A carta que derrubou um esquema internacional da facção PCC

Uma folha de papel pode pesar muito: pode ser uma sentença de morte ou uma ordem para auxiliar uma família.

Em fevereiro de 1998, por menos de 1 Real foi enviada de uma agencia do Correio de Campo Grande uma carta com informações de como funcionava o esquema montado pelo Primeiro Comando da Capital no Mato Grosso do Sul.

A denúncia incluía nomes e telefones de integrantes em Ponta Porã, Amambai, Coronel Sapucaia e Antônio João. A carta caiu como uma bomba no colo da Polícia Federal que nunca mais foi a a mesma depois que recebeu aquelas informações.

A teia envolveu nomes de 33 pessoas e empresas, entre elas o “Cabeça Branca”, como é conhecido Luiz Carlos Rocha, um líder articulador de negócios internacionais.

A investigação se ampliou para12 municípios do Brasil e do Paraguai, desbaratando o complexo mecanismo de lavagem internacional de dinheiro montado por Fernandinho Beira-Mar do Comando Vermelho.

Nem os carros blindados do Rei da Fronteira Fahd Jamil impediram-no de ser envolvido por aquela carta. — Marta Ferreira para o MS News

Autor: Wagner Rizzi

O problema do mundo online, porém, é que aqui, assim como ninguém sabe que você é um cachorro, não dá para sacar se a pessoa do outro lado é do PCC. Na rede, quase nada do que parece, é. Uma senhorinha indefesa pode ser combatente de scammers; seu fã no Facebook pode ser um robô; e, como é o caso da página em questão, um aparente editor de site de facção pode se tratar de Rícard Wagner Rizzi... (site motherboard.vice.com)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: