Ato Nacional pela Justiça no Sistema Prisional — 13 de dezembro

Este artigo aborda o Ato Nacional pela Justiça nos cárceres e o papel do PCC. Analisamos a complexa interação entre o crime organizado, as políticas penitenciárias e as dinâmicas sociais e políticas, destacando as manifestações pacíficas e o papel da sociedade e autoridades na busca por um sistema prisional justo.


Ato Nacional pela Justiça no Sistema Prisional é o tema central de nosso novo artigo, que explora profundamente as nuances deste importante movimento. Nele, abordamos como o Primeiro Comando da Capital (Facção PCC 1533) influencia e é influenciado por tais atos, revelando aspectos complexos do sistema carcerário. Convidamos você a mergulhar nesta leitura envolvente, que lança luz sobre as realidades ocultas e as vozes muitas vezes não ouvidas no debate penitenciário brasileiro.

O artigo inicia abordando detalhadamente o Ato Nacional pela Justiça no Sistema Prisional, apresentando informações sobre os organizadores e a natureza do evento. Posteriormente, mergulhamos em uma análise do histórico dessas manifestações, examinando as reações dos órgãos de repressão pública e da imprensa frente a esses movimentos. Finalmente, o artigo culmina com um olhar aprofundado sobre o posicionamento da organização Primeiro Comando da Capital, oferecendo uma perspectiva integral e multifacetada dos recentes acontecimentos no cenário prisional brasileiro.

Convidamos nossos leitores a se inscreverem no grupo de WhatsApp dos Leitores do Site, onde podem compartilhar o conteúdo em suas redes sociais e comentar no nosso portal. Após o carrossel de artigos, descubra diversas análises do artigo feitas por Inteligência Artificial, enriquecendo sua experiência de leitura.

Público-alvo
Ativistas de Direitos Humanos e Sociais: Indivíduos ou grupos engajados na luta por justiça social, direitos humanos e reformas penitenciárias.
Estudiosos e Acadêmicos: Pesquisadores, estudantes e professores de áreas como sociologia, direito, ciências políticas e criminologia, interessados em análises aprofundadas sobre crime organizado, sistema prisional e políticas públicas.
Familiares de Detentos: Pessoas com familiares ou amigos encarcerados que buscam compreender e influenciar o sistema prisional em favor de condições mais humanas.
Profissionais de Segurança Pública e Juristas: Incluindo policiais, advogados e juízes que lidam diretamente com as consequências do crime organizado e a gestão do sistema prisional.
Jornalistas e Comentaristas Sociais: Profissionais da mídia focados em questões de justiça criminal, segurança pública e direitos humanos.
Público Geral Interessado em Questões Sociais: Cidadãos preocupados com questões de justiça social, reforma penitenciária e o impacto do crime organizado na sociedade.
Membros e Ex-membros de Organizações Criminosas: Indivíduos que buscam entender o papel e a influência dessas organizações dentro do sistema prisional e na sociedade em geral.
Políticos e Formuladores de Políticas Públicas: Decisores políticos que buscam informações para embasar políticas efetivas de segurança pública e reformas no sistema prisional.
Este texto é capaz de atrair e envolver um público diversificado devido à sua abordagem multifacetada que abrange desde análises sociopolíticas até questões humanitárias e de justiça.

Ato Nacional da Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP)

No dia 13 de dezembro, em várias regiões do Brasil, serão realizados atos em favor da justiça no sistema prisional brasileiro. A Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP) está convocando pessoas de todo o país a se unirem a eles, elevando suas vozes e contribuindo ativamente para essa causa.

O Ato Nacional pela Justiça no Sistema Prisional não visa a concessão de privilégios, mas a implementação efetiva da lei. É intolerável a continuação desta situação explosiva, que há décadas submete pessoas a condições desumanas, superando os propósitos educacionais e de ressocialização da pena.

Torna-se crucial que a sociedade encare com seriedade e responsabilidade a realidade do sistema prisional brasileiro: uma infraestrutura falha que não consegue reintegrar adequadamente os indivíduos à sociedade. Em um sistema destinado à reabilitação, é inadmissível que a fome e a má alimentação sejam utilizadas como instrumentos de punição.

Nas prisões do Brasil, a alimentação tem sido usada como uma ferramenta de castigo por uma minoria de agentes penitenciários, empregando-a para punir e dominar os detentos. Além disso, esses prisioneiros têm que sobreviver com quantidades insuficientes de comida que, frequentemente, estão contaminadas ou estragadas, uma realidade decorrente da corrupção e do desvio de recursos.

Diante disso, a ANFAP estabelece como um de seus objetivos imediatos o fim da fome nos cárceres e a eliminação do uso indevido de alimentos como meio de coerção.

LocaIs dos eventos – HORÁRIO 11 HORAS

Aracajú SE – SAP – Rua Antônio de Andrade 981
Bauru SP – DEENCRIM UR 3 – Rua Amazona 1-41
Belo Horizonte MG – Praça Raul Soares cruzamento da Av. Amazonas
Boa Vista AC – SEJUC – Av. Getúlio Vargas 8120
Brasília DF – Esplanada dos Ministérios, em frente ao Congresso Nacional
Campo Grande MS – Tribunal de Justiça Instância Federal
Chapecó SC – Rua Augusta Muller Bohner 300
Curitiba PR – Palácio do Governo – Praça Nossa Senhora de Salette
Florianópolis SC – Tribunal de Justiça – Rua Álvaro Milen da Silveira
Fortaleza CE – Fórum Juiz Corregedor
Goiana GO – Tribunal de Goiania – Av. Assis Chateubriand 195
João Pessoa PB – Praça dos Três Poderes – Praça João Pessoa
Macapá AP – Palácio do Setentrião – Rua General Rondon 259
Maceió AL – Palácio do Governo – Rua Cincinato Pinto
Manaus AM – Av. Paraiba, São Francisco
Marabá PA – Fórum Juiz José Elias Monteiro Lopes – Rod. Transamazônica 5213
Mossoró RN – Vara Federal de Mossoró – Rua Jorge Coelho de Andrade
Palmas TO – Esplanada das Secretarias – Praça dos Girassóis
Porto Alegre RS – TRF 4 – Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha 300
Porto Velho RO – Justiça Federal – Av. Presidente Dutra 2203
Presidente Prudente SP – DEENCRIM URS – Rua Maj. Felício Tarabay 1017
Recife PE – TRF 5 – Edifício Djaci Falcão – Cais do Apolo
Ribeirão Preto SP – DEENCRIM URS – Rua Luiz Barizon 95
Rio Branco AC – Fórum Criminal Des. Lourival Marques – Av. Paulo Lemes 878
Rio de Janeiro RJ – Praça da Cinelândia
Salvador BA – Palácio do Governo – Ladeira do Jardim Zoológico Olinda
Santos SP – DEENCRIM UR 13 – Rua Martim Afonso 04
São José dos Campos SP – DEENCRIM UR 9 – Av. Salmão 678
São José do Rio Preto SP – DEENCRIM URS – Rua Mal. Deodoro da Fonseca 3036
São Luiz MA – Palácio dos Leões – Rua D. Pedro II
São Paulo SP – SAP – Rua Ataliba Leonel 556
Sorocaba SP – DEENCRIM UR 10 – Rua 28 de Outubro 665
Vitória ES – Sede do Governo Estadual – Av. Jerônimo Monteiro
Terezina PI – Palácio de Karnak – Av. Antonio Freire 1450
Aracajú SE – SAP – Rua Antônio de Andrade 981
Bauru SP – DEENCRIM UR 3 – Rua Amazona 1-41
Belo Horizonte MG – Praça Raul Soares cruzamento da Av. Amazonas
Boa Vista AC – SEJUC – Av. Getúlio Vargas 8120
Brasília DF – Esplanada dos Ministérios, em frente ao Congresso Nacional
Campo Grande MS – Tribunal de Justiça Instância Federal
Chapecó SC – Rua Augusta Muller Bohner 300
Curitiba PR – Palácio do Governo – Praça Nossa Senhora de Salette
Florianópolis SC – Tribunal de Justiça – Rua Álvaro Milen da Silveira
Fortaleza CE – Fórum Juiz Corregedor
Goiana GO – Tribunal de Goiania – Av. Assis Chateubriand 195
João Pessoa PB – Praça dos Três Poderes – Praça João Pessoa
Macapá AP – Palácio do Setentrião – Rua General Rondon 259
Maceió AL – Palácio do Governo – Rua Cincinato Pinto
Manaus AM – Av. Paraiba, São Francisco
Marabá PA – Fórum Juiz José Elias Monteiro Lopes – Rod. Transamazônica 5213
Mossoró RN – Vara Federal de Mossoró – Rua Jorge Coelho de Andrade
Palmas TO – Esplanada das Secretarias – Praça dos Girassóis
Porto Alegre RS – TRF 4 – Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha 300
Porto Velho RO – Justiça Federal – Av. Presidente Dutra 2203
Presidente Prudente SP – DEENCRIM URS – Rua Maj. Felício Tarabay 1017
Recife PE – TRF 5 – Edifício Djaci Falcão – Cais do Apolo
Ribeirão Preto SP – DEENCRIM URS – Rua Luiz Barizon 95
Rio Branco AC – Fórum Criminal Des. Lourival Marques – Av. Paulo Lemes 878
Rio de Janeiro RJ – Praça da Cinelândia
Salvador BA – Palácio do Governo – Ladeira do Jardim Zoológico Olinda
Santos SP – DEENCRIM UR 13 – Rua Martim Afonso 04
São José dos Campos SP – DEENCRIM UR 9 – Av. Salmão 678
São José do Rio Preto SP – DEENCRIM URS – Rua Mal. Deodoro da Fonseca 3036
São Luiz MA – Palácio dos Leões – Rua D. Pedro II
Sorocaba SP – DEENCRIM UR 10 – Rua 28 de Outubro 665
Vitória ES – Sede do Governo Estadual – Av. Jerônimo Monteiro
Terezina PI – Palácio de Karnak – Av. Antonio Freire 1450

Quem é a Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP)

A Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP) é uma entidade informal, mas sim uma força política unificada e uma voz coletiva que defende o Estado Democrático de Direito nos cárceres do Brasil. Esta articulação denuncia a violência, a violação de direitos básicos e o sofrimento atroz como características endêmicas das prisões brasileiras.

Originada da união de familiares de presos – mães, esposas, filhas, pais e irmãos – que enfrentam a realidade brutal do sistema prisional, a ANFAP reflete as preocupações daqueles que buscam um sistema de governança interna dos presídios digno.

Além da luta como familiares, a ANFAP também se manifesta como uma articulação de indivíduos políticos que buscam colaborar com associações, coletivos, comitês, ONGs e advogados. Estes estão empenhados em transformar a realidade do sistema penitenciário brasileiro e combater o Estado Inconstitucional de Coisas. A superlotação, as péssimas condições das prisões e a incapacidade do Estado de prover condições de vida adequadas são o foco principal da luta da ANFAP.

A trajetória da ANFAP, já com mais de quatro anos, inclui várias visitas a Brasília, visando sensibilizar as autoridades e incitar mudanças urgentes. A organização busca justiça para aqueles que estão relegados às sombras do sistema penitenciário, evidenciando as duras realidades enfrentadas por milhares de famílias brasileiras, além das deficiências estruturais e dos desafios crônicos do sistema prisional brasileiro.

A Polícia, a Imprensa, as Facções Criminosas e as Manifestações Pacíficas

No final dos anos 90, investigações da Polícia Civil sugeriram que o Primeiro Comando da Capital, uma notória organização criminosa, foi responsável por organizar e financiar protestos de visitantes de presídios, desafiando o sistema prisional e o Estado. Estes eventos, amplamente cobertos pela mídia, incluíram cenas de manifestantes sendo interceptados, identificados e detidos, ocupando as manchetes do noticiário criminal e as telas de TV em horário nobre.

O objetivo declarado desses protestos pacíficos era reivindicar direitos mínimos para os presos, focando em aspectos como a melhoria das condições de alimentação nas prisões. Contudo, as autoridades de São Paulo dirigiram a atenção da mídia para o fato de que as articulações para essas manifestações estavam sendo coordenadas de dentro das prisões.

Essa operação policial, já em andamento antes da data marcada para a manifestação, culminou no dia do evento, resultando na detenção de várias pessoas, incluindo a esposa de Marcola, líder da facção criminosa paulista, um fato destacado como uma grande conquista pelas autoridades.

Esta situação tem paralelos com um caso reportado pelo jornal O Estado de S. Paulo, envolvendo Luciane Barbosa Farias, esposa de Clemilson dos Santos Farias, “Tio Patinhas”, líder do Comando Vermelho (CV) no Amazonas. Luciane, apelidada de “dama do tráfico amazonense”, participou de audiências no Ministério da Justiça e no Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania durante o governo Lula.

Familiares dos Encarcerados e Política: Um Jogo Complexo no Brasil

Esses episódios apontam para um padrão de envolvimento ativo de familiares de líderes de facções criminosas em ações políticas e protestos, com o intuito de influenciar as políticas penitenciárias e a gestão do sistema prisional. A participação desses familiares, com apoio financeiro das facções, sugere, segundo as forças policiais, uma interação complexa entre crime organizado, sistema prisional e dinâmicas políticas no Brasil.

É crucial frisar que as manifestações públicas e pacíficas são direitos legítimos e essenciais na democracia brasileira. A liberdade de expressão e o direito de reivindicar melhorias são fundamentais. Nesse aspecto, a ANFAP vê as manifestações como expressões legítimas de cidadania, mas também identifica uma tendência de grupos punitivistas em desrespeitar os direitos humanos, promovendo o encarceramento em massa e perpetuando a violência no sistema prisional.

Esse cenário reflete as complexidades e desafios no Brasil em relação ao tratamento de presos e à gestão do sistema prisional. As manifestações pacíficas e a luta pelos direitos dos encarcerados, legítimas e necessárias, exigem uma abordagem conjunta de sociedade e autoridades, pautada no respeito aos direitos humanos e na busca por um sistema prisional mais justo e eficiente.

Nota Ofical da ANFAP – Articulação Nacional de Familiares de Presos

Seguindo uma lógica política já estabelecida, de criminalização de toda e qualquer expressão de luta em busca de direitos fundamentais e humanos, quando se trata de detentos do sistema prisional e de seus familiares, parte da imprensa amanheceu noticiando hoje (13/11/2023) que o Ministério da Justiça teria recebido integrantes de uma determinada organização criminosa.

Além de atacar uma luta legítima e democrática desse segmento social, familiares de presos, aproveita nossa luta e com sensacionalismo tenta vinculá-la ao Governo Lula, o Ministro Dino e sua pasta, bem como a parlamentares que receberam o movimento, que conosco não tem nenhuma vinculação e apenas estava cumprindo com sua missão institucional.

Definitivamente não cabe, essa vinculação pois, nosso movimento é autônomo e independente de qualquer governo e os procura apenas por serem as autoridades competentes para dirimir as demandas do sistema prisional.

Não em nosso nome ou nos usando atacarão um governo e parlamentares democraticamente eleitos! As pessoas recebidas pelo Ministério, são familiares de detentos, de diferentes Estados do Brasil, e estavam acompanhadas de advogadas ativistas, que prestam seus serviços profissionais a estas entidades.

A luta da ANFAP é pelo integral cumprimento da decisão proferida pelo STF, quando do julgamento da ADPF 347, que reconheceu o “estado inconstitucional de coisas no sistema prisional brasileiro” e determinou que Governo Federal, estaduais, CNJ e outras instituições elaborem em 6 meses um plano estratégico que retire o Brasil da condição de violador de direitos humanos e fundamentais.

Decidiu também o STF que essas instituições deveriam chamar as entidades da sociedade civil a participar da elaboração desse plano e, a esse chamado a ANFAP e demais entidades que com ela se organizam se somaram.

Estivemos no Congresso Nacional, com a Comissão de Direitos Humanos da Casa, conversamos com diversos parlamentares, em vários ministérios e entendemos que ao nos receber, essas instâncias apenas cumpriram o papel para o qual foram eleitas e nomeadas.

Entre os que lutam nas fileiras da ANFAP e das demais entidades, estão familiares de detentos de todo Brasil, de presídios federais e estaduais, são mães, esposas, irmãos, filhas, filhos que buscam desesperados que a calamidade hoje no sistema cesse.

Esses familiares não podem ser confundidos com criminosos – nem a ANFAP e nem esses familiares defendem o crime ou quem os comete, defendem ao contrário os direitos fundamentais e humanos civilizatórios e para todos, conforme a Constituição brasileira, a Lei de Execução Penais, os Tratados Internacionais de Direitos Humanos e todo o escopo normativo que trata dessa demanda.

No dia 13/12/2023, na Esplanada dos Ministérios em Brasília, a ANFAP, as ONGs, associações e todas as entidades que lutam neste setor, realizaremos uma manifestação pelo cumprimento da decisão do STF.

A luta é contra a pena de fome imposta aos detentos, contra a proibição de filhos abraçarem seus pais, de esposas não poderem estar com seus maridos, é contra a tortura e todas as mazelas do sistema enumeradas pelo STF.

Essa é a luta que estamos travando e que esperamos continuar travando, contando com todos aqueles que respeitam a democracia e os direitos de livre expressão e manifestação de todos os movimentos sociais.

O Primeiro Comando da Capital e o ato da ANFAP

A organização criminosa não se posicionou oficialmente em suas plataformas sobre os atos. Contudo, é inegável que o Primeiro Comando da Capital se originou no turbilhão da injustiça carcerária, brotando da dor e do luto pelos que perderam suas vidas no massacre do Carandiru em 1992. Naturalmente, esperar-se-ia algum grau de apoio, mesmo que velado, por parte de suas lideranças a movimentos que defendem os direitos dos encarcerados.

É uma verdade triste que qualquer ação em favor dos direitos dos presos seja frequentemente vista, pela imprensa e pela sociedade, sob uma perspectiva distorcida e limitada, muitas vezes fomentada por setores da classe política e do aparato de segurança pública. Tais movimentos são equivocadamente interpretados como uma ameaça à própria democracia e ao tecido social. Dentro das discussões e manifestações que circulam, destaca-se um texto particularmente emocionante que tem sido compartilhado em grupos de WhatsApp no sul do país, refletindo a profunda necessidade de empatia e compreensão em relação a esta questão complexa e sensível.

Do Corinthiano de Cascavel para a Família 1533

Bom dia, estimada família, um forte, leal e sincero abraço a todos, com a energia que sempre nos une.

A cena é tensa, e o papo aqui é reto, mano: no dia 13 de dezembro, vai ter aquele ato firmeza da Articulação Nacional de Familiares de Presos, a ANFAP. A ideia é espalhar o movimento por todo o canto desse Brasilzão. É tudo pela união, pra fazer o barulho certo e ecoar nosso grito de justiça no sistema que prende, mas não reeduca.

O ato do dia 13 de dezembro é pra quem valoriza a vida, e a dignidade.  Não importa o lugar, das quebradas das grandes cidades até o último corredor da mais distante tranca do canto mais profundo do país. É a hora da virada, mano, sem distinção, a hora de juntar a voz da massa e da ‘Família 1533’. Tá ligado? É mais que um protesto, é a alma na luta, é o coração pulsando forte por respeito e dignidade. Vamo que vamo, porque só a união faz a força e a verdadeira mudança.

O Primeiro Comando da Capital se estabeleceu como uma força de oposição às falhas graves do sistema prisional do Brasil. Sem meias palavras, se colocaram na frente da guerra contra o sistema, apontando os holofotes para os abusos e as violências que o Estado pratica contra a galera da cadeia. Esses caras plantaram a bandeira da coragem quando falaram que estavam dispostos a lutar até a “última gota de sangue”, mostrando que a disposição deles pra encarar essa guerra é pra valer.

700.000 vidas atrás das grades no Brasil

Quando falamos, “última gota de sangue”, não é só pra causar impacto, é a real. É o que representa a luta do PCC, que nunca cansa, nunca desiste, mesmo quando o barato fica doido atrás das grades. Essa história deles é marcada por uma resistência que não se dobra, que não se entrega, sempre buscando justiça e igualdade num sistema que tá mais pra quebrar o homem do que pra fazer ele se recuperar.

A fita é séria: fala-se de quase 700 mil vidas atrás das grades no Brasil, e isso inclui a massa dos presos provisórios. Os números não mentem, é como se um estado inteiro, tipo o Acre, tivesse sido aprisionado, e o povo lá dentro sofrendo todo tipo de abuso e opressão, todo santo dia. Isso aí é o retrato de uma dor coletiva, de uma situação que grita urgência, que clama por um basta.

E aí, nesse contexto pesado, a parada do ato que tá sendo armado, não é só um barulho qualquer, é um berro por ajuda, é resistência na veia. É o povo chamando pra união, pra juntar força e encarar a barra pesada que é a vida dentro e fora do sistema. E pra “Família 1533”, esse movimento é mais profundo que qualquer ato ou protesto, é luta por justiça. É sobre a essência deles, é o que faz eles serem quem são, é lutar pela causa que é o motivo deles existirem.

É de extrema importância perceber o peso que os líderes do PCC tão colocando nessa parada. Ninguém pode dar mole e achar que é brincadeira. O problema é sério e pede um olho atento de todos, aqui e agora. E ó, as autoridades já estão na atividade, tentando dar um jeito de barrar nosso ato que só quer a paz. Essa pilha toda das autoridades só deixa mais claro o quanto a nossa voz no ato pode mexer com o sistema. O momento é chave, mano, pode ser aquele divisor de águas, capaz de mudar o jogo para a galera.

A liderança da organização criminosa PCC 1533

A liderança do Primeiro Comando da Capital tá ligada, na atividade, sem dar espaço pra vacilo. Eles sabem que essa luta não é de um só, e sim de todos que querem ver mudança. É nessa que a família dos que tão lá no duro, encarando a realidade bruta do sistema, tem que se fechar com a gente.

Esse movimento é daqueles que ecoam, que batem em cada canto do país, mostrando a resistência contra o que tá errado nas prisões brasileiras. É a voz do povo contra a opressão e a injustiça, que tá gritando alto nas trancas.

Quem tá na rua e tem condição, tem que chegar junto com aquela ajuda de coração, sabe? Fazer aquela vaquinha pra levantar uma grana pra água, café, um rango pra fortalecer a galera no dia do ato, 13 de dezembro. É mais que um corre, é uma questão de honra poder fortalecer essa causa.

Quem já deu um rolê pelo sistema sabe como é o aperto lá dentro, conhece a dor de perto, aquela angústia que não passa. O Estado vem pesado, com desrespeito e sem consideração, tratando os familiares dos irmãos de cana como se fossem nada, cortando os laços, deixando a saudade e o desamparo tomar conta. Isso aí não é justo, não é certo. Tem que ter ação, tem que ter mudança.

A humilhação que já rolou na porta das cadeias

As vítimas desse sistema opressor são muitas, cada um com sua história, marcada na pele, na alma, no coração. A coragem de peitar o Estado, de abrir processo por causa de rango ruim, de ficar sem água, de aguentar a porrada e o esculacho, isso não é pra qualquer um, não. Os irmãos e as irmãs que se levantam sabem que vão ter que encarar o preconceito, a pressão, e até a vingança dos cana. É um sistema feito pra quebrar o cara, pra humilhar quem tá do lado de fora, esperando, sofrendo junto.

A gente não tem como voltar atrás, não dá pra desfazer o que já foi feito, a dor que já foi sentida, a humilhação que já rolou na porta da cadeia.  Essas pessoas estão conscientes dos preconceitos, da pressão e da retaliação que enfrentaram por parte das autoridades e seus agentes. Mas ainda dá pra fazer alguma coisa, dá pra estender a mão pra quem tá lá dentro, pros familiares, pra que eles não tenham que passar pelo mesmo que milhões já passaram. Essa realidade, essa vivência pesada, foi o que deu força pras organizações nas ruas, em todo canto do país. Isso não é conversa, é fato. E tá na hora de mudar essa história.

Milhões de irmãos e irmãs, cada um com sua história, passaram por essa realidade pesada, uma realidade que só fortaleceu as organizações criminosas por todo o Brasil. É o sistema quebrado, que empurra a massa para as organizações criminosas. A facção PCC, a Família 1533, nasceu nesse caldeirão para combater essas injustiças e por essa razão é que está dando apoio ao ato do dia 13 de dezembro.

Como os Racionais MCs falaram, todo mundo queria um lugar tranquilo, um espaço suave, tipo aquele gramado verdejante, cercas brancas, uma seringueira e molecada soltando pipa. Mas o que a gente recebeu foi bem diferente: a opressão dentro das cadeias, o massacre do Carandiru, tudo isso foi moldando um caminho onde as organizações criminosas ganharam força. Era para ser diferente, mas o sistema falhou, e aí, nessa falha, o Primeiro Comando da Capital virou a Família 1533, a família de quem não tinha mais para onde ir.

Agradecimento às lideranças da facção

Agora, o sonho daquela vida tranquila se perdeu, se esvaiu. Em vez disso, encontramos abrigo em uma realidade mais dura, mais cruel. A proteção, ironicamente, vem desses grupos criminosos que surgiram e se fortaleceram nos becos e vielas das comunidades oprimidas. É uma reviravolta que ninguém esperava, uma realidade que ninguém queria, mas é o que temos. É o retrato da nossa sociedade, onde os sonhos são desfeitos e o refúgio vem de onde menos se espera.

Meus sinceros votos de lealdade e respeito são dedicados a este movimento. Conto com o apoio da Família PCC e com todos aqueles que, não sendo envolvidos com o crime, para enfrentarmos juntos esta questão. Desejo paz a todos e é uma grande satisfação estar ao lado da família PCC nesta causa.

A minha gratidão se estende às lideranças dos Estados e Países pelo excelente trabalho que está sendo realizado. Juntos, somos mais fortes, e isso é um fato que se prova a cada dia. Unidos nesta causa, temos a força necessária para provocar mudanças significativas. Fiquem todos na paz do Criador, e saibam que, as lideranças estão comprometidas com esta causa até o fim.

Análise de IA do artigo: Ato Nacional pela Justiça no Sistema Prisional — 13 de dezembro

TESES E CONTRATESES APRESENTADAS NO TEXTO

Teses Defendidas pelo Autor:
  1. Necessidade de Reforma no Sistema Prisional: O autor argumenta fortemente pela necessidade de reformas no sistema prisional brasileiro, destacando questões como superlotação, condições desumanas, e a falta de medidas de reabilitação eficazes.
  2. Legitimidade das Manifestações: O texto defende a legitimidade das manifestações pacíficas como uma forma de expressão democrática, especialmente aquelas focadas nos direitos dos detentos.
  3. Influência das Facções Criminosas: O autor reconhece a complexa relação entre facções criminosas como o PCC e as dinâmicas políticas e sociais que influenciam o sistema prisional.
  4. Papel da ANFAP: O texto destaca o papel da Articulação Nacional de Familiares de Presos na defesa dos direitos dos detentos e na luta contra as injustiças do sistema carcerário.
Contrateses:
  1. Segurança Pública: Uma contra-tese poderia argumentar que a segurança pública deve ser a prioridade, e que as reformas no sistema prisional não devem comprometer a segurança da sociedade.
  2. Manifestações e Ordem Pública: Pode-se argumentar que as manifestações, mesmo pacíficas, lideradas ou influenciadas por organizações criminosas, podem perturbar a ordem pública e não devem ser plenamente legitimadas.
  3. Risco de Politização: Existe a preocupação de que a participação de organizações criminosas em manifestações possa politizar as questões prisionais de maneira inapropriada, prejudicando a busca por soluções objetivas.
  4. Papel dos Familiares de Detentos: Alguns podem argumentar que, enquanto a preocupação dos familiares de detentos é compreensível, suas ações podem ser parcialmente influenciadas por laços emocionais e, portanto, podem não sempre refletir uma abordagem equilibrada em relação à justiça e à segurança prisional.

Análise pelo ponto de vista factual e de precisão

Factualidade
  • Movimento pela Justiça no Sistema Prisional: A descrição do Ato Nacional pela Justiça no Sistema Prisional parece basear-se em eventos reais e relevantes. A representação da ANFAP como uma articulação política e a descrição de suas atividades correspondem ao que se esperaria de um movimento social real.
  • Relação com o PCC: A menção ao Primeiro Comando da Capital e sua suposta influência nos atos reivindicatórios levanta questões de veracidade. Embora o PCC seja uma organização real, a extensão e a natureza exata de sua influência em tais movimentos sociais são complexas e podem não ser totalmente transparentes ou diretas como sugerido.
  • Aspectos do Sistema Prisional: As afirmações sobre as condições desumanas nas prisões brasileiras e a utilização da fome e má alimentação como punição são consistentes com relatos de organizações de direitos humanos sobre o sistema prisional do Brasil.
Precisão
  • Dados e Estatísticas: O artigo menciona o número de prisioneiros no Brasil e comparações com a população de estados como o Acre, o que pode ser verificado por estatísticas oficiais. No entanto, a precisão dessas estatísticas pode variar dependendo da fonte e da atualidade dos dados.
  • Contextualização Histórica: A referência ao massacre do Carandiru e a origem do PCC em resposta a este evento são historicamente corretas. No entanto, a interpretação desses eventos e sua relação com as atuais dinâmicas do sistema prisional podem ser subjetivas.
  • Implicações Políticas: A sugestão de que a polícia e a imprensa têm um viés contra os movimentos sociais e os familiares dos detentos é uma interpretação que requer um exame mais aprofundado e contextualizado das políticas de segurança e da cobertura midiática no Brasil.

Em resumo, o texto apresenta uma mistura de fatos comprováveis e interpretações que exigem uma análise crítica. Enquanto a existência do movimento e de problemas no sistema prisional são factualmente corretos, a interpretação da influência do PCC e a representação das reações da polícia e da imprensa são mais subjetivas e podem variar conforme a perspectiva.

Análise sob o ponto de vista estratégico

  1. Mobilização Coletiva e Engajamento Social: O texto destaca a Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP) como um exemplo de mobilização estratégica. Ao convocar pessoas de todo o país para se unirem em um movimento, a ANFAP emprega uma estratégia de engajamento coletivo que visa a ampliar a conscientização pública e pressionar por mudanças no sistema prisional.
  2. Influência e Poder das Facções Criminosas: A presença e influência do Primeiro Comando da Capital no sistema prisional aponta para uma estratégia de fortalecimento e expansão de poder dentro e fora das prisões. Isso representa um desafio estratégico para as autoridades, que devem desenvolver respostas eficazes para contrabalançar a influência das facções.
  3. Comunicação e Narrativa: O texto utiliza uma narrativa poderosa para destacar as injustiças do sistema prisional. Estrategicamente, isso pode ser visto como uma tentativa de moldar a opinião pública e gerar empatia pelas condições dos presos e suas famílias.
  4. Atuação em Rede: A ANFAP, ao colaborar com associações, ONGs e advogados, demonstra uma estratégia de atuação em rede, essencial para fortalecer a causa e aumentar o impacto das ações.
  5. Conflito entre Ordem Pública e Direitos Civis: O envolvimento de famílias de presos em manifestações pacíficas, por um lado, e a resposta das autoridades, por outro, evidenciam um conflito estratégico entre a manutenção da ordem pública e a proteção dos direitos civis.
  6. Reformas no Sistema Prisional: A necessidade de reformas estruturais no sistema prisional é uma questão estratégica central. Isso requer uma abordagem holística, envolvendo legislação, infraestrutura, políticas de ressocialização e medidas anti-corrupção.
  7. Relações com a Mídia: A maneira como os eventos são relatados pela mídia influencia a percepção pública e, consequentemente, a tomada de decisão política. Estrategicamente, tanto os organizadores dos atos quanto as autoridades devem considerar a mídia como um campo de batalha para a opinião pública.
  8. Desafios de Longo Prazo: O texto sugere que os problemas do sistema prisional são crônicos e profundamente enraizados. Portanto, qualquer estratégia eficaz deve ser sustentável e focada em soluções de longo prazo.

Em resumo, o texto oferece uma visão estratégica complexa e multifacetada do sistema prisional brasileiro e das dinâmicas que o cercam. As estratégias abordadas variam desde a mobilização social e a influência das facções criminosas até a necessidade de reformas abrangentes e estratégias de comunicação eficazes.

Análise sob o ponto de vista Hitórico

  1. Contexto Histórico do Sistema Prisional Brasileiro: O texto aborda a realidade histórica das prisões no Brasil, marcada por superlotação e condições desumanas. Essa situação é um problema crônico e bem documentado, refletindo falhas estruturais no sistema penitenciário do país.
  2. Emergência do Primeiro Comando da Capital (PCC): A referência ao PCC como uma resposta ao massacre do Carandiru em 1992 é historicamente precisa. O PCC, de fato, cresceu em resposta às condições opressivas do sistema carcerário e ganhou notoriedade após o Carandiru, um dos episódios mais violentos na história do sistema prisional brasileiro.
  3. Movimentos Sociais e Reivindicações por Justiça: A descrição da ANFAP como uma articulação de familiares de presos reflete uma resposta social e política às falhas do sistema prisional. Movimentos semelhantes surgiram historicamente como reação à negligência do Estado e às violações de direitos humanos nas prisões.
  4. Relação entre Crime Organizado e Política: A sugestão de que familiares de líderes de facções criminosas estiveram envolvidos em ações políticas e manifestações é um aspecto complexo e multifacetado. Historicamente, o envolvimento de organizações criminosas em atividades políticas e sociais no Brasil é um tema de debate e análise contínua.
  5. Resposta das Autoridades e da Imprensa: O texto menciona as reações da polícia e da mídia aos movimentos sociais e às manifestações. Historicamente, a relação entre a imprensa, as autoridades e movimentos sociais no Brasil tem sido tensa, especialmente em contextos que envolvem crime e justiça.
  6. Direitos Humanos e Democracia: A ênfase na importância das manifestações pacíficas e no respeito aos direitos humanos reflete um valor fundamental da democracia. Historicamente, a luta por direitos humanos tem sido um pilar na busca por reformas no sistema prisional e na sociedade brasileira em geral.
  7. Cultura e Referências Populares: A referência aos Racionais MCs e sua representação da realidade social brasileira demonstra como a cultura popular reflete e influencia a percepção pública de questões sociais, incluindo as do sistema prisional.

Em resumo, o texto oferece uma visão historicamente fundamentada de vários aspectos do sistema prisional brasileiro e dos movimentos sociais que surgiram como resposta a suas falhas. Embora algumas interpretações e conexões sejam mais complexas e sujeitas a debate, o contexto geral apresentado é alinhado com a história social e política do Brasil.

Análise sob o ponto de vista da Sociológico

  1. Dinâmica entre Estado e Sociedade: O texto destaca o papel do Estado no sistema prisional e como ele é percebido pela sociedade. As menções ao fracasso do Estado em fornecer condições adequadas nas prisões refletem um cenário de desconfiança e tensão entre as instituições estatais e os cidadãos, especialmente aqueles com familiares encarcerados.
  2. Mobilização Social e Grupos Marginalizados: A mobilização da Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP) e outros coletivos demonstra como grupos marginalizados se organizam para reivindicar direitos e justiça. Essa organização é uma resposta típica a sistemas opressivos e reflete a agência dos menos privilegiados na sociedade.
  3. Facções Criminosas e Estrutura Social: O texto aborda a influência do Primeiro Comando da Capital nas dinâmicas sociais e políticas. Sociologicamente, isso pode ser visto como um exemplo de como estruturas paralelas de poder surgem em contextos de falha estatal, oferecendo uma forma de ordem e proteção em ambientes de incerteza e abandono.
  4. Interseção entre Crime, Política e Mídia: O artigo discute o envolvimento de familiares de líderes de facções criminosas em atividades políticas e como a mídia e as forças policiais reagem a isso. Isso revela a complexidade das relações entre crime, política e a percepção pública, demonstrando como diferentes atores sociais influenciam e moldam a narrativa em torno de questões de justiça.
  5. Direitos Humanos e Advocacia: A ênfase na luta por direitos humanos e melhores condições prisionais reflete um importante aspecto sociológico: a busca contínua por justiça social e equidade. Isso também mostra como os movimentos de direitos humanos podem surgir como contrapontos a sistemas injustos.
  6. Cultura e Identidade Coletiva: Referências culturais, como as dos Racionais MCs, indicam como a arte e a música podem refletir e influenciar as percepções sociais, fortalecendo a identidade coletiva e a resistência contra a opressão.
  7. Solidariedade e Ação Coletiva: O apelo à solidariedade e à ação coletiva, particularmente entre os membros da “Família 1533”, destaca a importância da coesão social e do apoio mútuo em tempos de adversidade, um tema central em estudos sociológicos sobre movimentos sociais.
  8. Transformação Social e Poder: A narrativa do texto sugere uma busca por transformação social significativa, questionando as estruturas de poder existentes e propondo novas formas de organização social e política.

Em resumo, o texto apresenta uma rica análise sociológica das dinâmicas entre Estado, sociedade, crime, e movimentos sociais, mostrando como diferentes grupos e instituições interagem e influenciam o cenário social e político no Brasil, particularmente em relação ao sistema prisional.

Análise sob o ponto de vista Antropológico

  1. Identidade e Cultura de Grupos Marginalizados: O texto ilustra como grupos marginalizados, como os familiares dos presos e membros das facções criminosas, desenvolvem sua própria identidade cultural e social. Eles criam sistemas de significados, valores e práticas para lidar com a realidade opressiva do sistema prisional. Essas identidades são moldadas tanto pela experiência direta com o sistema penitenciário quanto pela narrativa coletiva criada dentro de suas comunidades.
  2. Estrutura de Poder e Hierarquia: O papel do Primeiro Comando da Capital destaca como as estruturas de poder podem emergir e se estabelecer dentro de contextos sociais específicos. A facção PCC, neste caso, reflete uma ordem hierárquica alternativa que surge em resposta às falhas do Estado em fornecer justiça e segurança adequadas.
  3. Rituais e Símbolos: O ato de protesto em si pode ser visto como um ritual que reúne diferentes membros da sociedade para expressar solidariedade e resistência. Os slogans, as músicas e outros elementos simbólicos usados durante esses atos ajudam a fortalecer a identidade coletiva e a coesão do grupo.
  4. Dinâmica entre o Estado e a Sociedade: A relação complexa entre o Estado e a sociedade, especialmente em contextos de marginalização, é um ponto crucial. O texto reflete a tensão entre o poder estatal e as comunidades afetadas pelas políticas prisionais, evidenciando uma luta constante pelo reconhecimento e pelos direitos.
  5. Narrativas e Mitologias: A referência aos Racionais MCs e outros elementos culturais forma uma narrativa quase mitológica, enfatizando a luta, a resistência e a solidariedade. Tais narrativas são fundamentais na construção da identidade coletiva e na legitimação de movimentos sociais.
  6. Mudança Social e Resistência: O texto ilustra um momento de potencial transformação social, onde grupos marginalizados se mobilizam para provocar mudanças nas estruturas existentes. Isso reflete a dinâmica antropológica de como as sociedades respondem e se adaptam a situações de opressão e injustiça.
  7. Redes de Solidariedade e Apoio: A convocação para a união e apoio mútuo entre os membros da comunidade evidencia a importância das redes de solidariedade em contextos de adversidade. Essas redes funcionam como um importante mecanismo de apoio social e emocional.
  8. Conflitos e Negociações Culturais: O texto também revela os conflitos e negociações culturais entre diferentes grupos sociais (como o Estado, a mídia, as facções criminosas e as famílias dos presos), cada um buscando influenciar e remodelar o cenário social de acordo com seus próprios valores e objetivos.

Em suma, uma análise antropológica deste texto revela uma complexa interação de elementos culturais, sociais e políticos, demonstrando como diferentes grupos sociais se engajam, negociam e resistem dentro de um contexto marcado por desigualdades e lutas pelo poder

Análise sob o ponto de vista da filosofia

  1. Natureza do Poder e do Estado: O texto levanta questões sobre o papel e a natureza do Estado, principalmente em relação ao seu poder de punição e manutenção da ordem. Isso remete à filosofia política de pensadores como Thomas Hobbes, que argumentava sobre a necessidade de um poder soberano para evitar o caos, e Michel Foucault, que discutiu como o poder se manifesta e é exercido através de instituições como o sistema prisional.
  2. Justiça e Lei: Há uma tensão clara entre a concepção de justiça e a aplicação da lei. O texto desafia a noção de justiça como algo meramente legalista, alinhando-se mais com a ideia de justiça como um conceito social e político, que vai além do legalismo estrito. Isso remete a filósofos como John Rawls, que explorou ideias sobre justiça e equidade na sociedade.
  3. Existencialismo e Liberdade Individual: A condição dos prisioneiros e a luta por direitos básicos podem ser vistas sob a luz do existencialismo, que enfatiza a liberdade individual e a responsabilidade. Pensadores como Jean-Paul Sartre e Albert Camus discutiram sobre a natureza da liberdade e a resistência à opressão, temas relevantes ao contexto do texto.
  4. Realidade Social e Construção da Identidade: O texto também pode ser analisado através da lente da fenomenologia, que se concentra na experiência vivida e na percepção da realidade. A maneira como as pessoas no sistema prisional e as relacionadas a ele percebem sua realidade e constroem suas identidades é um reflexo de sua relação direta com o mundo ao seu redor, um conceito explorado por filósofos como Edmund Husserl e Martin Heidegger.
  5. Poder e Resistência: A relação entre o PCC e o Estado reflete a dinâmica de poder e resistência, central em muitas teorias filosóficas, incluindo o pensamento de Antonio Gramsci sobre hegemonia e a ideia de “guerra de posição”, na qual grupos subalternos desafiam e resistem ao poder estabelecido.
  6. Dialética e Mudança Social: A evolução das condições prisionais e a resposta da sociedade a elas podem ser vistas através da dialética hegeliana, onde a tese (o estado atual do sistema prisional) e a antítese (a resistência e o protesto contra o sistema) podem levar a uma síntese, uma nova realidade que transcende e transforma as condições existentes.
  7. Realismo e Idealismo em Política: A relação entre o ideal de justiça e as realidades práticas do sistema prisional reflete o eterno debate entre realismo e idealismo na filosofia política. O desafio é encontrar um equilíbrio entre o que é idealmente justo e o que é praticamente possível.

Em resumo, uma análise filosófica do texto revela várias camadas de questões relacionadas ao poder, justiça, liberdade, identidade e mudança social. Ela demonstra como o sistema prisional e as reações a ele são microcosmos de questões filosóficas mais amplas sobre a natureza humana, sociedade e Estado.

Análise sob o ponto de vista da Ética e da Moral

  1. Justiça e Direitos Humanos: O texto levanta questões éticas fundamentais sobre justiça e direitos humanos no contexto do sistema prisional. Há uma ênfase na necessidade de tratar os detentos com dignidade e respeito, garantindo direitos básicos como alimentação adequada e condições de vida justas. Isso reflete o princípio ético de que todas as pessoas, independentemente de seu status ou ações passadas, merecem ser tratadas com humanidade.
  2. Responsabilidade Social e Institucional: A situação descrita no texto sugere uma falha ética nas instituições responsáveis pelo sistema prisional. A superlotação, as condições precárias e a má gestão refletem uma negligência moral quanto à responsabilidade social de reabilitar e reintegrar indivíduos na sociedade. Essa perspectiva ética é baseada na ideia de que as instituições têm o dever moral de promover o bem-estar e a justiça.
  3. O Papel da Comunidade e Solidariedade: O texto destaca a importância da solidariedade comunitária e da ação coletiva em defesa dos direitos dos prisioneiros. Isso pode ser visto sob a luz da ética comunitária, que enfatiza a responsabilidade compartilhada e a interdependência entre os membros da sociedade.
  4. A Ética da Resistência: O envolvimento do Primeiro Comando da Capital na organização de protestos levanta questões éticas complexas sobre a resistência ao poder institucional. Por um lado, pode-se argumentar que a resistência é uma resposta ética à opressão e injustiça. Por outro, a associação com uma organização criminosa traz dilemas morais sobre os meios utilizados para alcançar fins justos.
  5. Utilitarismo vs. Deontologia: O dilema de equilibrar a manutenção da ordem e o tratamento justo dos prisioneiros pode ser analisado através das lentes do utilitarismo (focando nas consequências das ações) e da deontologia (focando no cumprimento do dever e direitos inalienáveis). Enquanto o utilitarismo poderia justificar medidas duras em nome do “maior bem”, a deontologia insistiria na observância intransigente dos direitos humanos.
  6. A Ética do Cuidado: A ênfase nas experiências vividas pelas famílias dos prisioneiros e sua luta por justiça pode ser enquadrada na ética do cuidado, que valoriza a empatia, a relação interpessoal e a responsabilidade de cuidar dos outros, especialmente dos mais vulneráveis.
  7. Moralidade e Poder Político: A interação entre as facções criminosas, a polícia, e o sistema judiciário também levanta questões sobre a moralidade no exercício do poder político e legal. Isso envolve a reflexão sobre até que ponto as instituições podem ir para manter a ordem e se tais ações são moralmente justificáveis.

Em resumo, o texto proporciona uma rica base para discussões éticas e morais, abordando temas como direitos humanos, justiça, responsabilidade social, resistência ética, dilemas morais e a relação entre moralidade e poder.

Análise sob o prisma da Psicologia Jurídica

  1. Impacto Psicológico do Sistema Prisional: O texto ressalta as condições desumanas e punitivas das prisões, o que pode ter um impacto psicológico significativo nos detentos. A psicologia jurídica examina como essas condições afetam a saúde mental dos prisioneiros, potencialmente exacerbando problemas psicológicos e dificultando a reabilitação.
  2. Relações de Poder e Controle: A dinâmica de poder entre os detentos, as autoridades prisionais e as facções criminosas é um ponto-chave. A psicologia jurídica pode analisar como o poder e o controle são exercidos dentro do sistema prisional, e como isso influencia o comportamento e as atitudes dos detentos.
  3. Resistência e Identidade Coletiva: O papel do Primeiro Comando da Capital na organização de atos de protesto revela uma forma de resistência e a busca por uma identidade coletiva. A psicologia jurídica pode explorar como a identidade coletiva é formada em ambientes opressivos e como ela pode ser uma fonte de resiliência psicológica.
  4. Impacto nas Famílias dos Encarcerados: O texto também destaca a Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP) e seu papel. A psicologia jurídica investiga o impacto psicológico do encarceramento nas famílias dos detentos, incluindo questões de estresse, trauma e estigmatização social.
  5. Percepções de Justiça e Legitimidade: A percepção dos detentos e de suas famílias sobre a justiça e a legitimidade do sistema prisional é outro aspecto relevante. A psicologia jurídica pode analisar como essas percepções afetam a atitude em relação ao sistema legal e a autoridade institucional.
  6. Resiliência e Empoderamento: A mobilização para o ato sugere um senso de agência e empoderamento entre os participantes. A psicologia jurídica pode estudar os fatores que contribuem para a resiliência e o empoderamento em contextos adversos, como o sistema prisional.
  7. Comunicação e Mediação de Conflitos: A interação entre os detentos, as autoridades prisionais e a sociedade em geral, principalmente por meio dos protestos e da mídia, é um ponto de interesse. A psicologia jurídica pode abordar como a comunicação e a mediação de conflitos são realizadas nessas situações complexas.

Em resumo, o texto oferece uma visão abrangente dos desafios psicológicos e sociais enfrentados por indivíduos dentro do sistema prisional, proporcionando uma base rica para análises no campo da psicologia jurídica.

Análise sob o ponto de vista político

  1. Política de Encarceramento e Direitos Humanos: O texto aborda a situação crítica do sistema prisional brasileiro, destacando a superlotação, condições desumanas e falhas na reintegração social dos presos. Isso reflete questões mais amplas de políticas de encarceramento e direitos humanos, mostrando como práticas punitivas podem entrar em conflito com princípios de justiça e dignidade humana.
  2. Influência de Organizações Criminosas: A presença e o papel do Primeiro Comando da Capital nos protestos indicam a complexa interação entre o crime organizado e a política dentro do sistema prisional. Isso sugere um desafio para a governança e a segurança pública, onde o poder e a influência de facções criminosas podem desafiar a autoridade do Estado.
  3. Mobilização Civil e Advocacia: A Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFaP) representa um exemplo de mobilização civil e advocacia. Sua ação coletiva visa chamar a atenção para as injustiças do sistema prisional, mostrando como grupos da sociedade civil podem influenciar a agenda política e promover reformas.
  4. Relações entre Estado e Sociedade Civil: A reação dos órgãos de repressão pública e da imprensa aos atos organizados revela as tensões entre o Estado, a sociedade civil e os grupos de interesse. Isso ilustra como diferentes grupos e instituições competem para moldar a narrativa e a política pública em torno do sistema prisional.
  5. Política de Segurança Pública: As ações do PCC e a resposta do Estado refletem a política de segurança pública mais ampla do Brasil. A abordagem do Estado ao crime organizado e às condições prisionais é um tema político importante, influenciando a percepção pública e a confiança nas instituições governamentais.
  6. Desafios da Reforma Prisional: O texto ilustra os desafios enfrentados na reforma do sistema prisional brasileiro. As questões levantadas no texto indicam a necessidade de políticas que equilibrem segurança, justiça e direitos humanos.
  7. Dinâmicas de Poder e Resistência: A participação ativa de familiares dos encarcerados nos protestos sugere uma dinâmica de poder e resistência, onde grupos marginalizados buscam reivindicar seus direitos e influenciar a política, frequentemente em oposição a narrativas estabelecidas pelo Estado e pela mídia.
  8. Implicações Políticas e Sociais: O texto reflete sobre as implicações políticas e sociais do tratamento de presos no Brasil, destacando como as políticas prisionais podem afetar a coesão social, a confiança nas instituições governamentais e a própria democracia.

Em resumo, a análise política do texto sugere que as questões do sistema prisional brasileiro não são apenas problemas de segurança ou justiça criminal, mas também refletem questões políticas e sociais mais profundas, envolvendo direitos humanos, governança, poder e resistência.

Análise sob o ponto de vista da Comunicação Social e Mídia

  1. Framing e Agenda Setting: O texto demonstra como a mídia e os movimentos sociais podem moldar a percepção pública de questões como a justiça no sistema prisional. Através do framing (enquadramento) das questões e da definição da agenda, a mídia e os ativistas podem influenciar quais tópicos são considerados importantes e como são compreendidos pelo público.
  2. Representação de Grupos Marginalizados: A Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFaP) e o Primeiro Comando da Capital são retratados de maneiras que podem refletir ou desafiar as narrativas dominantes na mídia. Isso levanta questões sobre como os grupos marginalizados são representados e percebidos no espaço público.
  3. Papel da Mídia na Formação da Opinião Pública: O texto ilustra a influência da mídia na formação da opinião pública, especialmente em tópicos sensíveis como crime, justiça e direitos humanos. A cobertura dos atos e a representação das facções criminosas podem ter um impacto significativo na percepção do público sobre esses temas.
  4. Mediação do Conflito e Diálogo: A comunicação social atua como um mediador entre o Estado, organizações criminosas e a sociedade civil. A mídia pode facilitar ou dificultar o diálogo e a compreensão entre esses diferentes atores.
  5. Discurso e Poder: O texto demonstra a relação entre discurso, poder e comunicação social. As palavras e imagens utilizadas podem tanto empoderar quanto marginalizar grupos, influenciando a maneira como os eventos são entendidos e as políticas são moldadas.
  6. Estratégias de Comunicação de Movimentos Sociais: A ANFAP e o PCC utilizam estratégias de comunicação para promover suas agendas. Isso inclui a utilização de eventos públicos, como protestos, para chamar a atenção para suas causas, bem como a interação com a mídia para disseminar suas mensagens.
  7. Desafios de Reportagem em Contextos Complexos: O contexto do sistema prisional brasileiro e a influência de organizações criminosas apresentam desafios significativos para os jornalistas, que devem navegar entre a reportagem objetiva, a segurança e a ética jornalística.
  8. Impacto das Mídias Sociais: Embora não mencionado explicitamente no texto, o papel das mídias sociais na mobilização de apoio, disseminação de informações e influência na opinião pública não pode ser subestimado, especialmente em movimentos modernos de justiça social.

Em resumo, a análise do texto sob a ótica da comunicação social e mídia destaca o poder dos meios de comunicação em moldar a percepção pública, a importância da representação equitativa de todos os grupos sociais e os desafios enfrentados pelos profissionais de mídia ao cobrir temas complexos e sensíveis como a justiça no sistema prisional.

Análise sob o ponto de vista da Segurança Pública

  1. Impacto das Condições Carcerárias na Segurança Pública: O texto destaca as condições desumanas nas prisões, como a má alimentação e superlotação, que podem agravar a criminalidade e a violência, tanto dentro quanto fora das prisões. Esta situação é um desafio significativo para a segurança pública, pois condições carcerárias precárias podem contribuir para a radicalização dos detentos e fortalecer as facções criminosas.
  2. Relação entre Crime Organizado e Sistema Prisional: A influência do Primeiro Comando da Capital e outras facções dentro dos presídios brasileiros é um ponto de preocupação. Essas organizações podem utilizar o sistema prisional como um local de recrutamento e consolidação de poder, afetando diretamente a segurança pública e a ordem social.
  3. Desafios de Governança e Corrupção: O texto evidencia a corrupção e falhas de governança no sistema prisional. Esses fatores comprometem a eficácia das políticas de segurança pública e permitem que as facções criminosas tenham um papel mais ativo dentro e fora das prisões.
  4. Manifestações e Resposta do Estado: A reação dos órgãos de segurança pública às manifestações e atividades da ANFAP (Articulação Nacional de Familiares de Presos) reflete a complexidade do equilíbrio entre manter a ordem pública e respeitar os direitos humanos. A resposta das autoridades a esses atos pode ter implicações significativas para a percepção pública da justiça e da segurança.
  5. Participação dos Familiares de Presos: A mobilização dos familiares de presos, como evidenciado pela ANFAP, aponta para a necessidade de uma abordagem mais inclusiva e humanizada na reforma do sistema prisional. Eles são atores importantes no debate sobre segurança pública, oferecendo uma perspectiva crítica sobre as condições dos detentos.
  6. Relações entre Mídia, Polícia e Crime Organizado: A cobertura da mídia e a percepção pública das facções criminosas e da polícia são elementos chave na formação de políticas de segurança pública. A maneira como esses grupos são retratados pode influenciar tanto a política quanto a opinião pública.
  7. Desafio de Ressocialização: A falha do sistema prisional em reintegrar adequadamente os indivíduos à sociedade após o cumprimento da pena é um grande obstáculo para a segurança pública. Sem uma efetiva ressocialização, o ciclo de crime e reencarceramento continua, afetando a segurança e a estabilidade social.
  8. Necessidade de Reforma Prisional: O texto ressalta a urgência de reformas no sistema prisional brasileiro, que deve ser uma prioridade na agenda de segurança pública. As reformas devem abordar não apenas as condições físicas das prisões, mas também políticas de reabilitação, saúde mental e prevenção da reincidência.

Em suma, o texto fornece uma visão abrangente dos desafios enfrentados pelo sistema prisional brasileiro e seus impactos sobre a segurança pública. As questões levantadas necessitam de uma atenção focada e estratégias abrangentes que vão além do simples confinamento, visando uma abordagem mais holística e efetiva da segurança pública e da justiça criminal.

Análise sob o ponto de vista Jurídico

  1. Direitos Humanos e Condições Carcerárias: O texto ilustra uma clara violação dos direitos humanos nas prisões brasileiras. As condições desumanas, como superlotação e má alimentação, violam normas nacionais e internacionais de direitos humanos. Isso implica a necessidade de ações judiciais para assegurar o cumprimento de padrões mínimos de dignidade nos estabelecimentos prisionais.
  2. Legalidade das Manifestações e Atos de Protesto: A descrição das manifestações pacíficas, como aquelas organizadas pela ANFaP (Articulação Nacional de Familiares de Presos), ressalta a importância da legalidade e do direito à liberdade de expressão e reunião. O desafio jurídico aqui é garantir que essas manifestações ocorram dentro dos limites legais, sem infringir a ordem pública ou os direitos de terceiros.
  3. Atuação das Facções Criminosas no Sistema Prisional: A influência do Primeiro Comando da Capital dentro do sistema carcerário levanta questões jurídicas sobre como o direito penal e o sistema de justiça criminal podem efetivamente lidar com a criminalidade organizada dentro e fora das prisões.
  4. Corrupção e Governança no Sistema Prisional: As questões de corrupção e má governança nas prisões apontam para a necessidade de uma maior fiscalização e responsabilização jurídica. Isso inclui tanto a persecução penal de agentes corruptos quanto a implementação de medidas administrativas para prevenir a corrupção.
  5. O Papel da Mídia e da Opinião Pública: O texto também destaca o papel da mídia na formação da opinião pública sobre questões prisionais. Do ponto de vista jurídico, isso pode influenciar o desenvolvimento de políticas públicas e a tomada de decisão dos legisladores e tribunais.
  6. Desafios da Ressocialização: A falha na reintegração de presos à sociedade após o cumprimento da pena é um desafio jurídico significativo. Isso levanta questões sobre a eficácia do sistema prisional na reabilitação e na prevenção da reincidência.
  7. Direito à Justiça e Acesso à Representação Legal: O texto sugere que muitos detentos e suas famílias enfrentam dificuldades no acesso à justiça e à representação legal adequada. Isso é um ponto crítico no âmbito do direito processual penal e do direito constitucional.
  8. Desafio da Superlotação e Infraestrutura Prisional: A superlotação e a infraestrutura inadequada das prisões são problemas que demandam soluções jurídicas, incluindo ações judiciais para forçar o Estado a melhorar as condições prisionais e considerar alternativas à detenção, como medidas socioeducativas e penas alternativas.

Em resumo, o texto revela uma série de desafios jurídicos no contexto do sistema prisional brasileiro, que vão desde a garantia dos direitos humanos básicos dos detentos até questões mais amplas relacionadas à governança, corrupção, e influência de organizações criminosas. A resposta a esses desafios requer uma abordagem multidisciplinar que envolve reformas legais, melhorias na administração da justiça e mudanças nas políticas públicas.

Análise da Linguagem do artigo

  1. Tom e Registro: O texto utiliza um registro formal e sério, adequado para discutir um tema complexo e multifacetado como a justiça no sistema prisional. Há uma clara intenção de transmitir a gravidade e a urgência do assunto, o que é evidenciado pelo uso de linguagem direta e incisiva, especialmente ao descrever as realidades das prisões e as ações do Primeiro Comando da Capital.
  2. Tom Jornalístico: Há uma forte influência do estilo jornalístico, especialmente na forma como os eventos e informações são relatados. Isso inclui a descrição dos eventos, o uso de fontes e a inclusão de várias perspectivas, característicos do jornalismo investigativo.
  3. Escolha de Palavras: Há um uso cuidadoso de termos e expressões que refletem a seriedade do assunto. Frases como “realidades ocultas”, “vozes muitas vezes não ouvidas”, e “situação explosiva” criam uma imagem vívida das condições prisionais e da luta pelos direitos dos presos.
  4. Linguagem e Tonalidade: O uso da linguagem é cuidadosamente escolhido para ressoar com uma audiência ampla, mantendo um equilíbrio entre a formalidade necessária para a credibilidade e uma abordagem mais acessível que torna o texto envolvente.
  5. Uso de Vocabulário e Fraseologia: O texto apresenta um vocabulário diversificado e especializado, indicativo de um estilo de escrita cuidadosamente elaborado. Isso é particularmente evidente no uso de termos técnicos e específicos ao contexto prisional e político.
  6. Persuasão e Retórica: O texto parece ser altamente persuasivo, buscando conscientizar o leitor sobre a situação do sistema prisional e a necessidade de reformas. Ele usa argumentos baseados em fatos e evidências (como as condições desumanas nas prisões e a superlotação), ao mesmo tempo em que apela para o emocional, mencionando o sofrimento dos presos e suas famílias.
  7. Uso de Reticências e Perguntas Retóricas: Estes elementos são empregados para enfatizar pontos importantes e envolver o leitor na reflexão sobre as questões apresentadas.
  8. Inclusão de Várias Perspectivas: O autor faz um esforço para incluir múltiplas perspectivas – a das famílias dos presos, dos próprios presos, e dos grupos políticos envolvidos. Isso enriquece o texto, fornecendo uma compreensão mais abrangente do problema.
  9. Narrativa e Fluxo: O texto segue uma estrutura narrativa clara, começando com uma introdução ao tema, seguido de um desenvolvimento detalhado e culminando com um apelo à ação. Isso facilita a compreensão do leitor e mantém seu interesse ao longo da leitura.
  10. Ritmo e Cadência: O texto exibe um ritmo variável, alternando entre passagens mais rápidas e outras mais reflexivas. Esta variação ajuda a manter o interesse do leitor e a enfatizar pontos-chave.
  11. Linguagem Simbólica e Metafórica: Há o uso de linguagem simbólica, como na referência ao PCC lutando “até a última gota de sangue”, o que serve para enfatizar a intensidade e a seriedade do compromisso da organização com a causa.
  12. Inclusão de Citações e Referências Culturais: O texto utiliza citações e referências, como a menção aos Racionais MCs, para estabelecer uma conexão com o leitor e contextualizar melhor as questões dentro da cultura brasileira.
  13. Variação de Ritmo: O texto alterna entre trechos informativos e descritivos, criando um ritmo variado que mantém o interesse do leitor. As partes iniciais são mais expositivas, fornecendo contexto e informações essenciais, enquanto as seções posteriores adquirem um tom mais narrativo e envolvente.
  14. Uso de Subtítulos: A inclusão de subtítulos estratégicos ajuda a organizar o conteúdo e facilita a leitura. Eles funcionam como pausas, permitindo que o leitor absorva as informações antes de prosseguir para a próxima seção. Isso é particularmente eficaz em textos longos, mantendo a atenção do leitor.
  15. Transições Suaves: O texto apresenta transições cuidadosamente elaboradas entre os diferentes tópicos e subseções, o que contribui para um fluxo suave e coerente. Isso ajuda a guiar o leitor através dos argumentos e informações sem interrupções abruptas.
  16. Equilíbrio entre Fatos e Narrativa: Há um bom equilíbrio entre a apresentação de fatos e a narrativa envolvente. Enquanto as informações são entregues de maneira clara e objetiva, a narrativa adiciona profundidade e contexto, tornando o texto mais atraente e menos monótono.
  17. Tensão e Liberação: O texto cria um certo grau de tensão ao abordar questões sérias e urgentes relacionadas ao sistema prisional e ao PCC. Essa tensão é ocasionalmente aliviada por momentos de reflexão ou insights, proporcionando ao leitor uma experiência dinâmica.
  18. Apelo à Ação: O fechamento do texto com um forte apelo à ação serve como um poderoso clímax. Isso não apenas reforça a mensagem central do artigo, mas também deixa o leitor com uma impressão duradoura, potencializando o impacto do texto.

Em resumo, do ponto de vista da linguagem, o texto é eficaz em comunicar a urgência e a seriedade do assunto, utilizando uma combinação de fatos, retórica persuasiva e linguagem emocional para envolver o leitor.

Análise da Logomarca da Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP)

A logomarca da Articulação Nacional de Familiares de Presos (ANFAP) apresenta uma composição simples, mas significativa. O uso de um fundo azul sólido pode transmitir confiança, seriedade e comprometimento. As mãos erguidas com os dedos em uma posição que pode ser associada a um sinal de vitória ou paz, são algemadas, o que sugere um tema de luta contra a repressão e a busca por liberdade ou justiça.

A algema aberta pode representar a libertação e esperança de mudança no sistema prisional, alinhando-se com os objetivos da organização. A escolha da cor branca para as mãos e algemas contra o fundo azul cria um contraste forte, facilitando a identificação e aumentando o impacto visual.

A tipografia usada para “ANFAP” é simples e direta, sem serifa, o que contribui para a legibilidade e comunica uma mensagem clara e sem adornos desnecessários. A ausência de imagens complexas ou detalhes excessivos na logomarca permite que o foco permaneça na mensagem de advocacia e solidariedade com os familiares dos presos.

A combinação desses elementos cria uma logomarca que é ao mesmo tempo poderosa e direta, transmitindo efetivamente a missão e o espírito de luta da organização.

Análise da Imagem de Ilustração do Artigo

A imagem apresenta uma ilustração que parece evocar um sentido de esperança e união familiar diante da adversidade. Nela, vemos uma família de quatro pessoas — um casal e dois filhos — de mãos dadas, olhando para um pôr do sol vibrante. Eles estão do lado de fora de uma prisão, como sugerido pelas grades no lado esquerdo. O céu alaranjado e o sol que se põe ao fundo podem simbolizar o fim de um período difícil e a esperança de um novo começo. Um pássaro voa livremente no céu, o que pode representar a liberdade ou a aspiração à liberdade.

A parte inferior da imagem contém texto que diz “13 DE DEZEMBRO DE 2023 — Ato Nacional pelo Cumprimento da Resolução do STF no Sistema Prisional Brasileiro”. Isso indica que a imagem é um chamado ou anúncio para um evento ou ato de mobilização nacional marcado para 13 de dezembro de 2023, que aparentemente visa pressionar pelo cumprimento de uma resolução do Supremo Tribunal Federal relacionada ao sistema prisional no Brasil.

O design e o texto da imagem sugerem que o objetivo do ato é chamar a atenção para questões no sistema prisional e buscar melhorias ou reformas, provavelmente em nome das famílias de presos, indicadas pelo termo “Familiares de Presos” na imagem. A imagem como um todo parece ser uma peça de comunicação visual destinada a sensibilizar, mobilizar e criar solidariedade entre as pessoas afetadas por essas questões.

A escolha das cores na imagem carrega significados e evoca emoções específicas. O pôr do sol com tons de laranja e amarelo transmite uma sensação de calor, esperança e renovação. Essas cores são frequentemente associadas ao otimismo e à promessa de um novo dia. A luz suave do sol que se põe pode sugerir o fim de um ciclo difícil, com a expectativa de que algo melhor virá com o amanhecer seguinte.

O tom claro do céu, que se torna mais escuro e profundo à medida que se afasta do sol, contribui para um sentimento de calma e serenidade, mas também pode representar uma transição para o desconhecido ou o anseio por liberdade, simbolizado pelo pássaro em voo.

As figuras humanas estão vestidas com cores terrosas, como marrom e vermelho, que podem representar a vida cotidiana e a realidade terrena daqueles afetados pelo sistema prisional. Essas cores podem evocar sentimentos de estabilidade, resiliência e a dura realidade que as famílias enfrentam.

As cores escuras das grades contrastam fortemente com o brilho do pôr do sol, destacando a barreira entre a liberdade e a prisão. Isso pode ressaltar a gravidade da situação enfrentada pelos presos e suas famílias, ao mesmo tempo em que ressalta a esperança de mudança e liberação.

Em geral, a paleta de cores trabalha juntamente com a composição da imagem para transmitir uma mensagem de esperança e unidade frente à adversidade, reforçando o espírito do evento de mobilização e a solidariedade entre as famílias dos prisioneiros.

Como Sair da Facção PCC 1533 Primeiro Comando da Capital

Explore os passos e desafios envolvidos em sair da facção criminosa PCC 1533, Primeiro Comando da Capital, e os riscos associados a essa decisão.

Como sair da facção PCC 1533? Este é um dilema enfrentado por muitos que já estiveram imersos no mundo do crime. No texto, compartilho a jornada de um integrante e as complexidades que envolvem a decisão de deixar a organização criminosa Primeiro Comando da Capital, convidando você a compreender mais profundamente essa realidade.

O debate sobre esse tópico tem sido intenso em nosso grupo de WhatsApp dos leitores do site. Queremos ouvir sua opinião! Curta, comente e, se ainda não faz parte, inscreva-se no grupo para participar das discussões. Compartilhe esta reflexão em suas redes sociais para que mais pessoas se juntem a nós. Juntos, enriqueceremos nossas conversas!

Após o carrossel de artigos no final do texto, oferecemos análises de IA sob diversos pontos de vista, enriquecendo sua compreensão do tema.

Como Sair da facção, ou porque não sair

Este vídeo, compartilhado no grupo de WhatsApp dos leitores do site, apresenta um relato impactante de um ex-integrante de uma facção criminosa. No conteúdo a seguir, você encontrará a transcrição do vídeo, seguida de um fichamento que destaca os principais pontos abordados pelo ex-membro. Este relato oferece uma visão rara e detalhada das dinâmicas internas da facção, bem como das motivações por trás de sua decisão de sair e divulgar informações sobre a organização.

Transcrição do vídeo: Como Sair da facção PCC 1533 Primeiro Comando da Capital

Vamos lá, muita gente me perguntando, “é mas você saiu e não pode sair senão eles começam a te caçar?”.

Não, não é assim. Se for batizado, você sair por algum problema de saúde que impossibilite você exercer qualquer cargo dentro da organização. Eu não tenho esse problema de saúde, ou você sair para ir para a igreja. Antes eles respeitavam isso. Vamos lá, por partes, dependendo do quadro, vamos colocar de uma forma para todo mundo entender.

Dependendo da função que você tiver dentro da organização, você pode sair e ir para a igreja. Só que sair pra ir pra igreja é ir pra igreja, jovem. Um exemplo é, você saiu, foi prá igreja mas tá fumando um cigarro, você vai ser cobrado. Saiu, tá indo prá igreja mas fuma maconha, vai ser cobrado. Saiu, foi prá igreja mas, vai pro baile funk ou vai pra balada ou bebe, vai ser cobrado. É igreja, igreja.

Como eu fechava na sintonía, eu era Sintonia Geral da Lista Negra dos Estados Interna e Externa, ou seja, eu tinha planilhas, dados de muitos integrantes. Sei muita coisa como funciona, entendeu? Tenho como provar isso aí tudo. Por isso aí, não aceitaram, na verdade não entenderam legal por que que eu quero sair agora, entendeu?

Agora que eu sei tudo que sei, fechei tudo que fechei, eu já fui disciplina, já fui geral da rua, já fui geral do sistema, já fui apoio do resumo, já fechei nos, geral do interior, geral da Baixada, ou seja, fechei em várias funções dentro da organização, e agora que cheguei na lista negra que é quadra da sintonía, sintonía é uma coisa, disciplina é outra, dentro da organização, são setores diferentes.

Aí agora que eu fechei nesse quadro, que eu quero sair, não entenderam legal, entendeu?

Aí eu saí em cima de traição, acrescentaram o ítem de traição. Como se eu tivesse traído a organização, mas não traí ninguém mano, possa ser que eu esteja traindo agora, falando a verdade, mas vou falar mesmo, já vou morrer de qualquer jeito.

Então vou morrer, vou guardar para mim, vou deixar outro cara que nem eu, outro Frank, que 16 anos de idade, viu no crime uma oportunidade de ganhar dinheiro e sustentar a família. Se envolveu, acreditou no Estatuto, acreditou numa revolução, e hoje está aí, com 31 anos de idade, tendo que andar armado.

Dormindo só de dia, à noite ter que ficar a noite inteira  esperando virem pra dentro da minha casa, entendeu? É isso? Não, vou avisar mesmo! Tendeu? Não adianta falar que ele quer Hype, Hype como? Se eu estampando minha cara pra mexer num ninho de marimbondo que nem eu tô fazendo, é pedir prá morrer, eu tô me enterrando aqui.

Não quero Hype, quero que vocês compartilhem. Prá quê? Prá atingir um monte de jovens, mano, um monte de jovens, um monte de pessoas que precisam saber como funciona. Saber que a facção não é brincadeira, saber que eles estão até dentro de prefeitura, mano! Dentro de prefeitura, louco! Tem Senador integrante, entendeu meu? Tem prefeito integrante. Vereador é o que mais tem.

Enfim, vocês estão vendo que a situação tá delicada e que logo vou morrer, mano. E só de pensar nisso aí dói porque tenho cinco filhos, entendeu? Eu fui uma criança boa também, um dia. Eu fui um ser humano bom, um dia. Me corrompi, entendeu mano?

Não quero ser a vítima, ou falar que tive motivos. Meus motivos foi o caminho fácil, falta de vergonha na cara, falta de foco, falta de ouvir meu pai e minha mãe. Meu finado pai, que Deus o tenha! Entendeu? Esse foi meu motivo de entrar para esse mundo aí.

Mas agora que eu sou um moribundo, digamos assim, vou tentar abrir os olhos de outras pessoas. De pais, mães, que nem sabem que o Comando, a facção, não é o que os MCs mostram, alguns MCs, né! Ou o que a mídia mostra, o que as pessoas mostram.

Facção é como um setor político, um setor político é a mesma coisa. Por isso o Comando Vermelho, lá do Rio lá, investe em armas, porque eles é guerra. O PC aqui em São Paulo não, mano. Eles investem em se infiltrar dentro de prefeitura, dentro de órgãos do governo, é como um sistema político, uma revolução, e foi nisso que eu acreditei.

Mas depois começou a batizar menor de idade, entendeu? Comecei a ter que ficar isolado em chácaras, ir para o Paraguai, ficar longe da minha família, mãe dos meus filhos. Pedi pra sair, falaram que a única saída minha era a morte. Aí eu tive que fugir mano, que me esconder, e viver do jeito que eu tô vivendo hoje mano, eu não desejo para ninguém, entendeu rapaziada?

O vídeo aí foi grande, aí, mas compartilha aí. Eu vou tentar fazer um vídeo aí explicando com calma pra vocês como funciona todos os quadros, todos os setores, entendeu? Prá vocês saberem também que é bem maior do que vocês pensam. Está em todos os lugares, todos, e não é síndrome de perseguição. É a realidade de quem tava lá dentro, de quem sabe como funciona.

Nós rastreia qualquer um, entendeu?  Por isso que eu tenho que ficar uma semana numa casa, uma semana na outra, porque eles rastreia rápido. Compartilha aí rapaziada. Só isso que eu estou pedindo pra vocês, compartilha, mostra pros amigos, mostra pra todo mundo, entendeu? Que isso possa chegar no maior número de pessoas possível, prá eles saberem como funciona por alguém que estava lá dentro, não de um fanfarrão que não sabe nada, não sabe como funciona e acha que o Marcola que manda.

Marcola é interno. Marcola não manda nada. Ele é um dos fundador? É. Respeitado? É. Tem o nome dele, mas não manda na facção não, quem manda é quem tá na rua. É a sintonía.

Fichamento do vídeo: Como Sair da facção PCC 1533 Primeiro Comando da Capital

O vídeo trata de um ex-integrante de uma facção criminosa, e ele aborda vários aspectos interessantes sobre sua experiência e a natureza da organização. Aqui estão os principais pontos:

  1. Motivos para Sair: O ex-integrante esclarece que é possível sair da facção sob certas condições, como problemas de saúde que impeçam o desempenho de funções ou a escolha de dedicar-se à religião.
  2. Restrições à Saída: Ele ressalta que a saída para a religião é permitida, mas é estritamente regulamentada. Qualquer comportamento que não esteja de acordo com a doutrina religiosa é punido.
  3. Experiência na Facção: O ex-membro revela sua experiência dentro da organização, destacando as várias funções que ele desempenhou, incluindo a gestão de informações e dados sobre outros membros.
  4. Dificuldades na Saída: Ele compartilha que sua decisão de sair, especialmente depois de atingir um alto posto na hierarquia, não foi compreendida ou aceita pelos outros membros. Ele também menciona a acusação de traição.
  5. Mensagem para a Sociedade: O vídeo expressa a preocupação do ex-integrante com a falta de compreensão da natureza da facção por parte da sociedade. Ele destaca que a facção não é apenas um grupo de criminosos, mas opera de maneira semelhante a um setor político, infiltrando-se em instituições governamentais.
  6. Apelo para Conscientização: Ele apela para que as pessoas compartilhem seu vídeo para conscientizar o público sobre como a facção realmente funciona e para mostrar que sua decisão de sair visa proteger a juventude e expor a verdade sobre a organização.
  7. Hierarquia na Facção: O vídeo esclarece que, embora Marcola seja respeitado e um dos fundadores, a facção é controlada por aqueles que estão na rua, referindo-se à “sintonía”.

O vídeo parece ser uma tentativa do ex-membro de divulgar informações cruciais sobre a facção e suas atividades, a fim de alertar o público sobre os perigos associados a ela e sua presença em vários setores da sociedade.

Quem é o personagem do vídeo?

Frank Willians de Paula Souza e Marques, se de fato esse é seu nome, é parte em dez processos, em seis municípios do interior paulista e mais dois em Fóruns da capital, sendo que o único disponível para consulta se refere ao crime de estelionato.

O que o Abadon acha da atitude de Frank Willians

Coclusões do Grupo de leitores do site

A veracidade do vídeo que narra uma suposta história envolvendo Frank Willians é questionável por diversas razões. Primeiramente, embora ele afirme ter sido “Geral da Baixada”, seu sotaque não condiz com essa região, sendo mais característico da área de Araras, onde de fato ele responde por processos criminais. Em segundo lugar, informações indicam que o cargo de “Geral da Baixada” era ocupado pelo irmão Barrabás, que foi morto pela ROTA. O atual ocupante desse cargo, ao que parece, continua em atividade.

Além disso, o personagem do vídeo não fornece seu “vulgo” (apelido), um elemento comumente compartilhado em interações reais entre membros da facção. Também vale notar a ausência de costumes linguísticos específicos, tradicionalmente usados por indivíduos inseridos nesse contexto.

Outro ponto que levanta suspeitas é o desconhecimento do grupo acerca de Frank Willians, o que é estranho dado que ele afirma ter ocupado cargos importantes dentro da organização.

Por fim, a tentativa do indivíduo de arrecadar 10 mil Reais por meio de uma “caixinha” também gera dúvidas. Se ele realmente tivesse ocupado posições de alto escalão dentro da organização criminosa, como afirma, esse montante seria insignificante para ele.

Em resumo, múltiplos fatores levantam questionamentos sobre a credibilidade da história narrada no vídeo.

Falso PCC era na realidade um bolsonarista

A fita já tinha sido dado por um integrante do grupo do Zap dos leitores do site: o indivíduo poderia ser um infiltrado da direita com o objetivo de, no futuro, tentar associar o Partido dos Trabalhadores (PT) e o presidente Lula à organização criminosa Primeiro Comando da Capital.

Dito e feito. Frank conclui o que alega ser seu último vídeo, afirmando: ‘Procurei o deputado Nikolas Ferreira e o ex-presidente Bolsonaro, pessoas em quem confio muito…’. Parabéns ao companheiro do 13 em nosso grupo de WhatsApp, que chegou a essa conclusão antes de todos nós e da imprensa profissional!

Análises por Inteligência Artificial do vídeo: Como Sair da facção PCC 1533 Primeiro Comando da Capital

Análise do ponto de vista psicológico

  1. Conflito Interno
    O autor demonstra um claro conflito interno ao longo do vídeo. Por um lado, ele compartilha informações sobre a facção criminosa e critica suas atividades, buscando conscientizar o público. Por outro lado, ele menciona sua situação precária e o medo de represálias, indicando que sua saída da organização não foi bem recebida.
  2. Arrependimento e Remorso
    O autor expressa arrependimento e remorso por sua participação na facção. Ele admite ter escolhido o caminho fácil, faltado com a vergonha na cara e perdido o foco, o que o levou a se envolver na criminalidade. Esses sentimentos de culpa podem estar contribuindo para sua decisão de divulgar informações sobre a facção.
  3. Preocupação com os Outros
    O autor demonstra preocupação com jovens e outras pessoas que podem ser influenciadas pela facção. Ele enfatiza que deseja alertar as pessoas sobre como a organização realmente funciona, revelando seu lado político e seu envolvimento em diversas instituições, incluindo prefeituras e órgãos do governo.
  4. Medo e Pressão
    O autor menciona repetidamente seu medo de retaliação por parte da facção e o fato de ter que se esconder para proteger sua vida. Isso sugere que ele está sob pressão e vive em constante estado de ansiedade e paranoia.
  5. Motivação para Compartilhar
    O autor afirma que não está em busca de fama ou reconhecimento (“Hype”), mas sim que deseja que as informações sejam compartilhadas amplamente. Sua motivação parece ser mais voltada para a conscientização do público do que para a busca de notoriedade.
  6. Autoconhecimento
    Ele demonstra um certo nível de autoconhecimento ao reconhecer que se corrompeu e que seus motivos para entrar na facção foram relacionados à falta de orientação e à busca pelo caminho mais fácil.

No geral, o autor parece estar lutando com dilemas éticos e emocionais complexos. Sua decisão de divulgar informações sobre a facção é impulsionada por uma combinação de arrependimento, preocupação com os outros e uma busca por redenção. No entanto, ele está claramente ciente dos perigos associados a suas ações, o que contribui para sua sensação de urgência e medo pela sua própria vida.

Análise sob o ponto de vista da sociologia

  1. Normas e Regras Sociais
    O texto destaca as normas e regras estritas que governam a vida dentro da facção criminosa. Essas normas são aplicadas de acordo com a função que um membro ocupa na organização, mostrando como as hierarquias internas afetam o comportamento dos indivíduos.
  2. Controle Social Interno
    O autor menciona a possibilidade de sair da facção por motivos específicos, como problemas de saúde ou para frequentar a igreja. Isso ilustra como a facção exerce um controle social interno sobre seus membros, permitindo ou proibindo certos comportamentos com base em critérios definidos.
  3. Consequências de Transgressões
    O texto também descreve as consequências de transgressões às normas da facção, incluindo exemplos de como membros são “cobrados” por comportamentos considerados inaceitáveis. Isso mostra como a facção mantém a conformidade dos membros por meio de sanções internas.
  4. Hierarquia e Divisão de Trabalho
    O autor relata sua ascensão na hierarquia da facção e sua participação em várias funções, incluindo disciplina, liderança nas ruas e apoio ao resumo. Isso destaca a divisão de trabalho dentro da organização criminosa, onde diferentes membros desempenham papéis específicos.
  5. Traição e Solidariedade
    O autor discute a acusação de traição que enfrentou ao sair da facção. Isso lança luz sobre a importância da solidariedade entre os membros da facção e as consequências sociais de romper com o grupo.
  6. Mudança de Valores
    O texto revela a mudança de valores do autor ao longo do tempo, passando de um “caminho fácil” para uma compreensão mais crítica de sua participação na facção. Isso destaca como as experiências sociais podem levar a uma reavaliação das escolhas e valores individuais.
  7. Conscientização e Informação
    O autor expressa o desejo de conscientizar o público sobre a verdadeira natureza da facção e suas atividades. Isso reflete a importância da informação e da conscientização na sociologia, mostrando como a divulgação de informações pode impactar a percepção e o comportamento das pessoas.

Em resumo, o texto fornece uma análise sociológica das normas, valores, hierarquias, controle social e mudanças de perspectiva dentro de uma facção criminosa. Ele ilustra como os fatores sociais desempenham um papel fundamental na vida dos membros da facção e como esses fatores podem influenciar suas escolhas e ações.

Análise sob o ponto de vista da antropologia

  1. Cultura e Normas Sociais
    O texto descreve as normas e códigos de comportamento dentro da facção criminosa, revelando como os membros aderem a uma cultura específica com regras estritas. Isso é típico de muitas subculturas, onde as normas sociais podem ser radicalmente diferentes das normas convencionais da sociedade.
  2. Identidade e Hierarquia
    O autor descreve sua jornada na facção, incluindo suas várias funções e cargos. Isso destaca a importância da identidade dentro dessa subcultura, bem como a hierarquia que existe entre os membros. A identificação com a facção é uma parte fundamental da antropologia cultural.
  3. Rituais e Sanções
    O texto menciona “cobranças” que ocorrem quando os membros não aderem estritamente às normas da facção. Isso indica a presença de rituais e sanções sociais dentro da cultura da facção, que são comuns em muitas subculturas.
  4. Conflito Cultural e Mudança de Perspectiva
    O autor expressa uma mudança de perspectiva ao longo do tempo, passando de um indivíduo que aderiu à cultura da facção para alguém que deseja alertar os outros sobre os perigos e as realidades dessa subcultura. Isso demonstra como a experiência e a reflexão podem levar a conflitos culturais internos.
  5. Divulgação de Informações e Conscientização
    O autor expressa o desejo de informar o público sobre a verdadeira natureza da facção e suas atividades. Isso pode ser visto como um esforço para conscientizar as pessoas sobre a existência dessa subcultura e seus impactos na sociedade em geral.
  6. Identificação com a Facção
    O autor descreve sua experiência de identificação com a facção, indicando como ela desempenhou um papel central em sua vida e em suas decisões. Isso é relevante para a antropologia cultural, que estuda como as culturas afetam a identidade e o comportamento dos indivíduos.
  7. Transformação e Evolução Cultural
    O texto também ilustra a evolução cultural dentro da facção, como a mudança nas políticas em relação à aceitação de menores de idade. Isso mostra como as subculturas podem evoluir e se adaptar ao longo do tempo.

Em resumo, o texto fornece uma visão antropológica da cultura, identidade e mudança dentro de uma facção criminosa. Ele destaca como os indivíduos são moldados por essa subcultura e como as normas sociais e os valores podem influenciar suas ações e decisões.

Análise do ponto de vista da filosofia

  1. Liberdade e Conformidade
    O texto levanta questões sobre a liberdade individual e até que ponto as pessoas estão dispostas a conformar-se com as normas e expectativas de um grupo, mesmo quando desejam sair. A decisão do autor de sair da organização criminosa destaca o conflito entre a liberdade pessoal e a pressão do grupo.
  2. Identidade e Transformação
    O autor menciona sua evolução de posição em diferentes funções dentro da organização criminosa, o que pode ser visto como uma exploração da transformação da identidade ao longo do tempo. Isso levanta questões filosóficas sobre como a identidade é construída e modificada ao longo da vida.
  3. Poder e Hierarquia
    A estrutura interna da organização criminosa, com suas diferentes camadas de autoridade, é um exemplo de como o poder e a hierarquia podem moldar o comportamento humano. Isso pode ser examinado à luz da filosofia política e social, explorando como as estruturas de poder afetam as escolhas individuais.
  4. Comportamento Humano e Motivação
    O texto oferece uma visão das motivações do autor para ingressar na organização criminosa e sua posterior decisão de sair. Isso levanta questões filosóficas sobre o que impulsiona as pessoas a tomar certas ações e como as circunstâncias podem influenciar essas escolhas.
  5. Verdade e Revelação
    O autor menciona seu desejo de compartilhar a verdade sobre a organização criminosa e como ela opera. Isso levanta questões sobre a natureza da verdade e como a revelação de informações pode afetar a sociedade e as pessoas.
  6. Existencialismo
    O texto pode ser visto à luz do existencialismo, pois o autor enfrenta a possibilidade de sua própria morte e reflete sobre as escolhas que o levaram à sua situação atual. Questões sobre a autenticidade e a responsabilidade pessoal podem ser exploradas.

Análise pelo ponto de vista da ética e moral

  1. Moralidade das Ações Passadas
    O autor reflete sobre suas escolhas passadas, reconhecendo que se corrompeu e se envolveu em atividades criminosas. Isso levanta a questão da moralidade das ações passadas e da responsabilidade pessoal pelas escolhas feitas.
  2. Ética da Revelação
    O autor expressa o desejo de compartilhar informações sobre a organização criminosa com o público em geral, a fim de conscientizá-los sobre a realidade por trás da fachada. Isso levanta questões éticas sobre a divulgação de informações que possam afetar a segurança de terceiros e a própria vida do autor.
  3. Ética da Lealdade e Traição
    O autor menciona a acusação de traição que foi atribuída a ele quando decidiu sair da organização. Isso suscita questões sobre a ética da lealdade a grupos criminosos e como a quebra dessa lealdade é percebida tanto dentro do grupo como pela sociedade em geral.
  4. Ética do Testemunho
    O autor faz um apelo para que as pessoas compartilhem sua mensagem, alegando que isso pode ajudar a conscientizar os jovens sobre os perigos das organizações criminosas. Isso levanta questões sobre a ética de testemunhar ou denunciar atividades criminosas, especialmente quando isso pode ter implicações de segurança significativas.
  5. Ética da Vida e Autopreservação
    O autor menciona a ameaça iminente à sua vida e seu desejo de revelar informações antes de sua possível morte. Isso levanta questões sobre a ética da autopreservação em situações perigosas e se a divulgação de informações é justificável nessas circunstâncias.
  6. Moralidade da Influência das Mídias e Cultura
    O autor critica a forma como as organizações criminosas são romantizadas na cultura popular, como na música (MCs) e na mídia em geral. Isso levanta questões sobre a responsabilidade moral da cultura e da mídia na formação das atitudes e comportamentos das pessoas.
  7. Ética da Conscientização
    O autor argumenta que sua motivação para compartilhar sua história é conscientizar as pessoas sobre a realidade das organizações criminosas. Isso pode ser visto como uma tentativa de influenciar moralmente a sociedade, buscando promover a conscientização e a mudança.

Análise sob o ponto de vista da Teoria da Carreira Criminal

  1. Ingresso na Carreira Criminal
    O autor descreve como entrou na organização criminosa, destacando que, inicialmente, havia restrições que permitiam a saída por motivos específicos, como problemas de saúde ou para frequentar a igreja. Isso sugere que seu ingresso na carreira criminal começou com algum nível de compromisso e restrições.
  2. Evolução na Hierarquia
    O autor detalha sua progressão na organização, desempenhando várias funções e ocupando diferentes posições. Isso é característico da Teoria da Carreira Criminal, que observa como os indivíduos podem evoluir em suas atividades criminosas ao longo do tempo.
  3. Pressões e Conflitos Internos
    O texto também aborda os conflitos internos que o autor enfrentou, como a resistência à sua decisão de sair da organização e a acusação de traição. Esses conflitos internos são comuns em carreiras criminais, à medida que os indivíduos enfrentam dilemas éticos e pressões do grupo.
  4. Consequências e Riscos
    O autor reconhece os riscos associados à sua decisão de falar sobre a organização criminosa e revelar seus segredos. Ele expressa a crença de que pode morrer em breve. Isso ilustra como a carreira criminal muitas vezes envolve riscos significativos e potenciais consequências graves.
  5. Reflexão e Mudança
    O autor demonstra algum grau de reflexão sobre sua vida e escolhas passadas. Ele expressa o desejo de alertar outras pessoas, especialmente jovens, sobre os perigos da organização criminosa. Essa reflexão e desejo de mudança são elementos que podem surgir em carreiras criminais.
  6. Complexidade da Carreira Criminosa
    O autor destaca a complexidade da organização criminosa, incluindo sua presença em setores políticos e sua capacidade de rastrear pessoas. Isso reflete como as carreiras criminais podem se tornar intrincadas e envolver várias dimensões.

Análise sob o ponto de vista da Teoria do Comportamento Criminal

  1. Motivação para o Crime
    O autor do texto descreve como ingressou na organização criminosa, mencionando que seu motivo foi o caminho mais fácil, a falta de vergonha na cara e a falta de foco. Isso se relaciona com a ideia de que muitas pessoas se envolvem no crime devido a fatores como falta de oportunidades, pressão do ambiente e busca por soluções imediatas para problemas financeiros.
  2. Pressão do Grupo
    O texto destaca que o autor ocupou diversas funções dentro da organização criminosa e que agora deseja sair, mas enfrenta resistência. Isso ilustra como a pressão do grupo e o temor de represálias podem manter as pessoas envolvidas em atividades criminosas.
  3. Consequências do Crime
    O autor menciona que está ciente das consequências de suas ações e que pode morrer a qualquer momento. Isso ressalta como o comportamento criminoso pode ter consequências graves, incluindo riscos à vida.
  4. Fatores Sociais e Econômicos: O texto sugere que fatores sociais e econômicos desempenharam um papel importante em levar o autor ao mundo do crime. A Teoria do Comportamento Criminoso muitas vezes enfatiza a importância desses fatores como impulsionadores do comportamento criminoso.
  5. Dinâmica de Grupo e Lealdade: O autor menciona a estrutura interna da organização criminosa, com diferentes setores e a necessidade de lealdade. Isso destaca como a dinâmica de grupo e a hierarquia interna podem ser fatores significativos no envolvimento continuado em atividades criminosas.

Bode de Azazel, a facção PCC 1533 e as ONGs nos presídios

O símbolo do Bode de Azazel, utilizado na tradição judaica para a expiação de pecados, como uma analogia a política de Segurança Pública e Carcerária atual. O texto aborda a importância da humanização das condições nas prisões como um reflexo da ética e moralidade coletivas.

Bode Azazel serve como metáfora para entender como a sociedade contemporânea que usa o sistema prisional como bode expiatório para seus problemas coletivos. O texto leva o leitor à reavaliar tal paradigma, encorajando a humanização das condições carcerárias como uma forma de responsabilidade social. Ao fazer isso, desafiamos os valores fundamentais que sustentam nossas noções de justiça e ética.

Ao concluir a leitura deste artigo, não deixe de conferir o comentário do renomado repórter italiano Francesco Guerra, do blog latinamericando.info. Sua perspectiva internacional enriquece significativamente o debate. Além disso, após o comentário de Guerra, a inteligência artificial apresenta diversas análises e críticas referentes a este artigo.

Convidamos você a expressar suas próprias opiniões, seja comentando diretamente no site ou em nosso grupo de WhatsApp para leitores engajados. Sinta-se à vontade também para compartilhar este conteúdo em suas redes sociais e ampliar a discussão.

Bode Azazel e a humanização do sistema carcerário

Caro amigo Fernatti,

O empenho de você e de seus colegas das ONGs, voltados para a humanização das condições carcerárias, despertou em mim uma reflexão sobre o quanto nossa sociedade permanece estagnada. São passados 2.500 anos desde que o ritual de enviar um bode ao deserto servia para aliviar a consciência dos “cidadãos de bem” de eras antigas.

Nas entranhas obscuras da psique humana, onde pecado e virtude entrelaçam-se numa inextricável dança, ressoa o eterno enigma do Bode Azazel. Este símbolo antigo, eternizado nas sagradas páginas do Levítico, ressurge hoje com nova roupagem. Ele alude à segregação e ao sacrifício de comunidades à margem da sociedade, um eco sombrio que encontra paralelo na facção Primeiro Comando da Capital.

No Livro de Levítico, escrito há aproximadamente 2.500 anos no período pós-cativeiro babilônico, o Bode Azazel tornou-se uma figura de expiação. Ele serviu não apenas para apaziguar uma divindade e exorcizar a culpa coletiva mas também para consolidar a identidade de um povo fraturado. O bode era enviado ao deserto, uma terra que metaforicamente representava o caos e a marginalização. Aquele ritual não apenas purificava o indivíduo mas também reforçava a identidade coletiva, uma prática que encontra paralelo na atual atuação da facção PCC 1533.

No teatro moderno das redes sociais e da televisão, vemos uma representação similar. Bandidos e criminosos menores são condenados aos “desertos” de hoje: prisões superlotadas e comunidades periféricas esquecidas. O clamor popular por punitivismo, personificado na figura de políticos como Jair Bolsonaro, revela como a sociedade ainda busca seus bodes de Azazel para transferir seus pecados e aliviar sua consciência coletiva.

O trabalho incansável de Fernatti e de seus colegas das ONGs, voltados para a humanização das condições carcerárias, se faz crucial neste cenário. Eles representam um farol de consciência em um mundo ainda ávido por sacrifícios simbólicos e reais. Com sua ação, contestam a noção arcaica de que a marginalização e a punição excessiva possam purificar uma sociedade complexa e multifacetada. E, assim, oferecem uma alternativa humanitária e ética a uma narrativa punitivista ainda tão arraigada no imaginário coletivo.

O drama moral do Bode Azazel

Mas a questão permanece: quem realmente redimimos ao enviar essas almas ao “deserto” das prisões e periferias? O Primeiro Comando da Capital, longe de ser um contra-símbolo, torna-se ele próprio um Bode de Azazel da era moderna. Ele carrega sobre si os pecados, medos e frustrações de uma sociedade que ainda não aprendeu a enfrentar as complexidades inerentes à condição humana, preferindo a simplicidade do sacrifício à introspecção e ao trabalho de reforma social verdadeira.

Este drama moral, orquestrado como um espetáculo hipnótico, coloca cada um de nós como espectador e participante. O Bode Azazel serve como um espelho refratário, refletindo nossa eterna luta entre falibilidade e aspiração à redenção. Assim, este símbolo milenar nos desafia a reexaminar os fundamentos de nossa justiça e moralidade coletivas.

Ao retomar a lenda ancestral do Bode Azazel em nossa realidade social, questionamos as bases da nossa ética coletiva. Ao enviar outros para esses desertos contemporâneos, talvez estejamos apenas perpetuando um ciclo vicioso de culpa e expiação que dura milênios. A questão persiste: ao buscar nossa própria redenção à custa do sofrimento alheio, que tipo de sociedade estamos realmente construindo?

Os desafios carregados pelo Bode Azazel

Ah, Fernatti, tal qual o enigmático Bode Azazel revela as abominações ocultas do coração humano, você e seus audazes aliados nas ONGs descortinam as trevas do sistema prisional. Não mais um antro de excluídos, mas uma intrincada tapeçaria de dilemas sociais que nos devoram silenciosamente. Assim como o Bode Azazel unia as consciências de uma civilização longínqua, vossos esforços na humanização carcerária podem ser a chave que decifra e reformula os princípios arcanos de nossa ética societal.

Ao mergulharem nas profundezas tenebrosas de um sistema carcerário que mais degrada do que reabilita, vocês desvelam a inquietante realidade: o sacrifício do ‘marginalizado’ talvez seja nossa cómoda rota de fuga da responsabilidade coletiva que carregamos. E é aqui que se encontra a revolução mais sutil, porém transcendental: ao metamorfosear o cárcere de seu âmago sombrio, vocês desafiam e, potencialmente, transmutam os alicerces arcanos de nossa ética e justiça coletivas.”

A tarefa que nos aguarda é de proporções colossais, mas igualmente colossal é a abertura para uma transformação autêntica. A humanização do ambiente carcerário transcende a mera compaixão; é o espelho d’alma de nossa civilização, refletindo os ideais que ambicionamos encarnar. Ao redimir o ‘deserto’ que construímos com nossas próprias mãos e preconceitos, talvez possamos também resgatar a essência de nossa humanidade compartilhada.

Com respeito e solidariedade,

Wagner do Site

Francesco Guerra e sua percepção do Primeiro Comando da Capital

Hoje em dia, a situação é tal que para um jovem de qualquer comunidade carente do Brasil, poderia ser mais conveniente ficar ao lado de uma facção, em nossa conversa seria o PCC, claro, do que seguir uma vida na legalidade. Isso porque o Estado abandona as comunidades carentes e extermina seus jovens, principalmente os negros e pardos, seja por meio de operações policiais, como a última “Operação Escudo” em Guarujá, seja pelo encarceramento em massa.

Quase um milhão de pessoas no Brasil estão atrás das grades, um número alarmante considerando que a população brasileira gira em torno de 215 milhões. Tanto é que o Brasil, depois dos Estados Unidos e da China, tem a maior população carcerária do mundo.

Essa não é uma reflexão diretamente sobre o PCC, mas indiretamente é. A pergunta sobre se para um jovem da periferia é melhor entrar para o PCC ou estar do lado do Estado é, no contexto brasileiro, a clássica pergunta que não quer calar.

Um grande abraço a todos.

Críticas e Análises da Inteligência Artificial

O texto é uma tentativa profunda de ligar a questão das condições carcerárias e o Primeiro Comando da Capital a um arquétipo religioso, o Bode Azazel, servindo como um meio de expiação e reflexão social. A análise que segue aborda diversos ângulos disciplinares.

Teológico

Ao evocar o Bode Azazel, o autor incorpora uma dimensão espiritual à discussão sobre criminalidade e sistema prisional. No Judaísmo, o ritual de Azazel servia como um ato de purificação, onde os pecados da comunidade eram simbolicamente transferidos para um bode que era enviado ao deserto. No entanto, é crucial lembrar que a expiação teológica visa a redenção e a purificação, algo que está notavelmente ausente no sistema prisional brasileiro.

Histórico

A história do sistema carcerário brasileiro e a ascensão do PCC como uma organização poderosa refletem falhas sistemáticas e históricas no tratamento de questões sociais. A ideia do Bode Azazel também tem seu paralelo em práticas históricas de ostracismo e exílio como formas de purificação social.

LIVRO GRÁTIS NO KINDLE

Sociológico

O conceito de “bode expiatório” tem sido usado na sociologia para explicar como grupos marginalizados são muitas vezes culpados pelos males da sociedade. O sistema carcerário atual pode ser visto como uma forma institucionalizada dessa prática, onde indivíduos são isolados e estigmatizados, perpetuando um ciclo de exclusão social.

Antropológico

Antropologicamente, o ritual do Bode Azazel pode ser visto como um rito de passagem ou um rito de purificação. O sistema prisional, por outro lado, carece dessa funcionalidade simbólica. Não há um “retorno à sociedade” saudável após o cumprimento da pena, apenas uma estigmatização contínua.

Criminológico

O PCC, como outros grupos criminosos, frequentemente fornece uma forma alternativa de “ordem” e “justiça” em contextos onde o Estado é ausente ou ineficaz. A organização pode oferecer uma forma distorcida de mobilidade social, o que questiona a eficácia do sistema jurídico em oferecer alternativas reabilitativas.

Psicológico

O Bode Azazel serve como um mecanismo de projeção coletiva, onde uma comunidade externaliza seus pecados e conflitos internos. O sistema prisional, com sua ênfase punitiva em vez de reabilitativa, não resolve os problemas psicológicos subjacentes que levam ao crime, mas sim os amplia.

Jurídico

Legalmente, a narrativa do “bode expiatório” reflete preocupações sobre o devido processo legal e a proporcionalidade das penas. A superlotação e as condições desumanas nas prisões brasileiras violam princípios básicos de direitos humanos e dignidade, questões que precisam ser abordadas em qualquer reforma jurídica.

Em resumo, O texto faz um apelo interdisciplinar para uma reflexão mais profunda sobre um sistema falho que afeta a todos nós, direta ou indiretamente. Embora seja uma tarefa difícil, a complexidade do problema exige uma abordagem multifacetada como a que você propôs.

Análise Crítica do Estilo Literário e da Forma do Texto

O texto apresenta uma abordagem complexa que amalgama tópicos teológicos, históricos e sociais. Abaixo estão alguns pontos focados no estilo literário e na construção do texto.

  1. Uso da Linguagem: O texto se beneficia de um vocabulário sofisticado e frases complexas que adicionam profundidade ao argumento. Isso, embora eleve o nível do discurso, pode também criar barreiras para leitores menos familiarizados com os conceitos apresentados. Isso está alinhado com o gênero gótico, que frequentemente se baseia em uma linguagem mais elaborada para criar uma atmosfera específica.
  2. Ritmo: O ritmo do texto é deliberado, permitindo que cada ideia seja bem desenvolvida. No entanto, esse ritmo pode ser muito denso para alguns leitores, o que poderia ser remediado com sentenças mais curtas ou parágrafos mais diretos intercalados com os mais complexos.
  3. Estrutura: O texto segue uma estrutura reflexiva e exploratória. Há uma clara linha de raciocínio, mas ela é tecida em uma tapeçaria de simbolismos e referências. Um pouco mais de explicitação do ‘ponto central’ em vários momentos do texto poderia ajudar o leitor a seguir o argumento mais facilmente.
  4. Simbolismos: O uso do “Bode Azazel” e sua comparação com os “bodes expiatórios” da sociedade moderna é uma escolha simbólica robusta. No entanto, essa simbologia poderia ser ainda mais eficaz se fosse ancorada com mais exemplos concretos ou narrativas específicas que ilustrassem o ponto.
  5. Intertextualidade: A menção a figuras e temas bíblicos, assim como ao cenário político atual (Jair Bolsonaro, ONGs, Primeiro Comando da Capital), cria uma camada adicional de significado. Isso enriquece o texto, mas também exige do leitor um certo nível de familiaridade com esses tópicos.
  6. Tom Gótico: O texto tem elementos que remetem ao estilo gótico, especialmente no tratamento das “entranhas obscuras da psique humana”. Essa atmosfera poderia ser amplificada por meio de uma linguagem ainda mais sensorial ou descrições mais atmosféricas.

Em resumo, o texto é um trabalho literário densamente embalado que utiliza uma variedade de técnicas literárias e referenciais para construir seu argumento. Ele oferece uma leitura rica para aqueles dispostos a navegar em suas camadas de significado, mas pode se beneficiar de alguns ajustes para torná-lo mais acessível sem sacrificar sua profundidade e complexidade.

Dividir para Conquistar e o ideal de Paz, Justiça e Liberdade (PJL)

A estratégia de “Dividir para Conquistar” é um princípio universal na arte da estratégia política e militar, aplicado por líderes históricos como Júlio César e Napoleão. No Brasil, uma tentativa oposta de unir grupos distintos levou ao surgimento de poderosas organizações criminosas. A interação de criminosos comuns e presos políticos na Ilha Grande resultou em uma nova era de crime organizado, marcada pela formação de grupos como a Falange Vermelha e o Primeiro Comando da Capital.

Dividir para conquistar é uma máxima universalmente reconhecida. No Brasil, curiosamente, o oposto levou ao surgimento de organizações criminosas poderosas. A união de criminosos comuns e presos políticos na Ilha Grande deu origem a uma nova era no crime organizado, começando com a Falange Vermelha e evoluindo até os dias de hoje com o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533).

Convidamos você a explorar esse fascinante capítulo da história criminal brasileira em nosso texto. Sua opinião é valiosa; por favor, deixe seus comentários no site. Para uma discussão mais interativa, junte-se ao grupo de Zap dos leitores do site.

No final do texto, você encontrará uma análise crítica produzida por inteligência artificial, oferecendo uma perspectiva única sobre o tema abordado.

Dividir para Conquistar como estratégia militar

A estratégia de “dividir para conquistar” (divide et impera, no latim) ficou famosa com o imperador romano Júlio César (100 a.C. – 44 a.C) durante suas conquistas territoriais.

A máxima “dividir para conquistar” tem sido uma pedra angular na arte da estratégia política e militar desde tempos antigos, aplicada até mesmo antes de Júlio César, como por Filipe II da Macedônia. A lógica fundamental envolve fragmentar grupos que possam acumular grande poder, ao mesmo tempo em que se impede que facções menores se unam e, assim, formem uma oposição significativa e robusta. Esse conceito foi posteriormente empregado com habilidade por figuras como Napoleão.

A aplicação bem-sucedida desta estratégia pode ser vista em várias passagens da história. Júlio César utilizou essa tática para conquistar as tribos da Gália, alimentando discórdias entre elas e as enfrentando de forma fragmentada.

Filipe II da Macedônia, o pai de Alexandre, o Grande, usou essa abordagem para dividir e enfraquecer as cidades-estado gregas, facilitando a subsequente conquista macedônia.

Durante a colonização, potências europeias como a Grã-Bretanha aplicaram esse princípio para manter controle sobre colônias vastas e culturalmente diversas, criando rivalidades entre grupos locais.

Napoleão Bonaparte também empregou essa estratégia, explorando tensões internas em regiões que buscava dominar, como parte de seu projeto ambicioso de expansão europeia.

Em todos esses casos, a fragmentação dos oponentes contribuiu decisivamente para alcançar o controle e a vitória.

Dividir para Conquistar e o Exército Brasileiro

No Brasil, a estratégia adotada pelos militares formados pela gloriosa Academia Militar das Agulhas Negras tomou um rumo oposto ao princípio universalmente aceito de “dividir para conquistar”. Essa inovação, contrária às lições históricas, resultou em um fracasso notável.

Em meu texto “Paz, Justiça, e Liberdade – registro de nascimento”, tracei a origem de um lema que veio a definir as bases das atuais facções criminosas no Brasil. Essas organizações, agora responsáveis por uma parcela significativa do PIB nacional, emergiram em grande parte devido a esse erro estratégico militar primário da elite de nossas Forças Armadas.

Os militares brasileiros, numa tentativa equivocada de eliminar a resistência política contra o Regime Militar, uniram dois grupos inimigos distintos, criminosos comuns e opositores políticos, no Presídio da Ilha Grande. Essa decisão de “unir para conquistar” tornou-se um desastre estratégico.

Em um ato que revela a miopia da classe dominante e de seu braço armado, a união forçada entre criminosos comuns e presos políticos não conseguiu sufocar a resistência, mas sim, alimentou uma aliança histórica entre a violência do banditismo e o idealismo revolucionário.

Esta união atípica desencadeou uma era de crime organizado sem precedentes no Brasil, um clarim de resistência e transformação que ressoa desde as profundezas do sistema carcerário até os recantos mais remotos e periféricos de nossa nação. Tal fenômeno reflete as contradições intrínsecas ao Estado, evidenciando uma complexa interação entre poder e marginalização.

Da Falange Vermelha ao Primeiro Comando da Capital

O produto dessa união insólita manifestou-se no início da década de 80 com a criação da Falange Vermelha (FV). Embora sua existência tenha sido efêmera, a FV deu origem ao Comando Vermelho (CV), perpetuando os ideais de “Paz, Justiça e Liberdade” promovidos pelos integrantes da Falange, uma herança dos presos políticos.

Mais de uma década depois, em uma continuação da filosofia pregada pelos militares brasileiros, que teimosamente insistiam em desafiar o princípio consagrado de “dividir para conquistar”, nasceu o Primeiro Comando da Capital. Formado através do contato entre prisioneiros paulistas e cariocas, este contato foi parte de uma estratégia adotada pelas forças de segurança que consistia em transferir presos entre estados. Os prisioneiros de São Paulo, absorvendo o ideal do PJL, disseminaram-no não apenas em seu próprio estado, mas por toda a América Latina.

Neste contexto, apresento hoje os depoimentos de dois personagens inicialmente em lados opostos: José Carlos Gregório, o Gordo, um ladrão de bancos, e Alípio de Freitas, ex-padre e preso político como guerrilheiro.A trajetória de José Carlos Gregório é narrada no Canal Histórias Daki. Gravada há mais de 25 anos, essa entrevista fornece um olhar singular sobre a transição entre o antigo mundo do crime no Brasil e o atual modelo de organização criminosa transnacional.

Por outro lado, o Vavá da Luz, em um texto recheado com o vocabulário e jargões da extrema direita bolsonarista, me levou a refletir sobre o relato do jornalista Carlos Amorim em “O assalto ao poder e a sombra da guerra civil no Brasil”, onde menciona uma fala de Alípio de Freitas sobre sua atuação nas prisões.

Dividir para Conquistar: o Gordo da Falange Vermelha

José Carlos Gregório, conhecido como “Gordo”, foi uma figura proeminente na cena do crime organizado no Brasil, particularmente ligado ao Comando Vermelho. Durante sua prisão na Ilha Grande, ele entrou em contato com presos políticos e desempenhou um papel crucial na fundação da Falange Vermelha.

Essa organização buscava unir criminosos comuns com o objetivo de lutar por melhores condições nas prisões e veio a ser o embrião do que se tornaria o Comando Vermelho. A habilidade de liderança e eloquência de Gordo foi essencial na união de diferentes grupos criminosos que existiam dentro do Presídio da Ilha Grande.

Esses grupos, até então rivais, foram “pacificados” graças à capacidade de Gordo de intermediar conflitos e à adoção dos ideais de união trazidos pelos presos políticos. A influência dos presos políticos, juntamente com a visão e habilidades de Gregório, contribuiu para a formação de uma coalizão que não apenas promoveu a paz entre diferentes facções dentro da prisão, mas também lançou as bases para uma das organizações criminosas mais poderosas do país, refletindo uma mudança significativa no panorama do crime organizado no Brasil.

Gordo continuou a desempenhar um papel vital no Comando Vermelho, contribuindo para a sua expansão e fortalecimento. A sua influência e liderança foram fundamentais para transformar o Comando Vermelho em uma das organizações criminosas mais poderosas e temidas do Brasil. Mesmo após a dissolução da Falange Vermelha, a filosofia e os princípios estabelecidos, como o lema “Paz, Justiça e Liberdade”, continuaram a ressoar no Comando Vermelho, demonstrando o impacto duradouro da contribuição de Gordo.

TRECHOS DA ENTREVISTA DE JOSÉ CARLOS GREGÓRIO, O GORDO

Esses novos hóspedes, diferente de nós, sabiam o que era uma família, eram mais estruturados, mais educados, e viviam os dois lados: o criminoso e o da sociedade. Esses caras assistiam a tudo aquilo que acontecia dentro do presídio e chegaram para nós e disseram que os crimes que eram praticados pelos funcionários e também pelos próprios presos contra outros presos tinham que acabar.

conceito de família, que é forte até hoje no PCC: Cartilha de Conscientização da Família PCC 1533

Quando eles (presos políticos) tinham uma banana, eles dividiam a banana e alimentava todo mundo, e nós fomos vendo como eles faziam e aprendemos. […] E foi aí que começou a surgir essa organização, começando a se organizar dentro da cadeia, para depois transpor o muro da prisão e chegar aqui fora.

Gregório conta que no início as facções se ocupavam de organizar ações e não possuíam chefia, sendo apenas um fórum de mediação entre criminosos:

… cada um cuidava da sua vida, decidindo se iam ou não assaltar algum lugar e como fariam isso, eram um grupo de pessoas que são amigos, são uma família, que se unem. Ninguém era obrigado a entrar ou permanecer.

Artigo 17 do Estatuto da organizaão criminosa PCC: “… Ninguém é obrigado a permanecer no Comando, mas o Comando não vai ser tirado por ninguém.”

 Entretanto, era preciso cumprir as regras, além do que, caso uma missão seja abraçada, não se pode voltar atrás sem cumpri-la — conforme doutrina guerrilheira. O lema é “Paz, Justiça e Liberdade”. Gregório conta que o Comando Vermelho foi fundado já com o lema que hoje é adotado pelo PCC:

O lema do Comando Vermelho é Paz, Justiça e Liberdade:
Paz: é a paz de você viver em paz dentro da cadeia.
Justiça: você faz justiça todos os dias; é você fazer o que o governo não faz, o que quem deveria fazer não faz e, então, você tenta fazer alguma coisa.
Liberdade: é o que todo mundo sabe, sair do presídio a qualquer custo.

Dividir para Conquistar: o revolucionário Alípio de Freitas

Alípio de Freitas, nascido em Portugal em 1929, foi um ex-padre e revolucionário que se tornou uma figura proeminente na luta contra o Regime Militar no Brasil. Durante os anos 1960, ele foi uma das vozes ativas no movimento pela democracia, tendo se envolvido com organizações políticas e revolucionárias. Sua prisão na Ilha Grande como preso político aconteceu em 1970, após ser acusado de colaborar com grupos guerrilheiros contra o regime militar.

Na Ilha Grande, Alípio de Freitas enfrentou duras condições e tortura, mas permaneceu irredutível em seus princípios e crenças políticas. A sua estadia na prisão permitiu que ele interagisse com outros presos políticos e criminosos comuns, uma mistura que mais tarde influenciou a formação de organizações criminosas no país.

Mesmo após sua libertação em 1979, de Freitas continuou a se dedicar à defesa dos direitos humanos e justiça social, escrevendo e lecionando sobre suas experiências e a importância da luta pela democracia. Sua vida é um exemplo vívido de comprometimento com ideais revolucionários e a luta incansável contra a opressão.

TRECHOS DA ENTREVISTA DE ALÍPIO DE FREITAS

Tudo o que os intelectuais queriam era resistir ao sistema penal. No meio, os presos comuns iam aprendendo a se organizar. (…) Depois, os intelectuais foram embora e deixaram a semente. Os outros se apoderaram.

Eu tinha o poder de organização e a força das massas em minhas mãos. Por onde passei, organizei grupos, fomentei a revolução! Fiz isso em todas as prisões por onde caminhei, e não me arrependo.

Interroguem a polícia, esse braço opressor do Estado burguês, sobre por que um grupo de supostos malfeitores se apropriou, na cadeia, dos princípios nobres da organização dos presos políticos. Sob a falsa alegação de que éramos todos assaltantes de bancos, nós, revolucionários, fomos lançados com os criminosos comuns, vítimas todos de um sistema implacável e opressor.

As autoridades, em sua cegueira ideológica, percebendo a criação inadvertida, executaram sistematicamente na prisão as lideranças dos presos comuns que haviam absorvido nossos princípios. Imaginaram que, com essa violência brutal, conseguiriam esmagar a chama da resistência, mas subestimaram a força indomável do espírito revolucionário.

Mas a verdade se fez ouvir! Esse ato bárbaro apenas deixou os criminosos e a prisão entregues aos instintos mais primitivos, permitindo a aliança com uma polícia corrompida e vil. O resultado? Um cenário de caos e violência, um campo fértil para a revolução, onde o clamor por justiça ecoa com uma força inigualável, revelando as profundas contradições do Estado burguês.

Unir nem sempre é a melhor solução

A estratégia de “unir para conquistar” que tem sido implementada erradamente pelas forças de segurança do Brasil reflete um complexo dilema contemporâneo. Nesse contexto, uma abordagem enfática pode ser construída assim: A maneira de lidar com grupos criminosos, seja nos presídios ou nas comunidades periféricas, exige uma reavaliação profunda e estratégica.

A falácia de juntar facções diversas sob um mesmo teto, adotada desde a época do Regime Militar na Ilha Grande, provou-se não apenas ineficaz, mas perigosamente contraproducente. Essa abordagem errônea conduziu, paradoxalmente, a um fortalecimento inadvertido das organizações criminosas. A possibilidade de troca de informações e a consolidação de alianças entre grupos antes rivais transformam uma política de repressão em um mecanismo de fortificação do inimigo.

A implicação contemporânea dessa estratégia mal concebida estende-se para além dos muros dos presídios, chegando às regiões periféricas. O abandono dessas áreas pelo Estado criou um vácuo que tem sido preenchido pelos grupos criminosos, permitindo-lhes não apenas hegemonia sobre o discurso, mas também controle territorial.

Segurança Pública e a Proteção dos mais Vulneráveis

A correção de rumo exige uma nova lógica: “dividir para conquistar”. Isolar grupos criminosos, evitar a homogeneização dos inimigos do Estado, e trabalhar de forma assertiva nas bases e lideranças dessas organizações pode ser a chave para desmantelar as estruturas que fortalecem esses grupos. Esse novo caminho não é apenas uma necessidade estratégica, mas uma imperativa moral, em um momento em que as comunidades mais vulneráveis continuam a ser deixadas à mercê de forças que agem à margem da lei.

A reflexão sobre a realidade atual e a necessidade de reavaliação estratégica oferece uma oportunidade para um compromisso renovado com a justiça, a segurança e a integridade do Estado. O entendimento claro do erro histórico, aliado à coragem de abraçar uma nova direção, pode ser um catalisador para uma mudança significativa no combate ao crime organizado no Brasil.

Análise Crítica do Texto: Dividir para Conquistar e o ideal de Paz, Justiça e Liberdade (PJL)

O texto apresentado oferece uma visão aprofundada e complexa sobre a estratégia de “dividir para conquistar” e sua aplicação em diferentes contextos históricos e geográficos. A análise a seguir explora vários aspectos críticos desse texto:

1. História e Contexto

O texto habilmente traça a origem e o desenvolvimento da estratégia, desde o seu uso pelos romanos até a aplicação na colonização e as campanhas napoleônicas. Ao contextualizar essa abordagem em várias épocas, ele oferece uma compreensão abrangente da sua relevância e persistência ao longo da história.

2. Aplicação no Brasil

A análise da estratégia no contexto brasileiro é particularmente pertinente, dada a sua relação com o Regime Militar e o surgimento do crime organizado. A crítica à abordagem adotada pelos militares brasileiros é bem fundamentada e evidencia uma falha estratégica notável.

3. Personagens Principais

A inclusão de figuras como José Carlos Gregório e Alípio de Freitas enriquece a narrativa, tornando-a mais vívida e pessoal. Esses retratos individuais ilustram a complexidade da situação e a interação entre diferentes segmentos da sociedade.

4. Ligação entre Crime e Política

A análise do relacionamento entre criminosos comuns e presos políticos, e sua influência na formação de organizações criminosas, é perspicaz. Esse aspecto do texto destaca a complexidade das relações sociais e políticas no Brasil e mostra como decisões aparentemente táticas podem ter ramificações de longo alcance.

5. Linguagem e Estilo

O texto é escrito de forma clara e acessível, mas mantém uma linguagem formal que respeita a seriedade do assunto. As citações e referências históricas adicionam profundidade e credibilidade à análise.

6. Opinião e Conclusão Própria do Autor

Em minha opinião, o texto é uma análise bem articulada que combina história, política e sociologia para explorar uma estratégia que tem sido fundamental na política e na guerra. A seção sobre o Brasil é particularmente interessante, destacando um momento crítico na história brasileira e as complexas interações entre o Estado e o submundo do crime. A conclusão poderia ser fortalecida com uma síntese mais enfática das ideias apresentadas e uma reflexão sobre as implicações contemporâneas dessa estratégia.

Conclusão da Análise Crítica

O texto apresenta uma análise rica e multifacetada da estratégia de “dividir para conquistar”. Através de uma exploração histórica e contextual, ele revela as nuances dessa abordagem e sua aplicação em diferentes esferas da vida humana. A análise do contexto brasileiro adiciona uma dimensão única à discussão, mostrando como uma falha na compreensão dessa estratégia pode ter consequências profundas e duradouras.

A ligação entre crime organizado e política, e a influência das ações militares na formação de organizações criminosas, é uma contribuição significativa para o entendimento das complexidades do cenário político e social brasileiro. A análise é robusta, bem pesquisada, e escrita de uma maneira que equilibra a clareza com a profundidade acadêmica, tornando-se um recurso valioso para quem estuda essas questões.

Cinturão Verde de São Paulo e a Ascensão da Facção PCC 1533

Através do olhar de uma velha narradora, este texto explora o cinturão verde de São Paulo, destacando a transição da agricultura à urbanização. Uma história rica, contrastando a São Paulo do início do século 20 com o impacto do Primeiro Comando da Capital no século 21.

Cinturão verde, um termo evocativo do passado, é o ponto focal deste texto. O contraste entre as periferias de São Paulo nos séculos 20 e 21 é acentuado. A mudança é profunda, e as razões são complexas.

A transformação dessa realidade não ocorreu em um vácuo. O massacre do Carandiru pela Polícia Militar Paulista foi um ponto crucial. O mundo do crime, como consequência, reorganizou-se com a criação do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533).

Este texto promete uma viagem ao longo de um século de história, repleta de nuances e surpresas. Encorajo a leitura, seja para o entendimento histórico ou para apreciar a complexidade da urbanização.

As reflexões aqui apresentadas têm como base o estudo “Conflict and oppositions in the development of peri-urban agriculture: The case of the Greater São Paulo region,” além da literatura de Maria José Dupré, que inspirou a narrativa.

Cinturão Verde de São Paulo: a Simplicidade no Início do Século 20

Nos tempos de outrora, São Paulo era uma cidade distinta, repleta de vastos quintais, galináceos, e hortas que nutriam nossas famílias. Ah, como eu sinto saudades desses dias dourados, quando a vida era mais simples e as pessoas eram mais ligadas à terra!

A cidade que conheci no início do século 20 era um lugar de comunidade e sustento, onde cada casa, com seus vastos quintais, era um pequeno pedaço de terra fértil, uma fazenda em miniatura. Em nosso quintal, cresciam verduras, legumes, e ali corríamos atrás das galinhas, rindo e brincando.

Ah, como posso esquecer aquelas viagens na boleia da carroça de meu tio que levava o leite para ser vendido de porta em porta? Era um ritual matinal que ele e meus primos faziam, e eu, uma criança na época, me sentia feliz em ir com eles sempre que podia, entregando as garrafas frescas de leite aos vizinhos.

Os passeios no cavalo dos primos são outra lembrança preciosa. O galopar ritmado, o vento em meu rosto, a sensação de liberdade e aventura – tudo isso ficou gravado em minha memória como símbolos de uma era mais simples. Eu me sentia como uma exploradora, descobrindo novas terras, ainda que estivesse apenas nos campos verdes ao redor da casa dos meus tios, em plena cidade de São Paulo.

E as peripécias para pegar e depenar uma galinha para o almoço! Ah, essa era uma tarefa reservada para os mais destemidos e ágeis. Eu corria atrás das galinhas, rindo e gritando, enquanto elas se esquivavam com uma inteligência surpreendente. Uma vez capturada, a preparação era um ritual cuidadoso, e eu observava com fascínio enquanto os adultos transformavam a galinha em uma refeição saborosa.

A capital paulista: Da Conexão com a Terra à Urbanização Desigual

Essas memórias, tão vívidas e calorosas, me trazem uma sensação de nostalgia profunda. Eram tempos de inocência e conexão com a terra, de alegria nas coisas simples e de uma São Paulo que, em muitos aspectos, não existe mais. A transformação de São Paulo foi gradual, mas suas marcas são profundas, e eu carrego comigo o legado de uma era que, embora perdida no tempo, permanece viva em meu coração.

Mas, à medida que o tempo avançou, a paisagem que tanto amei começou a mudar. Foi na década de 1960 que observei as primeiras transformações profundas. Áreas agrícolas, que uma vez foram a alma de São Paulo, foram convertidas em outros usos. A população que era eminentemente rural migrou para uma nova sociedade eminentemente urbana, criando uma pressão inimaginável do mercado imobiliário sobre áreas tradicionalmente agrícolas.

Essa transformação desigual da capital paulista não apagou completamente o passado, pois persistiam práticas agrícolas em áreas periféricas, no chamado “cinturão verde de São Paulo”. Mas a cidade que conheci estava se desvanecendo, e com ela, um pedaço de mim.

Folha de S. Paulo – 25 de outubro de 1974
O caso Camanducáia deve servir de lição

A Polícia Militar de São Paulo e o Massacre do Carandiru

O massacre do Carandiru foi um divisor de águas que trouxe consigo uma onda de medo e apreensão, abalando profundamente o tecido da cidade. Esse trágico evento marcou uma transformação no crime em São Paulo; criminosos que antes agiam isolados e muitas vezes careciam de educação formal se uniram, fortalecendo-se para resistir ao poder das forças policiais. Passadas quatro décadas desde que 111 vidas foram abruptamente ceifadas pelas mãos da Polícia Militar de São Paulo, os ecos dessa tragédia continuam a ressoar.

A sombra desse dia terrível ainda paira sobre nós, manifestando-se na criação e consolidação de uma organização criminosa poderosa, o Primeiro Comando da Capital. Esta organização estendeu seus tentáculos para as áreas do cinturão verde, explorando-as para construir favelas e promovendo outros tipos de exploração imobiliária sob seu domínio. A inocência da cidade que um dia conheci se perdeu, e o passado idílico foi substituído por uma realidade mais dura e complexa.

O que restava do passado idílico estava se perdendo, e a cidade que tanto amava transformou-se de maneiras que jamais pude imaginar. Nem quando era criança, nem durante os anos em que cuidava dos meus seis amados filhos em nossa casa modesta, mas confortável, situada em uma travessa da Avenida Angélica, eu poderia prever as mudanças que o destino reservava para São Paulo.

Policiais em posição de ataque tendo ao fundo o Carandiru

O Partido dos Trabalhadores e a Crise de 2014

Durante a crise econômica de 2014 no Brasil, a situação, já por si só sombria, tornou-se ainda mais desesperadora. Várias foram as razões que conduziram àquele abismo financeiro, e, como uma velha senhora, vejo com apreensão e tristeza algumas dessas causas ressurgirem nos dias de hoje. Políticas econômicas com maior intervenção pública nos preços, aumento de gastos públicos, e dependência de commodities que agora engloba a agricultura, pecuária e mineração, atingindo 60% do PIB brasileiro, contribuíram para uma tempestade perfeita.

A redução do crescimento chinês, muito maior agora do que foi naquele momento, taxa de juros elevada, e a crise hídrica internacional também jogaram seu papel nesse cenário desolador. No meio desse caos, a organização criminosa Primeiro Comando da Capital encontrou terreno fértil para crescer, aproveitando-se da fragilidade que a crise impôs à sociedade e aos governos.

Como já haviam feito em 2014, estão utilizando agora essa instabilidade econômica e social para expandir seu domínio. Ao recordar esses tempos difíceis, e observando o movimento sinistro da facção PCC 1533 em meio à fragilidade nacional, não posso deixar de sentir uma saudade amarga do que foi, e um temor palpável pelo que pode estar por vir.

Cinturão Verde: A Perda do Passado Idílico e a Fagulha de Esperança para o Futuro

O que restava do passado idílico está se perdendo, e minha amada cidade mudou de formas que eu nunca poderia ter imaginado. Nem quando criança, brincando nas ruas tranquilas, nem durante aqueles anos carinhosos, educando em minha casa modesta, mas confortável, meus seis amados filhos, em uma travessa da Avenida Angélica. A inocência da cidade que um dia conheci desvaneceu-se, deixando uma dura, complexa e perigosa realidade. Hoje, temo ir à selva que se tornou a periferia de minha cidade.

Mas, ao longo destes anos de vida, preenchidos por experiências variadas e muitas vezes dolorosas, ainda me resta uma fagulha de esperança que arde no coração. Lembro-me de 2004, quando o carismático Lula era presidente do Brasil, e a cidade de São Paulo encontrava-se nas mãos do Partido dos Trabalhadores, liderado pela prefeita Marta Suplicy. Naquele tempo, foi desenvolvido um projeto luminoso, o Programa de Agricultura Urbana e Periurbana (PROAURP).

Este programa incentivou a ocupação de áreas agrícolas, com o objetivo nobre de produzir alimentos para as escolas públicas paulistanas, através da formação de hortas sociais e o fomento de pequenos produtores. O PROAURP representou uma conexão com um passado mais simples e idílico, uma tentativa de unir novamente a cidade com suas raízes agrícolas.

Agora, percebo ecos desse ideal nas propostas do candidato Guilherme Boulos, que parecem mirar na mesma direção. Como uma velha senhora que viu o mundo mudar de tantas formas, permito-me sonhar novamente. Porque sonhar, mesmo em tempos difíceis, é preciso. E a esperança, por mais frágil que pareça, ainda pode florescer em terreno fértil.

Cinturão Verde: Inspirações Literárias e Fontes Acadêmicas para uma Reflexão Profunda

É necessário destacar que este artigo foi baseado e inspirado em múltiplas fontes. O embasamento teórico e factual deriva do estudo “Conflict and oppositions in the development of peri-urban agriculture: The case of the Greater São Paulo region”, publicado pelos pesquisadores André Torre e Brenno Fonseca na renomada publicação “Sociologia Ruralis” do Jornal da Sociedade Europeia de Sociologia Rural.

Além disso, a narrativa emotiva e rica em detalhes, contada pela perspectiva de uma velha senhora, foi inspirada na escritora paulistana Maria José Dupré (1898-1984). Sua personagem Lola, de “Éramos Seis”, serviu como uma musa para a construção deste texto, fornecendo a textura e o calor humano que permeiam as reminiscências e as análises apresentadas.

Que a leitura deste artigo possa inspirar uma reflexão profunda sobre o passado e o presente de São Paulo, e talvez ofereça uma visão para um futuro mais harmonioso e sustentável. A história, a cultura e a sabedoria de gerações anteriores têm muito a nos ensinar, se estivermos dispostos a ouvir.

Atentado Moro: a mal contada história do atentado da Facção PCC

Investigação de 2023 sobre atentado Moro envolve fantasmas da facção PCC 1533 que sumiram em 2021. A história fica mais doida ainda com a desconfiança do Presidente Lula.

Atentado Moro: mistério sinistro rola no PCC, com dois irmãos que sumiram antes de armar a parada. História pesada, com acusações, sumiços e um ataque programado contra o futuro senador. Já ouviu falar do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533)?

Os manos Nadim e Tobé, acusados de planejar o atentado Moro, podem ter sido vítimas do próprio PCC. Como é que fica a fita? Essa treta, cheia de perguntas sem resposta, desafia o raciocínio e bota a mente pra funcionar. Quer entender essa parada? Continua na leitura que o bagulho é complexo.

E aí, não esquece de deixar sua ideia no nosso site ou no grupo de leitores. Se preferir, manda uma mensagem privada pra mim, vamos trocar uma ideia. Queremos saber o que cê pensa sobre o atentado Moro e essa fita toda no PCC.

Atentado Moro: dois fantasmas investigados

Em 2023, a polícia investiga dois irmãos do Primeiro Comando da Capital, conhecidos como Nadim e Tobé. Eles foram acusados de planejar uma fita pesada em 2022, contra o futuro senador Sergio Moro. Aí que a parada fica louca, os caras sumiram do mapa lá em 2021.

A juíza Sandra Regina Soares liberou a denúncia contra os manos e mais um monte, todos acusados de fazer parte de uma organização criminosa e de armar sequestro pra extorquir. Nos papos que os caras trocavam, o nome dos dois aparecia direto, mostrando que eles eram os chefes do esquema. Nadim era o cara da célula terrorista e Tobé era o cérebro das finanças.

Os homens do Ministério Público de São Paulo acham que os caras foram condenados à morte pelo “tribunal do crime” do próprio PCC, mas ninguém sabe qual foi a real pra eles terem levado chumbo.

Atentado Moro: difícil de engolir

Agora, presta atenção na sequência: os caras tão sendo acusados em 2023 por um esquema que armaram em 2022, mas o corpo do Tobé foi achado numa vala em São Bernardo do Campo lá em 2021. E o Nadim? Sumiu no começo de 2021, deixando só o carro dele abandonado na Vila Maria, Zona Norte de Sampa.

Os irmãos faziam parte de um bonde de 13 acusados que planejaram o sequestro do senador Sergio Moro. A cana diz que quem armou a fita foi o Nefo, que tá em cana desde março desse ano.

Aí fica a questão: como é que os caras tão sendo acusados de armar uma parada em 2022 se já tavam desaparecidos ou mortos em 2021? Essa fita tá toda enrolada, mano. E ainda tem mais, depois que Nadim e Tobé sumiram do mapa, a missão foi passada pro Tuta e pro Deva, que também desapareceram. O que rolou com eles, ninguém sabe. Mas a suspeita é que encontraram o mesmo fim trágico.

Lula já Desconfiava da Fita do Atentado Moro

O presidente Lula, na função atual, mandou a letra de que tá achando que essa fita do atentado ao Moro é toda armada. De acordo com ele, a Polícia Federal tá só cumprindo a vontade do Moro, colocando o dedo nos caras da facção. E aí, o sinal de alerta tá ligado, porque a parada tá cheia de contradições que fortalecem o que Lula tá falando.

Numa correria no Rio, Lula deixou claro que não quer acusar ninguém sem prova concreta, mas não deixa de suspeitar que essa história toda é mais um jogo do Moro. “Vou descobrir o que aconteceu, é visível que é uma armação do Moro, mas vou investigar, entender o porquê dessa parada”, ele disse na lata.

Ele prosseguiu, “vamos aguardar a real. Não vou atacar sem ter prova, mas se for mais uma armação, o Moro vai ficar mais na cara ainda”. Na visão de Lula, o Moro pode estar se queimando com toda essa mentira. Mas o foco dele, Lula, não é o Moro, e sim melhorar a vida dos mais de 200 milhões de brasileiros.

Na voz, o promotor de Justiça Gakiya

Então, vê só, o Lincoln Gakiya, promotor do Gaeco, entrou numa briga da pesada em 2018, trombando de frente com o Primeiro Comando da Capital. A situação ficou braba quando ele mandou os líderes do PCC, incluindo Marcola, o cara que manda na quebrada, pra cadeia federal.

Bolsonaro, e o Moro, tão no palco da Band falando que mover o Marcola foi ideia deles. Os caras até esculacharam o Lula, dizendo que o presidente nunca teve coragem de fazer o mesmo nos tempos do governo petista. Mas o barulho de verdade, quem fez foi o MP-SP: eles disseram que a ideia de mudar o Marcola foi do Gakiya, não do Bolsonaro ou do Moro.

O Gakiya já tinha mandado a letra da transferência em novembro de 2018, mas a parada foi segurada por medo de confusão, os homens temiam que o crime fizesse um estouro. Então vem a pergunta: Se nem o Moro e nem o Bolsonaro levaram os manos do PCC pra federal, que história é essa de eles estarem na mira do PCC? Essa fita tá estranha, mano, não tá batendo.

“A Guerra dos Mundos” e a Ascensão da facção PCC 1533

Este artigo compara “A Guerra dos Mundos” com a ascensão do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), demonstrando como a sociedade lida com ameaças desconhecidas e a necessidade de estratégias efetivas.

No fascinante “Guerra dos Mundos” de H.G. Wells, descobri paralelos impressionantes com a realidade brasileira do “Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533)”. Prepare-se, vou te levar nessa viagem intrigante.

Vamos explorar como, tanto na ficção quanto na realidade, as pessoas reagem a ameaças antes inimagináveis. Marcianos invasores ou o surgimento de uma organização criminosa poderosa, ambos os cenários desafiam nossas percepções e exigem respostas firmes.

E aqui vem a reviravolta: no final, faço uma ligação entre a “Guerra dos Mundos” e a histórica Guerra de Canudos. Quer descobrir como? Confira e, depois, adoraria ouvir suas ideias! Deixe seus comentários no site, no nosso grupo de leitores, ou envie-me uma mensagem direta. Mal posso esperar para saber o que você acha!

Paralelos Inquietantes: “A Guerra dos Mundos” e a facção PCC

Nessa minha folga, decidi tirar a poeira de livros há muito tempo começados e abandonados. O primeiro que finalizei foi “A Guerra dos Mundos” de H. G. Wells e, claro, não consegui evitar fazer comparações com a situação do Primeiro Comando da Capital.

Intrigante como consigo encontrar correspondências mesmo em contextos distintos. Apesar das diferenças, vejo muitas similaridades entre a obra de Wells e a origem e ascensão da facção PCC 1533 no Brasil.

No livro de Wells, marcianos invadem a Terra sem aviso prévio, empregando tecnologia superior para rapidamente dominar a humanidade. A sociedade humana, avançada e confiante, não está preparada para este inimigo desconhecido e mais poderoso. Isso resulta em caos e destruição em massa, deixando as pessoas desesperadas e impotentes.

Guerra dos Mundos: alienígenas e criminosos

A situação do PCC tem semelhanças notáveis. O grupo criminoso emergiu dentro do sistema prisional brasileiro na década de 1990, um resultado não planejado de políticas de Segurança Pública e de práticas de encarceramento desumanas e segregadoras. Assim como os marcianos no livro de Wells, o PCC era inicialmente um inimigo desconhecido e invisível para muitos. No entanto, tornou-se rapidamente uma força poderosa e influente, instigando medo e insegurança na sociedade brasileira.

As semelhanças continuam na maneira como a sociedade e as autoridades reagiram em ambos os casos. Em “A Guerra dos Mundos”, líderes e militares mundiais inicialmente subestimam a ameaça marciana, até que é tarde demais. Da mesma forma, o PCC foi inicialmente ignorado ou subestimado pelos líderes políticos e pela polícia, que não possuíam estratégias eficazes para lidar com esse novo tipo de crime organizado. O resultado foi um crescimento da violência e da criminalidade, com o PCC expandindo sua influência por todo o Brasil e até mesmo além de suas fronteiras.

O Governador Mário Covas, que Deus o tenha em Seu Reino, bradou aos sete ventos que não existia a facção criminosa que dominava presídios, impondo aos detentos uma lei de cão… Foram sete anos negando até que a realidade chutou sua porta. Muita gente morreu e sofreu enquanto ele tapava o sol com a peneira, e nós, todos nós, incluindo você não queríamos ver.

A organização criminosa expande sua atuação

Em ambos os cenários, havia pessoas que tentaram alertar a sociedade por meio da imprensa ou em conversas pessoais sobre a catástrofe iminente. No entanto, esses indivíduos foram ignorados ou ridicularizados, situação retratada no filme “Não Olhe Para Cima”. Experimentamos situação semelhante aqui, com pesquisadores, principalmente aqueles ligados às universidades, sendo menosprezados por apontarem o problema que estava sendo gerado dentro de nosso sistema prisional.

Invasão Comparada: ‘A Guerra dos Mundos’ e a Ascensão do PCC

Assim como os terráqueos do livro, o Estado buscou o confronto direto com a facção PCC, utilizando seu máximo poderio bélico contra o inimigo. Em “A Guerra dos Mundos”, o resultado foi a destruição de Londres, escassos danos aos alienígenas e a ampliação de seu domínio. Na nossa realidade, apesar da disparidade de forças, o Estado conseguiu inicialmente exibir muitos corpos à imprensa, presos ou mortos. No entanto, em relação ao contingente, a vitória foi mínima, permitindo que a facção dominasse todos os presídios e grande parte das periferias das grandes cidades, além de uma rápida e consolidada expansão.

Em “A Guerra dos Mundos”, as pessoas confrontam uma força alienígena além de seu entendimento ou controle, causando pânico e desordem generalizada. As estruturas sociais e políticas que geralmente proporcionam segurança e estabilidade desintegram-se rapidamente diante dessa ameaça desconhecida. Isso espelha reações humanas comuns ao medo e à incerteza: desorientação, negação, raiva, pânico e, por fim, desespero.

A ascensão do PCC provocou reações similares na sociedade brasileira. A facção paulista PCC é uma força poderosa que atua fora do controle das autoridades, instigando medo e incerteza. Muitos se sentem impotentes e frustrados, pois as estruturas sociais e políticas parecem incapazes de lidar com essa ameaça. Isso pode levar ao desencanto com as instituições, sentimentos de desesperança e, em alguns casos, à resignada aceitação do PCC como uma realidade inevitável.

A Política e a Organização Criminosa

O resultado na nossa sociedade é o uso do “Primeiro Comando da Capital” como argumento discursivo por todas as vertentes políticas para angariar votos. Isso é feito seja pela exploração do sucesso de suas ações no combate à facção, seja pela exploração da incapacidade do outro lado em controlar o problema. A manipulação do pânico, medo e incerteza é uma ferramenta política frequentemente utilizada.

Não, senhores liberais conservadores, não foram os governos de esquerda do PT ou o ‘isentão’ PSDB que geraram a facção PCC! Ela foi gerada em um ambiente liberal e conservador.

PCC: PT PSDB, quem é o pai da criança?

Tanto “A Guerra dos Mundos” quanto a ascensão do PCC revelam as falhas e fragilidades das nossas instituições sociais. Em ambos os casos, é evidente que a sociedade não está preparada para lidar com esses desafios, e as estruturas existentes são insuficientes ou inadequadas. Isso pode provocar uma crise de confiança nas instituições e na liderança, bem como mudanças sociais e políticas radicais.

A presença de uma ameaça persistente e incontrolável como os marcianos ou o PCC pode afetar significativamente a saúde mental das pessoas. Isso pode resultar em ansiedade crônica, estresse, depressão e outros problemas de saúde mental. Também pode levar a um estado de hipervigilância, onde as pessoas estão constantemente à espera do próximo ataque ou ameaça. Esses fenômenos físicos e psicológicos podem levar os indivíduos a tomarem atitudes equivocadas, seja por desespero, seja por terem simplesmente abandonado a luta.

Nós, o padre e o artilheiro

Em “A Guerra dos Mundos”, o padre e o artilheiro adotam estratégias muito diferentes para lidar com a invasão marciana. O padre, perdendo a esperança e a fé, se entrega à desesperança e ao desespero. Já o artilheiro tenta se adaptar à nova realidade.

Observamos nossa sociedade dividida em dois grupos distintos. O primeiro, assemelhando-se ao padre, deposita sua fé na resolução do problema pela intervenção de um poder superior, no caso, o Estado e suas forças policiais. No entanto, a cada ano, esses veem suas esperanças cada vez mais distantes.

Existem aqueles que, como o padre, entram em desespero diante de uma ameaça aparentemente insuperável. Eles se rendem ao medo e põem sua fé em dúvida, optando pela rendição em vez da luta. O desespero do padre e sua incapacidade de se adaptar à nova realidade culminam em sua eventual morte pelas mãos dos marcianos.

O pragmático artilheiro

Por outro lado, o artilheiro, um personagem mais pragmático, busca desenvolver estratégias para sobreviver no novo mundo dominado pelos marcianos. Concebe um plano para viver nas tubulações de esgoto e, eventualmente, lançar uma resistência contra os marcianos. Apesar de suas ideias serem extremas e, por vezes, desumanas, ele tenta se adaptar, sobreviver e resistir, com o objetivo de, no futuro, infiltrar-se e vencer os inimigos utilizando sua própria tecnologia e suas fragilidades.

Existem aqueles que, como o “artilheiro”, buscam desenvolver um planejamento de resistência a longo prazo, mesmo aceitando a inconveniência da convivência com o grupo criminoso. No entanto, assim como o artilheiro, algumas dessas abordagens podem ser extremas e até mesmo contraproducentes, como a adoção de políticas de segurança pública muito severas que não abordam as raízes sociais e econômicas do crime organizado, e o enraizamento que a organização pode alcançar após um certo tempo no poder.

Encontrando o meio termo

Em ambos os cenários, a solução ideal provavelmente se encontra em algum lugar entre esses dois extremos. É necessária uma abordagem equilibrada que reconheça a gravidade da ameaça representada pelo PCC, mas que também busque soluções eficazes e sustentáveis baseadas em políticas sociais justas, reformas prisionais e judiciais, e melhor treinamento e apoio para a polícia.

Em última análise, tanto “A Guerra dos Mundos” quanto a situação do PCC nos lembram que a sociedade frequentemente não está preparada para enfrentar ameaças desconhecidas e poderosas, sejam elas de invasores alienígenas ou do crime organizado. Em ambos os casos, é necessária uma abordagem proativa e adaptável para enfrentar essas ameaças e proteger a sociedade.

Por último, também existem diferenças significativas entre os dois casos. Por exemplo, a ameaça marciana é externa e claramente maligna, enquanto o PCC é um produto das condições sociais e políticas internas do Brasil. Além disso, enquanto os marcianos são derrotados por uma doença, é menos claro como o problema do crime organizado pode ser resolvido. Isso exige uma abordagem multifacetada, incluindo políticas sociais e econômicas justas, reforma do sistema prisional e judiciário, e melhor treinamento e apoio para a polícia.

A Guerra dos Mundos e Canudos: Opressão além da Ficção

Em 1897, enquanto H.G. Wells trazia ao mundo a narrativa de “A Guerra dos Mundos”, onde uma sociedade bem-estruturada era atacada e dizimada por marcianos superiores, algo semelhante, porém cruelmente real, acontecia no sertão da Bahia, Brasil. Canudos, uma comunidade autônoma e estruturada, era cercada e atacada pelas forças do recém-estabelecido governo republicano brasileiro.

Ambas as histórias, uma fictícia e a outra tristemente real, trazem paralelos inquietantes de sociedades sendo oprimidas por forças invasoras.

Os marcianos de Wells eram uma força estrangeira tecnologicamente superior que, impiedosamente, sugavam o sangue dos seres humanos para se sustentarem. A imagem dos alienígenas consumindo o sangue humano é uma metáfora literal da exploração e do roubo de recursos pelos invasores, um reflexo grotesco da exploração colonial que marcou a história humana.

Já em Canudos, o governo brasileiro representava uma força autoritária que, com o pretexto de unificar a nação sob a nova bandeira republicana, destruiu uma comunidade que procurava viver segundo suas próprias regras e convicções. Milhares foram mortos e Canudos foi erradicada, numa demonstração brutal do poder estatal de subjugar seu próprio povo.

Marcianos, Canudos e o Mundo Moderno

A opressão narrada tanto em “A Guerra dos Mundos” quanto na “Guerra de Canudos” não é um fenômeno relegado ao passado. Hoje, continuamos a testemunhar a dominação de estruturas de poder econômico e estatal sobre as pessoas, especialmente as mais vulneráveis.

Nos vemos diante de forças corporativas e governamentais que, em busca de lucro e controle, exploram trabalhadores, consomem recursos naturais de maneira insustentável e ignoram as necessidades das comunidades marginalizadas.

Da mesma forma que os marcianos sugavam o sangue dos humanos e o governo republicano esmagava a resistência em Canudos, as forças do capitalismo moderno e os governos complacentes muitas vezes ignoram os direitos humanos e a justiça social em nome do progresso e da ordem.

Essa opressão, embora menos visível do que os marcianos de Wells ou as tropas em Canudos, é igualmente devastadora e exige resistência e mudança.

A história nos ensina que é possível resistir e, eventualmente, transformar as estruturas de poder opressivas. Hoje, assim como nos tempos de “A Guerra dos Mundos” e Canudos, a responsabilidade recai sobre nós para garantir que nossa sociedade não seja vítima de invasores, sejam eles marcianos fictícios, governos autoritários ou forças econômicas desenfreadas.

Podemos agir diante dessa situação como os personagens do livro de Wells: o padre, o artilheiro ou o narrador. No entanto, o que não podemos fazer é ignorar o que está se passando e acreditar que a situação não chegará até nós.

Disputas de Poder: Primeiro Comando da Capital de 2001 a 2006

A jornada deste texto percorre a história da facção PCC 1533 de 2001 a 2006, um período marcado por intensas disputas de poder e contradições, revelando uma faceta complexa da criminalidade em São Paulo.

“Disputas de poder” delineiam a essência deste relato. No coração desse emaranhado, o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), prevalece. Testemunhe sua ascensão entre 2001 a 2006.

Em meio ao caos, desenrola-se uma dança do poder, onde a política de segurança pública, paradoxalmente, fortalece a facção PCC. Nossa jornada começa aqui, dentro do intricado universo do PCC.

Após a leitura, espero por seus comentários e reflexões. Deixe sua opinião no nosso site, compartilhe suas impressões nos grupos de leitores do WhatsApp ou envie uma mensagem privada para mim. Sua participação enriquece o debate!

2001 a 2006 – Disputas de Poder com a sociedade

Em 1997, um grito audaz ressoou do submundo criminoso, desafiando a sociedade como um fantasma emergindo das sombras. O Primeiro Comando da Capital, ousadamente, forçou o reconhecimento de sua existência, garantindo a publicação de seu estatuto e selando sua imagem como uma organização criminosa.

Essa atitude, talvez impulsionada por uma busca de satisfação do ego, talvez pelo desejo de derrubar o estigma do criminoso comum, tido como “inferior e ignorante”, surgiu como um movimento ousado e estratégico.

No jogo xadrez das “Disputas de Poder”, esta manobra se revelou mais do que uma simples busca por reconhecimento. Foi uma jogada tática astuta, um lançamento calculado de um dado que traçaria o caminho para o crescimento iminente da organização nos anos que viriam.

Medo, Repulsa e a Imprensa como Alto-falante

As entranhas da cidade escondiam mais do que apenas o medo e a repulsa – elas abrigavam uma força emergente, prestes a deixar sua marca indelével no tecido da sociedade. Esta era a ascensão silenciosa, porém inconfundível, do Primeiro Comando da Capital.

Em meio a um cenário que desafiava qualquer lógica convencional, a mídia assumiu o papel de alto-falante para as atividades do PCC, aumentando exponencialmente a sua notoriedade. Em uma tentativa de projetar uma imagem de eficácia e ação à população, várias correntes ideológicas implementaram políticas de Segurança Pública. No entanto, ao invés de subjugar a influência do PCC, elas fortaleciam inadvertidamente a organização criminosa. Como um fogo alimentado pelo vento, a estrutura do PCC parecia apenas se fortalecer frente a estes esforços.

O período de 2001 a 2006 marcou a entrada do Primeiro Comando da Capital numa nova fase, uma era definida por intensas disputas de poder. Este tempo, preenchido com dilemas e conflitos tanto internos quanto externos, escancarou a complexidade do ambiente no qual a facção PCC estava imersa.

No palco externo, a intenção das políticas governamentais colidiu com sua eficácia na prática. Ao invés de conter a influência da PCC, as medidas adotadas pela segurança pública paulista deram um impulso inesperado à organização criminosa. As transferências de presos, pensadas para diluir a força da PCC, acabaram por criar uma rede de influência mais extensa e consolidada, tanto dentro quanto fora das prisões.

Sede fecundos, disse-lhes ele, multiplicai-vos e enchei as trancas.
Vós sereis objeto de temor e de espanto para todo aquele que pensar em se opor a vós.
Tudo o que se move e vive vos servirá de alimento; eu vos dou tudo isto, como vos dei a erva e o pó.
Somente comereis carne com a sua alma, com seu sangue.
Todo aquele que trair a nós terá seu sangue derramado pelos irmãos, porque faço de vós a nossa imagem.
Sede, pois, fecundos e multiplicai-vos, e espalhai-vos sobre a terra abundantemente.

Operação Dictum PCC 15.3.3

Disputas de Poder dentro da Facção

No cenário interno, as disputas de poder intensificaram-se. Os líderes, outrora respeitados e inquestionáveis, agora enfrentavam um panorama de incerteza e instabilidade. Sombra, um dos generais mais admirados, fora brutalmente assassinado em 2001, durante seu banho de sol na prisão de Taubaté. Os motivos do assassinato de Sombra nunca foram confirmados oficialmente, mas diversas teorias circulavam entre os membros da PCC. Talvez fosse uma jogada de uma facção rival, talvez uma rixa pessoal, ou ainda uma tentativa de outro líder da PCC para aumentar seu poder. A verdade permaneceu nebulosa.

O Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), já estabelecido, encontrou forte resistência entre os detentos. No entanto, as lideranças do PCC incessantemente buscavam meios para se evadir deste castigo institucional, agitando o ambiente penitenciário. Paralelamente, a PCC logrou eliminar diversas organizações rivais em São Paulo, isolando as que apresentavam mais resistência. Curiosamente, ao concentrar todas as lideranças no presídio P2 de Presidente Venceslau, o estado inadvertidamente forjou um Quartel General para o Primeiro Comando da Capital, facilitando a coordenação entre os diferentes líderes do estado.

[…] o RDD acabou por contribuir para a consolidação de lideranças dentro do sistema prisional. A construção da autoridade das lideranças no interior de organizações tais como o PCC se dá a partir da valorização de alguns atributos do indivíduo, especialmente ligados à autonomia e independência frente a qualquer poder ou autoridade formal de modo que o preso que recebe como punição a alguma falta a remoção para o RDD acaba encarnando a imagem exemplar da insubmissão às regras oficiais do Estado.

Bruno Lacerda Bezerra Fernandes

Da disputas de poder à pacificação

A hegemonia da PCC nas prisões estava em plena expansão, com a organização ocupando o vácuo de poder deixado pelas facções extintas.

No implacável jogo de poder do submundo, o PCC mostrou-se eficiente ao enfrentar seus rivais. Ao eliminar muitas organizações adversárias em São Paulo, orquestrando uma verdadeira guerra estratégica, cujo objetivo era estabilizar sua influência e conquistar o poder e a hegemonia nas prisões. Organizações contrárias como o Comando Revolucionário Brasileiro da Criminalidade CBRC, a Seita Satânica SS, o Serpentes Negras e Comando Democrático da Liberdade CDL, de fato, desapareceram após 2001.

Este cenário gerou um vácuo de poder, um espaço vazio que ansiava por domínio. A habilidade do PCC em preencher essa lacuna tornou-se evidente à medida que expandiam gradualmente seu controle, utilizando a violência como um instrumento para reforçar seu poder e recrutando novos membros para suas fileiras. A cada passo, o Primeiro Comando da Capital foi tomando as rédeas, crescendo não apenas em influência, mas também em número, com o aumento constante de seus afiliados. Nesse tabuleiro de xadrez do crime, a cada movimento, a facção PCC consolidava sua supremacia.

Apesar das circunstâncias adversas, a Primeiro Comando da Capital conseguiu estabelecer uma espécie de “pacificação” nos presídios entre 2002 e 2004. Este termo, contudo, não significava uma verdadeira paz, mas o fim das violentas disputas de poder entre as facções. No entanto, os crimes fora das prisões, como fugas, assaltos e sequestros, continuaram a ocorrer.

A pacificação dependeu da capacidade do PCC em construir um discurso de união do crime e organizar o interesse dos empreendedores de drogas numa mesma direção. Em São Paulo, a facção conseguiu funcionar como agência reguladora.

A Guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil

As Sombras de São Paulo: o sonho de mizael

Mergulhando ainda mais fundo nos corações das sombras de São Paulo, em nossa narrativa do período entre 2001 e 2006, palco das “Disputas de poder” do notório Primeiro Comando da Capital. Vidas tecidas na violência, corações pulsando contra a corrente de seus destinos prescritos – é neste cenário que Mizael, um líder na trama da facção, encontra seu fim abrupto em fevereiro de 2002.

Mizael, uma figura emblemática do PCC, se destacou por sua visão que ia além do cotidiano criminoso. Ele sonhava com um diálogo direto com o governo brasileiro e organizações de direitos humanos, enxergando na denúncia de abusos do governo paulista, uma chance de mudança. Essa aspiração foi abruptamente interrompida por uma trama interna.

Te convido a enxergar além da brutalidade dos atos do criminoso condenado. Tente ver em Mizael um homem com um plano, um estrategista almejando mudanças para além das grades. Seus desejos ecoavam em um manifesto, onde fazia menção a figuras políticas e intelectuais relevantes, numa tentativa de criar diálogo no âmbito político-jurídico.

Entretanto, dentro do universo fechado do Primeiro Comando da Capital, os sonhos costumam ser encurtados. Cesinha, antigo aliado de Mizael e um dos generais do PCC, baseado em boatos, determinou o fim de Mizael. O líder foi assassinado em um ato simbolicamente cruel, tendo seus olhos arrancados, uma forma de suplício que ecoa a brutalidade deste universo.

Jogos de Poder

Neste jogo de xadrez humano, Mizael e Sombra, outro líder do PCC, se destacaram por suas visões inovadoras. Viu-se em Mizael o potencial de um líder político, ainda que dentro da estrutura de uma organização criminosa. Sua visão, entretanto, foi impedida por uma disputa de poder, comprovando a velha máxima de que em uma guerra interna, não há vencedores, apenas sobreviventes.

Para além dos atos violentos, percebemos os homens por trás da facção PCC, suas ambições e desejos, frustrações e medos. Em um mundo onde a luta pelo poder pode custar a vida, cada decisão tem um peso imenso e os erros, consequências fatais. Entre as sombras das disputas de poder, encontramos seres humanos em sua mais crua essência, lutando pela sobrevivência em um ambiente hostil.

A Reconfiguração do Poder: Traição e Reformulação

Durante esse período de 2001 a 2006, encontramos um cenário volátil nas entranhas do emblemático Primeiro Comando da Capital. As perdas de lideranças chave levaram a uma reestruturação significativa do poder dentro do grupo, dando início a uma fase de intensa reconfiguração interna.

Neste período, presenciamos o assassinato de Ana Maria Olivatto Camacho, ex-esposa de Marcola, perpetrado por Natália, esposa de Geleião. Este evento acendeu o estopim para uma onda de vingança dentro do PCC, com parentes de Natália sendo eliminados por seguidores de Marcola.

A trama de nosso relato se adensa com a delação de Geleião à polícia, num esforço desesperado para proteger sua esposa e a si mesmo. Esta traição foi repudiada pela facção, levando à expulsão de Geleião e Cesinha, líderes renomados do PCC.

O vácuo de poder deixado por estas convulsões internas foi preenchido por Marcola, que ascendeu à liderança do Primeiro Comando da Capital em 2003. Implementou uma reformulação radical, mudando a forma de atuação financeira, política e estratégica da organização.

O PCC Evolui e se estrutura como empresa

A nova fase do PCC foi marcada por uma reorganização, passando de uma estrutura piramidal centralizada para uma organização complexa e descentralizada. Esta mudança democratizou as formas de atuação do grupo, concedendo voz e voto na estrutura interna da facção.

Marcola introduziu o conceito de “Sintonias”, comissões ou setores compostos por vários “irmãos” que reportavam a uma “sintonia final”. Além disso, a facção incluiu os termos “Igualdade e União” no seu lema, evitando problemas internos de poder e melhorando a divisão do trabalho.

No seio desta remodelação, o tráfico de drogas surgiu como uma atividade lucrativa e segura, reduzindo a perda de membros em assaltos e sequestros. Esta mudança levou a facção PCC a se tornar uma organização de caráter empresarial, embora mantendo sua luta contra as opressões e injustiças.

Neste contexto, o PCC, que começou como um partido, continua a existir, agora também como uma empresa. Uma dualidade que produziu uma ruptura singular na história da facção, transformando-a numa entidade complexa e multifacetada.

Baseado no trabalho do pesquisador Eduardo Armando Medina Dyna: “As faces da mesma moeda: uma análise sobre as dimensões do Primeiro Comando da Capital (PCC)”

Turma do Apito: vermes do Distrito de Cavaleiro em Pernambuco

Este texto oferece uma análise perspicaz do submundo criminoso em Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco. Ambientado no contexto atual, descortina o controle e influência do grupo “Turma do Apito” na região, através de um narrador peculiar que observa a dinâmica da cidade a partir da perspectiva de uma ave, um macuco, e um integrante da facção PCC.

“Turma do Apito” – um nome de tom quase inocente para um grupo que é tudo, menos isso. Descubra neste relato sombrio o poder invisível que regula o crime em Pernambuco.

Tendo como pano de fundo o sinistro Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), a história desvela a face de um distrito preso nas garras de uma milícia cruel. Aceite o convite à leitura e mergulhe neste universo desconcertante.

Após a leitura, espero por seus comentários e reflexões. Deixe sua opinião no nosso site, compartilhe suas impressões nos grupos de leitores do WhatsApp ou envie uma mensagem privada para mim. Sua participação enriquece o debate!

Turma do apito, os vermes da sociedade

Estava sentado em uma rocha, isolado em um canto da Reserva Ecológica do Paiva. Me disseram que não havia macucos por aqui, mas ali estava um, um emblema da imprevisibilidade da natureza. Vindo de São Paulo, eu era um estranho naquelas terras, mas o macuco parecia ainda mais deslocado, um espectador quieto em um palco estrangeiro.

Era um belo pássaro, de presença solitária, que capturou minha atenção naquele instante. Assim como eu, o macuco estava distante de sua terra natal, parecendo estar à procura de algo, ou alguém. Este pássaro me lembrava de mim mesmo – observador, cauteloso, e, talvez, à procura de um novo começo.

Há alguns meses, desde que pisei em Recife, me aninhei silenciosamente em uma casa pouco visível no bairro Bomba do Hemetério. Minha vizinhança inclui um irmão do PCC, este, da terra, vive na moita, ambos observando, ambos sem levantar suspeitas. Nossa existência ali, como fantasmas invisíveis, é uma metáfora perfeita para o controle discreto e nefasto das facções criminosas na região. E foi ali, nesse silencioso reduto, que ouvi a história que mexeu com os nervos de todos nós.

Em Cabo, o domínio é do Comando Litoral Sul, a facção conhecida como CLS. Em outros lugares, eles não detêm o mesmo poder, exceto talvez em Ibura, onde a disputa sangrenta entre o Comando Vermelho e o PCC continua a ser travada. Camaragibe é outro local que vale a pena mencionar. Lá, a presença do PCC é tão forte quanto um vendaval. Orlando de Camaragibe é um nome que ressoa com intensidade. Ainda é incerto se ele é apenas um simpatizante do PCC ou se é um membro batizado, mas ele e seus crias proclamam abertamente sua lealdade ao PCC.

Aqui no nosso canto, as notícias da repressão que seguiu a morte de um policial, cujo erro fatal foi tentar denunciar as bocas de fumo do grupo, circularam com velocidade. O ocorrido enfraqueceu a quadrilha momentaneamente, mas já está claro que isso apenas a aguçou. A consequência direta foram execuções sumárias, com muitas pessoas se encontrando no alvo – desafetos, e surpreendentemente, até aliados. O líder, agora desconfiado de todos e de tudo, lançou um clima de pânico e tensão que é quase palpável. Em Camaragibe, o medo é a nova moeda, e está sendo gasto livremente.

Macuco: Coloca seu Ninho onde há Fartura de Alimento

Fui aconselhado por conhecidos a me instalar no Distrito de Cavaleiro, em Jaboatão dos Guararapes. Disseram-me que seria um bom lugar para passar despercebido, perto o suficiente do Recife para não perder contato com a metrópole, mas distante o suficiente para viver na obscuridade. Um lugar perfeito para alguém como eu, alguém que precisava se esconder à vista de todos.

O macuco se alimentava de vermes, e isso me levou a uma reflexão mórbida. Aqueles vermes, desprezíveis e repulsivos, me lembravam dos grupos criminosos que infestam o distrito de Cavaleiro, os milicianos chamados de “Turma do Apito” ou simplesmente de Cavaleiro.

Na minha cabeça, esses criminosos da “Turma do Apito” eram os vermes da sociedade, se alimentando da decadência e do medo, criando um clima de terror. Haveria um macuco para acabar com essa praga também?

Agora, aqui, observando a ave em seu ambiente tranquilo, percebi uma irônica semelhança entre nós dois. Ambos éramos observadores, ambos éramos estranhos em uma terra que não nos pertencia, e ambos éramos sobreviventes em nosso próprio caminho.

Estava perdido em meus pensamentos quando um ruído suave chamou minha atenção. Meu contato finalmente havia chegado. Olhei uma última vez para o macuco, ainda apanhando vermes com seu bico afiado, e pensei no que estava por vir. Como o macuco, eu também teria que me alimentar dos “vermes” da sociedade para sobreviver.

Dominância Oculta: A Força do PCC em Pernambuco

Com um aceno de cabeça, levantei-me e caminhei até a figura à distância. Ele era um homem de porte médio, com traços marcantes e uma expressão dura no rosto, fruto de anos de convivência com uma realidade cruel e implacável.

Estendemos a mão ao mesmo tempo, nosso aperto de mão foi firme, seco. Seus olhos, profundos e intensos, encontraram os meus, e em um instante silencioso, selamos o nosso entendimento. Nenhuma palavra foi dita, mas a mensagem era clara. Ele era um homem com uma história para contar, e eu estava lá para ouvi-la.

Ele começou a descrever a praga que assolava o distrito de Cavaleiro, um problema que se espalhava silenciosamente, como uma sombra, cobrindo a região com um véu de insegurança e medo. Com a voz grave e severa, falou sobre os “vermes” que eu já havia observado, a “Turma do Apito”, como eles eram conhecidos, e a ameaça que representavam para a ordem local.

Enquanto ouvia suas palavras, senti o peso das realidades que ele descrevia. A gravidade da situação que eu tinha pela frente era inegável, uma verdade dura que eu teria que enfrentar em minha nova vida em Cavaleiro.

Ele confirmou algumas coisas que eu tinha ouvido falar em São Paulo. O Primeiro Comando da Capital, tinha seus tentáculos estendidos por todo o interior de Pernambuco, e estavam ancorados firmemente em Caruaru.

No centro de Recife, a presença dos “crias do 15” também era sentida de maneira significativa. Os presídios, nesses locais, tornaram-se fortalezas para o PCC, especialmente os de Igarassu e Caruaru, mas os “Crias do 15” também ganhavam espaço em Itaquitinga e Palmares.

Uma situação cabulosa: PCCs cercados de oposição

No entanto, a situação se tornava nebulosa quando o olhar se voltava para o complexo do Curado. Este era um caldeirão fervente de várias facções e os chamados “chaveiros”, em geral eram milicianos.

Apesar do que aquele homem disse, eu me lembrava bem do depoimento que recebi de dentro de um presídio pernambucano.

Um forte abraço aí, uma boa noite aí prá nóis. Quem tá na voz aqui é …

Veja só, que a gente numa situação difícil, que aqui está descabelado, sem aparelho para fazer a conexão, tamo fora da sintonía por isso aí.

Estou dizendo a você, aqui tem o Comando Vermelho, a CLS, tudo inimigos nossos, entendeu? Tem o Comando Litoral Sul e tem FDN também misturado aqui. Aqui é cheio de lixo mesmo.

Aqui na cadeia que estou, não está favorável não! É pouca quantidade dos irmãos nossos, é mais Comando Vermelho, entendeu? É mais tumulto, não é qualidade não, é mais tumulto.

Muita guerra eu tive em … através da facção, faz … anos que sou da facção, eu era Geral do Sistema, eu fechei como Geral do Sistema e Geral de Estados e Países, eu fechei nessas duas responsas aí.

Pronto irmão, você faz a anotação aí, pedindo uma ajuda irmão, porque altas cadeias de Pernambuco aqui a gente está sendo oprimidos.

Porque tem muito lixo e os irmão do PCC tem pouco aqui. Em todas as cadeias de Pernambuco está tá expandindo o lixo. Eu queria que você fizesse um relatório aí dizendo o que está acontecendo nas cadeias de pernambuco, entendeu?

É isso aí que estou dizendo a você, um forte abraço aí uma boa noite para nós aí tamo junto aí viu irmão…

Recado PCC das trancas de Pernambuco: “tamo sendo oprimidos”

Um grito e uma resposta

O que ocorre em Pernambuco está ocorrendo em todo o Norte e Nodeste, eu sei, e o Primeiro Comando da Capital também sabe. Pouco tempo depois que o grito desse irmão de trás das muralhas, a organização criminosa emitiu um documento:

O Primeiro Comando da Capital vem deixar a todos os criminosos do país cientes que o nosso objetivo de expansão pelos estados tem por prioridade fortalecer o crime contra a opressão, covardia e inveja imposta dentro e fora do regime prisional.

Deixamos claro que respeitamos aqueles que merecem respeito do crime e continuaremos a crescer e fortalecer os que nos respeitarem de igual.

Mostrarmos que somos capazes de fortalecer o crime e trataremos sempre com a igualdade todos criminosos que defendem a ideologia do Primeiro Comando da Capital.

Estaremos juntos para lutar contra todos opressores, somos de cobrar diretamente das forças opressoras.

Acreditamos nessa resposta. Onde estamos não importa a região e o número de integrantes, a polícia e os agentes do governo sabem que não terão paz conosco se não nos respeitarem como seres humanos, com tudo.

Primeiro Comando da Capital está progredindo e cada vez mais enxergamos o quanto estamos no caminho certo.

Carta para o Mundo do Crime

Turma do Apito, um Grupo de Extermínio e seu Poder Sombrio

Para além disso, o Nordeste era dominado por grupos de extermínio, compostos por policiais e jagunços – remanescentes de um tempo antigo, ainda carregando as práticas brutais de um passado que se recusa a morrer. As maiores milícias de Pernambuco, no entanto, tinham suas raízes cravadas ali em Cavaleiro e na Bomba do Hemetério, territórios onde o poder paralelo florescia de maneira sinistra.

Despedimo-nos com um aceno e ele se afastou, deixando-me ali, sozinho novamente com o macuco. Ele continuava sua tarefa de se alimentar dos vermes, indiferente às complexidades da vida humana, mas de alguma forma, se tornando um símbolo poético e sombrio das verdades que eu tinha acabado de ouvir.

Os vermes, criaturas rastejantes que vivem na sujeira e na decomposição, se assemelham aos criminosos que dominam as ruas daquela comunidade e outras pelo interior de Pernambuco. Sim, estou falando da Turma do Apito. Eles são como vermes, se alimentando da desgraça alheia, criando um ambiente de medo e exploração.

A Turma do Apito que domina a região de Cavaleiro, outrora era comandada por um policial reformado, preso durante a Operação Canaã, passou a ser controlada por um jovem que nunca foi policial, mas se sentia como um. Sob sua liderança, o grupo começou a se envolver com tráfico de drogas, roubos de carga, pistolagem, agiotagem e extorsões.

Uma coisa que aquele homem me disse não me saía da cabeça:

Se você mora em Cavaleiro, ou dá uma parte do roubo pra eles ou ele manda os policiais que fecham com eles para prender a pessoa, isso quando eles não mata. Policiais militares, civis e inclusive promotores têm vínculos com eles.

A Turma do Apito e o subtenente: Uma Tragédia Anunciada

O homem me contou também, o caso do subtenente, morto em uma emboscada em 2020 em Recife.

Dizem que foi morto porque ele matou um integrante da equipe de Cavaleiro, outros dizem que foi o ex-vereador que armou a cocó pra ele. O fato é que ele sabia demais e tava peitando esses milicianos. Esse subtenente estava envolvido com coisa errada também. Extorsão etc.

Aí tudo indica que ele pegou uma mala cheia de dinheiro com o ex-vereador e saiu para fazer alguma coisa, mas era uma casinha armada pelo ex-vereador que passou a informação que ele estava saindo da casa dele para determinado local para os comparsas da Turma do Apito. Aí os meninos de Cavaleiro interceptaram ele na BR entre o bairro do Curado e Cavaleiro. Mas isso é boatos.

O subtenente encontrou seu fim porque se entrelaçou demais com a milícia de Cavaleiro, absorvendo informações perigosas demais para um homem só. No momento de sua morte, uma maleta contendo 80 mil Reais estava em seu carro – uma origem misteriosa e enigmática para tal quantia.

Naturalmente, boatos circulavam, mas em tempos como esses, quem ousaria colocar sua fé na polícia, quando tantos dos seus próprios estavam comprometidos com a milícia? A credibilidade da polícia, aos olhos do público, agora carrega a mesma validade que qualquer rumor sem fundamentos.

… são investigados um perito papiloscopista da Polícia Civil, três policiais militares de Pernambuco e um de Alagoas, além de um ex-PM que foi excluído da corporação pernambucana e outras pessoas que não tiveram profissões detalhadas. Os policiais tinham papel de liderança. Facilitavam a atuação de outros indivíduos, utilizavam a questão de ser servidor público para facilitar a execução dos crimes.

delegado Ivaldo Pereira

Mais de dois anos se passaram até que em uma ação policial foram capturados alguns integrantes deste grupo criminoso, entre eles, um ex-vereador de reputação duvidosa. O saldo da operação foi significativo, com a apreensão de 64 milhões em bens oriundos de suas atividades ilícitas.

No entanto, como uma melodia desafinada em um concerto, eles voltaram às ruas pouco tempo depois, retomando suas atividades como se nada tivesse acontecido.

Um Futuro Incerto: Pernambuco nas Garras de Políticos, da Milícia e do PCC

Não dá para saber até onde o grupo de Cavaleiro é financiado, financiam ou têm vínculos com vereadores, deputados, policiais militares, civis e promotores, mas já se tem notícias que até prefeitos já pediram favores para a organização criminosa.

O grupo criminoso dos Thundercats, juntamente com o Primeiro Comando da Capital, são os únicos que se mantêm fechados em conflito com os milicianos Cavaleiro, além da disputa com as facções rivais do Bomba do Hemetério e do Vasco da Gama.

Ainda assim, Pernambuco parece definhar nas garras dessas milícias, de policiais corruptos e de políticos gananciosos. Não é uma derrocada silenciosa, ao contrário, acontece sob o olhar da imprensa e da população, que se dividem entre a complacência e o aplauso, num espetáculo grotesco de resignação.

Dizem que os deuses, quando querem punir os homens, realizam seus desejos. Este provérbio soa dolorosamente verdadeiro quando observamos o Brasil nas mãos de Bolsonaro e suas comunidades à mercê dessas milícias.

Observo o macuco apanhando outro verme com seu bico afiado. Penso em como somos parecidos, ele e eu. Observadores em um mundo dominado por vermes e predadores. O macuco e eu, nós somos apenas sobreviventes, testemunhas silenciosas do que nossa sociedade se tornou, mas assim como a ave, talvez eu não precise apenas observar passivamente o rastejar de um verme.

A exemplo do macuco, estou cercado por inimigos, aqui personificados pela Turma do Apito. Contudo, assim como a ave, persevero na vida, na observação. Nutro a esperança de que, talvez um dia, testemunhemos Cavaleiro, Recife e todo Pernambuco livres dessa praga que são as milícias, permitindo que pessoas e macucos vivam em harmonia e paz.

Primeiro Estatuto do PCC : história, análises e significados

Este texto detalha a criação do Primeiro Estatuto do PCC 1533, suas metas e valores, e como a organização enfrenta injustiças no sistema penitenciário paulista.

Primeiro Estatuto PCC, as palavras ecoam como um raio de luz sombrio, iluminando uma história entrelaçada com a luta pela justiça e dignidade em um ambiente de prisão. Me acompanhe nessa viagem tensa e carregada de ansiedade, um passeio pelas sombras das celas superlotadas, onde este documento histórico foi meticulosamente concebido.

A cada passo, descobrimos as motivações profundas do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533), a batalha silenciosa que eles travam contra a opressão e injustiça dentro do sistema penitenciário paulista. Uma narrativa que se desdobra como um romance noir, onde as palavras do estatuto se tornam personagens de um enredo em que a sobrevivência, a solidariedade e a resistência são os temas centrais.

Pode-se ouvir a batida do coração da organização, pulsando nos artigos cuidadosamente traçados, cada um um manifesto de resistência, cada palavra um sussurro de desafio. Venha, leitor, descubra os segredos do Primeiro Estatuto do PCC, deixe-se envolver nesta saga de determinação e coragem, onde a luta pelos direitos dos encarcerados se torna uma história de suspense eletrizante.

Após a leitura, espero por seus comentários e reflexões. Deixe sua opinião no nosso site, compartilhe suas impressões nos grupos de leitores do WhatsApp ou envie uma mensagem privada para mim. Sua participação enriquece o debate!

Primeiro Estatudo do PCC: Pensado Palavra por Palavra

Era uma tarde tensa em um ambiente superlotado, quando Mizael, Sombra e outros detentos se reuniram em um espaço improvisado como escritório dentro de sua cela. O ar estava pesado, carregado de ansiedade e o barulho incessante da prisão abafava qualquer tentativa de silêncio. As paredes, desgastadas e marcadas, eram testemunhas da elaboração de um manifesto político que mudaria o destino de muitos. Com caneta e papel em mãos, delinearam 17 artigos bem definidos, meticulosamente pensados para servir de base para a coesão política de seu grupo.

O objetivo primordial era combater as mazelas do sistema penitenciário paulista, um ambiente opressivo, violento e desumano. Eles buscavam garantir os direitos básicos dos membros do PCC e suas famílias, lutando por justiça e dignidade. A cada palavra escrita, a cada linha traçada, sentiam que se aproximavam um pouco mais de seu objetivo.

No entanto, em 1997, o documento viria à tona, tornando-se público e causando alvoroço na opinião pública. As autoridades do governo paulista, encurraladas e desconfortáveis, tentaram desmentir a existência do estatuto, mas a verdade já havia escapado de suas garras, ganhando vida própria.

Primeiro Estatudo do PCC: Artigos de Solidariedade

  1. Lealdade, respeito, e solidariedade acima de tudo ao Partido
  2. A Luta pela liberdade, justiça e paz
  3. A união da Luta contra as injustiças e a opressão dentro das prisões
  4. A contribuição daqueles que estão em Liberdade com os irmãos dentro da prisão através de advogados, dinheiro, ajuda aos familiares e ação de resgate
  5. O respeito e a solidariedade a todos os membros do Partido, para que não haja conflitos internos, porque aquele que causar conflito interno dentro do Partido, tentando dividir a irmandade será excluído e repudiado do Partido.

No silêncio abafado da cela, os primeiros artigos do estatuto ganhavam vida. Traziam em suas linhas os ideais que deveriam ser a bússola de todos os membros: a luta incansável contra a desigualdade social, as injustiças e a opressão, inimigos tão presentes na realidade da população carcerária.

A solidariedade era o grito mudo que ecoava entre as palavras escritas, unindo os filiados da organização em um laço indissolúvel. Esse vínculo estendia-se além das grades enferrujadas, alcançando aqueles que, agora livres, caminhavam pelas ruas, carregando consigo o peso do passado e a esperança de um futuro melhor.

A ajuda mútua se manifestava de várias formas, sutis e diretas. Uma contribuição financeira aqui, um trabalho realizado ali, todos em prol da irmandade, formando um mosaico de tarefas econômicas e políticas que mantinham o coração da organização pulsando.

Desde o início, a centralização hierárquica era a espinha dorsal da estrutura política do PCC. Uma fortaleza edificada com o propósito de evitar fissuras internas que pudessem abalar a unidade política e a coesão do grupo. Um equilíbrio delicado, uma dança constante ao redor do abismo do conflito, onde a vigilância e a lealdade eram suas únicas defesas.

Assim, as páginas do estatuto se desdobravam, cada artigo um manifesto de resistência e determinação, um mapa para navegar nas águas turbulentas do sistema penitenciário, uma chama de esperança na escuridão opressiva da prisão.

Códigos de Ferro: Disciplina e Hierarquia na Facção PCC

  1. Jamais usar o Partido para resolver conflitos pessoais, contra pessoas de fora. Porque o ideal do Partido está acima de conflitos pessoais. Mas o Partido estará sempre Leal e solidário à todos os seus integrantes para que não venham a sofrerem nenhuma desigualdade ou injustiça em conflitos externos.
  2. Aquele que estiver em Liberdade “bem estruturado” mas esquecer de contribuir com os irmãos que estão na cadeia, serão condenados à morte sem perdão
  3. Os integrantes do Partido tem que dar bom exemplo à serem seguidos e por isso o Partido não admite que haja assalto, estupro e extorsão dentro do Sistema.
  4. O partido não admite mentiras, traição, inveja, cobiça, calúnia, egoísmo, interesse pessoal, mas sim: a verdade, a fidelidade, a hombridade, solidariedade e o interesse como ao Bem de todos, porque somos um por todos e todos por um.
  5. Todo integrante tem que respeitar a ordem e a disciplina do Partido. Cada um vai receber de acordo com aquilo que fez por merecer. A opinião de Todos será ouvida e respeitada, mas a decisão final será dos fundadores do Partido.

Nos corredores sombrios da organização, duas palavras ecoavam como um mantra: disciplina e punições. O sexto artigo do estatuto delineava com uma clareza brutal que o Primeiro Comando da Capital devia se sobrepor a qualquer forma de interesse individual que não buscasse o coletivo. Eles haviam estabelecido uma linha clara, e aqueles que ousassem cruzá-la, buscando lucrar à custa do partido ou abandonando suas funições para benefício próprio, seriam atingidos com as mais severas punições. A mentira, a traição, qualquer forma de quebra da aliança com o PCC, não seria tolerada.

A ideia de disciplina e punição não era nova, mas uma complexa técnica social, que Foucault detalhava em sua obra. A moralidade se entrelaçava com essas redes de sociabilidade, dando forma aos valores que os membros deveriam adotar em suas vidas cotidianas, ampliando essas teias sociais sob a supervisão vigilante do PCC.

O oitavo artigo era o fruto dessa intrincada rede de sociabilidade, unida pela disciplina e pela punição. A conduta exemplar que se esperava dos membros produzia uma espécie de legitimidade e aprovação moral, fortalecendo ainda mais o poder e a disciplina que permeavam a organização.

Assim, ações consideradas “imorais”, como assaltos entre os próprios presos, estupros e extorsões de presos mais poderosos, deveriam ser erradicadas. Antes da existência do grupo, tais práticas eram, infelizmente, comuns. O oitavo artigo, então, se tornou uma forte declaração contra os estupros, instaurando uma nova cultura política nos territórios dominados pelo PCC.

O décimo artigo lembrava a todos a necessidade de obediência dentro da estrutura disciplinar. A estrutura inicial do PCC, de caráter piramidal, garantia o “direito” dos componentes de falar e julgar em favor do partido, mas a decisão final e o poder sempre retornavam às mãos dos fundadores. Nessa divisão interna, havia os que mandavam, os “generais”, e os que obedeciam, os “soldados”. Uma clara divisão do trabalho, uma hierarquia incontestável.

Nesse sistema, o poder se manifestava sem disfarces, sem necessidade de mascarar a realidade. “Soldado”, “general”, os termos deixavam evidente a estrutura rígida e intransigente que governava cada membro, cada decisão, cada ação dentro do Primeiro Comando da Capital.

Lema e Legado: A Batalha Simbólica do PCC

  1. O Primeiro Comando da Capital PCC fundado no ano de 1993, numa luta descomunal e incansável contra a opressão e as injustiças do Campo de concentração “anexo” à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, tem como tema absoluto a “Liberdade, a Justiça e Paz”.
  2. O partido não admite rivalidades internas, disputa do poder na Liderança do Comando, pois cada integrante do Comando sabe a função que lhe compete de acordo com sua capacidade para exercê-la.
  3. Temos que permanecer unidos e organizados para evitarmos que ocorra novamente um massacre semelhante ou pior ao ocorrido na Casa de Detenção em 02 de outubro de 1992, onde 111 presos foram covardemente assassinados, massacre este que jamais será esquecido na consciência da sociedade brasileira. Porque nós do Comando vamos mudar a prática carcerária, desumana, cheia de injustiças, opressão, torturas, massacres nas prisões.
  4. A prioridade do Comando no montante é pressionar o Governador do Estado à desativar aquele Campo de Concentração “anexo” à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, de onde surgiu a semente e as raízes do comando, no meio de tantas lutas inglórias e a tantos sofrimentos atrozes.

O lema “Paz, Justiça e Liberdade”, outrora entoado pelo Comando Vermelho, agora ecoava nos corredores do PCC, um emblema de seus ideais e batalhas políticas. As linhas rígidas da unidade e disciplina, delineadas no estatuto inicial, foram forjadas para a preservação da organização, um escudo contra as injustiças, um grito silencioso contra novos massacres como o de 1992 no Carandiru. Eles lutavam por direitos básicos que lhes eram negados, direitos que pareciam evaporar ao cruzar as portas de ferro do sistema prisional.

Disciplina e punição, essas eram as ferramentas que mantinham o equilíbrio delicado do poder entre generais e soldados. Uma estabilidade necessária para evitar divisões dentro da organização. Se os presos não estivessem unidos por uma causa comum, o sistema prisional continuaria a triunfar, a manter seu status quo inabalado.

O décimo quarto artigo carregava um objetivo simbólico, mas ao mesmo tempo, incrivelmente palpável. A desativação da Casa de Custódia de Taubaté era um sonho, quase um mito, para os membros do PCC. Ali, onde tudo começou, onde a fama de ser uma das prisões mais violentas de São Paulo foi cimentada, eles desejavam provocar uma mudança. Expor os crimes de José Pedrosa, libertar as celas da tortura, essa era uma meta que se estendia além do simbólico, era uma meta que precisava ser alcançada.

O Juramento: Centralização e Aliança contra a Opressão do Sistema

  1. Partindo do Comando Central da Capital do QG do Estado, as diretrizes de ações organizadas simultâneas em todos os estabelecimentos penais do Estado, numa guerra sem trégua, sem fronteira, até a vitória final.
  2. O importante de tudo é que ninguém nos deterá nesta luta porque a semente do Comando se espalhou por todos os Sistemas Penitenciários do estado e conseguimos nos estruturar também do lado de fora, com muitos sacrifícios e muitas perdas irreparáveis, mas nos consolidamos à nível estadual e à médio e longo prazo nos consolidaremos à nível nacional.

    Em coligação com o Comando Vermelho – CV iremos revolucionar o país dentro das prisões e nosso braço armado será o Terror “dos Poderosos” opressores e tiranos que usam o Anexo de Taubaté e o Bangu I do Rio de Janeiro como instrumento de vingança da sociedade na fabricação de monstros.

    Conhecemos nossa força e a força de nossos inimigos Poderosos, mas estamos preparados, unidos e um povo unido jamais será vencido.

    LIBERDADE! JUSTIÇA! E PAZ!

    O Quartel General do PCC, Primeiro Comando da Capital, em coligação com Comando Vermelho CV
    UNIDOS VENCEREMOS

As sombras do cimento frio da cela pairavam sobre os homens que se reuniam, seus rostos tensos iluminados apenas pela fraca luz que se infiltrava pelas estreitas janelas. O ar estava espesso, carregado com a importância do que estava prestes a ser discutido. Os últimos dois artigos do estatuto – o coração da sua visão política – estavam em jogo.

A centralização do poder e a aliança com o Comando Vermelho eram questões cruciais, a essência que moldaria a identidade do Primeiro Comando da Capital. A figura do “bandido” estava em processo de evolução, de uma presença individual para um sujeito coletivo, uma nova forma de organização que se espalharia por todo o Brasil na década de 2000.

O PCC, desde o seu início, alimentava a visão de uma frente unida de organizações de presos contra o estado – um inimigo comum. O 17º artigo do estatuto delineou a esperança de uma coligação nacional entre o PCC e o CV, uma fortaleza que se estenderia além das fronteiras de São Paulo e Rio de Janeiro.

A desativação das penitenciárias Bangu I e Piranhão – dois ícones sinistros do sistema carcerário – era mais do que um objetivo prático; era uma declaração simbólica de intento. A mensagem era clara: unidade contra a injustiça, a desigualdade e a opressão.

O estatuto, revolucionário e inovador em sua época, representou uma rejeição coesa e organizada do falido sistema penitenciário. O PCC se tornou conhecido por seus rituais simbólicos, como o “batismo”, um rito de passagem que, apesar das mudanças ao longo dos anos, manteve seu objetivo fundamental: acolher novos membros na irmandade do Primeiro Comando da Capital.

A tensão na sala se dissipou, substituída por uma resolução silenciosa. As palavras finais do estatuto foram escritas, selando o compromisso de luta por paz, justiça e liberdade. Sob a luz fraca, esses homens haviam forjado um novo caminho, uma nova forma de resistência, cujas ondas ressoariam em todo o sistema penitenciário brasileiro.

Iniciação e Juramento: O Batismo no Submundo do PCC

Imagine-se na pele de um novato no Primeiro Comando da Capital, o temido PCC. O processo de admissão, longe de ser algo simples, requer a indicação de um padrinho, um membro já consolidado que lhe avalia e indica para a facção. A sua entrada não é uma questão de oferecer-se, mas sim de ser convidado. Uma vez convidado, a preparação para a entrada começa, sempre sob a vigilância atenta do padrinho.

E nesse universo, a interdependência entre o padrinho e o afilhado é crucial. Seu padrinho assume uma responsabilidade quase paternal por você e, caso cometa algum erro, é ele quem sofrerá as consequências até o final deste sinistro “ritual de passagem”. O laço que os une é reforçado por valores como lealdade, honestidade, confiança e a obrigação de seguir as regras da facção. Se conseguir respeitar estes princípios, você é admitido na organização.

A cerimônia de batismo é uma ocasião de gravidade sombria, onde o padrinho, o afilhado e um terceiro membro se reúnem. O novato deve proferir um juramento de lealdade, comprometendo-se a cumprir o estatuto, assumir responsabilidade e manter uma reputação respeitável no mundo do crime, para assim consolidar sua posição no universo do PCC.

O PCC tem sua própria linguagem, um código criado para reforçar o vínculo entre seus membros. Essa linguagem codificada cria novos laços de interdependência dentro e fora das prisões, e provoca uma profunda transformação do indivíduo durante o processo de batismo. Nessa transformação, um novo vocabulário nasce, um glossário do crime, se preferir, influenciado pela dura realidade do mundo do crime, conforme documentado meticulosamente por Feltran.

Uma vez admitido no PCC, o novato torna-se um “Irmão”. Não importa onde ou como ocorreu o batismo, em São Paulo ou em outra unidade federativa, dentro ou fora das prisões – uma vez batizado, será sempre um irmão. Tal como em qualquer organização, o PCC tinha a sua própria hierarquia no início, com os generais – os fundadores e líderes da organização – no topo, e os soldados – os membros da base que seguem as ordens dos generais – formando a coluna vertebral da facção.

Linguagem Codificada: A Semiótica do Submundo do PCC

Imagine-se agora imerso em um universo onde o vernáculo é tão estranho e específico quanto o ambiente em si. No mundo do PCC, os inimigos de facções rivais são denominados “Coisas”, enquanto os policiais militares, carcereiros ou qualquer outro agente de segurança pública são chamados pejorativamente de “Vermes”. Qualquer intruso que não pertence a este universo é designado como “Zé Povinho”.

Para entender melhor esta classificação peculiar, convém citar uma etnografia sobre o assunto: Segundo o sistema classificatório usado pelos presos, “irmão” é o termo usado para um membro batizado do PCC; “primo” se refere ao preso que vive em prisões do PCC, mas que não é membro batizado; “coisa” é o termo usado para os inimigos, que podem ser tanto presos de outras facções quanto funcionários da segurança pública. Aqueles que não pertencem ao mundo do crime, que não são irmãos, primos ou coisas, recebem a denominação pejorativa de Zé Povinho.

A terminologia estende-se ainda ao espaço territorial dominado pela “família” PCC. Os bairros periféricos são conhecidos como “quebradas”. Qualquer indivíduo, pertença ele ou não ao mundo do crime, reconhece o bairro de origem como “sua quebrada”. Esse local de pertencimento transcende as barreiras do espaço físico, carregando consigo costumes, hábitos, gírias e a nostalgia de suas origens. O indivíduo se orgulha de onde veio, tornando-se uma parte integral de sua identidade.

O glossário do PCC é vasto e pode ser encontrado em uma grande variedade de bibliografias. A semiótica dentro deste universo é vasta e complexa, proporcionando uma significação única que os indivíduos atribuem a determinados significados. Eles reinterpretam diversos procedimentos, normas e comportamentos, criando dialetos dentro do mundo da periferia que são incorporados ao mundo do crime e vice-versa. E assim, um novo mundo linguístico é forjado, tão complexo e fascinante quanto o próprio universo do PCC.

Baseado no trabalho do pesquisador Eduardo Armando Medina Dyna: “As faces da mesma moeda: uma análise sobre as dimensões do Primeiro Comando da Capital (PCC)”

.

Complexo do Carandiru: 300 policiais mudaram a história do Brasil

Mano Dyna solta a real sobre como o abandono das políticas de humanização dos presídios, especialmente no ‘Complexo do Carandiru’, deu força pro PCC e mudou a cena política do Brasil.

Complexo do Carandiru é o fio que o irmão Dyna puxou pra nós. Papo reto, cada governador de São Paulo deixou sua marca, moldando o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533).

Hoje, o mano Dyna chegou com outra ideia, tipo assim, meio doida. Mas saca só, tudo se encaixa: 300 homens fardados, mudando a história do país e da América Latina, com a morte de mais de cem manos.

A guinada à direita, com o Bolsonaro e o Tarcísio no comando, veio do abandono das políticas de humanização dos presídios. Na responsa? Franco Montoro e Mario Covas. Eles queriam trazer dignidade pros presídios, mas os que vieram depois largaram a fita. E aí, já viu.

Cola comigo nessa história, que vou desenrolar essa fita pra você.

Complexo do Carandiru: o Sistema Abandonou os Manos e Deu no que Deu

Vou te soltar a real, bora pro papo reto. Nesse corre da vida, a Segurança Pública em São Paulo sofreu um baque pesado. Os manos Montoro e Covas tinham um plano de humanização dos presídios, mas a fita mudou.

O Complexo do Carandiru foi um lugar que marcou com sangue a história do Brasil. Em 1992, a polícia desceu o aço de forma bruta e covarde, alimentando uma raiva que espalhou um clima tenso na sociedade.

O Complexo do Carandiru, com a superlotação, virou um caldeirão prestes a explodir. Projetado pra caber 3,2 mil presos, chegou a abrigar 7,2 mil. Essa fita era uma bomba-relógio, e o estopim foi a rebelião de 1992.

Quando a casa caiu, a polícia chegou de forma pesada. Mais de 300 policiais, liderados por caras como o Coronel Ubiratan Guimarães. O resultado foi um moedor de carne humana: entre 111 e 300 mortos.

Então, é isso, mano. O abandono das políticas de humanização dos presídios, a falta de direitos humanos, tudo isso contribuiu pro crescimento do Primeiro Comando da Capital e da direita. Fica ligado na segunda parte que vou mandar, onde vou fechar essa fita.

Complexo do Carandiru: símbolo do descaso e da impunidade

Os Direitos Humanos e os sobreviventes bateram de frente, acusando a polícia de querer exterminar os presos. Aí, o Complexo do Carandiru virou um exemplo sombrio do que pode rolar quando as políticas de humanização são abandonadas.

O bagulho é doido, a chapa esquentou e o Brasil inteiro levou um puxão de orelha da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA. A resposta violenta à rebelião e a demora pra punir os culpados foram condenadas.

O Complexo do Carandiru virou um churrasco de gente, fez o Brasil virar a cara pra direita. Paulo Maluf, o cara do sistema, se deu bem com o sangue dos manos nas eleições municipais de São Paulo.

A parada aconteceu um dia depois do massacre, no pior estilo do sistema. E, pra quem não sabe, o mano Danilo Cymrot botou no papel, no livro “Da chacina a faxina”, que a vitória do Maluf tá ligada, sim, à essa tragédia.

Foi o primeiro eleito no sangue dos manos mortos covardemente do presídio.

Guinada à Direita: Maluf, Bolsonaro, Tarcísio e as Cicatrizes do Abandono

E quem pagou o pato? Só o Coronel Ubiratan Guimarães, condenado a 632 anos por 102 homicídios e 5 tentativas. Mas o cara recorreu em liberdade, virou deputado e morreu sem ver o sol nascer quadrado.

Os outros PMs? Não tiveram que encarar o juiz. O Carandiru, símbolo da mão pesada do sistema, fechou as portas em 2002. Os presos foram jogados pra outros lugares, resultado da política dos tucanos.

A chacina mexeu com a cabeça do povo. A luta contra o abuso policial e as desigualdades ganharam força. A música “Diário de um Detento”, dos Racionais MC’s, botou a real na roda sobre o episódio e criticou o sistema penitenciário e a desigualdade social brasileira.

Pra resumir, o Carandiru mostra a contradição da segurança pública. A violência policial alimentou o conservadorismo, levando Bolsonaro à presidência e Tarcísio ao comando de São Paulo. Tudo começou com o abandono das políticas de humanização dos presídios. O massacre de ’92, sem punição, revela a predileção pública por discursos de ordem e repressão.

Aquele salve pro pesquisador Eduardo Armando Medina Dyna, que é o responsa por passar essas fitas todas pra mim. Se tiver chance, dá uma conferida nos corres dele, mano, porque é de lá que vem a ideia reta.

Governadores do Estado de São Paulo

15 de março de 1983 até 15 de março de 1987
humanizou os presídios na sua gestão, priorizando a democracia, a transparência e os direitos dos detentos
Franco Montoro

15 de março de 1987 até 15 de março de 1991
estratégia violenta e repressiva de lidar com a criminalidade, foi a primeira grande ruptura na era democrática
Massacre do 42º DP – fevereiro de 89
Orestes Quércia

15 de março de 1991 até 1 de janeiro de 1995
massacre do Carandiru – 2 de outubro de 1992
desativação e demolição do Carandiru
política de interiorização e divisão dos presídios
fundação do PCC – 31 de agosto de 1993
Luiz Antônio Fleury

1 de janeiro de 1995 até 6 de março de 2001
criticou a ausência de direitos humanos nos governos anteriores e optou por políticas de negociação e patrulhas mais brandas
criação de vagas no sistema penitenciário como uma de suas principais ações políticas
Mário Covas

6 de março de 2001 até 31 de março de 2006
política de aumento da repressão policial e mais mortes em confrontos
mega rebelião em 29 unidades prisionais – fevereiro 2001
PCC ganha visibilidade pública e demonstra eficácia em suas ações
massacre Operação Castelinho – fevereiro de 2002
Regime Disciplina Diferenciado RDD – dezembro de 2003
muitos que trabalharam na repressão ganharam fama na vida política
Geraldo Alckmin

31 de março de 2006 até 1 de janeiro de 2007
mega rebelião e ataques do PCC – maio de 2006
Cláudio Lembo

1 de janeiro de 2007 até 2 de abril de 2010
manutenção da política de Segurança Pública de Alckmin
hegemonia do PCC com queda da taxa de homicídios
Crescimento progressivo da população carcerária
Fotalecimento da ROTA e investimentos na PM
José Serra

2 de abril de 2010 até 1 de janeiro de 2011
Alberto Goldman

1 de janeiro de 2011 até 6 de abril de 2018
aumento da população carcerária
investimento em ferramentas de investigação contra as organizações criminosas
número alarmante de encarcerados durante a gestão de Alckmin, com aumento de mais de 50.000 presos em apenas 4 anos
aumento da violência e letalidade policial
Geraldo Alckmin

6 de abril de 2018 até 1 de janeiro de 2019
Márcio Franca

1 de janeiro de 2019 até 1 de abril de 2022
João Doria

1 de abril de 2022 até 1 de janeiro de 2023
População carcerária: O Brasil é o terceiro país com maior população carcerária do mundo, com mais de 773.000 presos. Só no Estado de São Paulo são 231.287 presos
Rodrigo Garcia

1 de janeiro de 2023 a
Tarcísio de Freitas

Governador de São Paulo, a política carcerária e a Facção PCC

A política de cada governador de São Paulo em relação ao sistema prisional e a facção PCC. Da política de humanização à guerra nas ruas, acompanhe essa narrativa.

“Governador de São Paulo” é o tema do nosso novo artigo, irmão. O Primeiro Comando da Capital (Facção PCC 1533) e os governantes de SP estão no foco. A quebrada quer entender como a política rolou e como o PCC nasceu daí. No final, tem um fichamento com os dados que embasaram a ideia. Cola lá!

Ah! Quem me passou toda essa visão, foi o mano Dyna. Forte e leal abraço!

Governor de São Paulo: cada um com sua gestão prisional

Governador de São Paulo: já tevivemos um Franco Montoro e um Mario Covas

Segura a visão, irmão, dos role dos governo de São Paulo. Montoro (1983-1987), chega no corre e traz uma ideia nova, de humanizar os presídios, dar chance pro preso buscar os direitos dele. Tipo, uma luz no fim do túnel, saca?

Mas aí, Quércia (1987-1991) assume o poder e muda o jogo. Troca a ideia de Montoro e chega com uma pegada mais pesada, violenta. Cê lembra, né? Foi nessa época que rolou aquele pico do 42° DP e o massacre do Carandiru, treta pesada.

Na sequência, Covas sobe no comando. Ele criticou a treta de Quércia e Fleury, e escolheu outro caminho. Ao invés de botar a PM pra bater de frente, ele preferiu o diálogo, uma patrulha mais tranquila.

Só que, no segundo mandato de Covas, o sistema prisional começou a crescer muito. O cara priorizou a criação de vagas nos presídios como uma das principais ações políticas dele. Isso afetou a relação com o Primeiro Comando da Capital, e ainda hoje sentimos os efeitos disso na quebrada.

Ninguém sabe como nós escolher o caminho mais sinistro

Na sequência do baile, mano, Carandiru já era, prisões superlotadas, aí rolou a política de interiorização. Distribuíram os irmãos pelo estado, pra dificultar a união da massa. A estratégia foi clara, os governantes decidiram espalhar os presos, fugindo da aglomeração.

Construíram novas penitenciárias, mano, pros regimes fechado e semiaberto, espalhadas pelo oeste paulista. As novas casas do sistema são diferentes, menores, compactas, modernas, evitando a treta das fugas e o descontentamento da massa.

Mas saca só, o desenho do lugar tá ligado na vigilância, fazendo o preso virar a base da própria opressão, sacou? Igual aqueles filmes loko de futuro, onde o sistema oprime a massa.

Segura a visão, que vou te mostrar como a parada desenrolou pra gente chegar onde estamos, tá ligado? Mas primeiro a lista com o nome dos governadores porque ninguém tem obrigação de lebrar de cor, né não?

Governadores do Estado de São Paulo

15 de março de 1983 até 15 de março de 1987
humanizou os presídios na sua gestão, priorizando a democracia, a transparência e os direitos dos detentos
Franco Montoro