Central de distribuição de drogas do PCC no Alberto Gomes em Itu

Um idoso observa de sua janela a ação policial que desmantela uma central de distribuição de drogas da facção PCC 1533 em sua vizinhança. A história explora a tensão, o medo e as consequências do crime organizado na vida de pessoas comuns.

Central de distribuição de drogas em itu


Central de distribuição de drogas do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533) desmantelada em Itu, São Paulo, enquanto um idoso observa tensão e medo na vizinhança.

Central de Distribuição do PCC: medo e a tensão no bairro Alberto Gomes

Naquela sombria manhã, o idoso, observando em silêncio através da janela de sua casa, sentiu um medo e terror que nunca havia experimentado antes.

Via pelo vão da cortina a família do motoboy jundiaiense Paulo Rogério, morador em uma edícula de um imóvel próximo, jurar aos policiais que nunca percebeu nenhum movimento estranho na casa da frente. A pressão do frio metal das armas dos policiais em suas faces fez com que Rogério e sua família temessem por suas vidas.

O idoso imaginava o turbilhão de emoções e pensamentos que assolavam Rogério. Ele alugara a casa da frente para complementar a renda e jamais esperava ser envolvido, ou ter envolvido ao pobre motoboy nesse emaranhado de crime, drogas e violência.

A insegurança, a indignação, a impotência e o medo devem ter se misturado na alma de Rogério, enquanto ele tentava convencer os policiais de sua inocência e ignorância sobre o que ocorria no imóvel alugado. Rogério e sua família, agora estavam inseridos em um caso de tráfico de drogas que envolvia a mais terrivel organização criminosa da América do Sul, o Primeiro Comando da Capital, teriam suas vidas impactadas de forma irreversível.

A descoberta do crime organizado ao lado de casa

Era sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009, às 10:25 da manhã.

A casa na Rua Itu, Jardim Alberto Gomes, em Itu, SP, estava cercada por policiais. Um deles bateu à porta, mas só recebeu silêncio como resposta. Dentro da casa, estavam a ribeiropretana Juliana, de 24 anos, e um adolescente conhecido como Beto.

O idoso, por sua idade avançada, não podia interferir, mas podia observar tudo atentamente. Ele sabia que o adolescente namorava Juliana há um mês, e que na noite anterior, um homem desconhecido havia lhes emprestado a chave daquela casa para passarem a noite.

O que ele não sabiam é que aquela residência funcionava como uma central de distribuição de drogas, controlada pelo Primeiro Comando da Capital, uma das maiores e mais perigosas facções criminosas do Brasil.

Drogas, surpresa e nudez

Ao arrombarem a porta, os policiais se depararam com uma cena tumultuada e inesperada. Juliana, completamente nua na cama, encarava os oficiais com olhos arregalados, o rosto tomado por um misto de medo e surpresa. O adolescente, por sua vez, corria ainda nu para o banheiro, tentando se esconder.

Posteriormente o idoso ficou sabendo que o rapaz disse aos poliais que namorava com Juliana há um mês, tendo-a conhecido numa balada no Clube Comerciários. Na noite anterior ele estava com a garota em um barzinho e como não podiam ir para um hotel, visto que ele era menor de idade, um homem que ele não conhecia lhe emprestou as chaves daquela casa para passarem a noite.

Mais tarde, Beto tentaria justificar sua reação de tentar se esconder da polícia durante a invasão da casa dizendo que pensou que fosse um assalto, mas ninguém acreditou naquela história. Afinal, ele era conhecido por sua ligação com o mundo do crime e, apesar de menor de idade, trabalhava como piloto da moto responsável pelas entregas do tráfico na região.

A garota também ficou em uma situação difícil,

A ação policial que mudou a vizinhança

E aquela casa, que parecia comum por fora, escondia um propósito sinistro: servir como a central de distribuição de drogas do PCC nos bairros Alberto Gomes, Jardim Vitória e Centro, e a busca na casa revelou diversas provas do envolvimento com o tráfico, incluindo armas, drogas e anotações relacionadas ao PCC.

O delegado do 2º DP de Itu não se comoveu com a história do casal, que afirmava estar ali apenas por acaso. A investigação, iniciada um ano antes, focava no esquema de tráfico com base no Jardim Vitória, comandado por Júlio César, conhecido como Preto.

O idoso observou tudo, sabendo que a família do motoboy Paulo Rogério, moradores da edícula, não tinha envolvimento com o crime, mas também sabia que eles não eram totalmente inocentes de perceber a atividade criminosa na casa da frente.

O verdadeiro terror, percebeu o idoso, era o medo de conviver ao lado do Primeiro Comando da Capital e o silêncio imposto a Paulo Rogério e sua família, que seria obedecido até o túmulo.

Autor: Ricard Wagner Rizzi

O problema do mundo online, porém, é que aqui, assim como ninguém sabe que você é um cachorro, não dá para sacar se a pessoa do outro lado é do PCC. Na rede, quase nada do que parece, é. Uma senhorinha indefesa pode ser combatente de scammers; seu fã no Facebook pode ser um robô; e, como é o caso da página em questão, um aparente editor de site de facção pode se tratar de Rícard Wagner Rizzi... (site motherboard.vice.com)

Deixe uma resposta

%d