O Primeiro Grupo Catarinense (PGC)

A facção Primeiro Grupo Catarinense (PGC) é uma das organizações criminosas inimigas do Primeiro Comando da Capital (PCC)

O Comando Vermelho do Rio de Janeiro (CV), no intuito de lucrar e enfraquecer o Primeiro Comando da Capital de São Paulo (PCC), vende armas e drogas para o Primeiro Grupo Catarinense de Santa Catarina (PGC).

Desde junho de 2016, com a morte de Jorge Rafaat Toumani e o fim da parceria entre o PCC e o CV, uma sangrenta guerra entre as duas organizações criminosas é travada e o PGC escolheu seu lado desde o início: o CV.

O Primeiro Comando da Capital tem interesse em dominar o mundo do crime do barriga-verde para garantir o uso seguro dos portos e entrepostos catarinenses, desafogando as exportações pelo porto de Santos e dificultando a ação policial.

O surgimento do Primeiro Grupo Catarinense (PGC)

A organização criminosa Primeiro Grupo Catarinense surgiu em 2003 se rebelando contra as condições carcerárias dos detentos na Penitenciária de Florianópolis e posteriormente passou a atuar no mundo do crime.

A facção possui estatuto que rege suas atividades e uma estrutura hierárquica bem definida: ministério, sintonias e disciplinas.

  • Primeiro Ministério: 10 integrantes com cargo vitalícios;
  • Segundo Ministério: sem número fixo de integrantes, é composto por detentos da Penitenciária de São Pedro de Alcântara;
  • Sintonias e os disciplinas: responsáveis por colocar em prática os desígnios do grupo e exercer o comando das comunidades.

Seus integrantes buscam o lucro e o crescimento através das atividades criminosas como roubos e tráfico de drogas.

Parte dos ganhos se destina ao pagamento do “dizimo” à organização, e o dinheiro arrecadado financia a compra de drogas, armas e operações para seus integrantes, ajuda as famílias dos encarcerados e paga advogados.

Nas regiões ou nas redes sociais nas quais seus integrantes interagem é comum encontrar pichações com as expressões Tudo 2, PGC e CV, além de fotos e vídeos onde exibem: drogas, dinheiro, armas e rádios comunicadores.

Ao contrário da facção paulista, os barrigas-verdes agem quando podem como os cariocas, disparando em viaturas policiais que entram em suas comunidades.

Diferentemente também do PCC, onde os novos integrantes começam por atividades menos perigosas, o PGC recruta adolescentes para servirem de soldados nas funções de maior risco, protegendo os demais integrantes imputáveis do grupo de uma possível prisão.

A facção PCC 1533 e Aarão do Complexo de Israel

O que se pode esperar da estratégia de crescimento da Comunidade do Complexo de Israel no intrincado tabuleiro do crime organizado.

O ativista russo de direitos humanos Artemiy Semenovskiy (Артемий Семеновский) comentou no grupo de WhatsApp do site que recebeu informações que Manaus teria sido dominada pelo Comando Vermelho (CV).

Fiquei intrigado.

Há muito rola por lá a guerra entre as facções, mas a definição do conflito não me parecia estar próxima, apesar de me preocupar com a postura de grupos que antes se aliavam ao PCC: Guardiões do Estado GDE e o Bonde dos 40 B-40.

O GDE passou para a neutralidade e o B-40 tornou-se inimigo, matando integrantes e saqueando suas biqueiras do PCC, enquanto a antes poderosa Família do Norte FDN se dissolve.

Fabrício dos Santos Chaves, um dos líderes da Família do Norte, se escondeu com a família em Teresina após a FDN ter desmoronado, mas acabou sendo preso juntamente com sua mãe dele e outras seis pessoas por homicídios cometidos no Maranhão.

A resposta para essa intrincada e bilionária disputa pelo poder e pelos negócios nas regiões Norte e Nordeste pode estar nas comunidades do Complexo de Israel CDI no Rio de Janeiro, como me fez ver o canal Band Net News.

O Complexo de Israel é um grupo criminoso carioca, contrário ao Comando Vermelho, e que, apesar de manter parceria com Primeiro Comando da Capital, é considerado um grupo neutro e não aliado, assim como o GDE.

Comandado pelo traficante Álvaro Malaquias Santa Rosa (Peixão ou Aarão), o Complexo de Israel tem suas bases nas comunidades da Zona Norte do Rio de Janeiro: Cidade Alta, Vigário Geral, Parada de Lucas, Cinco Bocas, e Pica-pau.

fonte: Canal Band Net News

O futuro do PCC nas mãos do Complexo de Israel

Aarão está mudando o desenho do crime organizado no Brasil.

A neutralidade de Aarão em relação ao PCC, permite que:

  • acesse seus produtos como drogas, armas e cigarros;
  • aproveite sua logística de distribuição e conhecimento;
  • contato com sua liderança do crime em todos os estados e países; e
  • feche parceria com o Terceiro Comando Puro TCP, aliado fiel dos paulistas no Rio de Janeiro.

Essa situação favorece o Primeiro Comando da Capital pois enfraquece o Comando Vermelho em sua base sem ter o custo de manter uma guerra direta no território onde seu inimigo está melhor estruturado.

No entanto, o Complexo de Israel demonstra que pretende despontar como uma força nacional e para isso fechou aliança com duas facções de fora do estado:

Aarão não faz segredo que pretende criar uma rota de transporte de drogas, armas e outros ilícitos a partir do Rio de Janeiro em direção ao Norte e fazer o caminho inverso com outros produtos oriundos da Rota dos Solimões.

Com a derrocada da Família do Norte, esperava-se que o PCC tomasse com certa facilidade a Rota dos Solimões, pois enfrentaria um Comando Vermelho enfraquecido por estar sendo atacado em seu território pelo Terceiro Comando Puro e demais aliados locais da facção paulita, e milicianos que usam as polícias Militar e Civil como tropas de apoio.

A integração da Rota do Solimões e da Rota Caipira sob o monopólio do PCC concentraria o abastecimento de ilícitos dos grupos, bondes, facções e vendedores individuais, e portos para exportação em todo o país.

É possível que a pretensão de Aarão se encaixe nesse plano, pois ao unir o Terceiro Comando Puro (Rio de Janeiro), Guardiões do Estado (Ceará), e Cartel do Norte (Amazonas), cria uma rota ligando Rio de Janeiro à Manaus, ao mesmo tempo em que auxilia os paulistas no enfraquecimento do CV.

Um ex-aliado (GDE), um antigo aliado (TCP), e um novo aliado (CDN) do Primeiro Comando da Capital passam agora a girar em torno do Complexo de Israel, que se torna uma nova força aglutinadora.

Aarão do Complexo de Israel seria o novo Marcola do PCC?

O Marcola era homicida, sequestrador, roubava banco, não tinha nada a ver com a facção, mas é um homem articulado. E quando ele foi levado para o presídio de Tremembé [no interior de SP] começa a conversar com os últimos presos políticos no sistema prisional e aprende com eles sobre como estruturar o tráfico, a gerenciar como uma empresa, ao mesmo tempo em que vende internamente para os detentos a ideia de uma irmandade revolucionária.

desembargadora Ivana David

A prisão e morte das antigas lideranças do Primeiro Comando da Capital podem ter desarticulado seus negociadores, ou as novas lideranças paulistas estão perdendo o contato e o respeito da tropa na base.

O canal Band Net News coloca o dedo na ferida ao afirmar que “as crias do Terceiro Comando Puro … tem o estado de espírito bastante semelhante dos crias do Guardiões do Estado e do Cartel do Norte.

Renato Alves Pereira, o Carioca, um dos líderes do Primeiro Comando Puro, perseguido no Rio de Janeiro, deu fuga para Fortaleza no Ceará, mocozando-se no bairro Vicente Pinzon e nas comunidades de Rosalina, Passaré e Itaperi.

Carioca caiu no campo em que guerreavam o Comando Vermelho e os Guardiões do Estado, e estava junto a eles quando perderam o território para o CV, e teve que retornar ao Rio de Janeiro, mas levou consigo 30 GDEs.

Com esse reforço, o Terceiro Comando Puro e as tropas do Complexo de Israel buscaram expandir seus territórios, assinando na prática um pacto de sangue entre os grupos cariocas e o cearense.

A disputa pelo território no Norte do Brasil Carioca também seguiu então para Manaus, para unir forças com o Cartel do Norte de João Branco, o vulgo JB, já corria com os crias do Primeiro Comando da Capital, para derrotarem juntos o Comando Vermelho que está nas mãos de Gelson Carnaúba, o Mano Gê.

Como em toda a guerra, a disputa pela capital do Amazonas é fundamental para quem quer ter o domínio sobre a Rota dos Solimões e o canal Band Net News mostra como está a divisão do território:

  • Zona Leste
    • Comando Vermelho domina com focos de resistência do Cartel do Norte em: Mozinha, Gilberto Mestrinho, São José e Tancredo Neves;
  • Zona Norte
    • Comando Vermelho domina o bairro Novo Aleixo com uma pequena área sob o domínio de um cria da Família do Norte,
    • Comando Vermelho domina a Cidade Deus e Cidade Nova com poucos focos de resistência do Cartel do Norte, e permanece em disputa o Conjunto Habitacional Viver Melhor e a Comunidade Monte Olimpo;
  • Zona Sul
    • Cartel do Norte controla com pouca resistência do Comando Vermelho em partes do: Alvorada, Morro da Liberdade, Santa Luzia, São Lázaro, São Jorge, e Vila da Prata, Parque 10 de Novembro, Colônia Oliveira Machado;
  • Zona Oeste
    • Comando Vermelho domina em especial no bairro Compensa, local onde a organização criminosa teve origem, mas tem sofrido ataques do Cartel do Norte no Carbraz, Parque São Pedro, Redenção e Bairro da Paz; e
  • Centro
    • Comando Vermelho controla com resistência no Bairro do Céu controlado por um cria chamado Marcelinho da extinta Família do Norte.

O Coroado de Manaus tem uma posição estratégica, é o bairro da Zona Leste que faz fronteira com a região central e é cheio de becos e vielas, que dificultam a a ação da polícia e facilita. — Ayrton Senna Gazel para o emtempo

“Agora é CDN. O coroado é CDN”, gritam eles. Os bandidos ainda aparecem ameaçando os jovens que estavam na quadra.

Um segundo vídeo, gravado no mesmo espaço, feito como “direito de resposta”, mostra membros da facção criminosa rival, Comando Vermelho, apagando as pichações e pintando a própria sigla no muro, também usando armas.

Graças as vitórias do Comando Vermelho sobre os crias dos Guardiões do Estado, vários deles foram para o Rio de Janeiro, onde se somaram aos crias do Complexo de Israel e do Terceiro Comando Puro atacando o CV em sua base.

Agora, com o enfraquecimento do CV carioca, os crias cearenses estão começando a buscar a independência. Nas penitenciárias de segurança máxima do Ceará já houve entrega de camisa de integrantes que se declararam “população”.

A neutralidade valeria também para as comunidades fortalezenses de : Curió, Alagadiço Novo, Lagoa Redonda, Guajerú, Coaçu e Paupina, todos na Grande Messejana, além de Moura Brasil e Itaoca; e para os municípios como Maranguape, Caucaia, Aracati, Crato, Sobral e Barreira. — BenditoJor

Morte na guerra: Primeiro Comando da Capital Vs Bonde dos 40

Para a imprensa é apenas mais um garoto morto, no entanto a morte de Alex está aí para provar que a guerra entre o PCC e o B-40 está apenas começando.

Alex de Oliveira Souza morreu e a imprensa só tratou ele como mais um moleque sem importância.

Não é assim e não é só isso.

Ficam de brincadeira, pegando a foto do moleque morto colocando para ganhar audiência, sem respeito.

Esses que pagam pau para os políticos e para a polícia tem que lavar a boca para falar de quem está na rua garantindo a sobrevivência da sua família.

Colocaram a foto do moleque morto, mas nem foram procurar saber quem ele era — todos os sites repetiram a mesma história que nem papagaios treinados.

Se perguntassem descobririam que ele era mais um moleque que não queria viver de joelhos.

Se perguntassem ficariam sabendo que ele queria ser espelho para os garotos do Bosque Sul de Teresina.

Ele era mais um que não queria mais sentir na pele esse maldito preconceito que cada moleque sofre quando está no trampo ou quando anda nas ruas do centro ou do shopping.

Era disso que ele falava: do progresso dele e da família, de ficar com os irmãos, e de correr pelo lado certo, mesmo que pelo lado errado da vida.

Mas chegaram na covardia e mataram Alex, o R2, que nunca desonrou a camisa que vestia — mas quem fez chorar vai chorar.

Corre a informação nas redes sociais que a facção paulista está dando uma gratificação de 1.500 Reais para quem der informação sobre os assassinos — já receberam um vídeo com os caras fugindo, mas ainda não deu para identificar.

Não é assim e não é só isso.

A imprensa fica de brincadeira dizendo que é só mais um moleque perdido que morreu, mas não é só isso, é uma guerra — e ninguém sabe quem vai morrer em uma guerra.

Está tudo nublado e ninguém tem ideia do que está acontecendo, nem mesmo quem está lá fora, mas eu posso te dizer que o tempo está fechado e a tempestade promete ser forte.

A guerra entre o Primeiro Comando da Capital e o Bonde dos 40 está aí, e a morte de R2 não vai deixar ninguém esquecer:

Morto dentro da casa, na frente da família, com 20 tiros, e tendo sua foto caído no chão publicada para todos verem — nem procuraram a foto dele quando vivo.

Só falo o que tem que ser dito.

Posso te dizer que não é a primeira guerra que as crias do 15 encaram, mas não sei te dizer se vão receber reforço dos irmãos de São Paulo — antes era tudo mais organizado.

A imprensa fala como se nada significasse a pilha de corpos empilhados nas periferias, e não diz o que tem que ser dito: “vejam os podres frutos da nossa política da guerra às drogas”.

A política e a polícia pregam uma moral que não tem, escondem que perderam o controle, e encobrem sua incompetência arranjando alguns corpos para mostrar para a imprensa como troféu de caça — começa com um aqui e outro lá, e não acaba nem quando são 27, 28, 29… nem se sabe quantos, como foi no Jacarezinho.

Só falo o que tem que ser dito: não é assim e não é só isso.

secretário Estadual de Segurança Pública, Rubens Pereira

Sociólogos alertam que o melhor momento para se combater as causas sociais e criar estruturas para o combate aos grupos organizados entre os narcotraficantes é quando estes estão pacificados por acordos internos.

O Piauí repete o que aconteceu em vários outros estados, não faz a lição de casa enquanto o ambiente está pacificado para depois, quando a prevista disputa entre os grupos retorna, pedirem medidas mais duras na repressão.

É o caso do do secretário Estadual de Segurança Pública do Piauí, Rubens Pereira, que com o fim do acordo que existia entre o PCC e o Bonde dos 40 B-40, pede uma vara especial para julgar casos que envolvam organizações criminosas. — Cidade Verde

Fica a lição: o mesmo acontecerá em São Paulo, onde a hegemonia do Primeiro Comando da Capital mantém o índice de homicídios em torno de 6,38 para cada mil habitantes (a mesma que a Argentina 6,53 e próximo a média mundial 6,2).

%d blogueiros gostam disto: