Trauma Coletivo, comunidades e Primeiro Comando da Capital

O artigo explora a ideia de que o “trauma coletivo” é um fenômeno poderoso que une as pessoas em circunstâncias extremas, como nas prisões e nas comunidades. A peça examina especificamente como essa ideia se manifesta dentro da organização PCC 1533.

Trauma Coletivo da tranca às quebradas

Trauma coletivo é a cola que une a Família 1533; foi esse o cimento que solidificou o Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533). O PCC entende essa dor, porque nasceu de um inferno chamado Sistema Carcerário. Esse é o segredo do sucesso da organização criminosa paulista.

Se você quer entender o sistema prisional de um jeito que nunca viu, vai querer ler o que Abadom tem pra contar. Ele não fala de ouvir falar; ele vivenciou cada palavra que escreve, dentro das trancas. Isso aqui é só o começo, fique ligado, porque Abadom tem muito mais pra revelar sobre o que rola por trás das grades.

Depois de mergulhar na leitura, não esqueça de dar aquela curtida no texto e deixar seu comentário lá no site. Quer ficar por dentro de tudo que vem por aí? Então se inscreva no nosso grupo de leitores. Acredite, você não vai querer perder o que vem a seguir. E como de costume no nosso site, após o texto, confira também uma análise detalhada feita pela IA sobre vários aspectos da obra.

Trauma Coletivo: nas Trancas e nas Comunidades

Eu vesti a camisa, me integrei completamente à Família 1533.

“Trauma coletivo gera união” — essa frase pode soar como clichê para você, mas para mim, ela reflete tudo o que eu vivi na vida do crime e dentro das trancas.

Esse papo reto só colou na minha mente quando dei de cara com o sistema prisional, um espelho ampliado das tretas e da injustiça lá fora. Lá dentro, inveja, ódio e busca por poder rolam soltos, na forma mais bruta. É nesse barril de pólvora que você capta o peso real do “trauma” e sente na pele o tal do “trauma coletivo”. Fica fácil entender, então, como o Primeiro Comando da Capital nasceu naquele caos chamado Carandiru.

Mas há mais. O trauma coletivo nos transforma. Ele nos une em uma irmandade silenciosa, uma família moldada pela necessidade comum de sobreviver. Isso é explicitamente evidente em organizações como o PCC 1533. Afinal, eles, assim como nós, também passaram pelo inferno.

Em São Paulo, por exemplo, a unidade dentro do PCC é evidente. Por quê? Porque muitos enfrentaram as mesmas dores, obstáculos sociais e desafios nas trancas. Essa mesma realidade se repete em todas as prisões e periferias do Brasil. Cada unidade tem suas peculiaridades, e é gerenciando essas diferenças que o PCC se forma, se desfaz e se recria.

Hierarquia, Disciplina e Família

Dentro do PCC, você tem mais do que apenas um líder; você tem alguém que te vê como um filho, e não como um mero número. É o que Sun Tzu afirmou: “Trate seus soldados como filhos e eles te seguirão até a morte.” Aqui, o diálogo vem antes da ação, diminuindo a incidência de traições e injustiças. Pode parecer uma lógica distorcida, mas ela funciona.

O primeiro passo tem início na conscientização de nossos familiares que sofrem com as injustiças desigualdade, descasos do abandono em que vivemos. Unidos lutaremos pelo cumprimento da justiça e de nossos direitos, mas para isso precisamos estar unidos e mobilizados pela construção de um novo amanhã.

Cartilha de Conscientização da Família 1533

E, no final das contas, todos nós buscamos pertencer, não é? Seja na escola, no trabalho ou em qualquer outro lugar. Essa busca pela “tribo” é universal e transcende barreiras, inclusive legais. O trauma coletivo, essa experiência dolorosa que nos conecta, serve como uma lente potente para entender o mundo. E isso é verdade tanto dentro quanto fora das grades.

Os moleques tão sempre atrás de uma tribo, né? Nas escolas temos o grupo do futebol, a turma do fundão, os nerds, no trabalho tbm, e no crime não é diferente. Não importa se tão nas quebradas de São Paulo ou no interior do Amazonas, agora ou nos tempos antigos. Os garotos querem um norte, um exemplo pra seguir. Pode ser alguém tipo o Steve Jobs, que roubou ondas do telefone, ou os chefes nas quebradas ou nas trancas federais.

Análise do Texto: Trauma Coletivo, comunidades e Primeiro Comando da Capital

Dada a complexidade e a profundidade do texto, ele pode ser analisado sob múltiplas lentes. Vamos examiná-lo a partir de diferentes perspectivas:

Segurança Pública:

O texto aborda diretamente questões ligadas à segurança pública, focando na experiência pessoal dentro do sistema prisional e nas organizações criminosas. Ele aponta para falhas no sistema, como a facilidade de radicalização e unificação sob uma bandeira criminosa, desafiando políticas públicas convencionais.

Jurídico:

O texto levanta questões sobre a eficácia do sistema de justiça criminal. Ele implicitamente questiona se o sistema prisional atual serve como correção ou se meramente perpetua um ciclo de criminalidade e trauma.

Histórico:

O autor faz menção ao Carandiru, um marco na história do sistema prisional brasileiro e no nascimento do PCC. Isso dá um contexto histórico ao “trauma coletivo” discutido.

Sociológico e Antropológico:

O texto é uma rica fonte para o estudo das dinâmicas sociais dentro de grupos marginalizados. Ele explora a ideia de “família” formada dentro do sistema prisional e como essa “união” serve para perpetuar a existência do grupo.

Filosófico:

O conceito de “trauma coletivo” e sua relação com a união e a sobrevivência apontam para questões éticas e existenciais. O texto até faz uma referência a Sun Tzu, entrando no domínio da filosofia da guerra e liderança.

Criminológico:

O texto oferece uma perspectiva interna sobre a organização e a hierarquia dentro do PCC, oferecendo uma visão rara do funcionamento interno de tais grupos, que poderia ser útil para estudos criminológicos.

Psicológico:

O conceito de “trauma coletivo” e a necessidade humana básica de pertencer a um grupo podem ser explorados a partir de uma perspectiva psicológica. O texto toca em questões de psicologia social e comportamento humano sob condições extremas.

Linguagem e Ritmo:

O texto é escrito em um estilo de “fluxo de consciência”, tornando-o pessoal e íntimo. Contudo, essa abordagem também pode tornar o texto menos acessível para quem não está familiarizado com o jargão e as referências específicas do contexto.

Cada uma dessas perspectivas oferece uma abordagem única para entender o texto e o contexto mais amplo no qual ele se insere.

Autor: Ricard Wagner Rizzi

O problema do mundo online, porém, é que aqui, assim como ninguém sabe que você é um cachorro, não dá para sacar se a pessoa do outro lado é do PCC. Na rede, quase nada do que parece, é. Uma senhorinha indefesa pode ser combatente de scammers; seu fã no Facebook pode ser um robô; e, como é o caso da página em questão, um aparente editor de site de facção pode se tratar de Rícard Wagner Rizzi... (site motherboard.vice.com)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: