Facções criminosas controlam o comércio na fronteira da Bolívia?

A vida só é simples para quem não conhece a realidade. A vida só é simples para aqueles poucos que podem viver no país onde o que está escrito no papel é o que vale — e o pior, são esses poucos que decidem o futuro de todos dando suas opiniões em seus palácios de sonhos e ilusões.

Maria Eugênia não era uma dessas pessoas privilegiadas. Ela ajudava a mãe que tem um comércio em Cobija departamento de Pando, na província de Nicolás Suárez na Bolívia.

Seu trabalho naquela manhã era ir ao Mercado Municipal que fica a menos de 10 quilómetros para trocar na Zona Franca dos produtos provenientes de Antofagasta por outros brasileiros para abastecer a loja de sua mãe.

O mercado fica na cidade ao lado, em Epitaciolândia no estado do Acre e ela foi morta assim que desceu do carro e teve sua bolsa roubada, no entanto, nem a policia acredita que foi assalto.

A região faz parte do mundo real, onde o que está escrito nas leis não é levado muito a sério… mais ou menos como no Ministério da Saúde do governo Bolsonaro… e ter negócios com lado errado da guerra entre o Primeiro Comando da Capital e seu aliado o Bonde dos 13 (B-13) ou do lado Comando Vermelho pode custar a vida. — fonte: El dia

últimas notícias Primer Comando de la Capital na Bolívia

Autor: Wagner Rizzi

O problema do mundo online, porém, é que aqui, assim como ninguém sabe que você é um cachorro, não dá para sacar se a pessoa do outro lado é do PCC. Na rede, quase nada do que parece, é. Uma senhorinha indefesa pode ser combatente de scammers; seu fã no Facebook pode ser um robô; e, como é o caso da página em questão, um aparente editor de site de facção pode se tratar de Rícard Wagner Rizzi... (site motherboard.vice.com)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: