Contratando um matador de aluguel do PCC

O nome da facção Primeiro Comando da Capital é usado para dar credibilidade em golpes.

Matador profissional e o PCC 1533 copyConselho: não seja enganado pelo nome PCC

Talvez você, assim como Aline, já tenha sido enganado por alguém que utilizou o nome do Primeiro Comando da Capital, a poderosa organização criminosa paulista. Acontece.

Pensei em vir dizer a você algo assim: cuidado, não se engane, muitos utilizam o nome da facção para enganar, mas aí, Ricardo Araújo Pereira me mostrou o absurdo que seria isso.

É mais ou menos como dizer a uma pessoa que está nervosa para ficar calma; ora, ninguém fica nervoso ou cai em um golpe porque quer, e Aline, Wagner, eu e você podemos ficar nervosos ou cair em golpes.

Por isso venho aqui contar dois casos, um que foi me narrado por Aline e outro que acompanhei pessoalmente. Em ambos os casos um golpe foi armado e o nome da facção paulista foi usada para impor força e respeito.

Onde citei neste site sobre os métodos, usos e costumes do PCC → ۞

O falso matador do PCC 1533

Contratando um assassino de aluguel

Aline resolveu matar a pessoa que a estava ameaçando, mas, não sendo uma mulher do mundo do crime, resolveu contratar um matador profissional, e, para isso, deu um Google.

A primeira dica do Google foi justamente um site onde um matador profissional se propõe a eliminar qualquer pessoa por um preço módico (5 mil reais), garantindo total anonimato.

Convenientemente o site se chama matadordealuguelprofissional.tk, um site bonitinho, ajeitadinho mesmo, feito com esmero e carinho ― coisa de moleque burguês.

Claro que você irá dizer que jamais cairia nesse golpe, entendo, mas todos nós somos enganados o tempo todo, cada qual a seu jeito, então melhor não criticar Aline.

Onde citei neste site sobre assassinatos → ۞

Dicionário do PCC atualizado 2018 Primeiro Comando da Capital
O uso indevido do nome do PCC

A garota não é a primeira pessoa a me procurar por acreditar que pode utilizar a força da facção para conseguir vingança por ter caído em um golpe, mas não é assim que funciona ― É preciso lembrar que ninguém nesse site tem nenhuma ligação com a facção paulista, e mesmo se tivesse…

O Dicionário do PCC é o documento em que estão previstos os crimes a serem punidos pelo Tribunal do Crime, e nele há apenas um artigo que poderia ser utilizado nesse caso (só que não):

33. Mau exemplo: […] foge do que rege a nossa disciplina, não passando uma imagem nítida da organização, quando se coloca como faccionário diante da massa.

Essa regra vale só para facciosos que tenham utilizado mal o nome da organização e não pode ser usada contra um garoto 171 ― não será o PCC que vai se meter nesse negócio.

Aline também não buscará a polícia para reclamar que ela pagou por um assassinato não executado, e assim o site continuará ativo, baseado em um provedor na Oceania, e os incautos continuarão a depositar quantias na conta do garoto na agência do Itaú próxima à Avenida Paulista.

Onde citei neste site o Dicionário do PCC → ۞

paraguai maravilhoso mundo das compras pcc

Viagem para compras no Paraguai

Há alguns anos um conhecido havia fechado um bom negócio no Paraguai, no qual ia economizar um bom dinheiro, e quando, empolgado, comentou comigo. Eu que estou sempre cabreiro, comecei a duvidar do negócio.

Nas primeiras horas da manhã de um dia de setembro do ano passado, pego a estrada em direção à Foz do Iguaçu. Seria minha primeira visita à cidade, finalmente veria de perto as cachoeiras!

O plano era chegar lá à noite, então parei em Maringá, próximo à Catedral, para almoçar, sem pressa, aproveitando a oportunidade de quebrar a rotina.

Se tudo corresse conforme planejado, o conhecido iria naquele mesmo dia para Foz de avião e se hospedaria no mesmo hotel que eu. Nós não teríamos contato por lá, mas meu localizador já estava há dois dias rastreando o aparelho dele.

Os fornecedores iriam buscá-lo no hotel e o levariam a algum ponto em Pedro Juan Caballero. A mim cabia apenas segui-lo de longe e, se fosse o caso, fazer o possível para tentar garantir sua vida ― é um mundo do cão.

Onde citei neste site o Paraguai → ۞

Compras de armas e drogas no Paraguai PCC

Todos nós somos enganados

Terminado o almoço em Maringá, recebo uma ligação cancelando a operação. Wagner Amantino Maciel havia ido fechar bom negócio no Paraguai, no qual ia economizar um bom dinheiro, e seu corpo foi encontrado boiando em um rio.

Se Wagner, que era o cara dentro da facção, responsável pelas mais elaboradas operações do Primeiro Comando da Capital, caiu em uma emboscada, o que dizer então de Gegê do Mangue e Paca? Então quem seríamos nós para sobreviver a uma trairagem?

Aline foi ingênua ao contratar, por meio de um site, um matador profissional. Aqueles que burlam a lei merecem ser iludidos e mortos, como foi Wagner, mas a vida é assim para quem acredita que há a lei do retorno.

A cada dois anos todos nós, que julgamos Aline e Wagner, somos enganados por nossos políticos prediletos, roubados e, muitos de nós, mortos pelas mãos da criminalidade e da falta de serviços de saúde e saneamento ― é um mundo cão.

Onde citei neste site Wagner Amantino Maciel → ۞

Ricardo de Araújo Pereira ser enganado pcc 1533

A lista de Ricardo Araújo Pereira

O cronista da Folha, Ricardo Araújo Pereira, cita alguns motivos pelos quais não se deve aconselhar a calma a quem a perdeu, e eu não vou deturpar suas palavras para mostrar a razão pela qual eu não deveria vir até você dizer que não se deve acreditar em alguém que se diz PCC:

  1. Cair em um blefe não depende da nossa vontade. É bastante raro, creio eu, a gente acreditar em um golpe porque quer. “Vou ser enganado agora, que legal”, ou “eu vou fazer um grande negócio, parece até enganação, vou arriscar só para conferir”. Não é a razão que estará no comando da pessoa, mas sim a emoção, e meus argumentos não têm o poder de influir nas decisões emocionais de ninguém.
  2. A pessoa que recomenda o cuidado se sente superior àquela que está sendo aconselhada e, no geral, nem se toca das inúmeras vezes nas quais foi enganada em sua vida.
  3. É fácil dizer a alguém que é um absurdo comprar drogas e armas de um novo fornecedor ou contratar um matador pela internet quando não tem uma ameaça a sua vida ou a de seus familiares, no aconchego do lar e lendo um texto na internet. Só quem já passou por momentos de desespero, nos quais a razão se cala diante da emoção, pode julgar os desafortunados.
  4. Existem alguns cartazes dizendo que se deve tomar cuidado, mas “nenhum conselho digno de ser seguido é formulado num meme”.

Ah! Antes que me esqueça, o acordo com aquele fornecedor de Pedro Juan Caballero, com quem meu colega deixou de fazer negócios, não era uma armadilha. Outro conhecido se arriscou mais e acabou fazendo bons negócios ― até que a casa caiu por outros motivos.

Onde citei neste site Pedro Juan Caballero → ۞

Quem tem medo do Primeiro Comando da Capital?

O MP-SP afirma ter quebrado a estrutura da facção. O crescimento em 42% dos homicídios na capital seria resultado do fim da pacificação imposta pelo PCC?

É melhor, apesar do medo, saber o que nos ameaça!

Se você mora na cidade de São Paulo, pode sentir o cheiro da morte — houve 42% mais homicídios na capital paulista que no ano anterior.

A maioria foram negros e pobres das periferias, logo, nada que incomode.

Georges Duby lembra que quando o Príncipe causa um problema, ele deve procurar bodes expiatórios, seja entre os judeus, os leprosos, os caminhoneiros ou entre os membros da facção Primeiro Comando da Capital.

O secretário de Segurança, Mágino Alves Barbosa Filho, afirma não saber a razão do aumento dos homicídios em maio, acrescentando que foi nesse mês a greve dos caminhoneiros: “mas, sinceramente, não vejo relação”, completa.

O medo é uma importante forma de controle social. A criminalidade de fato existe, então, o “príncipe deve proceder ante seus súditos” com o discurso do herói, condenando migrantes ou miseráveis e impondo punições severas.

O anúncio do aumento de pessoas assassinadas na capital se deu poucos dias após a Promotoria de Justiça afirmar que a desarticulação do PCC 1533 e o fim da pacificação imposta pela facção não teriam efeitos colaterais.

Onde citei neste site sobre a pacificação → ۞

De quem você tem medo: dos PCCs, da polícia ou do escuro?

Você, ou alguém que você conhece, já foi ameaçado ou extorquido por um membro da facção criminosa Primeiro Comando da Capital?

Você, ou alguém que você conhece, já foi ameaçado ou extorquido por um policial ou um funcionário público?

Ambas as possibilidades existem, mas você temerá o grupo que estiver mais distante de seu convívio, aquele sobre o qual você tenha menos conhecimento ou informações, sejam PCCs ou policiais.

Quem mora em alguma quebrada em um bairro afastado, mesmo sendo um honesto trabalhador ou estudante, temerá mais quando cruzar com a polícia durante a madrugada do que quando encontrar um grupo de moleques.

Quem mora em um bairro estruturado ou em um condomínio, mesmo que seja desonesto e viva de mesada dos pais ou de corres, temerá mais quando cruzar com um grupo de moleques do que quando vir uma viatura da polícia.

Zygmunt Bauman explica que tememos o escuro, que nos traz a sensação de impotência e que nos causa horror, pois, para nós, é inadministrável aquilo que foge de nosso controle — tememos aquilo que não conhecemos.

Onde citei neste site trabalhos de sociólogos → ۞

Os perigos de utilizar o medo como ferramenta

É o lobo! É o lobo!, é a técnica de administração que cria o medo do inimigo para poder oferecer a proteção e a ação do salvador. Porém, às vezes, essa tática não funciona, e as consequências podem ser imprevisíveis.

Reginaldo Osnildo Barbosa, em sua tese “Análise do fortalecimento da imagem do vilão mediante o medo expresso nas tecnologias do imaginário” (UNISUL), buscou compreender como o medo é utilizado na construção do imaginário social dos criminosos e do governo salvador (O Príncipe).

Ele conta que durante o Grande Medo de 1789, milhares de pessoas, não conseguindo oportunidades de trabalho onde moravam, saíram em busca de emprego nas cidades, trazendo consigo a fome, a miséria e o banditismo.

Temerosa que as turbas atacassem, a sociedade, cujos cidadãos de bem acreditavam estar cumprindo seu dever cívico, exigia que as autoridades reprimissem de maneira exemplar aqueles que não conheciam:

“Um indivíduo suspeito, uma coluna de poeira, menos que isto: um ruído, um vislumbre, uma sombra bastava para persuadi-los […] Assim se desencadeavam os pânicos […], de preferência à noite…” Georges Lefebvre.

Consequência: castelos depredados, expansão do banditismo, crise econômica e política, hostilidade entre as camadas sociais — substitua a palavra castelos, usual em 1789, por ônibus, e terá uma descrição clara do que ocorreu este ano.

Onde citei neste site os ataques a ônibus → ۞

Na origem de tudo, há o medo

O medo é algo insano, gerido pela parte mais primitiva de nossa mente, que busca nos manter vivos a qualquer custo, sem frescuras sociológicas ou antropológicas ― e, por isso, não falamos abertamente sobre o que tememos, como explica Roland Barthes.

Afinal, quando o homem resolve entender o medo, depara-se com algo tão complexo quanto senti-lo. O medo paralisa o desejo que o homem tem de seguir em frente e catalisa o sentimento de sobrevivência, o que passa a ser sua única motivação.

O Príncipe pode então livrá-lo desse medo e libertá-lo para correr atrás de seus desejos e sonhos, mas, para isso, o perigo apresentado deve ser algo que o Príncipe possa enfrentar.

É fundamental para o bem estar social que o medo exista, mas, também, que possa ser controlado pela autoridade do governante, e que essa, por sua vez, possa apresentar publicamente e constantemente resultados favoráveis.

“para construir uma protecção constante relativa à ameaça que imagina localizada ‘lá fora’ […], se não existissem estranhos eles teriam que ser inventados. E eles são inventados, ou construídos, diariamente…”

Onde citei neste site a questão do medo → ۞

A imprensa amplificando o medo a serviço do governo

A imprensa mostra diariamente a ação das forças do príncipe e apresenta prisioneiros, ao vivo e em rede nacional. Nem Nicolau Maquiavel previu esse grau de sofisticação para satisfazer nosso desejo primitivo de fugir do perigo.

O medo é uma forma de controle social e as punições devem ser feitas ao ar livre […] Dentro do repositório de imagens do imaginário social, o medo possui uma constelação própria, com imagens disseminadas, construídas, e impulsionadas pelas tecnologias do imaginário.

Onde citei neste site sobre a imprensa → ۞

A sociedade precisa do PCC, dos judeus e dos negros

Economicamente, o medo é um bom negócio. Se não há medo, há quem o crie. Em um ciclo de consumo e produção de consumidores, o medo é materializado para poder ser destruído.

Em pleno ataque do PCC de 2006, foram mortas pelos membros da facção criminosa 46 pessoas e pelas forças policiais 505. Em maio de 2018, em tempo de paz, 66 pessoas foram mortas só na cidade de São Paulo.

E você nem precisa se preocupar, a maioria dos mortos foram negros e pobres das periferias, logo, nada que realmente incomode.

Você, que nunca cruzou o caminho de um PCC, está agora se sentindo mais seguro, afinal, o Príncipe, por meio de Lincoln Gakiya e seus colegas do MP-SP, afirma que está tudo bem, o Primeiro Comando da Capital está sendo desarticulado.

Você já pode dormir mais tranquilo já que, como pode ser visto pela mídia, os criminosos estão sendo presos.

Bem-vindo a um novo momento na história da Segurança Pública em São Paulo, em que o Estado volta a assumir seu papel de guardião da vida dos cidadãos ― por sinal, algo que nunca fez nas periferias e nos bolsões de pobreza do centro.

Onde citei neste site o promotor Gakiya → ۞

Se eu colocasse essa manchete estava preso

PCC a facção que não para de crescer
Isto É  → Vicente Vilardaga e Fernando Lavieri
→ São Paulo
→ Organização Criminosa
No dia seguinte que eu postasse um artigo com essa chamada seria levado para prestar depoimento e responder por apologia ao crime, então é melhor lerem a reportagem na fonte (desculpe se me rio: kkkk).

 

Imagem é tudo: os facciosos do PCC como vilões

A imprensa como construtora do imaginário do membro da facção Primeiro Comando da Capital como vilão e “inimigo público número um”, e os números do Google Trends 2018.

A imprensa e o Primeiro Comando da Capital

Os ataques do PCC acabaram, mas o pior vem agora

Eu aguardei o fim dos ataques promovidos pelo Primeiro Comando da Capital para fazer uma análise sobre dos números referentes ao período de movimentação da facção. Não pretendo me ater aos ataques e suas causas, e sim no interesse popular.

Este site possui uma página com dados estatísticos em tempo real que podem informar sobre as ações dos membros do PCC na linha do tempo e em sua localização geográfica – ferramentas interessantes para quem estuda a organização criminosa.

Outras ferramentas complementares estão disponíveis em outros pontos do site. Então, esperei os dados indicarem que a turbulência havia passado e fui compilar as informações — simples assim.

Antes de postar os resultados, encontrei-me com Reginaldo. Pior viagem. Se arrependimento matasse, eu teria sido fulminado. Reginaldo destruiu, ou melhor, desconstruiu toda minha linha de raciocínio.

Talvez você conheça Reginaldo Osnildo Barbosa por ter lido seu livro “Vidas quebradas: reflexos do crack”. Eu só vim a conhecê-lo por meio de sua tese “Análise do fortalecimento da imagem do vilão mediante o medo expresso nas tecnologias do imaginário” (UNISUL).

Onde citei neste site atentados e ataques do PCC → ۞

PCC 1533, poder e medo registrado no Google Trends

Tudo me parecia simples com o fim da onda de ataques, no entanto, Reginaldo mostrou que não, o pior viria agora: é preciso entender o que se passou comigo e contigo, mas, principalmente, o que se passou com a imprensa.

“Quando tiros desferidos contra postos policiais, ônibus queimados e outros incidentes levaram medo para dezenas de cidades…” — É quase impossível afirmar quando essa frase foi pronunciada, encaixando-se perfeitamente em diversos momentos após 2002.

Quem nasceu após 1995 apenas o que ouviu falar sobre o poder e o medo que a facção paulista pode gerar. A média de interesse pelo termo “Primeiro Comando da Capital” segundo o Google Trends, em 2018, até o dia 15 de junho, estava em 9,5 pontos, contra uma média histórica de 3,4 pontos de fevereiro de 2004 até dezembro de 2017.

Eu considerava momentos de pico quando as buscas pelo termo alcançavam a marca de 6 pontos — em catorze anos, esse fenômeno ocorreu em 10 ocasiões, sendo que em 2018 apenas o mês de maio ficou abaixo dessa marca.

Onde citei neste site os dados do Google Trends → ۞

Picos históricos de busca para o termo “Primeiro Comando da Capital”

  1. 2006, de maio, 100 pontos — Mega ataque em São Paulo;
  2. 2006, agosto, 29 pontos — Sequestro de repórter da Globo para divulgação do estatuto;
  3. 2018, junho, 14 pontos — queima de ônibus em Minas Gerais e no Rio Grande do Norte contra tortura e falta de condições nos presídios, ações de inteligência contra a facção;
  4. 2018, de fevereiro a abril, pico de 14 pontos — Assassinato de Gegê do Mangue;
  5. 2004, junho, 10 pontos — (Deus sabe o porquê);
  6. 2012, outubro e novembro, pico de 10 pontos — 20 anos de Carandiru — eleições municipais;
  7. 2005, dezembro, 8 pontos — balanço geral do ano do Mega ataque;
  8. 2017, janeiro, 7 pontos — Massacre no Presídio de Compaj — Guerra contra a coligação FDN–CV no norte do país;
  9. 2017, de dezembro à janeiro de 2018, 7 pontos — Guerra entre PCC e as facções FDN–CV; e
  10. 2006, dezembro, 6 pontos — PCC e as escolas de samba.

Onde citei neste site os ataques de 2006 → ۞

Eu, você, a imprensa, o PCC e a colunista do Estadão

A colunista do jornal O Estado de S. Paulo, Eliane Cantanhêde, chamou-me a atenção para a forma como a imprensa repercute o ponto de vista do Estado e de suas forças policiais sem se preocupar de fato com a verdade:

“Depois dos caminhoneiros […] o Brasil está tentando respirar, e agora, esses ataques do PCC, e isso é muito grave porque não tem reivindicação nenhuma por trás, eles inventam que é por causa das condições dos presídios, mas não é, né? É uma demonstração de força, né?

E é muito preocupante, num país que está aí machucado por uma série de coisas. Foram 24 ônibus queimados em 24 horas em Minas Gerais por ordem do principal e mais perigoso e aterrorizante grupo criminoso do país, que é o PCC. Os estados estão de cabelo em pé preocupados, porque é ordem do PCC.”

Raíssa Benevides Veloso e Francisco Paulo Jamil Marques me chamaram a atenção para a situação no seu artigo “O Papel das Fontes Oficiais na Cobertura sobre Segurança Pública — um estudo do jornal O Povo entre 2011 e 2013”.

Onde citei neste site a imprensa → ۞

A imprensa e os ataques do PCC de junho de 2018

A imprensa oficial demoniza as facções criminosas e a crise carcerária, utilizando-as como espetáculo de circo televisivo, como já havia nos contado Gilson César Augusto da Silva, no trabalho “Reality Show das Prisões Brasileiras”.

Por outro lado, há a mídia alternativa fortalecendo a imagem do fora da lei Robin Hood, e dessa forma chegam histórias contadas por pessoas como José Carlos Gregório, mas nos ataques em Minas Gerais e no Rio Grande do Norte ouviu-se apenas uma voz.

O absurdo comentário de Cantanhêde, de que não havia exigência ou consistência nos ataques do PCC, se explica nesse contexto. A autora estava trabalhando, conscientemente ou não, para a construção de um mito, para o reforço de uma imagem do crime organizado (vilão).

À exceção do trabalho da repórter Carolina Linhares, da Folha de S. Paulo, que destacou tanto a causa do conflito quanto a posição do governo e a ação das forças públicas, em mais de uma centena de reportagens só as consequências e a ação das forças públicas foram noticiadas.

Até mesmo o UOL, em uma reportagem assinada por Carlos Eduardo Cherem, replica o discurso oficial e termina informando que: “A PM ainda informou que uma árvore foi queimada no local.” — mas não citou a demanda dos manifestantes.

“As matérias noticiosas são carregadas de imaginários, que por sua vez geram identificação com a imagem que é fortalecida, angústia diante dos acontecimentos, alegria perante as conquistas coletivas; mas também disseminam o medo já existente, levando a uma interpretação comum entre os consumidores.

Enquanto instituição, o jornal faz circular na sociedade sentidos naturalizados a partir da imagem (validada) que projeta na sociedade, como se estivesse propenso a exercer a função de informar, relatar a verdade”

A falta de espaço para apresentação democrática de um pleito leva às manifestações violentas. A história demonstra que o controle da imprensa somado à ação policial apenas protelam e intensificam as ações seguintes, que tendem a ter cada vez mais força.

Onde citei neste site a queima dos ônibus → ۞

Eu e você na construção da imagem do integrante do PCC

Reginaldo demonstra que todos nós somos responsáveis pela construção da imagem do integrante da facção Primeiro Comando da Capital e, ao mesmo tempo que consumimos a ideia, ajudamos a reforçá-la.

Procuramos as notícias sobre a facção que nos agradam, e os meios de comunicação vão produzir para nosso consumo o produto que nós buscamos; assim, a construção e o reforço da imagem é autoalimentada, e se distancia cada vez mais da realidade.

A qual estereótipo você se alinha? Ou talvez você não esteja entre os dois extremos, e sim perdido na bruma existente entre a luz e as trevas:

  • O membro do PCC é aquele que mantém a ordem, a lei e a disciplina nas periferias e nas prisões, e sem sua presença voltamos ao caos?
  • O membro do PCC é o mais perigoso dos bandidos, capaz dos crimes mais brutais e um câncer a ser extirpado mais rapidamente do seio da sociedade?

Os números do Google Trends demonstram que, independente de seu ponto de vista, a presença do membro da organização criminosa paulista, seja como vilão ou como herói, nunca esteve presente de maneira tão intensa e por tanto tempo ininterrupto.

O que isso pode significar? Bem, eu não sei, mas se você quiser pode perguntar para o Lincoln ou Cantanhêde, ele provavelmente vai lhe dizer que estamos assistindo o colapso do PCC, e o início de uma nova era, ou, talvez – apenas talvez – prefira ter a opinião da repórter Carolina Linhares, da Folha de S. Paulo.

Onde citei neste site o promotor de Justiça Lincoln Gakiya → ۞