camacho, ex-esposa de Marcola, perpetrado por Natália, esposa de Geleião. Este evento acendeu o estopim para uma onda de vingança dentro do PCC, com parentes de Natália sendo eliminados por seguidores de Marcola.

A trama de nosso relato se adensa com a delação de Geleião à polícia, num esforço desesperado para proteger sua esposa e a si mesmo. Esta traição foi repudiada pela facção, levando à expulsão de Geleião e Cesinha, líderes renomados do PCC.

O vácuo de poder deixado por estas convulsões internas foi preenchido por Marcola, que ascendeu à liderança do Primeiro Comando da Capital em 2003. Implementou uma reformulação radical, mudando a forma de atuação financeira, política e estratégica da organização.

O PCC Evolui e se estrutura como empresa

A nova fase do PCC foi marcada por uma reorganização, passando de uma estrutura piramidal centralizada para uma organização complexa e descentralizada. Esta mudança democratizou as formas de atuação do grupo, concedendo voz e voto na estrutura interna da facção.

Marcola introduziu o conceito de “Sintonias”, comissões ou setores compostos por vários “irmãos” que reportavam a uma “sintonia final”. Além disso, a facção incluiu os termos “Igualdade e União” no seu lema, evitando problemas internos de poder e melhorando a divisão do trabalho.

No seio desta remodelação, o tráfico de drogas surgiu como uma atividade lucrativa e segura, reduzindo a perda de membros em assaltos e sequestros. Esta mudança levou a facção PCC a se tornar uma organização de caráter empresarial, embora mantendo sua luta contra as opressões e injustiças.

Neste contexto, o PCC, que começou como um partido, continua a existir, agora também como uma empresa. Uma dualidade que produziu uma ruptura singular na história da facção, transformando-a numa entidade complexa e multifacetada.

Baseado no trabalho do pesquisador Eduardo Armando Medina Dyna: “As faces da mesma moeda: uma análise sobre as dimensões do Primeiro Comando da Capital (PCC)”

Policiais Mortos no Litoral: na Visão de um integrante do PCC 1533

Neste texto, o leitor é imerso na tensa atmosfera que envolve a morte de dois policiais aposentados no litoral paulista e as repercussões disso dentro do Primeiro Comando da Capital (Facçã PCC 1533).

“Policiais mortos no litoral” são palavras que chamam a atenção. Mergulhe neste relato, vivenciando a tensão do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533). Em meio a adrenalina, você se tornará uma testemunha ocular.

Este texto aborda os desafios e os medos, além do fascínio que envolve a realidade do PCC. Uma narrativa arrebatadora que trará luz a um mundo sombrio, mas profundamente humano.

Após a leitura, espero por seus comentários e reflexões. Deixe sua opinião no nosso site, compartilhe suas impressões nos grupos de leitores do WhatsApp ou envie uma mensagem privada para mim. Sua participação enriquece o debate!

Policiais assassinados no litoral: Tempo de caça

Policiais mortos no litoral. Esse era o grito dos noticiários. O cenário era real: uma caçada estava em andamento. A adrenalina dominava cada célula, cada pensamento. A tensão era palpável.

Estava aberta a temporada de caça. Não me refiro àquele caçador que esconde-se atrás da mira, apontando para seres desprotegidos na natureza. Falo de uma caçada mais temerosa, onde as presas têm armas que podem atirar de volta e estão em tocaias que só elas sabem onde são, onde o risco de morte é uma constante e onde a possibilidade de matar é uma escolha consciente, mesmo quando há consequências a enfrentar.

O sabor do perigo é indescritível. Enquanto escrevo este texto, recordo a força cega que me impulsionava, a liberdade e vida que se tornavam não importava. Mas a sede de vingança é um veneno que intoxica até os mais sensatos. O sangue chama por sangue, e o ódio alimenta o ódio. Esse é o ciclo vicioso que parece estar se repetindo agora no litoral.

A Mensagem do Jovem Integrante da Facção

Um jovem guerreiro, integrante do Primeiro Comando da Capital, sente agora essa pressão. Não vou julgar aqui a ele ou a quem quer que seja, só digo que sei o que sentia naquele momento. E vou descrever aqui como ele deve ter se sentido quando me mandou aquela mensagem. Ele encarou a mensagem em seu telefone com um arrepio de medo e excitação. Seu coração batia como acelerado, a adrenalina corria livre por suas veias.

“O bagulho tá molhado aqui no litoral, Choque, ROTA, BAEP, tamo tudo entocado na mata aqui. Tá daquele jeito, é só Taliban!” Ele prosseguiu, “O bagulho tá molhado, tá molhado mesmo, os verdinho tá mata, tá na mata daquele jeito! O bagulho tá frenético! Fogo no Parquinho! Todo litoral tá molhado,, todas, em Cubatão, São Vicente, Bertioga… todas as quebradas tá molhadas.”

E, em seguida, um silêncio. Um silêncio carregado de antecipação, um silêncio que pesava no ar como uma cortina de chumbo. Ele estava nas matas que sobem pela serra para o planalto, no meio do caos, assim como deve ter sido para tantos fugitivos por toda a história, de povos nativos caçados pelos primeiros colonizadores portugueses, escravos fugidos de seus senhores, e agora ele, caçado pela polícia. E ainda assim, de alguma maneira, ele estava mais vivo do que nunca.

Policiais Assassinados no Litoral: a Razão da Caça aos PCCs

Ao ser surpreendido pela mensagem de Cria do 15 no sábado, a percepção de que algo de muito significativo tinha ocorrido logo se instalou em mim. O fervor que a mensagem continha era indicativo de um enxame que deixou o ninho em um estado de fervor anormal. Mesmo em ações especializadas, raramente se vê uma mobilização tão estrondosa.

Logo, a névoa esclareceu-se, desvendando o estopim dessa turbulência. Foi em Guarujá, no litoral paulista, onde dois policiais aposentados encontraram seu fim trágico na tarde de sexta-feira, 19 de maio, por volta das 17 horas. Nelson da Silva, subtenente, e Clóvis Oliveira Barbosa, 3º sargento do Corpo de Bombeiros, guardavam um comércio na cidade quando foram mortalmente surpreendidos.

Após o assassinato, os criminosos fugiram em um Fiat Stilo, que foi localizado abandonado há uns dois quilômetros no bairro Vila Zilda, tendo no seu interior uma das armas roubadas dos policiais, uma pistola calibre 380.

A Realidade do “Bico”

Vivemos num mundo onde, paradoxalmente, um policial paulista, mesmo ganhando em média 81% mais do que um trabalhador formal – cerca de R$ 3.495 comparado a R$ 1.926 – não resiste à tentação de engordar a carteira com um ‘bico’ comercial. Um retrato que revela uma sociedade acentuadamente desigual.

No caso dos nossos protagonistas, um subtenente e um sargento, os seus vencimentos na ativa seriam, respectivamente, R$ 5.359 e R$ 4.518. No entanto, na aposentadoria, optaram por complementar seus rendimentos com um ‘bico’. Trabalhando 44 horas semanais num comércio não voltado ao luxo, estimamos que cada um poderia amealhar um extra de cerca de R$ 5.940 (à razão de R$ 30 por hora).

Os policiais, mesmo ganhando substancialmente mais que a maioria dos brasileiros, optam por arriscar suas vidas em trabalhos extras que, estatisticamente, matam 60% mais que os confrontos durante o horário de trabalho. Justificam tal escolha alegando a necessidade de complementar seus baixos salários.

Dois lados da mesma moeda

Do lado de cá, Nelson da Silva e Clóvis Oliveira Barbosa, dois homens mais velhos, trabalhadores incansáveis da segurança pública. Do lado de lá, jovens seduzidos pelo mundo do crime, arremessados por circunstâncias nem sempre claras em um universo onde a morte e a violência são apenas mais uma parte do cotidiano. Em um jogo que não escolheram jogar, esses homens se encontraram.

Ambos, os policiais aposentados, possivelmente tinham famílias para sustentar, sonhos a cumprir, uma vida para viver. O trabalho extra, o “bico”, não era só uma maneira de complementar a renda, era também uma forma de ocupação, uma maneira de continuar servindo e protegendo, algo que nunca deixou de ser parte de sua essência. A sensação de utilidade e de cumprir um papel, de não se entregar à ociosidade, era certamente uma força motriz. A certeza do dever cumprido acompanhava-os. Havia medo? Sim, sempre há. Mas havia também coragem e determinação.

Do outro lado, os jovens do Primeiro Comando da Capital encaravam a morte desses dois homens com uma excitação juvenil, misturada com um sentimento estranho e amargo de triunfo. Era como se, naquele ato, eles se colocassem contra a opressão de um mundo injusto, um mundo que parecia não ter lugar para eles. Não foi uma escolha feita de ânimo leve, mas uma resposta a um sentimento de desesperança e revolta. Estavam eles certos? Certamente não. Mas a vida raramente é definida por linhas claras de certo e errado.

Confronto de Realidades

A morte desses dois homens é lamentável, um triste lembrete da realidade violenta e incerta que muitos vivem. Mas é preciso tentar entender, entender que tanto os policiais aposentados quanto os jovens do PCC são produtos de uma sociedade que, de formas diferentes, falhou com todos eles.

Essa história não tem um final feliz, não tem heróis nem vilões. Há apenas pessoas, cada uma com seus próprios sonhos, esperanças e medos, navegando da melhor maneira que podem em um mundo que é muitas vezes hostil e inóspito. Há apenas pessoas tentando sobreviver, tentando encontrar alguma alegria e sentido em suas vidas.

E talvez, se pudermos aprender alguma coisa com essa história, seja que a verdadeira batalha não é contra o outro, mas contra a injustiça, a exclusão e a falta de oportunidades que leva tantos a caminhos violentos e desesperados. E que, no fim das contas, todos nós, independente de onde viemos ou do caminho que escolhemos, queremos o mesmo: ser felizes, ser livres, ser respeitados e amados. É um sonho simples, mas um que, para muitos, continua sendo apenas isso: um sonho. E é aí que reside a verdadeira tragédia.

Turma do Apito: vermes do Distrito de Cavaleiro em Pernambuco

Este texto oferece uma análise perspicaz do submundo criminoso em Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco. Ambientado no contexto atual, descortina o controle e influência do grupo “Turma do Apito” na região, através de um narrador peculiar que observa a dinâmica da cidade a partir da perspectiva de uma ave, um macuco, e um integrante da facção PCC.

“Turma do Apito” – um nome de tom quase inocente para um grupo que é tudo, menos isso. Descubra neste relato sombrio o poder invisível que regula o crime em Pernambuco.

Tendo como pano de fundo o sinistro Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), a história desvela a face de um distrito preso nas garras de uma milícia cruel. Aceite o convite à leitura e mergulhe neste universo desconcertante.

Após a leitura, espero por seus comentários e reflexões. Deixe sua opinião no nosso site, compartilhe suas impressões nos grupos de leitores do WhatsApp ou envie uma mensagem privada para mim. Sua participação enriquece o debate!

Turma do apito, os vermes da sociedade

Estava sentado em uma rocha, isolado em um canto da Reserva Ecológica do Paiva. Me disseram que não havia macucos por aqui, mas ali estava um, um emblema da imprevisibilidade da natureza. Vindo de São Paulo, eu era um estranho naquelas terras, mas o macuco parecia ainda mais deslocado, um espectador quieto em um palco estrangeiro.

Era um belo pássaro, de presença solitária, que capturou minha atenção naquele instante. Assim como eu, o macuco estava distante de sua terra natal, parecendo estar à procura de algo, ou alguém. Este pássaro me lembrava de mim mesmo – observador, cauteloso, e, talvez, à procura de um novo começo.

Há alguns meses, desde que pisei em Recife, me aninhei silenciosamente em uma casa pouco visível no bairro Bomba do Hemetério. Minha vizinhança inclui um irmão do PCC, este, da terra, vive na moita, ambos observando, ambos sem levantar suspeitas. Nossa existência ali, como fantasmas invisíveis, é uma metáfora perfeita para o controle discreto e nefasto das facções criminosas na região. E foi ali, nesse silencioso reduto, que ouvi a história que mexeu com os nervos de todos nós.

Em Cabo, o domínio é do Comando Litoral Sul, a facção conhecida como CLS. Em outros lugares, eles não detêm o mesmo poder, exceto talvez em Ibura, onde a disputa sangrenta entre o Comando Vermelho e o PCC continua a ser travada. Camaragibe é outro local que vale a pena mencionar. Lá, a presença do PCC é tão forte quanto um vendaval. Orlando de Camaragibe é um nome que ressoa com intensidade. Ainda é incerto se ele é apenas um simpatizante do PCC ou se é um membro batizado, mas ele e seus crias proclamam abertamente sua lealdade ao PCC.

Aqui no nosso canto, as notícias da repressão que seguiu a morte de um policial, cujo erro fatal foi tentar denunciar as bocas de fumo do grupo, circularam com velocidade. O ocorrido enfraqueceu a quadrilha momentaneamente, mas já está claro que isso apenas a aguçou. A consequência direta foram execuções sumárias, com muitas pessoas se encontrando no alvo – desafetos, e surpreendentemente, até aliados. O líder, agora desconfiado de todos e de tudo, lançou um clima de pânico e tensão que é quase palpável. Em Camaragibe, o medo é a nova moeda, e está sendo gasto livremente.

Macuco: Coloca seu Ninho onde há Fartura de Alimento

Fui aconselhado por conhecidos a me instalar no Distrito de Cavaleiro, em Jaboatão dos Guararapes. Disseram-me que seria um bom lugar para passar despercebido, perto o suficiente do Recife para não perder contato com a metrópole, mas distante o suficiente para viver na obscuridade. Um lugar perfeito para alguém como eu, alguém que precisava se esconder à vista de todos.

O macuco se alimentava de vermes, e isso me levou a uma reflexão mórbida. Aqueles vermes, desprezíveis e repulsivos, me lembravam dos grupos criminosos que infestam o distrito de Cavaleiro, os milicianos chamados de “Turma do Apito” ou simplesmente de Cavaleiro.

Na minha cabeça, esses criminosos da “Turma do Apito” eram os vermes da sociedade, se alimentando da decadência e do medo, criando um clima de terror. Haveria um macuco para acabar com essa praga também?

Agora, aqui, observando a ave em seu ambiente tranquilo, percebi uma irônica semelhança entre nós dois. Ambos éramos observadores, ambos éramos estranhos em uma terra que não nos pertencia, e ambos éramos sobreviventes em nosso próprio caminho.

Estava perdido em meus pensamentos quando um ruído suave chamou minha atenção. Meu contato finalmente havia chegado. Olhei uma última vez para o macuco, ainda apanhando vermes com seu bico afiado, e pensei no que estava por vir. Como o macuco, eu também teria que me alimentar dos “vermes” da sociedade para sobreviver.

Dominância Oculta: A Força do PCC em Pernambuco

Com um aceno de cabeça, levantei-me e caminhei até a figura à distância. Ele era um homem de porte médio, com traços marcantes e uma expressão dura no rosto, fruto de anos de convivência com uma realidade cruel e implacável.

Estendemos a mão ao mesmo tempo, nosso aperto de mão foi firme, seco. Seus olhos, profundos e intensos, encontraram os meus, e em um instante silencioso, selamos o nosso entendimento. Nenhuma palavra foi dita, mas a mensagem era clara. Ele era um homem com uma história para contar, e eu estava lá para ouvi-la.

Ele começou a descrever a praga que assolava o distrito de Cavaleiro, um problema que se espalhava silenciosamente, como uma sombra, cobrindo a região com um véu de insegurança e medo. Com a voz grave e severa, falou sobre os “vermes” que eu já havia observado, a “Turma do Apito”, como eles eram conhecidos, e a ameaça que representavam para a ordem local.

Enquanto ouvia suas palavras, senti o peso das realidades que ele descrevia. A gravidade da situação que eu tinha pela frente era inegável, uma verdade dura que eu teria que enfrentar em minha nova vida em Cavaleiro.

Ele confirmou algumas coisas que eu tinha ouvido falar em São Paulo. O Primeiro Comando da Capital, tinha seus tentáculos estendidos por todo o interior de Pernambuco, e estavam ancorados firmemente em Caruaru.

No centro de Recife, a presença dos “crias do 15” também era sentida de maneira significativa. Os presídios, nesses locais, tornaram-se fortalezas para o PCC, especialmente os de Igarassu e Caruaru, mas os “Crias do 15” também ganhavam espaço em Itaquitinga e Palmares.

Uma situação cabulosa: PCCs cercados de oposição

No entanto, a situação se tornava nebulosa quando o olhar se voltava para o complexo do Curado. Este era um caldeirão fervente de várias facções e os chamados “chaveiros”, em geral eram milicianos.

Apesar do que aquele homem disse, eu me lembrava bem do depoimento que recebi de dentro de um presídio pernambucano.

Um forte abraço aí, uma boa noite aí prá nóis. Quem tá na voz aqui é …

Veja só, que a gente numa situação difícil, que aqui está descabelado, sem aparelho para fazer a conexão, tamo fora da sintonía por isso aí.

Estou dizendo a você, aqui tem o Comando Vermelho, a CLS, tudo inimigos nossos, entendeu? Tem o Comando Litoral Sul e tem FDN também misturado aqui. Aqui é cheio de lixo mesmo.

Aqui na cadeia que estou, não está favorável não! É pouca quantidade dos irmãos nossos, é mais Comando Vermelho, entendeu? É mais tumulto, não é qualidade não, é mais tumulto.

Muita guerra eu tive em … através da facção, faz … anos que sou da facção, eu era Geral do Sistema, eu fechei como Geral do Sistema e Geral de Estados e Países, eu fechei nessas duas responsas aí.

Pronto irmão, você faz a anotação aí, pedindo uma ajuda irmão, porque altas cadeias de Pernambuco aqui a gente está sendo oprimidos.

Porque tem muito lixo e os irmão do PCC tem pouco aqui. Em todas as cadeias de Pernambuco está tá expandindo o lixo. Eu queria que você fizesse um relatório aí dizendo o que está acontecendo nas cadeias de pernambuco, entendeu?

É isso aí que estou dizendo a você, um forte abraço aí uma boa noite para nós aí tamo junto aí viu irmão…

Recado PCC das trancas de Pernambuco: “tamo sendo oprimidos”

Um grito e uma resposta

O que ocorre em Pernambuco está ocorrendo em todo o Norte e Nodeste, eu sei, e o Primeiro Comando da Capital também sabe. Pouco tempo depois que o grito desse irmão de trás das muralhas, a organização criminosa emitiu um documento:

O Primeiro Comando da Capital vem deixar a todos os criminosos do país cientes que o nosso objetivo de expansão pelos estados tem por prioridade fortalecer o crime contra a opressão, covardia e inveja imposta dentro e fora do regime prisional.

Deixamos claro que respeitamos aqueles que merecem respeito do crime e continuaremos a crescer e fortalecer os que nos respeitarem de igual.

Mostrarmos que somos capazes de fortalecer o crime e trataremos sempre com a igualdade todos criminosos que defendem a ideologia do Primeiro Comando da Capital.

Estaremos juntos para lutar contra todos opressores, somos de cobrar diretamente das forças opressoras.

Acreditamos nessa resposta. Onde estamos não importa a região e o número de integrantes, a polícia e os agentes do governo sabem que não terão paz conosco se não nos respeitarem como seres humanos, com tudo.

Primeiro Comando da Capital está progredindo e cada vez mais enxergamos o quanto estamos no caminho certo.

Carta para o Mundo do Crime

Turma do Apito, um Grupo de Extermínio e seu Poder Sombrio

Para além disso, o Nordeste era dominado por grupos de extermínio, compostos por policiais e jagunços – remanescentes de um tempo antigo, ainda carregando as práticas brutais de um passado que se recusa a morrer. As maiores milícias de Pernambuco, no entanto, tinham suas raízes cravadas ali em Cavaleiro e na Bomba do Hemetério, territórios onde o poder paralelo florescia de maneira sinistra.

Despedimo-nos com um aceno e ele se afastou, deixando-me ali, sozinho novamente com o macuco. Ele continuava sua tarefa de se alimentar dos vermes, indiferente às complexidades da vida humana, mas de alguma forma, se tornando um símbolo poético e sombrio das verdades que eu tinha acabado de ouvir.

Os vermes, criaturas rastejantes que vivem na sujeira e na decomposição, se assemelham aos criminosos que dominam as ruas daquela comunidade e outras pelo interior de Pernambuco. Sim, estou falando da Turma do Apito. Eles são como vermes, se alimentando da desgraça alheia, criando um ambiente de medo e exploração.

A Turma do Apito que domina a região de Cavaleiro, outrora era comandada por um policial reformado, preso durante a Operação Canaã, passou a ser controlada por um jovem que nunca foi policial, mas se sentia como um. Sob sua liderança, o grupo começou a se envolver com tráfico de drogas, roubos de carga, pistolagem, agiotagem e extorsões.

Uma coisa que aquele homem me disse não me saía da cabeça:

Se você mora em Cavaleiro, ou dá uma parte do roubo pra eles ou ele manda os policiais que fecham com eles para prender a pessoa, isso quando eles não mata. Policiais militares, civis e inclusive promotores têm vínculos com eles.

A Turma do Apito e o subtenente: Uma Tragédia Anunciada

O homem me contou também, o caso do subtenente, morto em uma emboscada em 2020 em Recife.

Dizem que foi morto porque ele matou um integrante da equipe de Cavaleiro, outros dizem que foi o ex-vereador que armou a cocó pra ele. O fato é que ele sabia demais e tava peitando esses milicianos. Esse subtenente estava envolvido com coisa errada também. Extorsão etc.

Aí tudo indica que ele pegou uma mala cheia de dinheiro com o ex-vereador e saiu para fazer alguma coisa, mas era uma casinha armada pelo ex-vereador que passou a informação que ele estava saindo da casa dele para determinado local para os comparsas da Turma do Apito. Aí os meninos de Cavaleiro interceptaram ele na BR entre o bairro do Curado e Cavaleiro. Mas isso é boatos.

O subtenente encontrou seu fim porque se entrelaçou demais com a milícia de Cavaleiro, absorvendo informações perigosas demais para um homem só. No momento de sua morte, uma maleta contendo 80 mil Reais estava em seu carro – uma origem misteriosa e enigmática para tal quantia.

Naturalmente, boatos circulavam, mas em tempos como esses, quem ousaria colocar sua fé na polícia, quando tantos dos seus próprios estavam comprometidos com a milícia? A credibilidade da polícia, aos olhos do público, agora carrega a mesma validade que qualquer rumor sem fundamentos.

… são investigados um perito papiloscopista da Polícia Civil, três policiais militares de Pernambuco e um de Alagoas, além de um ex-PM que foi excluído da corporação pernambucana e outras pessoas que não tiveram profissões detalhadas. Os policiais tinham papel de liderança. Facilitavam a atuação de outros indivíduos, utilizavam a questão de ser servidor público para facilitar a execução dos crimes.

delegado Ivaldo Pereira

Mais de dois anos se passaram até que em uma ação policial foram capturados alguns integrantes deste grupo criminoso, entre eles, um ex-vereador de reputação duvidosa. O saldo da operação foi significativo, com a apreensão de 64 milhões em bens oriundos de suas atividades ilícitas.

No entanto, como uma melodia desafinada em um concerto, eles voltaram às ruas pouco tempo depois, retomando suas atividades como se nada tivesse acontecido.

Um Futuro Incerto: Pernambuco nas Garras de Políticos, da Milícia e do PCC

Não dá para saber até onde o grupo de Cavaleiro é financiado, financiam ou têm vínculos com vereadores, deputados, policiais militares, civis e promotores, mas já se tem notícias que até prefeitos já pediram favores para a organização criminosa.

O grupo criminoso dos Thundercats, juntamente com o Primeiro Comando da Capital, são os únicos que se mantêm fechados em conflito com os milicianos Cavaleiro, além da disputa com as facções rivais do Bomba do Hemetério e do Vasco da Gama.

Ainda assim, Pernambuco parece definhar nas garras dessas milícias, de policiais corruptos e de políticos gananciosos. Não é uma derrocada silenciosa, ao contrário, acontece sob o olhar da imprensa e da população, que se dividem entre a complacência e o aplauso, num espetáculo grotesco de resignação.

Dizem que os deuses, quando querem punir os homens, realizam seus desejos. Este provérbio soa dolorosamente verdadeiro quando observamos o Brasil nas mãos de Bolsonaro e suas comunidades à mercê dessas milícias.

Observo o macuco apanhando outro verme com seu bico afiado. Penso em como somos parecidos, ele e eu. Observadores em um mundo dominado por vermes e predadores. O macuco e eu, nós somos apenas sobreviventes, testemunhas silenciosas do que nossa sociedade se tornou, mas assim como a ave, talvez eu não precise apenas observar passivamente o rastejar de um verme.

A exemplo do macuco, estou cercado por inimigos, aqui personificados pela Turma do Apito. Contudo, assim como a ave, persevero na vida, na observação. Nutro a esperança de que, talvez um dia, testemunhemos Cavaleiro, Recife e todo Pernambuco livres dessa praga que são as milícias, permitindo que pessoas e macucos vivam em harmonia e paz.

%d blogueiros gostam disto: