Praça da Matriz, imprensa e polícia.

O tempo é o Senhor da razão, hoje vemos a praça de guerra que se tornou a área central da cidade de Itu. Todos os periódicos de nossa região ressaltam as pichações e arruaças que ocorrem por lá. Mas o quanto estes mesmos veículos são a causa do problema?

Jornal Periscópio publicou em sua primeira página o que teria sido um covarde ato de agressão por parte de integrantes Guarda Municipal e da Polícia Militar a um cidadão. Incidente ocorrido na Praça Padre Miguel, na madrugada do dia 8 de junho de 2010.

Segundo declarou a família de Gilberto de Farias, o vendedor teria ido a uma festa por volta das 23 horas e quando retornava a sua residência optou por dormir naquela praça. Instado por um policial militar a deixar o local, se recusou a sair e pronto, confusão armada.

A GCMI e a PM abriram inquéritos para averiguar o ocorrido, mas o tempo fez o seu trabalho e provou de que lado a razão estava. As duas corporações continuaram sim atuando no centro, mas para não serem vítimas novamente da imprensa, suavizaram as ações.
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A imprensa deve sim fiscalizar os excessos, mas neste caso expecífico, a razão real de tal destaque foi proteger a sociedade ou vender mais jornais? Valeu a pena?

A polícia civil abriu inquérito para investigar o caso do possível espancamento e o Ministério Público acompanhou o processo interesse, mas ninguém foi punido, justamente por não ter havido excesso.

Apenas a sociedade saiu perdendo com esta manchete. O que ocorre hoje na Praça da Matriz e na Praça do Carmo são exemplos disso. Os agentes de segurança são destratados e viaturas por vezes são apedrejadas por pessoas que sabem estarem protegidos pela imprensa.

Tal a desfaçatez desses cidadãos que não só assumem publicamente sua atitude como pediram para o repórter Reginaldo Carlota que os fotografasse e publicasse. É assim… novos valores para uma nova sociedade, onde mais vale o meliante que um policial. (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Autor: Wagner Rizzi

O problema do mundo online, porém, é que aqui, assim como ninguém sabe que você é um cachorro, não dá para sacar se a pessoa do outro lado é do PCC. Na rede, quase nada do que parece, é. Uma senhorinha indefesa pode ser combatente de scammers; seu fã no Facebook pode ser um robô; e, como é o caso da página em questão, um aparente editor de site de facção pode se tratar de Rícard Wagner Rizzi... (site motherboard.vice.com)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: