Prostituição na Amazônia, a facção PCC 1533 e uma sobrevivente

Mergulhe na complexa realidade da Prostituição na Amazônia, onde exploramos as histórias ocultas de exploração do Primeiro Comando da Capital.

Prostituição na Amazônia revela um cenário sórdido e desesperançado. A vida ali é marcada por exploração, pobreza e violência, envolta num nevoeiro de invisibilidade social. Detalhes chocantes são narrados por mulheres que, frequentemente, são as únicas testemunhas dessas realidades ocultas.

No coração desse submundo, a presença perturbadora do Primeiro Comando da Capital (facção PCC 1533) é um indicativo da complexidade e profundidade do problema. Sua interferência na região é parte crucial dessa história, uma peça inquietante num quebra-cabeça de desumanização.

Convidamos você, leitor, a mergulhar conosco nesse relato. Comente suas impressões no nosso site, em nosso grupo de leitores, ou diretamente conosco, em mensagem privada. A sua participação é fundamental para iluminarmos essa realidade.

Prostituição na Amazônia: sobrevivência na selva

Em meio à vasta selva da Amazônia, onde a natureza se revela em todo o seu esplendor e brutalidade, aninha-se uma realidade selvagem e desumana, onde a inocência é vendida ao preço da sobrevivência: a prostituição. E uma das mãos que manipulam os fios desta obscena marionete é uma organização tão impiedosa quanto eficaz – o Primeiro Comando da Capital.

A trama começa com uma sombra que se move silenciosamente nos bastidores da economia subterrânea, estendendo seus tentáculos criminosos para além do tráfico de drogas, atingindo o submundo da exploração sexual. A prostituição na Amazônia tem sido o campo de colheita mais recente para o PCC, uma área onde o vulnerável se torna presa fácil.

As cidades situadas ao longo do rio Amazonas, com suas luzes cintilantes refletindo na água escura como olhos de gato na noite, proporcionam o cenário ideal para um romance policial. No entanto, ao contrário dos filmes americanos, não existe aqui um detetive brilhante nem uma força policial eficaz para solucionar o mistério. Aqui, os autores dos crimes são conhecidos e as vítimas, juntamente com o seu sofrimento, estão expostas a todos.

Projetos de infraestrutura que não levam em conta o meio ambiente trazem homens de todas as partes do Brasil e até de outros países para a região amazônica. A facção PCC, vê nessa movimentação uma chance de expandir seus negócios. A pobreza e a falta de oportunidades tornam-se as ferramentas de recrutamento, transformando as mulheres locais em mercadorias.

A exploração sexual e as organizações criminosas

A exploração da prostituição na Amazônia pelas organizações criminosas, entre elas o Primeiro Comando da Capital não é apenas um drama criminal, mas também uma tragédia humana, onde cada vítima tem sua própria história, cada uma carregando um fardo de dor que ultrapassa os limites do tolerável e onde cada algoz também tem sua história.

Essa realidade se torna ainda mais cruel quando percebemos que muitos que outrora foram vítimas acabam por se tornar algozes. A batalha para reverter essa situação parece um desafio esmagador. A solução não se encontrará somente nas leis ou na repressão policial, mas também na mobilização social, no entendimento do mecanismo dos interesses humanos e na criação de oportunidades para aqueles que, no momento, possuem escassas.

Em meio a esta trama densa e sombria, as organizações de direitos humanos e a sociedade civil têm um papel importante a desempenhar. No entanto é importante ressaltar que a exploração sexual pelo crime organizado é algo tão antigo quanto a civilização humana, e apesar de não ser de meu conhecimento quando o Primeiro Comando da Capital começou nesse negócio, posso arriscar que se deu com a incorporação nas operações da facção de grupos que já atuavam até mesmo antes da existência das facções criminosas no Brasil.

Minha experiência com a prostituição

Desde a distante época de 1982, minha rota me levou a muitos prostíbulos, cada um com suas luzes ofuscantes e sussurros secretos, antes mesmo de a facção criminosa assombrar as esquinas. Alguns deles persistem, não apenas no pulsar contínuo da capital paulista, mas também na quietude do interior. Hoje, porém, as sombras do PCC se infiltraram em cada um deles, deixando a sua marca indelével.

Recordo-me de uma ocasião em particular, em Sorocaba. Ao lado de um integrante da facção, testemunhei a negociação para a compra de um prostíbulo. Sua postura e olhar determinado eram impenetráveis. Até hoje, me pergunto se a motivação por trás daquela decisão foi puramente econômica, ou se o que realmente estava em jogo era uma demonstração crua de masculinidade e poder. Naquele momento, vi refletido em seus olhos o mesmo brilho sombrio que encontrei em tantos outros ao longo desses anos: o anseio por controle, o desejo de domínio.

Porém, a sombra da facção não era a única presente naqueles locais. Também conheci jovens mulheres, algumas praticamente meninas, que se entregavam a homens por quem não sentiam a menor afeição. Trocavam carícias falsas por dinheiro real, garantindo assim a sobrevivência, não apenas delas, mas também de seus filhos inocentes. Algumas, porém, se submetiam a essa vida sombria, não para alimentar os pequenos corpos que dependiam delas, mas para alimentar seus próprios vícios insaciáveis – álcool, drogas, as maldições modernas.

Entre as vítimas, 62% são mulheres e 23% são meninas, e em torno de 80% das vezes o objetivo é explorá-las sexualmente.

El País: Pelos ‘prostibares’ da Amazônia, como funcionam as redes de prostituição na selva

Depoimento de um leitor do site

Entre as vozes que ecoam nos corredores dessas casas, está Mclovin, um leitor fiel deste relato. Ele me presenteou com um testemunho, um fragmento da realidade que ele viveu…

Eu tenho uma amiga no Pará que tá nesse corre. Ela já foi presa e tudo, mas as coisas estão feias por lá e ela não tá tendo oportunidade de ganhar dinheiro, aí o caminho é a prostiuição. Essa amiga ela passou por isso.

Foi presa, aí solta mas hoje está de preventiva, é mãe solteira e como não encontra oportunidade no crime por ser mulher e a região está em guerra, ela decidiu se prostituir pois nem emprego normal consegue.

Recebeu um convite de melhoria para se prostituir no garimpo, embora ela seja explorada e passe por condições desumanas, ainda assim ela prefere está lá pois tem o que comer e dá para seu filho.

Na voz quem viveu na pele a prostituição na Amazônia

Na reportagem do site Sumaúma – Jornal do Centro do Mundo, uma conversa com uma dessas mulheres que compõem essa teia de prostituição é apresentada ao leitor. A jornalista Marcela Ulhoa, versada em Resposta Humanitária, migração, questões de gênero e populações indígenas, nos guia através da história de vida de Patri. Uma mulher cujo nome é mascarado para proteger sua identidade, mas cuja existência é tão real quanto a nossa, ainda que viva uma realidade que nenhum de nós pode verdadeiramente compreender.

A seguir um resumo do texto do artigo do site Sumaúma, para ler a reportagem completa com as fotos clique no link!

No coração da floresta amazônica, a sobrevivência tem suas próprias regras. Encontramo-nos com a história de Patri, uma venezuelana que buscou nos garimpos brasileiros a promessa de uma vida mais próspera. Deixando seu filho para trás, ela penetrou em um mundo regido pela busca insaciável de lucro, onde a vida humana torna-se uma moeda e o PCC, uma facção criminosa de renome, exerce um poder ameaçador.

Dentro da paisagem inóspita, Patri se agarra a um fio de esperança: um caderno de capa azul. As páginas do caderno absorvem suas experiências no garimpo, narrando casos de abuso, exploração e violência. O garimpo, um barril de pólvora onde a cobiça e o perigo fervem, se tornou seu novo lar – um lugar onde a vida balança perigosamente entre a sobrevivência e a brutalidade.

Iludida pela promessa de um Eldorado, uma terra repleta de oportunidades, Patri se aventurou na direção de Homoxi e Xitei, na Terra Indígena Yanomami. Levava consigo uma fé ingênua e uma esperança cintilante no brilho do ouro. No entanto, o Eldorado que ela encontrou era uma amarga caricatura do que ela havia sonhado.

O ouro e a prostituição na Amazônia

Na luta pelo ouro na densa selva da Amazônia, existe uma realidade sórdida que muitos escolhem ignorar: a prostituição na Amazônia. A história que se desenrola a seguir mergulha nos detalhes sombrios da experiência de uma trabalhadora sexual em um garimpo, onde a realidade é cruel, perigosa e vivida à margem da sociedade.

A descoberta de ouro na região desencadeou uma corrida frenética que atraiu indivíduos de todos os cantos, cada um ansiando por um pedaço do tesouro escondido na floresta. Mas com a riqueza, veio a exploração. Nesse cenário, surgiram os cabarés – lugares onde se vende sexo aos trabalhadores exaustos e desesperados, entre outras mercadorias.

Com o passar do tempo, Patri colecionou cerca de 25 gramas de ouro, o que equivalia a aproximadamente 5.000 reais. Não era o Eldorado que ela havia sonhado, mas era uma recompensa pelo sacrifício que havia feito. Ela retornou de sua odisséia ao garimpo carregando consigo um relato marcante de sobrevivência e coragem.

A saga de Patri ressoa como um aviso, uma visão indomada da realidade encarada por tantas mulheres em situações análogas. Sua luta é um testemunho da tenacidade do espírito humano, uma prova de que a esperança e a dignidade podem perseverar até nas condições mais desumanas. Ela sonha com o dia em que suas memórias serão impressas, tornando-se uma luz guia para outras mulheres que atravessam adversidades semelhantes.

Neste idílico povoado as alunas do Internato Indígena de San Francisco de Loretoyaco são o alvo de muitos olhares de desejo. Homens bem mais velhos que elas as seduzem na saída do colégio…

El País: Pelos ‘prostibares’ da Amazônia, como funcionam as redes de prostituição na selva

a realidade brutal registrada dia à dia

A saga de Patri é um testemunho sombrio da crueldade humana, mas também de uma resiliência surpreendente. Suas lembranças, meticulosamente gravadas nas páginas de um caderno azul, clamam por nossa atenção e ação. A resolução desta história está por ser decidida e, certamente, depende do envolvimento de todos nós. O grito silencioso de Patri, ecoando na selva, serve como lembrete perene do valor da vida humana, mesmo quando ofuscado pelo brilho do ouro.

Patri nos conduz através de sua experiência no garimpo com um realismo que roça o brutal. Ao desembarcar naquele ambiente, ela percebeu rapidamente que sua autonomia estava à mercê da proprietária do cabaré, uma mulher que controlava desde os clientes até a comida. Esta mulher decidia os parceiros de Patri, a remuneração por cada encontro e até mesmo o tempo que cada um duraria.

A trabalhar na sala do cabaré, Patri estudava a dinâmica entre as trabalhadoras sexuais e seus clientes. Notou que um “contrato” mais longo, onde a mulher coabitava e servia a um homem por um período determinado, geralmente implicava mais do que a simples troca de favores sexuais. Esperava-se que essas mulheres cozinhassem, lavassem roupa e garantissem exclusividade.

A prostituição nos fuscons

Patri também detalha o “fuscon”, a denominação dada ao local onde ocorriam os programas. Ela conjectura que o termo possa ter origens na língua indígena local. Estes “fuscones” eram recintos pequenos, improvisados com troncos e lona. Ocasionalmente, as trabalhadoras recebiam uma cama, mas, em outros momentos, apenas uma rede lhes servia de leito.

A realidade inóspita do garimpo se estendia muito além do trabalho sexual. As condições de higiene eram desastrosas, os alimentos exorbitantes e havia uma cultura arraigada de consumo excessivo de álcool e de tiroteios casuais. Para acessar a internet, as mulheres eram forçadas a pagar taxas exorbitantes. Patri também fez questão de relatar a onipresença de drogas, armas de fogo, munições, ouro e gasolina no garimpo.

A discriminação sofrida pelas trabalhadoras sexuais venezuelanas se manifestava intensamente. Patri, sendo uma delas, estava frequentemente à mercê de comentários depreciativos, sendo rotulada de forma depreciativa como “mira”.

Refletindo sobre sua experiência, Patri revela um pesar profundo pelas decisões que a levaram ao garimpo. Ela detalha como as condições árduas de trabalho e de vida corroeram sua saúde mental e física. Comenta o medo persistente da violência e a pressão constante para manter um semblante de dignidade. A dinâmica de poder no garimpo, em sua visão, assemelhava-se à do tráfico de pessoas, uma comparação que ecoa com contundência em suas palavras.

A quem recorrer nesse mundo?

O relato de Patri lança uma luz impiedosa sobre as cruéis realidades de uma vida no garimpo, marcadas pela exploração, pela precariedade e por uma distribuição de poder grotescamente desequilibrada. Ela não poupa críticas ao sistema que perpetua essas condições, nutrindo a esperança de que sua história possa agir como um catalisador para uma mudança necessária.

Certo dia, um cliente regular, empregado do proprietário do cabaré, apresentou-se bêbado. Acabou por adormecer na cama da trabalhadora sexual, deixando-a sem alternativa senão buscar um outro lugar para repousar. No meio da noite, foi abruptamente despertada por outro cliente que lhe propunha um encontro.

As coisas pioraram quando o homem embriagado acordou e, num estado de fúria alcoolizada, confrontou-a com uma faca. Ele a ameaçou com a morte, semeando o terror em seu coração. Nesse momento, a trabalhadora sexual compreendeu que estava absolutamente desprotegida, mesmo dos supostos donos do estabelecimento.

Um cliente mais velho e experiente a advertiu que deveria deixar o cabaré, já que sua vida estava em risco ali. Para tal fuga, o proprietário exigiu o pagamento em ouro, moeda corrente naquela parte isolada do mundo.

A decisão de abandonar esse mundo

Decidiu, então, rumar para outro garimpo, conduzida por indígenas locais, que a auxiliaram respeitosamente em sua odisseia. Ela encontrou em seu tratamento um contraste marcante em relação ao que recebia dos rudes mineiros com os quais normalmente se relacionava.

Apesar de nunca ter testemunhado diretamente a exploração de mulheres indígenas, ouviu histórias dos próprios mineiros, que confidenciavam suas ações repugnantes. No garimpo, a prostituição é apenas uma das muitas facetas da exploração, que inclui ainda a degradação ambiental e o desrespeito aos direitos indígenas.

A narrativa da trabalhadora sexual revela a realidade tenebrosa e oculta que acompanha a corrida do ouro na Amazônia. As histórias de exploração sexual se entrelaçam com a destruição ambiental, tecendo um cenário sombrio de cobiça e desrespeito aos seres humanos e à natureza. Nesse contexto, a prostituição na Amazônia continua a ser uma questão alarmante e urgente, que demanda ação e atenção a nível mundial.

Patri relata que testemunhou índios, sob efeito da cachaça, transformarem-se de tal maneira que chegavam a matar por razões fúteis, evidenciando a triste realidade do alcoolismo em suas comunidades. As mulheres sofriam, assim como as crianças. Foi então que compreendeu o desejo das índias de pôr fim ao comércio de cachaça, visto que os homens, quando embriagados, se metamorfoseavam em criaturas monstruosas. Nesse momento, ela entendeu a importância crucial do respeito à cultura e à integridade das comunidades indígenas. A prostituição na Amazônia, apesar de ser um trabalho para muitas mulheres, tem um impacto direto sobre a vida destas comunidades.

O Cabaré Pequena Sereia

Os garimpeiros, cegos pela cobiça do ouro, ignoravam o efeito destrutivo de suas ações sobre o meio ambiente, as comunidades indígenas, e cada mulher presa à prostituição. “Se todos pudessem ver o que eu vi, sentir o que eu senti, talvez as coisas pudessem mudar”, supõe Patri. Talvez a prostituição na Amazônia pudesse ser vista sob uma luz diferente, uma luz de respeito, compreensão e empatia. Uma luz que revela a dura realidade enfrentada por tantas mulheres e comunidades indígenas na Amazônia.

Os dias passados no cabaré Pequena Sereia continuam impressos na mente de Patri, vívidos como se fossem ontem. Os rostos das índias, dos garimpeiros, dos amigos e colegas de profissão no mundo da prostituição dançam em suas memórias. Com eles, recebeu lições sobre a existência – o embate pela sobrevivência, a dor intrínseca à vida, a resistência necessária para encarar cada dia. Acima de tudo, compreendeu a relevância do respeito e da empatia para com o próximo.

As mulheres indígenas e a prostituição

As mulheres indígenas envolvidas na prostituição são mães, cuidadoras de seus filhos. Ao dar à luz outra criança, a mais velha é confiada às irmãs, às tias, às avós – a responsabilidade pela criação dos pequenos recai sobre as mulheres da tribo. Enquanto os homens se empenham na lavoura e na caça, as mulheres se dedicam à difícil tarefa de educar os jovens.

Em uma ocasião, Patri informou a uma dessas mulheres, mãe de oito filhos e incapaz de ter mais, que o hospital público realizava a esterilização de forma gratuita. No entanto, a mulher recusou-se a ir, alegando que os funcionários do hospital a tratavam mal por sua origem indígena. Patri percebeu que a vergonha marcava a mulher, agravada pelo desprezo com que os indígenas, sobretudo as mulheres, eram tratados.

A mulher estava visivelmente desolada, seus olhos expressando uma angústia profunda. Patri se ofereceu para levá-la até a cidade, falar com um médico, arranjar a cirurgia. Contudo, a mulher recusou, aterrorizada pela ideia de ser maltratada, de sofrer ainda mais. À beira do desespero, suas lágrimas silenciosamente imploravam por socorro. E, diante dessa cena, Patri se viu impotente, incapaz de fornecer o auxílio de que a mulher tanto precisava.

Patri se viu imersa na tristeza da indígena, compartilhando a sua dor. A mulher se afastou, carregando seu bebê nos braços, e Patri a observou ir, sem nada poder fazer. Foi a primeira vez que ela presenciou uma indígena em lágrimas. Sempre as via fortes, corajosas, lutadoras. Mas naquela ocasião, a vulnerabilidade e fragilidade daquela mulher ficaram expostas. E aquilo a tocou de forma inesquecível.

Patri voltou do inferno para contar ao mundo

Ao ingressar na vida do garimpo, Patri não tinha ideia do que a esperava. Ela não imaginava que seria testemunha de tanta dor, de tanta tristeza. Ela não previa que encontraria a exploração, a degradação, a violência. Ela não antevia que se depararia com a prostituição na Amazônia.

Ela viu a exploração dos indígenas pelos garimpeiros, usados como ferramentas na busca pelo ouro. Viu a degradação da floresta, a destruição da natureza. Viu a violência, a agressão, a exploração sexual. Viu a prostituição, a exploração das mulheres.

Ela viu tudo.

Frente Carolina Ramírez fornecedora da facção PCC perde carga

Este artigo detalha a recente operação contra a Frente Carolina Ramírez, um grupo criminoso ligado ao narcotráfico. Exploramos o impacto deste grupo na América Latina e a resposta das autoridades e no Primeiro Comando da Capital.

Frente Carolina Ramírez, organização criminosa acusada de assassinar quatro indígenas, está no centro de uma importante operação anti-narcotráfico liderada pelo presidente Gustavo Petro. Fornecedor do Primeiro Comando da Capital (Facção PCC 1533), o grupo tem causado um impacto significativo no cenário criminal da América Latina.

A ação contra a Frente Carolina Ramírez é uma resposta direta aos eventos de 18 de maio, quando foram acusados ​​de cometer o crime. As operações, realizadas em Caquetá, Putumayo, Guavie e Meta, resultaram na apreensão de três toneladas de maconha ‘creepy’, enfraquecendo financeiramente o grupo e impedindo a distribuição de milhões de doses no mercado ilegal.

Quer saber mais sobre a Frente Carolina Ramírez e a crescente luta contra o narcotráfico no Cone Sul? Acompanhe nossas atualizações e deixe seu comentário abaixo, participe do nosso grupo de leitores ou envie uma mensagem privada. Queremos ouvir suas opiniões e perguntas sobre essa importante questão.

Frente Carolina Ramiréz e a morte dos indígenas

Um evento alarmante envolvendo o assassinato de quatro indígenas, sendo três menores de idade, que haviam fugido de um recrutamento forçado gerou repercussão internacional e desencadeou uma resposta firme das autoridades colombianas. O crime, cometido pelo grupo criminoso conhecido como Frente Carolina Ramírez, um dos fornecedores do, levou à implementação de uma operação autorizada pelo presidente Gustavo Petro.

Em 18 de maio, a Frente Carolina Ramírez do Estado-Maior Central, divisão da antiga FARC, sob o comando de Iván Mordisco, foi acusada de cometer o crime. Esta situação fez com que o presidente ordenasse a reativação das operações ofensivas contra este grupo em Caquetá, Putumayo, Guavie e Meta, zonas de intensa atividade narcotraficante.

A logística da Frente Carolina Rodrigéz

Ontem, 6 de junho, três toneladas de maconha do tipo ‘creepy’ foram apreendidas e destruídas, em duas operações simultâneas da Procuradoria Geral da República. A primeira operação foi realizada no corregimento de Araracuara, zona rural de Solano, em Caquetá, e a segunda em La Pedrera, no Amazonas, zona fronteiriça com o Brasil.

Araracuara, situada na zona rural de Solano, em Caquetá, é uma localidade estrategicamente relevante para as operações de tráfico de drogas. A presença de aeroportos facilitam o envio de cargas ilícitas por via aérea. Contudo, quando a fiscalização aérea se torna mais intensa, os traficantes têm a opção de usar o Rio Caquetá para despachar as drogas para o Brasil.

O Rio Caquetá, com seu longo e sinuoso curso, funciona como uma rota alternativa e discreta para o transporte de substâncias ilícitas. A ausência de postos de controle efetivos ao longo do rio e a vastidão da floresta ao seu redor permitem que pequenas embarcações transportem as drogas com relativa facilidade e baixo risco de detecção.

Esta região da Colômbia tem sido historicamente marcada pelo tráfico de drogas e pela presença de grupos armados ilegais, sendo considerada uma das principais áreas de produção e expedição de cocaína e outras drogas ilícitas para outros países, incluindo o Brasil. As autoridades têm feito esforços para coibir essa atividade, mas a geografia desafiadora e a falta de recursos tornam a interdição e a prevenção do tráfico uma tarefa extremamente complexa.

La Pedrera, na Colômbia, está localizada a apenas 19 quilômetros de Vila Bittencourt, no Brasil, uma proximidade que facilita consideravelmente o trânsito ilegal de mercadorias e pessoas. O acesso entre as duas localidades é marcado por trilhas na densa floresta tropical, geralmente utilizadas por contrabandistas e traficantes de drogas.

A região é marcada por sua vasta biodiversidade, composta por uma variedade de flora e fauna únicas. No entanto, a beleza selvagem é ofuscada pela intensa atividade ilícita que acontece na zona fronteiriça, onde a fiscalização se torna um desafio devido à complexidade do terreno e à densa vegetação. A presença de grupos criminosos, a exploração ilegal de recursos e o narcotráfico são algumas das questões que assolam a área, tornando-a um ponto crítico para as autoridades de ambos os países.

18,6 milhões de Reais de prejú em um único dia

A droga estaria em trânsito para o Brasil, onde as organizações criminosas como Comando Vermelho e Primeiro Comando da Capital a distribuiriam para consumo interno. Desta maneira, a apreensão deste carregamento atinge diretamente as finanças do grupo criminoso colombiano, com um prejuízo estimado em cerca de 18,6 milhões de Reais.

Além do dano financeiro causado à organização criminosa, também se evitou a circulação de mais de dois milhões de doses no mercado ilegal internacional, mitigando a contaminação dos recursos naturais nas áreas de selva da Amazônia.

O líder do grupo é acusado de homicídios, atos criminosos, violações dos direitos humanos, violações do Direito Internacional Humanitário e confrontos com outras estruturas dedicadas ao narcotráfico. Assim, estas operações buscam enfraquecer a rede que comete crimes na Amazônia colombiana.

“Os Crias” da fronteira norte serão aliados da facção PCC 1533?

Os Crias é uma gangue brasileira emergente que surgiu da Família do Norte (FDN) e esteve envolvida em disputas violentas pelo controle do narcotráfico na tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru, enfrentando o Comando Vermelho e grupos colombianos como os Caqueteños.

Origem e ascensão de “Os Crias” no cenário do crime organizado

“Os Crias”, grupo criminoso brasileiro, originou-se da Família do Norte (FDN), que já foi uma das três maiores organizações criminosas do Brasil e controlava vastas regiões do país.

A facção FDN destacou-se principalmente na década de 2000, fortalecendo-se no comércio de drogas e armas na região da Tríplice Fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru.

Recentemente, “Os Crias” superaram seus antigos parceiros na Tríplice Fronteira, consolidando sua participação sobre o lucrativo comércio ilegal na área.

Entretanto, enfrentam dificuldades contra um poderoso inimigo, o Comando Vermelho, uma das mais antigas e poderosas facções criminosas do Brasil, além das organizações colombianas, incluindo Los Caqueteños, que também estão envolvidos no tráfico de drogas e atividades ilícitas na região.

A possível aliança entre “Os Crias” e o Primeiro Comando da Capital (PCC)

O Primeiro Comando da Capital não é considerado um dos principais atores criminosos na Tríplice Fronteira. Contudo, a facção paulista PCC tem presença na cidade de Letícia, localizada na fronteira entre Brasil e Colômbia, e parece ter interesse em estabelecer alianças com “Os Crias” para expandir suas atividades criminosas e fortalecer sua presença na região.

A potencial aliança entre o PCC e “Os Crias” poderia levar uma mudança do equilíbrio de forças e um aumento na violência e na disputa pelo controle do tráfico de drogas e armas na Tríplice Fronteira.

A violência é uma instituição tão natural como a própria vida humana. Decorre do nosso instinto de sobrevivência, sendo o grande motivo para o homem ter dominado a natureza. Mas essa afirmação não pretende trazer glamour à violência.

Talvez no último estágio da existência humana, a evolução definitiva seja exatamente vencer o instinto natural que nos propala a nos destruirmos mutuamente.

Conexão Teresina: uma crônica sobre a atuação do PCC no Piauí

Se prefeir, leia o texto a seguir no original de Juan Diego Cárdenas no site Insight Crime: Mafias brasileñas se toman el control de la Triple Frontera con Colombia y Perú

Aumento da violência na Colômbia e na fronteira do Peru devido à presença de gangues brasileiras

Uma onda de assassinatos na área da tríplice fronteira Colômbia-Brasil-Peru levantou preocupações sobre o poder crescente de grupos brasileiros e a violência que podem cometer para controlar este importante corredor do narcotráfico.

Duas pessoas foram mortas e outras duas ficaram feridas entre 24 e 26 de março em Letícia, capital do departamento do Amazonas, na Colômbia, segundo o jornal local La Silla Vacía. Um cidadão colombiano também foi morto em Tabatinga, cidade do lado brasileiro da fronteira com Letícia.

Os autores dos ataques permanecem desconhecidos, mas as autoridades acreditam que eles estejam ligados a grupos brasileiros de Tabatinga que conseguiram se estabelecer na Colômbia, informou o jornal.

A crescente violência na tríplice fronteira e o papel de “Os Crias”

O aumento da violência em Letícia e na tríplice fronteira é resultado de uma combinação explosiva. Grupos brasileiros estão fortalecendo suas posições no narcotráfico local, e a Colômbia está sentindo as consequências.

As investigações de campo da InSight Crime revelaram que a recente violência em Letícia é fruto de uma disputa entre o Comando Vermelho (CV), a organização criminosa mais antiga do Brasil, e “Os Crias”, uma emergente gangue brasileira.

“Os Crias” surgiram da Família do Norte (FDN), terceira maior organização criminosa do Brasil, e lutaram com ela pelo controle de Tabatinga em 2021. Antes de 2020, a FDN controlava a região.

Conflitos entre “Os Crias” e o Comando Vermelho

“Os Crias” venceram a FDN, mas seu domínio foi rapidamente contestado pelo Comando Vermelho, que se aliou a grupos colombianos, incluindo os Caqueteños, para travar uma nova guerra em 2022. “Os Crias” foram derrotados, e o Comando Vermelho assumiu o controle da cidade, mas seus membros continuam sendo mortos em ambos os lados da fronteira.

O ressurgimento dos Caqueteños e a complexidade do cenário criminal

Embora os Caqueteños fossem considerados inativos, o grupo parece estar operando novamente por meio de grupos dissidentes, disseram fontes ao InSight Crime.

A maconha hibrida da Colômbia e o Primeiro Comando da Capital

A maconha hibrida da Colômbia é uma mina de ouro para os traficantes da facção PCC 1533 que se aventuram nas região da fronteira Norte.

Essa história da maconha hibrida da Colômbia é uma realidade fantástica.

Tá tendo uma pá de apreensões de maconha na fronteira da Venezuela com a Colômbia.

Tá na cara que ali virou um corredor pra esse tipo específico de erva que é muito consumida aqui na América Latina.

Em março, a polícia da Colômbia pegou 2,5 toneladas de maconha em um caminhão que tava levando móveis e cozinhas.

Esse carregamento tava indo pra Venezuela e países da América Central, mas a polícia colombiana interceptou.

Já os venezuelanos encontraram 457 quilos de erva abandonados na costa do estado de Falcón, no mar do Caribe.

Essas apreensões se juntaram a outras feitas no final de 2022 e somando tudo, já foram 10 toneladas de maconha que caíram na não das polícias.

A maioria da erva que rola na Venezuela vem das montanhas do norte do departamento de Cauca, na Colômbia.

E é por isso que as autoridades tão atentas na fronteira pra evitar que essa erva chegue na rua e cause mais guerra entre os grupos que dividem o país.

Maconha hibrida da Colômbia é muita demanda!

O tráfico de maconha na Venezuela tá bombando com a demanda alta.

A Colômbia tá produzindo a maconha hibrida da Colômbia, que é forte demais.

E os caras do tráfico tão se aproveitando esse fluxo e inundando o mercado.

A Venezuela é o ponto perfeito de passagem entre a Colômbia e vários mercados na região.

Como todo mundo sabe que lá é corredor de drogas, os traficantes fazem negócio fácil com compradores de fora.

Tem políticos e militares envolvidos nisso tudo, e a segurança é alta pra quem quer exportar.

A localização estratégica do país ajuda muito, a Venezuela tem saída pro Oceano Atlântico, deixando na cara do gol para chutar para a Europa e pro resto do mundo, e também caminho pelos rios e por terra para o Brasil.

A maconha hibrida da Colômbia da região de Cauca é transportada, pelos caminhos colombianos até as principais cidades colombianas para ser distribuída pros departamentos fronteiriços: Norte de Santander, La Guajira e Vichada, e outros.

Pra conseguir a maconha em Cauca, os traficantes negociam com o Comando Coordinador de Occidente (CCO), uma das facções dissidentes das extintas Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia (FARC) que domina o cultivo de maconha na região.

A rota e suas organizações criminosas

Uma vez que a erva adentra o solo venezuelano, embarcada nos estados de Falcón, Sucre ou Nueva Esparta, de onde segue viagem nos barcos, que navegam pelos mares caribenhos de Trinidad e Tobago às Bahamas, são muitos os destinos.

Não é segredo que esse corredor transfronteiriço é uma mina de ouro, com lucros estratosféricos para os chefões do tráfico que operam na região.

A autorização de embarques e controle dos barcos em Falcón, estão nas mãos do Cartel de Camacaro, um grupo com conexões políticas de alto escalão.

As organizações criminosas brasileiras também fazem parte do esquema, com o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital, levando a erva colombiana pela bacia do Rio Negro até chegar ao norte do estado de Roraima, onde há muita demanda.

A Família do Norte (FDN), já foi muito grande, mas depois de uma longa guerra com a facção paulista rachou, e hoje é uma gangue menor com presença no Amazonas.

Essa rota usa o rio Orinoco prá transportar a maconha, cruzando a fronteira da Colômbia para a Venezuela, e finalmente chegando ao Brasil, é assim que a droga se movimenta.

Maconha hibrida da Colômbia: muito risco e muito lucro

A Frente Acacio Medina, um outro grupo que de ex-integrantes da FARC controla rotas importantes do estado venezuelano do Amazonas, e garante que as facções brasileiras recebam a quantidade certa pra atender às necessidades dos usuários na região da selva.

Nem tudo é transportado em grandes carregamentos.

Há também redes especializadas que movimentam pequenas quantidades, com compartimentos secretos em veículos particulares, e pessoas cruzando a fronteira ilegalmente, através das “trochas”.

Os custos de transporte são altos, mas não se comparam com os lucros generosos que o tráfico na região gera.

O quilo da maconha hibrida da Colômbia a US$ 42 (214 Reais) nas montanhas do Cauca, mas chega no Brasil a US$ 2.800 (14.266 Reais), o negócio é realmente uma mina de ouro.

Leia o texto original no Insight Crime: Venezuela Becomes Colombia’s ‘Creepy’ Marijuana Drug Corridor

Os narco-submarinos do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533)

Submarinos do Primeiro Comando da Capital dominam os mares, mas muitos manos morrem para alimentar a ganância de uns e o vício de outros.

E aí, tá ligado na tecnologia dos equipamentos da firma?

Pois é, os narco-submarinos do Primeiro Comando da Capital é construído pelos próprios caras.

O PCC arrumou um jeito de construir seus próprios submarinos, que tão sendo usados pra levar um monte de drogas pra Europa e outros lugares.

Os manos sacaram que usar submarinos é uma forma de diversificar as operações e diminuir a dependência de rotas terrestres ou aéreas, que são mais fácil de cair na mão dos polícias.

E ainda por cima, esses submarinos permitem que a organização transporte grande quantidade de drogas de forma discreta e segura.

Emprego nos narco-submarinos do Primeiro Comando da Capital

Sobre os narco-submarinos do Primeiro Comando da Capital. Olha só, tá rolando muita conversa.

Aí é isso, não queria nem entrar nessa, mas vamos lá. Não tem como negar que os equipamentos da firma estão chamando atenção.

Se você está pensando em entrar nessa parada, é bom abrir o olho, porque o esquema é cabuloso.

Pra mandar esses bagulhos pra frente, a tripulação precisa ter de três a cinco manos na parada.

Os caras são escolhidos pelo trampo deles e pela capacidade de operar o submarino na responsa, sacou? Não é qualquer um, assim que chega e vai entrando.

Os moleques ficam encarregados de tudo, desde a preparação da nave até a navegação e a entrega das paradas no destino certo.

Sonharam com malote, glória e fama, mas acordaram mortos

Tem várias fatalidades envolvendo esses equipamentos do tráfico, Os narco-submarinos do Primeiro Comando da Capital também são cabulosos.

Mano, só lamento, mas é triste morrer assim, para alimentar ganância de viciado e de líder que fica, um só no vício e outro só no lucro.

Nem ligam para a vida dos manos que tão precisando do trampo para alimentar a família.

Os caras constroem as paradas usando alta tecnologia, mas fazem de qualquer jeito, sem ligar pra se os parceiros que vão nele morrem.

Quanto mais cheio, mais lucro, menos seguro. O que os caras vão escolher? Bidu!

Situações que rolaram e ninguém pode negar

Teve uma vez em 2010 que a Marinha colombiana interceptou um submarino cheio de drogas no Oceano Pacífico.

A polícia chegou e prenderam três dos moleques da nave, mas outros quatro morreram por causa dos gases tóxicos dentro do bagulho.

Imagina só! Você viajando com o corpo de seus manos!

Teve outro caso em 2011, mano, que um submarino cheio de drogas afundou no Caribe, perto da costa da Colômbia. Só um dos quatro manos que tavam lá dentro sobreviveu, foi resgatado por uns pescadores locais.

E não é só isso não, tem outras histórias de acidentes e mortes ligados aos submarinos do tráfico em todo canto desse mundão.

Mesmo com as mortes na caminhada, o fluxo continua

Mano, a Organização das Nações Unidas ONUDC soltou um relatório que está deixando a polícia de toda Europa arrepiada. E não é à toa.

Olha só, em março, lá na Normandia, surgiram do mar 2,3 toneladas de cocaína em bolsas brasileiras, algumas até presas em colete salva-vidas brasileiros, usados normalmente em barquinhos ou veleiros.

E tem mais, um narco-submarino abandonado foi encontrado na costa da Espanha, carregando cocaína do Brasil!

Lá dentro, só tinha roupas, mantas e comida, tudo de fabricação brasileira.

E sabe o que isso confirma? O papel cada vez maior do nosso país no tráfico internacional de cocaína.

A gente precisa ficar ligado, porque o bagulho está ficando cada vez mais louco. Os narco-submarinos do Primeiro Comando da Capital tão rodando o mundo, mano!

A História dos submarinos do tráfico

Olha só, irmão, se você quer saber tudo sobre esse assunto, eu te recomendo dar uma olhada no artigo da companheira Irene Hernández Velasco.

Ela manda muito bem, e consegue explicar tudo com mais clareza do que eu poderia fazer.

A gente só ouviu falar desses submarinos usados pelo tráfico de drogas na década de 90.

Fala sério! O que você estava fazendo naquele tempo? Lembra aí! Comenta aqui!

O que você fazia enquanto já tinha mano traficando debaixo d’água.

Os colombianos pularam na frente

Lá em 97, a Colômbia pegou um submarininho, no Equador na fronteira da Colômbia caiu outro.

Foram os primeiros apreendido dos traficantes tramsportando cocaína pros EUA e tinham capacidade pra transportar umas duas toneladas de pó. Esse do Equador foi o primeiro a ser pego em águas internacionais.

Nos anos seguintes, as autoridades de vários países, tipo a Colômbia, Estados Unidos, México e Espanha, relataram que pegaram vários submarinos do tráfico de drogas em rotas marítimas diferentes.

Essas paradas eram cada vez mais feitas com uma tecnologia mais sofisticada, capaz de levar muito pó por distâncias cada vez maior.

De lá pra cá, essa prática de usar submarinos virou moda entre as organizações criminosas que querem traficar drogas internacionalmente, sempre procurando formas cada vez mais modernas e difíceis de serem detectadas.

Esse novo equipamento é mais moderno, mas continua matando nossos irmãos

Mano, as informações sobre a tecnologia dos submarinos do tráfico de drogas são muito limitadas, já que essas embarcações são construídas em segredo.

Mas sabe-se que esses submarinos agora são equipados com tecnologia sofisticada pra serem eficientes e seguros.

Os narco-submarinos do Primeiro Comando da Capital usados pra traficar geralmente são feitos com materiais leves e resistentes, como fibra de vidro e kevlar, pra ficarem mais leves e difíceis de serem detectados pelos radares das autoridades.

Além disso, essas organizações criminosas utilizam tecnologia de comunicação via satélite e sistemas de navegação por GPS para monitorar a localização dos submarinos e garantir que eles cheguem ao destino final sem serem detectados pelas autoridades.

Eles também têm motores silenciosos e sistemas de filtragem de ar pra garantir que a tripulação possa respirar debaixo d’água por bastante tempo.

Só que tô ligado que para colocar mais carga, muitas vezes a chefia tira espaço do ar interno e daí os respiradores não tem nem o que limpar.

Esses submarinos são foda, alguns baixam até 30 metros no oceâno e navegam mais de 5.000 quilômetros.

De três a cinco moleques bem treinados conseguem transportar várias toneladas de drogas por viagem.

Mas, ó, pra construir essas embarcações é preciso gastar uma grana preta, porque eles usam tecnologia sofisticada e materiais de alta qualidade, além de exigir mão de obra especializada e treinada.

quando você chega eu já fui

E aí, irmãos, para terminar vou te falar sobre as rotas dos narco-submarinos do Primeiro Comando da Capital.

Como todas as rotas usadas pelo tráfico de drogas, tem que variar e mudar bastante e constantemente, se não cai.

Quando a autoridade descobre onde a gente vai chegar, nós já não vamos mais, já fomos, ficam no vácuo caçando ar.

Macaco velho não trepa sempre no mesmo galho.

Algumas rotas são bastante conhecidas até das autoridades, porque aí não tem jeito não, mas vai da sorte.

Uma dessas é a que parte das costas da Colômbia, Equador ou Peru e segue em direção à América Central, com destino aos Estados Unidos ou México.

Essa rota, os submarinos são usados para transportar grandes quantidades de cocaína, que é produzida nas regiões andinas da América do Sul e traficada para o mercado norte-americano, mas aí é coisa dos carteis lá de cima.

Ó prá terminar, vou soltar um versinho aí:

Os manos tão no controle, mas é fato
Que os militares tão fracos, não fazem nada
Tem submarino saindo do Amazonas
Eles sabem, mas não conseguem controlar
É a vergonha do país, a situação é triste
As autoridades falham, e a população que assiste
O tráfico de drogas ganha força e se expande
E as autoridades nada fazem, só ficam de bobeira
É difícil entender, a situação é crítica
Enquanto os mano nadam de braçada
Os militares ficam no leite condeçado e no viagra

Como a cocaína chega aos portos do Atlântico? Facção PCC 1533

A cocaína chega aos portos vinda da Colômbia, Bolívia e Peru. Vale tudo: o bagulho atravessa fronteira de avião, helicópitero e até de buzão.

Cocaína chega aos portos: descendo o ladeirão

Como a cocaína chega aos portos? Desce o morro dos Andes voando e depois desce o rio ou pega as estradas!

Não é mole não, mas é o Primeiro Comando da Capital. Segue o fio que o pai não vai deixar você se perder.

Vale de tudo para chegar aos portos do litoral, mas começa assim a caminhada.

A cocaína enviada sai do Peru, Bolívia e Colômbia vai por terra ou ar, em aviões, helicópteros, carros, caminhões e ônibus.

Tem tanda droga descendo ao ladeirão que tá faltando avião e caminhão, então perguntei pro meu sobrinho como estão fazendo por lá:

É verdade que os cocaleiros estão sem transportes para sua produção?

Verdade. Estão sem aviões e caminhões para transportar toda a produção.

Não me lembro de uma quantidade tão grande de tijolos de pasta base e de prensados esperando para o embarque.

Está valendo tudo para conseguir escoar a produção: micro-ônibus, táxis, caminhões, carros e até qualquer um com uma mala na mão ou uma mochila nas costas!

Cocaína chega aos portos: vem da onde e vai para onde?

A droga colombiana é destinada principalmente ao mercado europeu, mas chega um tanto por aqui também.

Já as que giram nas biqueiras da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai é a cocaína do Peru e Bolívia.

E assim, vem droga voando de todo o canto. Quem dominava tudo os caminhos do Peru e Colômbia era o Cabeça Branca.

Alguns líderes das comunidades nativas de Ucayali no Peru estimaram que havia 10 e até 15 voos diários trabalhando para os narcotraficantes e pousando na região. Isso, no entanto, não foi confirmado pelas autoridades antinarcóticos.

Além dos narcotraficantes peruanos e bolivianos, existem “enviados especiais” do temido Primeiro Comando da Capital que fiscalizam o transporte de drogas para o Brasil.

O ministro do Interior do Peru, Vicente Romero, explicou que a destruição dos aeroportos clandestinos (narcoportos) tem um grande impacto no combate ao narcotráfico, porque neutraliza os embarques de drogas para o exterior, especialmente para a Bolívia.

“Isso nos permite cortar as asas do narcotráfico e deter seu avanço.”

leia no site do La Republica

Enquanto o Cabeça Branca passava, dentro dos quartéis…

Os milicos ficam sonhando com porta aviões enquanto o céu do Brasil é cheio de buraco: tudo mané de farda engomada.

Enquanto os vacilões da Força Aérea sonham, os voos clandestinos vêm da Bolívia (65%), seguida pelo Paraguai (17%), Peru (8%), Colômbia (6%) e Venezuela (4%).

pelo rio Paraná-Paraguai ou por rodovias

A Colômbia domina as rotas do narcotráfico para a América do Norte, mas a Rota do NarcoSul e a Rota Caipira transportam cocaína da Bolívia e Peru através do Paraguai e do Brasil para a Europa.

A liderança é do grupo criminoso brasileiro mais importante, o Primeiro Comando da Capital, é tudo 3 e não tem para ninguém.

A facção PCC 1533 utiliza a hidrovia Paraná-Paraguai e as estradas brasileiras para chegar aos portos litorâneos da Argentina, Brasil e Uruguai.

Os criminosos brasileiros usam duas fases para transportar cocaína.

  • Primeiro, a droga é transportada de avião para atravessar as fronteiras para chegar no Brasil e no Paraguai.
  • Depois, a cocaína é transferida para navios e navegada por via fluvial ou rodoviária até os portos do Atlântico.

Fim! Simples assim.

O narcotráfico está ganhando esta batalha contra o Estado, demonstrando supremacia no controle do território (…) Esses cartéis de drogas são organizados no exterior por grupos como Los Chapitos (um grupo de narcotraficantes do México), o PCC (Primeiro Comando da Capital), grupos combinados com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e, claro, eles têm equipamentos e armas de melhor qualidade do que as forças de ordem.

coronel do Exército da Bolívia Jorge Santistevan

Guerra entre facções criminosas e a taxa de homicídios

A guerra entre facções criminosas é a principal razão da elevada taxa de homicídio em toda a América Latina segundo levantamento do Insight Crime.

Guerra entre facções criminosas volta a São Paulo

Com o governador Tarcísio de Freitas, a guerra entre facções criminosas volta a assombrar o  Estado de São Paulo.

São Paulo fechará 2022 com o mais baixo índice de homicídio do Brasil, aproximadamente 5,2 para cada 100.000 habitantes.

Segundo levantamento do site Insight Crime, São Paulo, se fosse um país, seria tão seguro quanto o Chile e a Argentina com índices: 4,6.

A exceção do Suriname que não possui grupos de crimes organizados expressivos, todas as outras nações sofreram com a guerra entre organizações criminosas.

Em pouco menos de um mês de governo Tarcísio de Freitas as milícias tentam o domino áreas pacificadas pelo Primeiro Comando da Capital.

A tendência para 2023 será o ressurgimento da guerra entre facções criminosas  com o aumento da taxa de homicídios que será justificada como combate ao crime.

Ataques em 2006 do PCC pouparam 25.000 vidas

A facção PCC e guerra entre facções criminosas

Em 2021 o Estado do Amapá foi assolado por uma guerra onde o Primeiro Comando da Capital lutou contra vários grupos criminosos locais.

No entanto, em 2022 a guerra terminou, sobrando poucos focos de resistência, o que derrubou o índice em 34%.

Já em Rondônia, onde o PCC e o Comando Vermelho (CV) disputam a rota do tráfico da Bolívia, houve um aumento de 29% nos homicídios.

PCC não derrubou a taxa de homicídio em São Paulo

A guerra entre as facções criminosas do PCC no Paraguai e na Bolívia

Na Bolívia houveram vários assassinatos na Guerra entre o PCC e o CV pelo domínio das rotas que levam as plantações bolivianas de coca.

A província de Santa Cruz é essencial para quem quer garantir as rotas de cocaína do Brasil ou Paraguai da Bolívia e do Peru.

No Paraguai, a disputa entre o PCC e o Clã Rotela pelo controle da rota de tráfico do Amambay que alimenta a Rota Caipira deixou um rastro de corpos.

Traduzido, editado e adaptado para este site do artigo “InSight Crime’s 2022 Homicide Round-Up” de Peter Appleby, Chris Dalby, Sean Doherty, Scott Mistler-Ferguson, e Henry Shuldiner.

A taxa de homicídios no Brasil em 2022 é impulsionada pela guerra entre facções criminosas

Brasil: 18,8 por 100.000* (Pop. 214.326.223)

Nos primeiros nove meses de 2022, o Brasil teve uma leve queda de 3% nos homicídios em relação a 2021, com 30.187 homicídios.

A expectativa era terminar 2022 com 40.000 homicídios, marcando uma ligeira queda geral em relação aos 41.069 registrados em 2021 pelo mesmo índice.

Guerra entre facções criminosas como causa

A violência é uma instituição tão natural como a própria vida humana. Decorre do nosso instinto de sobrevivência, sendo o grande motivo para o homem ter dominado a natureza. Mas essa afirmação não pretende trazer glamour à violência.

Talvez no último estágio da existência humana, a evolução definitiva seja exatamente vencer o instinto natural que nos propala a nos destruirmos mutuamente.

Conexão Teresina: uma crônica sobre a atuação do PCC no Piauí

O nordeste do Brasil, que há muito é um epicentro da violência da guerra entre grupos criminosos que buscam controlar as rotas do narcotráfico para a Europa, registrou uma queda de 5% nos homicídios.

A Bahia, o maior estado da região, liderou o ranking, mas também teve uma queda geral de 11%, talvez devido aos investimentos em segurança pública.

O Amapá, um pequeno estado do norte, teve uma queda de 34% nos homicídios, provavelmente devido a uma queda natural na violência após um 2021 particularmente sangrento, quando grandes facções criminosas, incluindo o Primeiro Comando da Capital (PCC) lutaram pelo controle do tráfico de drogas contra vários grupos criminosos locais.

Rondônia, estado que faz fronteira com a Bolívia, registrou um aumento de 29% nos homicídios, o maior do país por estar no centro da disputa entre o PCC e seu arquirrival cariocas, o Comando Vermelho (Comando Vermelho – CV), pelo controle da rota hiper lucrativa da cocaína Bolívia-Brasil.

Embora as facções do tráfico de drogas possam ter impulsionado grande parte da violência, a polícia do Brasil, notoriamente ágil no gatilho, também contribuiu.

Enquanto no primeiro semestre de 2022 as mortes causadas pela polícia caíram, milhares de brasileiros continuam sendo mortos pelas forças de segurança.

Em 2021, 84% desses assassinatos cometidos por policiais foram direcionados a negros.

Taxa de homicído Brasil de 1981 à 2021

A polícia e a chacina de jovens negros e pobres

Resumo de Homicídios de 2022 da InSight Crime

Países da América Latina e do Caribe continuaram a registrar altas taxas de homicídios em 2022.

À medida que a produção de cocaína atingiu novos patamares, a fragmentação das gangues continuou e o fluxo de armas na região se agravou.

A situação no Equador foi absolutamente catastrófica.

Quantidades históricas de cocaína entrando no país alimentaram a violência, com assassinatos disparando à medida que os grupos criminosos atacavam funcionários judiciais e matavam policiais em taxas recordes.

Essa cocaína veio em grande parte da Colômbia, onde o recém-empossado presidente Gustavo Petro prometeu se afastar da guerra contra as drogas em favor dos esforços para alcançar uma “Paz Total” com os grupos rebeldes e criminosos do país.

A mudança da estratégia de combate aos grupos criminosos implementada pelo novo governo colombiano, até agora, porém, os níveis de violência permaneceram estagnados.

Em El Salvador, uma repressão decisiva às organizações criminosas reduziu enormemente a taxa de homicídios, embora à custa de supostos abusos sistemáticos dos direitos humanos.

No Haiti, uma quase total falta de capacidade política permitiu que a violência aumentasse, enquanto os bandos criminais paralisavam a capital do país, Port-au-Prince.

O Caribe se tornou o foco de assassinatos da região

A taxa de homicídios da Jamaica aumentou ainda mais, ainda assim o tráfico de armas continuou, mesmo os criminosos já estando fortemente armados.

As Ilhas Turks e Caicos provaram ser o país mais mortal da região per capita, pois os assassinatos mais que dobraram.

Em 2022 o InSight Crime incluiu nações e territórios menores do Caribe, muitos dos quais tiveram um aumento acentuado nos assassinatos.

Embora cientes de suas populações comparativamente pequenas e números de homicídios, nós os incluímos no ranking abaixo para mostrar como os padrões de violência estão afetando toda a região.

Ilhas Turks e Caicos: 77,6 por 100.000 (Pop. 45.114)

Uma onda de violência atingiu as pequenas ilhas Turks e Caicos em 2022, segundo estatísticas oficiais do governo.

Embora 35 assassinatos possam parecer pouco motivo de preocupação, representam um salto de 150% em relação aos 14 assassinatos ocorridos em 2021 em um país com uma população total de pouco mais de 45.000 habitantes.

Muitos dos homicídios se concentraram no último terço do ano, com 21 homicídios ocorridos entre 3 de setembro e 8 de novembro, culminando com um triplo homicídio em 1º de novembro. ilha mais populosa.

Guerra entre facções Criminosas como causa

Embora os motivos para o aumento da violência permaneçam incertos, o chefe de estado nomeado pelo Reino Unido, Nigel Dakin, disse em um post no Instagram que os grupos criminosos jamaicanos estão “tentando remover toda a competição criminosa no território” usando “níveis sem precedentes de violência direcionada”.

Ele culpou a proximidade das ilhas com vizinhos instáveis “inundados de armas e drogas… onde os criminosos aparentemente conseguem se mover facilmente por toda a região”.

Jamaica: 52,9 por 100.000 (Pop. 2.827.695)

Pela primeira vez em três anos, a ilha caribenha não liderou as tabelas regionais de taxas de homicídios.

Infelizmente, isso tem menos a ver com o sucesso em erradicar a própria violência na Jamaica e mais a ver com taxas terrivelmente altas testemunhadas em outras partes do Caribe.

A Força Policial da Jamaica (JCF) registrou 1.498 assassinatos em 2022, 24 mortos a mais que no ano anterior.

Esse resultado coloca a taxa de homicídios da Jamaica em quase 53 mortos por 100.000, uma alta não vista desde 2017.

Vários fatores influenciam a violência implacável da Jamaica e a aparente incapacidade do governo de detê-la.

O tráfico de armas é desenfreado no país insular, com armas pequenas dos EUA inundando o mercado.

Em fevereiro, o primeiro-ministro Andrew Holness reciclou uma estratégia familiar de reprimir o porte ilegal de armas.

À medida que 2022 chegava ao fim, as ações do governo não reduziram os assassinatos na Jamaica.

Juntamente com as consequências crescentes para os proprietários de armas ilegais, o governo recorreu a outra abordagem testada e comprovada e geralmente nada assombrosa: decretar repetidamente estados de emergência em grande parte da ilha.

Aparentemente sem respostas, a Jamaica recorreu publicamente às Nações Unidas em busca de assistência para reduzir o tráfico de armas no país.

De forma desencorajadora, as apreensões recordes de armas e munições parecem ter feito pouco para virar a maré.

Santa Lúcia: 42,3 por 100.000 (Pop. 179.651)

Um total de 76 assassinatos pode não parecer muito.

Mas para Santa Lúcia, com uma população de pouco menos de 180.000 pessoas, isso o coloca perto do topo do ranking regional.

Em 2021, Santa Lúcia registrou 74 assassinatos, um recorde para a época.

O aumento em 2022 para 76 assassinatos significa que o país quebrou seu recorde de homicídios pelo segundo ano consecutivo e levou a pedidos do Partido Unido dos Trabalhadores para que o primeiro-ministro Philip J. Pierre renunciasse ao cargo de ministro da Segurança Nacional.

Guerra entre facções Criminosas como causa

Ao se tornar um centro de trânsito para a cocaína sul-americana para os EUA e Europa, as gangues locais passaram a disputar a hegemonia criminosa.

Isso foi agravado por um influxo de armas americanas: um homem da Pensilvânia preso em março passado por traficar quase 40 armas para Santa Lúcia.

Funcionários eleitos condenaram a “anarquia em nosso país” e prometeram “penalidades draconianas”, mas poucos detalhes foram divulgados.

Venezuela: 40,4 por 100.000 (Pop. 28.199.867)

As mortes violentas na Venezuela permaneceram relativamente estáveis em 2022 após vários anos de declínio, com a taxa geral caindo apenas 0,5%.

O número inclui homicídios comprovados, homicídios cometidos por policiais, mortes ainda sob investigação e desaparecimentos.

Se os desaparecimentos não forem incluídos no cálculo, a taxa geral cai para 35,3 mortos por 100.000 habitantes.

Houve um total de 10.737 mortes violentas em 2022 ou uma média de 29 por dia.

Cinco dos sete principais estados com as taxas mais altas estão localizados na zona centro-norte do país.

O crime organizado venezuelanos

Entre eles estão Aragua, lar da gangue local mais notória da Venezuela, Tren de Aragua, Miranda, onde gangues ultravioletas dedicadas a sequestros e extorsões tomaram conta de faixas de território, e Caracas.

Grande parte da violência está sendo conduzida não pelos maiores grupos do crime organizado, mas por pequenas gangues de rua predatórias.

A dolarização de fato do país criou grandes oportunidades para as gangues, pois indivíduos e empresas usam dólares americanos para transações em dinheiro, mas não podem depositá-los em contas bancárias nacionais, deixando-os na posse de grandes quantidades de dinheiro que os tornam alvos de roubos.

Das mais de 10.000 mortes violentas registradas no ano passado, aproximadamente 13% resultaram de intervenções policiais.

Entre a violência das gangues e da polícia

Essa alta taxa provavelmente está ligada à violência indiscriminada empregada em operações de segurança na Venezuela, onde a polícia se tornou conhecida por cometer execuções extrajudiciais, conforme documentado por agências internacionais de direitos humanos.

Três dos cinco estados com as maiores taxas de mortes resultantes de intervenções policiais, Aragua, Miranda e Guárico, tiveram operações de segurança em grande escala em 2022, acompanhadas por denúncias generalizadas de abusos de direitos humanos, incluindo execuções extrajudiciais.

Além disso, houve 1.370 denúncias de desaparecimentos em 2022.

Algumas áreas da Venezuela tornaram-se notórias por desaparecimentos ligados a atividades criminosas, sobretudo a região mineradora de Bolívar, onde gangues fortemente armadas, conhecidas como sindicatos, disputam o controle do comércio de ouro.

Esses grupos se tornaram notórios pelo desaparecimento de suas vítimas, como mostra a descoberta de várias valas comuns no final de 2022.

São Vicente e Granadinas: 40,3 por 100.000 (Pop. 104.332)

As razões para a alta taxa de homicídios em São Vicente e Granadinas em 2022 não são tão diferentes dos tradicionais focos de violência da região:

Muito disso está entrelaçado com o comércio de cocaína e outros derivados com retaliação.

primeiro-ministro Ralph Gonsalves

Em novembro, as forças de segurança destruíram 135 quilos de cocaína e 18 toneladas de maconha apreendidas nos últimos três anos.

Traficantes de Trinidad e Tobago, que enfrenta um grande problema de violência causada pelas drogas, estão por trás de algumas dessas importações de cocaína.

A maioria dos mortos são por armas de fogo

O governo trinitário-tobagenses está reunindo aliados regionais para impedir que as armas cheguem dos Estados Unidos.

Os EUA precisam fazer algo sobre … o fácil acesso a armas e a fácil exportação de armas. Eles têm os recursos para nos ajudar nisso.

primeiro-ministro Ralph Gonsalves

Poucos cidadãos e empresas acreditam que a polícia tenha condições de investigar e combater os criminosos e menos da metade dos crimes são denunciados.

Trinidad e Tobago: 39,4 por 100.000 (Pop. 1.525.663)

A taxa de homicídios de Trinidad e Tobago saltou mais de 22% em 2022 em relação a 2021.

Após um ano de derramamento de sangue em que os grupos criminosos da duas ilhas ganharam notoriedade em todo o mundo.

Dados do Serviço de Polícia de Trinidad e Tobago mostram que 502 assassinatos foram cometidos no país entre janeiro e outubro.

Policiais disseram ao InSight Crime que outros 47 homicídios foram cometidos em novembro e mais 52 em dezembro, elevando o total de 2022 para 601.

Este é o maior número de assassinatos no país, muito acima dos 550 registrados em 2008.

As várias razões para o aumento da violência

O assassinato de Anthony Boney, líder de um crupo criminoso muçulmano, quebrou o equilíbrio que havia no mundo do crime trinitário-tobagenses.

O resultado foi a fragmentação caótica das grandes organizações criminosas e grupos menores e muito mais violentos.

Essas facções estão lutando pelo controle das múltiplas economias criminosas do país, incluindo contrabando humano, extração de pedreiras e roubo organizado.

Cerca de 12 mil armas circulam no país

A falta de confiança na polícia é reconhecida por ela mesma, principalmente entre a população mais pobre.

Honduras: 35,8 por 100.000 (Pop. 10.278.345)

Honduras continua como o país mais mortal da América Central em 2022, com uma taxa de homicídios de 35,8 mortos por 100.000 pessoas.

Apesar do resultado, o país conseguiu reduzir os homicídios em 12,7% em relação a 2021, o menor número de homicídios desde 2006.

O presidente Xiomara Castro gerou polêmica perto do final do ano ao implementar uma repressão anti-gangues que prendeu 652 supostos membros de gangues e desmantelou 38 gangues.

Muitas das mortes violentas em Honduras são atribuídas a grupos criminosos conhecidos por tráfico de drogas e extorsão.

O setor de transporte de Honduras tem sido particularmente perseguido por extorsão e violência subsequente, com pelo menos 60 trabalhadores perdendo suas vidas em 2022.

Embora o estado de exceção tenha como alvo esses grupos criminosos, é muito cedo para dizer como a estratégia afetará os homicídios do país.

Bahamas: 32 por 100.000 (Pop. 407.906)

As Bahamas terminaram 2022 com 128 assassinatos, quando o comissário de polícia Clayton Fernander, que esperava terminar o ano com menos de 100 homicídios.

Guerra entre facções Criminosas como causa

O país continua como centro de tráfico de cocaína, e em março, o governo admitiu que há disputa pelo narcotráfico na ilha de New Providence.

Chegando em 2023, o governo do primeiro-ministro Philip Davis está enfrentando uma reação negativa.

A oposição baamesa critica a política pública pelo aumento dos crimes: tráfico de drogas, e assaltos e homicídios com o uso de armas de fogo.

O governo por sua vez afirma que são criminosos libertados sob fiança que voltaram a cometer crimes.

Colômbia: 26,1 por 100.000 (Pop. 51.516.562)

Os 13.442 homicídios registrados em 2022 pela Polícia Nacional da Colômbia deram ao país uma taxa de homicídios de 26,1 por 100.000 no ano, ligeiramente abaixo dos 26,8 por 100.000 em 2021.

Talvez não surpreendentemente, os homicídios foram maiores em regiões onde predominam os grupos armados, de acordo com um relatório da Universidad Externado de Colombia.

Os departamentos de Arauca, Putumayo, Cauca, Chocó, Guaviare e Valle del Cauca tiveram a maior concentração de homicídios.

Guerra entre facções Criminosas como causa

A maioria desses departamentos são corredores estratégicos do narcotráfico sobre os quais grupos criminosos lutam pelo controle e pelas receitas do crime.

Desde o início de 2022, o Exército de Libertação Nacional (Ejército de Liberación Nacional – ELN) e grupos mafiosos das ex-FARC travam uma sangrenta batalha pelo controle de Arauca, no sul do país, ao longo da fronteira com o Equador, Peru e Brasil.

Os assassinatos de líderes sociais continuaram inabaláveis em 2022.

Até dezembro do ano passado, 33 líderes sociais foram assassinados em Nariño, enquanto outros 25 foram mortos em Cauca.

O ELN e a ex-máfia das FARC estão presentes em ambos os departamentos, assim como as Autodefesas Gaitanistas da Colômbia (Autodefesas Gaitanistas de Colombia – AGC), também conhecidas como Urabeños ou Clã do Golfo (Clan del Golfo).

O presidente Gustavo Petro chegou ao poder com ambições de “Paz Total”.

Vários grandes grupos armados assinaram um cessar-fogo bilateral que deve vigorar nos primeiros seis meses de 2023, embora o ELN seja uma ausência notável.

Resta saber como a medida vai se desenrolar.

Equador: 25,9 por 100.000 (Pop. 17.797.737)

Pelo segundo ano consecutivo, o Equador teve uma das taxas de homicídios que mais cresceram na região.

Guerra entre facções Criminosas como causa

Em 2022, o país foi dilacerado por grupos criminosos que brigavam por quantidades impressionantes de cocaína vindas da Colômbia e registraram 4.603 assassinatos.

Isso representa um aumento de algo em torno de 82% e 86,3% em relação ao ano anterior, de acordo com a base de cálculos.

Os especialistas atribuem a culpa diretamente à violência associada ao narcotráfico. Isso é amplamente correto.

Choneros e Lobos na disputa

Duas organizações criminosas, Choneros e Lobos, reuniram em torno de si aliados para disputarem o mercado criminoso com extrema violência.

]O foco é dominar áreas de controle da infraestrutura do narcotráfico, incluindo o porto marítimo de Guayaquil, o epicentro da violência no país, e Esmeraldas, uma província que faz fronteira com a Colômbia e é um centro de trânsito de drogas.

Em Esmeraldas os assassinatos atingiram um novo recorde, com corpos sendo deixados pendurados em pontes e assassinatos em larga escala ocorreram em todo o país.

Grupos menores, mas altamente organizados, estão aparecendo agora, esculpindo brutalmente sua própria fatia do bolo do narcotráfico.

O tráfico de armas está aumentando constantemente, com armas semiautomáticas, revólveres e munições inundando o país, principalmente dos Estados Unidos e do Peru.

E a influência do crime organizado mexicano e colombiano apenas estimula ainda mais a violência.

México: 25,2 por 100.000 (Pop. 126.705.138)

Com uma ligeira queda nos homicídios em 2022, os homicídios no México ultrapassaram 30.000 pelo quinto ano consecutivo.

No ano passado, ocorreram menos 30.968 homicídios, ou 85 por dia, além de 947 feminicídios — valores são calculados separadamente.

Somando 31.915 assassinatos, 25,2 por 100.000 habitantes, uma ligeira queda em relação à taxa de 2021.

Quase 50% desses assassinatos se concentraram nos mesmos seis estados de 2021: Guanajuato, com 3.260, Baja California, Chihuahua, Jalisco, Michoacán, o estado do México.

Guerra entre facções criminosas como causa

Há muito tempo os estados fronteiriços de Baja California e Chihuahua convivem com a violência dos grupos do crime organizado que disputam o controle das rotas do narcotráfico para os Estados Unidos.

Já Jalisco está localizada ao norte de Michoacán e Colima, cujos portos – Lázaro Cárdenas e Manzanillo – são pontos de chegada de precursores químicos da Ásia necessários para a produção de drogas sintéticas.

Belize: 25 por 100.000 (Pop. 400.031)

Belize encerrou 2022 com 113 assassinatos, uma queda em relação aos 125 em 2021, para uma taxa de homicídios de 25 por 100.000 pessoas.

O comissário de polícia Chester Williams disse à mídia local que o país agora saiu da lista dos dez países mais assassinos do mundo.

No entanto, o governo americano alerta que muitos dos crimes violentos em Belize ocorreram no lado sul de Belize e estão “relacionados a gangues”.

Os crimes violentos, incluindo assaltos à mão armada, são “comuns mesmo durante o dia e em áreas turísticas”.

Porto Rico: 17,4 por 100.000 (Pop. 3.263.584)

O território dos EUA viu uma queda bem-vinda na violência em 2022, registrando 567 homicídios, ante 616 em 2021, segundo a mídia local.

A disponibilidade de armas de fogo continua sendo um problema para as autoridades de Porto Rico, com crimes relacionados a armas permanecendo muito mais altos do que nos estados dos EUA e em outros territórios.

Traficantes ilegais de armas trouxeram milhares de armas para o país, enquanto a Lei de Armas de Porto Rico de 2020 tornou a obtenção e o porte legal de uma arma de fogo muito mais fácil.

E o tráfico de cocaína, responsável por grande parte da violência no território, continuou em ritmo acelerado com apreensões maciças feitas regularmente em 2022.

Guatemala: 17,3 por 100.000 (Pop. 17.109.746)

Os 3.004 homicídios registrados na Guatemala em 2022 deram ao país uma taxa de homicídios de 17,3 por 100.000 habitantes.

Foi um aumento de 5,7% em relação aos 2.843 homicídios registrados no ano passado.

De acordo com a ONG de Direitos Humanos, Grupo de Apoio Mutuo – GAM, foram 3.609 assassinatos, houve um aumento de 7% nos homicídios entre janeiro e outubro de 2022.

As descobertas do GAM também revelaram um salto preocupante no número de vítimas de assassinato que apresentaram sinais de tortura, de 104 em todo o ano de 2021 para 164 nos primeiros 10 meses de 2022.

Guerra entre facções criminosas como causa

A atividade criminosa provavelmente está por trás desses aumentos.

Em outubro, pelo menos sete pessoas foram mortas a tiros na piscina de um hotel em El Semillero, na costa do Pacífico da Guatemala, e o crime estaria relacionado ao Barrio 18.

Também em outubro, cinco nicaraguenses foram encontrados mortos com as mãos amarradas nas suas costas no município de Atescatempa.

Barbados: 15,3 por 100.000 (Pop. 281.200)

Assim como em seus vizinhos caribenhos, a pronta disponibilidade de armas de fogo foi responsabilizada por um aumento acentuado nos assassinatos em Barbados em 2022.

Dos 43 homicídios registrados, mais de 75% foram cometidos com armas de fogo.

Isso apesar da polícia de Barbados alegar sucesso em uma campanha contínua de recuperação de armas, com 75 armas apreendidas até setembro de 2022.

Isso foi superior às 36 recuperadas em todo o ano de 2021.

Um aumento persistente nos assassinatos, apesar de mais armas serem coletadas, só pode significar uma coisa: muitas armas estão entrando em Barbados.

Em junho, três homens americanos foram condenados por enviar pelo menos 30 armas de fogo para Barbados por meio de serviços de correio.

Em setembro, o comissário de polícia de Barbados confirmou que o Escritório de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF) dos EUA estava trabalhando com Barbados para conter o fluxo de armas.

Mas há uma confusão persistente sobre o cenário do crime organizado do país, apesar de seu tamanho modesto.

Em uma entrevista para a televisão em novembro, o membro do gabinete de prevenção ao crime, Corey Lane, afirmou que havia apenas duas gangues em Barbados e não 52, como afirmam algumas fontes não especificadas.

Guiana: 15,1 por 100.000 (Pop. 804.567)

Foram registrados 122 assassinatos até meados de dezembro de 2022, a menor contagem de homicídios em uma década.

No entanto, armas de fogo ilegais continuam a entrar no país vindas dos Estados Unidos e do Brasil, aumentando a violência no país.

A Guiana também está lidando com a disseminação da mineração ilegal, já que a invasão de gangues venezuelanas ameaça aumentar a violência.

Costa Rica: 12,2 por 100.000 (Pop. 5.153.957)

A Costa Rica viveu seu ano mais sangrento da história em 2022, com 627 homicídios cometidos, 53 assassinatos a mais em relação a 2021.

Desde 2017 o país não ultrapassava 600 assassinatos em um mesmo ano.

O presidente Rodrigo Chaves reconheceu o problema, admitindo que a violência estava “saindo do controle”.

Limón na costa atlântica é a segunda província mais populosa, mas foi a com mais homicídios: 167 — um quarto do total nacional.

A província de Limón teve uma taxa de homicídios de 35,9 por 100.000 habitantes, um ligeiro aumento em relação ao ano anterior.

Guerra entre facções criminosas como causa

Os assassinatos estão ligados ao aumento da luta pelo controle do porto de Limón, pelos grupos criminosos que buscam exportar cocaína para a Europa.

Até 90% das mortes na província foram relatadas como ligadas ao crime organizado, disse o Departamento de Investigação Judicial (OIJ).]

República Dominicana: 11,9 por 100.000* (Pop. 11.117.873)

A República Dominicana registrou 661 homicídios nos primeiros seis meses de 2022,

Extrapolando esses números para um período de 12 meses, encerrou o ano com uma taxa de homicídios de 11,9 por 100.000 habitantes.

Se confirmado, isso representaria um aumento significativo de 9,2 homicídios por 100.000 em 2020 e 10,6 por 100.000 em 2021.

Apesar desse aumento, o país registra menos homicídios que muitos países caribenhos, apesar de ser o principal país de trânsito de cocaína na região.

Várias fontes disseram que a atitude de negócios em primeiro lugar do submundo da ilha pode fornecer uma explicação para essa paz relativa.

Apenas 8,8% dos assassinatos estavam diretamente ligados ao tráfico de drogas ou ao uso de drogas. A maioria dos assassinatos são crimes passionais.

Panamá: 11,5 por 100.000 (Pop. 4.351.267)

O Panamá conseguiu reverter sua tendência recente de aumentar gradualmente os assassinatos.

Os 501 homicídios registrados em 2022 representam uma queda de 8,9% no número de homicídios em relação aos 550 de 2021.

Antes de 2022, a taxa de homicídios do país vinha subindo lentamente, de 9,6 por 100.000 em 2018 para 12,8 por 100.000 em 2021.

Enquanto alguns países continuaram a adotar uma abordagem militarizada para combater o crime, a polícia do Panamá adotou uma estratégia diferente.

O diretor da polícia nacional do Panamá, John Dornheim, destacou a importância de a aplicação da lei incorporar soluções tecnológicas e contar com informações.

“Você não persegue o crime com músculos, persegue-o com inteligência”

John Dornheim

A decisão parece estar valendo a pena, com um quarto das acusações contra suspeitos de homicídio ocorrendo graças à vigilância por vídeo.

Ainda existem áreas problemáticas

Com cerca de 7% da população, a província costeira de Colón foi responsável por 21% dos assassinatos — taxa de homicídios próxima à de Honduras.

Assassinatos indiscriminados ligados ao crime organizado na província resultaram em homicídios em hospitais e escolas, disputas territoriais e aumento do desemprego também estão entre as causas das mortes que assolam a região.

Guerra entre facções criminosas como causa

Colón detém o ponto de entrada do Atlântico para o Canal do Panamá e é um ponto crucial para a logística do tráfico de cocaína.

O país quebrou novamente seu recorde anual de apreensão de drogas, em meio a notícias de que atuava como um importante centro de envio de cocaína para uma coalizão de grandes traficantes de drogas na Europa.

O principal traficante de drogas do Panamá, Jorge Rubén Camargo Clarke, chefe da federação de gangues de Bagdá, foi preso em fevereiro de 2022, mas os números não sugerem que tenha ocorrido uma luta sangrenta pelo controle do mercado entre os rivais.

Uruguai: 11,2 por 100.000 (Pop. 3.426.260)

Houve 383 homicídios registrados no Uruguai em 2022, um aumento de 25% nos homicídios de 2021, que reverte alcançada em 2021.

Os cálculos do InSight Crime mostram um aumento ligeiramente maior de 27,6%.

Guerra entre facções criminosas como causa

O presidente Luis Lacalle Pou colocou diretamente a culpa pelo aumento da violência nos confrontos de gangues relacionados ao tráfico de drogas.

As brigas entre grupos criminosos pelo controle do tráfico de drogas em Montevidéu, capital do país, parecem ter aumentado.

Em junho, a polícia uruguaia informou ter identificado até 45 clãs familiares criminosos em Montevidéu e, em novembro, tiroteios entre alguns desses clãs confinaram moradores de Villa Española e Peñarol em suas casas.

Uruguai na rota das drogas

Essas gangues também foram cruciais para o crescente perfil do Uruguai como nação de trânsito para o comércio de cocaína.

As conexões com o Brasil, Paraguai e Argentina têm visto uma maior quantidade de drogas fluindo pelo Uruguai, trazendo maiores índices de violência criminal.

Enquanto isso, o surgimento do Primeiro Cartel Uruguaio (Primer Cartel Uruguayo – PCU), liderado pelo misterioso narcotraficante Sebastián Marset, aumentou a pressão sobre as forças de segurança do país e levantou a tampa da corrupção generalizada nas fileiras políticas do país.

Paraguai: 8 por 100.000* (Pop. 6.703.799)

Foram 489 homicídios entre janeiro e novembro de 2022, o que levará a superar a taxa de 2021 de 7,4 para 100.000 habitantes.

Guerra entre facções criminosas como causa

O ano passado viu mais da mesma violência, já que assassinatos de alto escalão e assassinatos entre gangues pareciam encerrar o ano.

A disputa entre Primeiro Comando da Capital e o clã local Rotela monopolizaram as mortes na disputa pelo domínio territorial dos corredores de tráfico de drogas e armas, particularmente a província de Amambay, no Paraguai, na fronteira leste com o Brasil.

Gangues menores e clãs familiares também contribuem para os assassinatos nas áreas mais violentas do Paraguai.

O conhecido Clã Insfrán teria sido ligado ao assassinato em maio de 2022 do promotor paraguaio Marcelo Pecci.

A violência do país é ajudada em parte pelo fato de que armas e munições fornecidas aos militares acabam rotineiramente nas mãos de organizações criminosas.

O papel ascendente do Paraguai como um nó-chave no drogoduto de cocaína da Europa significa que o conflito entre as principais gangues do país provavelmente continuará a transbordar.

El Salvador: 7,8 por 100.000 (Pop. 6.314.167)

Foram 495 homicídios em 2022 contra 1.147 no ano anterior, mantendo uma tendência de baixa desde 2015, quando o índice era de 103 por 100.000 habitantes, o que fazia de El Salvador o país mais violento do Hemisfério Ocidental.

A queda nos assassinatos no ano passado ocorreu em meio a uma das repressões anti-gangues mais brutais já vistas na América Latina.

Um violento assassinato de gangues em março que custou 87 vidas respaldou a política de forte repressão aos grupos criminais do presidente Nayib Bukele.

O governo alavancou poderes de emergência para atacar as principais gangues de rua do país, a MS13 e a Barrio 18, prendendo cerca de 60.000 pessoas, ou quase 2% da população adulta no processo.

Os resultados foram surpreendentes, com assassinatos e extorsões caindo drasticamente. A repressão forçou as gangues a se esconderem, embora continuem bem armadas.

Suriname: 7,7 por 100.000 (Pop. 612.985)

O menor país sulamericano registrou 47 assassinatos entre janeiro e meados de dezembro de 2022 — taxa de 7,7 por 100.000 habitantes.

Este é um aumento acentuado em comparação com os 32 assassinatos registrados em 2021, mas inferior aos 54 registrados em 2020.

O aumento da taxa de homicídios pode ser em decorrência do papel do Suriname como país de trânsito para a cocaína.

O presidente Chandrika Persad Santochi disse ao InSight Crime em outubro de 2022 que o tráfico de drogas afetou seriamente o crime violento no Suriname.

Especialistas identificaram o tráfico de cocaína como a maior ameaça à segurança nacional do Suriname e responsável por alguns dos eventos mais violentos recentes.

Em julho de 2021, três corpos carbonizados foram encontrados no oeste de Paramaribo, capital do Suriname. Um dos supostos autores do crime declarou que foi morto em relação à apreensão de cerca de 1 tonelada de cocaína pelas autoridades.

Mas em comparação com seus vizinhos, principalmente no Caribe, o Suriname tem uma baixa taxa de homicídios.

Um dos fatores que possivelmente explicam a diferença entre o Suriname e países como Jamaica, Trinidad e Tobago e Santa Lúcia é que o Suriname não possui gangues urbanas sofisticadas.

Nicarágua: 6,7 por 100.000 (Pop. 6.850.540)

A total falta de dados confiáveis ou relatórios sobre homicídios na Nicarágua, mais uma vez, dificulta um levantamento de homicídios para o país.

Fontes oficiais colocam a contagem de homicídios no país em 460, mas esses números “não são confiáveis”.

A falta de transparência do país parece improvável que mude em breve.

Em novembro de 2022, o presidente Daniel Ortega conquistou um quarto mandato em uma eleição duramente criticada pela comunidade internacional.

O presidente dos EUA, Joe Biden, chamou de “eleição de pantomima”. Durante o governo de Ortega, 160 jornalistas foram forçados ao exílio.

Chile: 4,6 por 100.000 (Pop. 19.493.184)

Os homicídios cresceram mais de 32% no Chile em 2022 em relação a 2021, marcando o ano como um dos mais mortais do país.

Os números da polícia mostram que 960 assassinatos foram cometidos no ano passado, em comparação com 726 no ano anterior.

A região norte de Tarapacá viu novamente a criminalidade elevar as taxas de homicídio a novos patamares, enquanto o contrabando de migrantes controlado pela mega-gangue venezuelana Tren de Aragua emergiu como uma séria ameaça à segurança nacional.

O tráfico de drogas no país cresceu, o roubo de cobre se expandiu e as máfias madeireiras que controlam a extração ilegal de madeira se tornaram mais violentas.

Embora o aumento de assassinatos seja alarmante, as autoridades alertaram que o retorno às regulamentações e à vida pré-pandêmica favoreceu o aumento da criminalidade, que foi artificialmente baixo em 2020 e 2021.

Os aumentos registrados em 2022 são irregulares porque, à medida que a vida cotidiana foi retomada , o número de crimes ocorridos também normalizou para antes da pandemial.

coronel Gutiérrez, comandante da polícia militar do Chile

O Chile com 4,6 homicídios para 100.000 habitantes continua entre as nações menos violentas da América Latina.

Argentina: N/A (Pop. 45.808.747)

A Argentina normalmente publica suas estatísticas anuais de crimes em abril do ano seguinte.

Em 2021, o Ministério da Segurança registrou 2.092 assassinatos, para uma taxa de homicídios de 4,6 por 100.000 habitantes, continuando sua tendência de queda nos assassinatos desde um ano particularmente violento em 2014.

Guerra entre facções criminosas como causa

Certos focos de violência, porém, são acessíveis, principalmente na província de Santa Fé.

Na Santa Fé, que abriga a cidade de Rosario, 406 pessoas mortas em 2022, o maior número desde 2015, elevando a taxa de homicídios da província para 11,31 por 100.000.

O ano sangrento de Rosario cativou as manchetes, dado o fato de que sua taxa de homicídios quadruplica a média nacional.

Uma rivalidade entre gangues locais de tráfico de drogas, os Monos e o Clã Alvarado, alimenta grande parte dos assassinatos da cidade.

A leste de Santa Fé, a província de Entre Ríos registrou seu terceiro ano consecutivo de redução de homicídios, com as autoridades elogiando uma postura dura contra o narcotráfico como a chave para o sucesso.

O tráfico de cocaína de fato tem aumentado na província, mas as autoridades locais intensificaram os esforços para combater os traficantes na esperança de evitar uma nova queda na violência.

Bolívia: N/A (Pop. 12.079.472)

As autoridades bolivianas não divulgaram estatísticas oficiais de homicídios nos últimos três anos, mas os interesses criminosos de grupos locais e regionais – particularmente em relação à expansão da capacidade de produção de cocaína da Bolívia – garantiram que a violência continuasse.

Guerra entre facções criminosas como causa

Em fevereiro do ano passado, o assassinato de dois traficantes de drogas brasileiros no departamento de Santa Cruz destacou a ameaça contínua do Primeiro Comando da Capital do Brasil (Primer Comando Capital – PCC) e rival, companheiro de gangue brasileira, o Comando Vermelho CV, para a Bolívia. Santa Cruz é um importante centro de tráfico de cocaína sendo contrabandeada para o Brasil ou Paraguai da Bolívia e do Peru.

Em julho do ano passado, o povoado de Porongo, na periferia de Santa Cruz de la Sierra, capital do departamento de Santa Cruz, foi palco de uma violência incomum contra policiais na Bolívia.

Três foram mortos a tiros depois de tentar prender um homem local. O suspeito do assassinato era genro de um narcotraficante local.

Haiti: N/A (Pop. 11.447.569)

Guerra entre facções criminosas como causa

A violência das gangues causou a morte de 2.183 pessoas em 2022, um aumento de 35,2% em comparação com o ano passado.

Mas esses números quase não fazem sentido.

A catástrofe de segurança na ilha atingiu níveis sem precedentes que acredita-se que nenhum funcionário eleito em nível nacional permaneça lá.

Desde o assassinato do presidente Jovenel Moïse em 2021, evaporou-se qualquer influência política que pudesse conter as gangues do país.

A guerra de gangues que antes se opunha às duas maiores organizações criminosas do país, G9 e G-PEP, se dissolveu ainda mais em uma colcha de retalhos de guerras territoriais ao redor da capital, Porto Príncipe, que viu a maior parte dos assassinatos, incluindo execuções sumárias e adolescentes portando armas de nível militar.

Os sequestros mais que dobraram. A violência sexual e o estupro também são comuns.

Acho que é a primeira vez que vimos esse nível de ilegalidade, esse nível de violência de gangues em que a vida das pessoas não importa.

Cécile Accilien, professora de estudos haitianos na Kennesaw State University

Peru: N/A (Pop. 33.715.471)

O Peru não divulgou números oficiais de homicídios para 2022 e os números do Ministério da Saúde parecem não ter base na realidade histórica.

Segundo o Ministério da Saúde houve 1.307 assassinatos — uma taxa de homicídios de apenas 3,9 por 100.000 habitantes.

Em 2021, houve 2.166 mortes — uma taxa de 6,6 por 100.000, um aumento em relação a 2020, mas ainda menor do que em qualquer ano desde 2013.

Embora o governo tenha declarado vários estados de emergência com o objetivo de combater a criminalidade em Lima, mas os corpos continuaram se acumulando.

No início do ano, um legista disse à TV Perú que os assassinatos em partes da capital dobraram ou até quadruplicaram.

Guerra entre facções criminosas como causa

Em outros lugares, uma série de assassinatos resultantes de gangues que lutam pela mineração ilegal em La Libertad, uma região na costa oeste, levou as autoridades a impor estado de emergência.

Quatro líderes de comunidades indígenas que se opunham à mineração ilegal e ao tráfico de drogas foram mortos em uma única semana de março.

Em meio à agitação social após a deposição do ex-presidente Pedro Castillo em dezembro, a Procuradoria-Geral de Ayacucho confirmou que havia aberto investigações de homicídio contra militares e chefes de polícia após a morte de manifestantes.

*As estimativas para esses países são projeções. Os dados do ano inteiro não estavam disponíveis para esses países no momento da publicação. As taxas de homicídio calculadas pelo InSight Crime são baseadas nos melhores dados de homicídio disponíveis e na população estimada do país para 2021, de acordo com o Banco Mundial. Quaisquer pontos de dados não calculados por este método foram atribuídos às suas fontes. Esta lista será atualizada à medida que mais dados estiverem disponíveis.

**Parker Asmann, Douwe den Held, Alex Papadovassilakis e Juan Diego Posada contribuíram para este artigo.

A morte do Promotor de Justiça e a facção criminosa PCC 1533

O cerco contra a facção criminosa Primeiro Comando da Capital se fecha na medida em os envolvidos estão sendo presos.

Capturade em El Salvador aproxima facção criminosa do crime

A facção criminosa Primeiro Comando da Capital (facção PCC 15.3.3) ordenou o assassinato do promotor de Justiça Marcelo Pecci do Ministério Público do Paraguai — é o que acreditam as autoridades dos diversos países.

O crime ocorreu no dia 10 de maio de 2022 na praia de Barú, na província de Cartagena, na Colômbia, onde o funcionário do governo paraguaio aproveitava sua lua de mel quando dois homens invadiram a praia particular em jet skis e dispararam contra o promotor.

Marcelo Pecci se destacou no combate ao tráfico internacional de drogas geridas pela organização criminosa PCC 1533 oriundas do Paraguai, passando pelo Brasil com destino a Europa.

Os irmãos Andrés Felipe e Ramon Emilio Perez Hoyos foram presos crime ainda em solo colombiano, e agora foi capturada em El Salvador Margaretha Chacón Zúñiga, uma colombiana que teria participado da organização do atentado.

Juntamente com ela, um cidadão de El Salvador, Vibert Giovanni Rodrigues, foi detido por ajudar na fuga e ocultação de Margaretha. No entanto, ainda não há provas apontando os mandantes ou o envolvimento da organização criminosa paulista.

reportagem completa no Los Angeles Times

Parceria 'Ndrangheta e PCC garante hegemonia no tráfico

Através da organização criminosa brasileira Primeiro Comando da Capital a família mafiosa italiana ‘Ndrangheta unificou a rota de distribuição de drogas do Cone Sul para a Europa.

“Os corretores da máfia são tão poderosos que lidam diretamente com o PCC. Traficando da Colômbia, da Bolívia e do Peru, passando pelo Paraguai como rota de trânsito.” — Zully Rolón, ministro da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai

A parceria entre as duas organizações criminosas possibilitou que a ‘Ndrangheta passasse a hegemonia do tráfico de drogas da América para a Europa com o dominando 80% do fluxo.

A droga saída da Bolívia, Peru e Colômbia, chega no Paraguai e é colocado em containers que seguem por via terrestre ou fluvial/marítima para portos na Argentina (Buenos Aires), Uruguai (Montevidéu) e Brasil (Santos e Paranaguá) e desses para os portos europeus. — Última Hora

Facção PCC: desafios e oportunidades no noroeste do Cone Sul

O Primeiro Comando da Capital tem passado por um período de desarticulação que pode estar dificultando seus planos para entrar com mais força na Colômbia.

Já estando em Putumayo e no Amazonas colombiano, principalmente em Leticia e Puerto Nariño, fazendo negócios com Exército de Libertação Nacional (ELN) e a Segunda Marquetália formada por dissidentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Com o enfraquecimento da Família do Norte (FDN) passa disputar com o Comando Vermelho (CV) a alianças com Gentil Duarte para permitir o uso a passagem por Guaviare e Vichada.

Se dominar o Amazonas colombiano terá acesso a corredores estratégicos que ligam as plantações maconha no Peru e na região de Cauca, aos laboratórios de produção e em Baixo Putumayo do cartel Jalisco Nueva Generación e do Segundo Marquetalia. — Karen Vanessa Quintero para o Diario Criterio

O temor dos cartéis internacionais é que a organização paulista tente chegar ao oceano Pacífico e utilizar os portos do Equador para expandir seus negócios para a Ásia — hoje o PCC abastece parte desse mercado através de suas parcerias na África.

Essa disputa já teria causado confrontos entre os grupos pelo controle das rotas do narcotráfico no Equador, especialmente nos portos de Guayaquil, em Guayas, e Puerto Bolívar, em El Oro e dentro dos presídios de Guayaquil, Latacunga e Cuenca. — primicias.ec

Oficiais e soldados das FARC vieram para o PCC?

Foi no dia 1º de dezembro de 2016. O mundo mudou, o futuro de todos nós talvez estivesse sendo reescrito naquele momento em que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia estavam depondo as armas depois de 52 anos de luta. Poucos de nós percebemos o que isso significaria para nossa segurança.

A guerrilha das FARC exercia-se com arrepiante brutalidade e esses homens não aceitariam com facilidade se curvar perante a opressão das autoridades, não aceitando as palavras doces e as gaiolas douradas. Isso pareceu para alguns claro, para outros nem tanto, mas a maioria dos brasileiros sequer pensou sobre esses problema.

Agora ele bate às nossas portas, mas o gigante adormecido ainda não percebeu.

A primeira fumaça veio dos massacres ocorridos no norte do país. Foram mais de cem almas que seguiram seu destino nos cárceres do Amazonas, Roraima, e Rio Grande do Norte. Várias foram as causas, mas o estopim foi o fim das FARC que mantinham o equilíbrio de forças entre as facções brasileiras na fronteira norte do Brasil.

No dia 3 de janeiro publicamos aqui uma matéria “O futuro do PCC a FARC pertence” onde trabalhamos um artigo de Román D. Ortiz publicada na Revista Ensayos Militares e que trazia alguma luz sobre esse vínculo pouco explorado pela imprensa brasileira.

No início desta semana Kevin Knodell publicou um artigo intitulado “Former FARC Fighters Make For Hot New Hires” em um site americano especializado em assuntos militares. Começa fazendo um histórico do Primeiro Comando da Capital do seu berço no Carandiru até a atualidade onde disputa fora das fronteiras brasileiras o domínio do crime organizado.

Não consegui verificar por outras fontes algumas informações passadas por Knodell em seu artigo, mas reproduzo aqui para ser avaliado pelo leitor.
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
O artigo afirma que o governo colombiano declarou que há em torno de 150 à 300 revolucionários que não aceitaram o pacto e optaram pela clandestinidade, e esses estão sendo disputados por diversas organizações criminosas brasileiras entre elas o PCC e a Família do Norte FDN, além da facção colombiana Los Urabeños.

O grupo Urabeños está pagando algo em torno de US$ 600,00 por mês para os guerrilheiros que estão migrando para seu lado e trabalharem dentro das fronteiras da colômbia, isso é algo em torno de R$ 1.900,00. Não se sabe quanto as facções brasileiras estão oferecendo para que venham para cá.

O preocupante para nós brasileiros e principalmente para os militares é que os soldados das FARC não são especializados em tráfico de drogas e assalto como são os soldados das facções brasileiras, os colombianos foram treinados para confronto direto com as forças policiais e militares.

Knodell cita dois nomes que poderiam vir para o Brasil se juntar ao Primeiro Comando da Capital: Gentil Duarte e Francisco Javier Builes (John 40). Os dois foram expulsos no final do ano passado das FARC, Duarte por discordar do processo de paz, e John 40 que era o responsável pelas finanças da organização por desviar dinheiro para gastos pessoais.

A guerrilha das FARC que combateu com arrepiante brutalidade com a polícia e o exército colombiano por quase um século contra a “opressão das autoridades”, está se dissolvendo e alguns dos seus não estão aceitando as palavras doces e gaiolas douradas. Isso pareceu para alguns claro, para outros nem tanto, mas a maioria dos brasileiros sequer pensou sobre esses problema.

Talvez seja a hora do gigante acordar e começar a pensar. (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

%d blogueiros gostam disto: