ÚLTIMAS NOTÍCIAS — PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL

12 de agosto de 2021

Não se tem notícias de que Gutierrez tinha ligação com o crime. O que se sabe é que ele estava vendendo frutas na barraca do pai no setor Céu Azul em Araguaína no Tocantins quando dois caras em uma moto preta parou ao seu lado e o matou a tiros enquanto um gritava:

Aqui é o PCC! Aqui é o 3!

fonte: Márcia Costa para o AF Notícias 

Tem estados que são zica. Rio de Janeiro talvez seja o pior, mas o Rio Grande do Sul também não é para amadores.

Primeiro Comando da Capital preferiu entrar no sapatinho no estado depois que viu muitos dos seus integrantes morrem por lá.

Hoje a estratégia principal da facção paulista é fazer coligações com os criminosos locais — o grupo Anti Bala é uma dessas parcerias.

Nego Léo, como é conhecido Leonardo de Souza, foi preso em Pedro Juan Caballero de onde comandava as ações da facção gaúcha em nome do líder do grupo, Nego Jackson, que já estava preso juntamente com toda a cúpula do grupo.

Só Nego Léo não tinha perdido a liberdade… agora nem ele. — fonte: UOL Notícias

11 de agosto de 2021

A polícia até que desconfiava que Zorro ou Tuerto, como é conhecido Diogo de la Vega era integrante de um grupo criminoso, mas a forma como ela descobriu que ele, não só era integrante mas no Uruguai era o “Geral do País” da organização criminosa Primeiro Comando da Capital, chegou por uma cena de violência familiar.

Zorro, queira que seu filho aproveitasse a oportunidade do tráfico na fronteira: “Rivera é uma terra fértil ou uma mina de ouro” já que a cidade fica na divisa de Santana do Livramento no Rio Grande do Sul.

O vídeo do espancamento do filho de Zorro por ordem dele foi encontrado no celular de uma mulher apreendido durante a Operação Génere da Brigada Antidrogas da Raviera e abriu um novo leque de investigações.

Graças ao vídeo, Zorro teve 18 meses acrescidos a pena que já estava cumprindo por ter confirmada sua vinculação ao grupo criminoso.— fonte: Guillermo Lorenzo para o El País

9 de agosto de 2021

Em seu blog latinamericando.info, Francesco Guerra analisa as causas da onda de violência que está varrendo a área de fronteira entre Brasil e Paraguai das cidades de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, e de cidade de Pedro Juan Caballero, no departamento de Amambaí.

As vítimas são todas muito jovens com menos de 25 anos, algumas sem ficha criminal, e todas tendo sido mortas a sangue frio, e em pelo menos dois casos tendo sido torturadas sadicamente, depois mutiladas e finalmente mortas.

Outra coisa comum nessas mortes são bilhetes deixados, ora em português, ora em espanhol, direcionados a outros alvos possíveis, explicando, em parte, os motivos dos assassinatos.

Seria uma  guerra entre facções ou, como parece mais provável, o trabalho de um novo esquadrão da morte.

O artigo escrito em italiano descreve a ação dos Justiceiros da Fronteira e demonstra a falta de consistência das acusações que o Primeiro Comando da Capital estaria envolvido com os assassinatos cometidos por eles. — leia o artigo de Fancesco Guerra no latinamericando.info

O delegado geral Luccy Keiko do Piauí descobriu o que ninguém sabia: a maioria dos que estão morrendo por morte violenta na guerra entre as facções criminosas estado são… criminosos envolvidos em facções criminosas.

Para evitar que fossem mortas, resolveu colocá-las atrás das grades e deflagrou a Operação Contraordem III, afinal, se os criminosos ligados as facções estão sendo mortos nas ruas, talvez a melhor forma de protegê-los é colocando-as atrás dos muros dos presídios — deve ter sido esta a conclusão do delegado.

Foram emitidos pela Justiça vinte e quatro mandados de prisão no Piauí e no Mato Grosso do Sul contra integrantes da facção PCC, sendo que sete já estavam presos, restando capturar catorze.

Saíram a caça e voltaram com seis, e os outros oito, quem sabe, vão aparecendo aos poucos — essa é a nossa polícia. Após fazerem buscas em Teresina, Floriano, Castelo do Piauí e Campo Grande, no Mato Grosso do Sul e não localizarem os integrantes do PCC, a polícia publica o nome e as fotos dos sete procurados: Kelson Ferreira de Freitas, Gabriel Mateus das Neves Pereira, Davi de Sousa, Lindomar Antônio Barbosa, Lucas Raynam Morais Ramos, Victor Jorge da Silva Bisauchet e Gabriel da Silva Costa. — fonte: Geyson Morais para o GP1

É delegado, já deve estar sentido saudades dos tempos em que imperava no Piauí a paz imposta pelo Primeiro Comando da Capital: sem mortes nos noticiários e com a taxa de de homicídios caindo e afirmando que o estado estava mais seguro graças ao seu bom trabalho. Bons tempos, né não? — fonte: São Miguel Agora

O tiro foi disparado em 8 de abril de 2018 por ordem do disciplina do Primeiro Comando da Capital em Capão Bonito em São Paulo, atingiu as costas de Adriano, que o deixou hospitalizado por 307 dias até sua morte por pneumonia.

Alan era um dos cinco rapazes que atacaram Adriano e agora foi julgado pelo Tribunal do Júri, só que…

Um dos seus colegas, sendo menor de idade, não foi a julgamento e os outros três, maiores de idade, foram condenados a penas que variaram de 12 a 15 anos de prisão, só que no caso de Alan a coisa ficou meio indefinida.

Os argumentos da defesa sensibilizaram os jurados que votaram pela confirmação que ele participou do crime, mas que deveria ser perdoado.

Só que o juiz acolheu o pedido do Promotor Público e mandou que os jurados votassem novamente e o resultado mudou.

Na segunda votação ele foi condenado e o juiz para confirmar fez uma terceira votação no qual ele foi condenado novamente. Pode isso, Arnaldo?

Os advogados dizem que não e irão recorrer dessa virada no tapetão. — aconteceuemitu.org

Essa história aconteceu em 2019.

Quatro homens seguiram em um carro roubado em uma missão: encontrar e matar Elias no setor Costa Esmeralda em Araguaína no Tocantins.

Elias era do Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital estava limpando os vermelhos do território, e foi pego de surpresa andando por uma rua.

Disparos são dados. Elias corre e mesmo baleado se abriga em uma casa.

Amaurir, João Vítor, Ricardo e Lucas não vão atrás para conferir, aceleram deixando o bairro, mas por azar, quando caem na pista trombam com uma patrulha da Força Tática.

Perseguição. Perdem a direção e batem na parede de uma igreja.

João Vítor não consegue fugir e é preso na hora, os outros caem depois na investigação, e nessa segunda-feira foram todos condenados com penas entre 15 e 17 anos de prisão.

Elias, o CV, sobreviveu ao ataque. — fonte: AF Notícias

Agora se sabe, a chacina do Boqueirão das Araras em Caucaia no Ceará no qual cinco homens foram mortos e duas mulheres ficaram feridas foi um ataque tomar o controle de pontos de drogas.

Domingos Costa Miranda, líder de uma facção, teria planejou e executou o ataque com outros cinco criminosos para assumir o controle do grupo criminoso após a prisão do antigo líder, dos quais os mortos seriam seus aliados fiéis.

Após a prisão, Miranda afirmou que os mortos seriam, na verdade, ex-integrantes da facção que ele lidera e mudaram de camisa, passando a ameaçar a vida de seus crias.

Miranda já estava sendo investigado por estar disputando as biqueiras de São Miguel I, São Miguel II e Beco do Fumaça, na periferia de Caucaia. — fonte: Luciano Cesário para O Povo

8 de agosto de 2021

Os PCCs denominados “Piratas da Fronteira” usam uniforme. É. Uniforme da Polícia Federal.

O líder é um cabra conhecido como Peu e ataca contrabandistas, traficantes e compristas em um esquema bem organizado — quando param um veículo já sabem de quem é o que tem.

A polícia acreditou ter desmontado a quadrilha quando prendeu seu principal receptador que distribuía o butim no Paraná e São Paulo, mas não.

Os criminosos que pertencem ao Primeiro Comando da Capital atacam até criminosos que não são ligados ao seu núcleo e continuam atuando firmes e fortes próximo a fronteira no Mato Grosso do Sul.

As garotas mortas no Parque Aliança em Timon no Maranhão em março eram do Primeiro Comando da Capital e foram mortas por integrantes do Bonde dos 40 (B-40). Maria Eduarda e Joyce Ellen tinham 17 e 15 anos e foram filmadas na cova fazendo o sinal do 4 antes de serem mortas.

7 de agosto de 2021

Tribunal de Justiça de São Paulo nega que presos tenham o direito de cantarem o Hino do Primeiro Comando da Capital e, aqueles que o fazem, podem ser punidos com a perda de 1/3 dos dias remidos até a data da infração.

Wandeson e outros presos, durante o procedimento de entrada de visitantes entoavam o hino da facção PCC 1533, e a direção deu ordens para que os funcionários retirassem os internos do pátio e enviando-os ao Regime Diferenciado de Cela RDC, mas Wanderson e seus colegas resistiram:

Daqui ninguém nos tira, aqui é o Primeiro Comando da Capital, se mexer com nós, vamos matar esses vermes, PCC 1533, esse é nosso grito de guerra.

O TJ-SP considerou que ao cantar o hino os presos exaltavam a facção criminosa, fazendo “apologia ao crime, divinizando seus membros e mandamentos e, com isso, a fortalecendo, em atitude deveras perniciosa à sociedade”. — fonte: TJ-SP

A organização criminosa Primeiro Comando da Capital continua utilizando Moçambique como entreposto para distribuição de seus produtos para quatro continentes: América do Norte, Europa, Oceania e a própria África.

Segundo Nicholas Norbrook editor chefe do Africa Reporta corrupção no governo de Felipe Nyusi impede o combate aos grupos criminosos com influência em sua administração.

A prisão de Fuminho por ação do DEA americano não desmontou o esquema da facção PCC no país — em janeiro de 2021, cinco homens foram presos quando cobravam o pagamento de drogas vindas do Brasil e revendidas na África do Sul no valor de quase 300 mil Dólares.

Pessoas morrendo à rodo. Chacinas acontecem sobre nosso olhar bovino enquanto continuamos mastigando calmamente nosso pasto. Qual a razão da nossa indiferença? Qual a razão da existência desse fenômeno em nosso país?

O sociólogo Eduardo Armando Medina Dyna tenta responder essas questões em artigo no site observatório de segurança, no qual, além de analisar seus motivos, efeitos e relações, busca encontrar o impacto que o emprego da chacina como método tem sobre a Segurança Pública no Brasil.

A chacina como método de controle

O pesquisador lembra vários eventos, entre eles três envolvendo a organização criminosa Primeiro Comando da Capital:

2002 – Chacina da Castelinho

A operação Castelinho em 2002 foi outro exemplo da letalidade da PM que proporcionou mais uma chacina em São Paulo. Em uma emboscada, policiais civis deixaram veículos no meio da rodovia estadual e cercaram 12 homens suspeitos de serem da facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC), que estavam viajando em veículos. Esses indivíduos foram assassinados sem confronto direto, gerando críticas dos grupos dos direitos humanos e da oposição pela forma de atuação dessa operação.

2012 – Chacina de Várzea Paulista

A chacina em Várzea Paulista, cidade da região metropolitana de São Paulo, foi um massacre promovido pela tropa de elite da polícia militar de São Paulo, a Ronda Ostensivas Tobias de Aguiar (ROTA), por causa de um suposto conflito entre os policiais e criminosos ligados a facção paulista, o PCC (G1, 2012). Nesse confronto, 9 indivíduos foram mortos (todos tidos como criminosos), o que acarretou muitas críticas das organizações dos direitos humanos pela forma da ação do trabalho policial, em razão de ter apenas uma única narrativa proposta pela ROTA sobre o ocorrido, algo diferente dos elogios recebidos pelos setores conservadores e do poder do Estado de São Paulo.

2017 e 2018 – Chacinas das Guerras entre Facções

As chacinas nas prisões no norte e nordeste em 2017 e 2018 inauguraram uma nova fase dos desdobramentos das organizações dos presos. Por causa da guerra entre facções como o PCC, Comando Vermelho (CV), Família do Norte (FDN), Sindicato do Crime (SIN-RN) entre outras, foi cometido um banho de sangue com dezenas de mortos e decapitados nas prisões do AmazonasAcreRio Grande do Norte, chocando a opinião pública pelos suplícios, a espetacularização das mortes e do evento.

O estopim para essa guerra foi o fim da união entre o PCC e o CV por conta do controle de drogas na fronteira entre o Brasil e o Paraguai em 2016. Assim, nos primeiros dias de 2017 e posteriormente em 2018, houve uma reorganização nas cadeias direcionada às facções, separando presos que eram membros ou simpatizantes dessas organizações, o que culminou com rebeliões a fim de invadir os pavilhões opostos nos quais se encontrariam os inimigos de outros comandos.

Para ler a análise completa acesse ao site do Observatório de Segurança, artigo: Da violência aos massacres: reflexões sobre o fenômeno das chacinas no Brasil.

6 de agosto de 2021

Há alguns anos, fui chamado a Delegacia de Polícia para dar explicações sobre esse site. Em determinado momento fui inquirido sobre qual seria a solução problema carcerário, ao que eu respondi que “essa é uma questão complexa, que exige uma solução complexa e interdisciplinar, se fosse algo muito simples, era só perguntar para o presidente Bolsonaro”continue lendo

Levi Adriani e Candonga, como é conhecido Marcio Gayoso, tinham seu negócio de venda de drogas em Pedro Juan Caballero, e atendendo tanto o Primeiro Comando da Capital quanto o Comando Vermelho.

Segundo o Ministério Público do Paraguai, Levi comandava e Candonga providenciava para que suas ordens fossem cumpridas desde as plantações até os postos de distribuição.

Na audiência no MP ambos entraram quietos e saíram calados. — fonte: MP-PY

Integrante do Primeiro Comando da Capital da região de Sorocaba no interior de São Paulo foi morto em confronto com a polícia no povoado do Trapuca, no município de Tucano na Bahia quando resistiu a abordagem policial.

Policiais do DEIC paulista estavam no seu encalço e contaram com o apoio das polícias locais para a abordagem. Na Ranger XLT foram localizados  uma pistola com carregador e 10 munições de calibres 9mm, sendo 6 intactas e 4 deflagradas; um “tijolo” de maconha; um saco preto contendo com maconha; e cem envelopes com a figura do “pica-pau” desenhados, contendo cocaína.

Segundo a equipe paulista, além de drogas, o homem era um dos líderes da facção estava indo para a Bahia para coordenar um ataque a caixa eletrônicos. — Polícia é Viola para o Folha do Estado

“Comunicado” que corre nas redes sociais da cidade de São Benedito no Ceará atribuída ao sintonia do PCC na cidade

DATA 06/08/2021

A TODOS OS CIDADÃOS  DA CIDADE  DE SÃO BENEDITO  NÓS DO PRIMERO COMANDO DA CAPITAL (PCC) DEIXAMOS UMA BOA TARDE É UM FORTE ABRAÇO. QUE  DEUS ABENÇOE CADA UM DE VOCÊS QUE MORAM NA NOSSA CIDADE. 

Quero agradecer a todos pelo apoio que vocês estão dando a nós em toda cidade. Quero falar pra vocês que estamos na cidade para proteger vocês como prometido, então vocês não precisam ficar com medo desses lixos do chamado Guardiões do Estado GDE que estão vendo que já perderam a cidade pra nós.

É que a população  da cidade não quer mais esses lixo na cidade, e estão fazendo fake ameaçando os moradores, cidadãos  da nossa cidade.

Vocês não precisam temer, porque nós do Primeiro Comando da Capital estamos com vocês cidadãos, e esses lixos da GDE aí não assustam ninguém.

Vocês querem ser tão brabo entra no Ipiranga ou na cachoeira ou no Abc ou no Chora ou no mirandinha, seus comédias. Nós já estamos na toca e no Morro e também fomos bem recebido pelos moradores da toca, que deram um apoio para nós, porque vocês que vivem oprimindo os moradores.

Tá ficando meio complicado pra vocês e esses comédias que ficam lá fora do Ipiranga, tirando fotos pra dizer que tá dentro das nossas quebradas é mais comédia que os outros, porque todo mundo sabe que vocês não entram lá.   

Vocês que gostam de ficar decretando os outros, saibam que o  decreto de vocês não vão servir pra nada, então podem ficar nos fake de vocês tentando fazer medo a nos.

Só estão perdendo tempo, enquanto isso nós estamos na luta — esses lixos da GDE estão roubando os moradores da cidade e a população que trabalha todo dia pra sustentar a família.

Esse lixo ainda vem querer tirar o pouco que os trabalhadores tem. Eu peço a cada um dos moradores que se sentem oprimidos por esses lixos da GDE que procurem a gente do Primeiro Comando da Capital PCC que nós vamos proteger vocês também.

Estamos em toda cidade e estamos a disposição de vocês moradores.

Os grupos social e economicamente vulneráveis costumam conviver com a instabilidade e a expectativa de que, a qualquer momento, um tiroteio ou uma abordagem policial violenta pode romper sua suposta tranquilidade, ceifando suas vidas. Por isso, termos como “terrorismo de Estado”“violência de Estado”, “brutalidade de Estado”“genocídio” e “violência política” foram mobilizados pelos nossos informantes para caracterizar as violações cometidas reiteradamente por atores públicos contra pessoas empobrecidas.

Nesta mesma lógica, ganhou destaque nas narrativas dos/as entrevistados/as a ação de grupos criminais em espaços de periferia. No caso paulista, por exemplo, se sobressaiu a ação da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) nas áreas de periferia. O grupo impõe um conjunto de valores e regras de ordem moral às populações marginais. E esse código de comportamentos se relaciona aos debates, conhecidos pela imprensa como “tribunais do crime”, cujo objetivo final é o julgamento extralegal de pessoas acusadas de transgredir as normas do grupo. Ou seja, esta forma de administração de conflitos, inaugurada inicialmente entre os presos para regular as condutas no cárcere, ganhou legitimidade em parcelas pobres da população que passaram a acionar o PCC para resolver rixas interpessoais, evitando uma solução por via letal. E, mais ainda, evitando recorrer ao Estado para a solução de seus problemas.

No site Justificando, leia o artigo completo das pesquisadoras de Segurança Pública da UFMG Maria Gorete Marques de Jesus, Giane Silvestre e Thais Lemos Duarte

A esposa de um líder do Primeiro Comando da Capital preso no Maranhão. A policia já tinha a informação que um grande carregamento de drogas chegaria a Araguaína em Tocantins.

Quando confirmaram que seria na Vila Azul, não demoraram encontra a casa. A cunhada e os dois homens que seriam os responsáveis pela distribuição nas biqueiras foram presos com os 100 quilos de maconha e 2 quilos de cocaína. — AF Notícias

Nada de planos complexos para tirar todos da tranca, os três integrantes do Primeiro Comando da Capital pensaram em algo simples para fugir da penitenciária de Pedro Juan Caballero no Paraguai.

Os dois agentes penitenciário que já haviam facilitado a fuga de outros presos iriam ajudar, coisa simples: cortar a grade, um pequeno buraco para chegar no pátio, uma “tereza” (lençóis amarrados para pular o muro) e no carro esperando para a fuga havia um gancho de metal envolto em tecido, mochila com uma corda trançada com cerca de oito metros de comprimento, celular e alicate,

Tudo certo,  só que não. Foram descobertos antes de saltar o muro. — fonte: Thatiana Melo para o MidiaMax

Os três presos envolvidos na tentativa de fuga foram transferidos: os paraguaios Mário Saul, Denis Joel Martinez e Andres Francisco foram levados para a Penitenciária Regional de Concepción. — fonte: Dourados News

A Ministra da Justiça lembra que apesar um dos Guardas Penitenciários fora demitido do serviço público por facilitação de fuga, e voltou a trabalhar no mesmo presídio como agentes penitenciário por uma empresa particular e que um deles confessou que os presos pagaram 50 mil Dólares pela facilitação na fuga. — fonte: La Union R800 AM

O político do Paraguai Carlos Rubén Sánches Garcete, conhecido como Chicharõ, foi morto em sua fortaleza em Predro Juan Caballero. Dez homens invadiram seu bunker sob o pretexto de serem agentes do SENAD (Secretaria Nacional Antidrogas) e o executaram em seu quarto.

Alguns órgãos de imprensa afirmaram que o Primeiro Comando da Capital estaria por trás de sua morte, já que ele corria com o Comando Vermelho, no entanto, a polícia acredita que ele se desentendeu com seu ex-sócio nos negócios com o CV Fernandinho Beira-Mar. — fonte: Hélio Freitas para Campo Grande News

A guerra em Tangará da Serra no Mato Grosso continua:

Há dois meses um integrante da facção PCC foi encontrado amarrado na zona rural perto da rodovia MT-358, e mesmo tento levado três tiros na cabeça e recebido pauladas por todo o corpo, sobreviveu e disse que tomou um ‘salve’ de cinco crias do Comando Vermelho. 

No mês passado foi a vez de Pablo do Comando Vermelho, teve sua casa na Vila Horizonte invadida de madrugada por dois supostos integrantes do PCC de capacete e foi morto em seu quarto.

Dessa vez foi de José Claudeson do PCC que foi surpreendido por CVs enquanto estava trabalhando em uma obra com o pai na Vila Alta. Ele foi decapitado na frente do pai e sua cabeça foi levada em uma mochila pelos assassinos. — fonte: Barbará Sá para o RD News

5 de agosto de 2021

Dois policiais e um segurança particular foram emboscados e mortos em San Alfredo no departamento de Concepción no Paraguai. Inicialmente atribuiu-se o ataque ao Primeiro Comando da Capital, mas as investigações estão apontando que a autoria é de um grupo paraguaio denominado Agrupación Campesina Armada- Ejército del Pueblo (ACA-EP) ou Grupo Camponês Armado – Exército Popular.

Independente de onde tenha partido o tiro, o fortalecimento da Fuerza de Tarea Conjunta de Paraguay (FTC), prometida na reação governamental, impactará as três organizações que agem no norte do país: a própria ACA-EP, o Ejército del Pueblo Paraguayo (EPP) e seu aliado brasileiro Primeiro Comando da Capital. — telam.com.ar

Algo que chama a atenção nesse caso é que a cidade contava apenas com aquela viatura e equipe para guardar a população e controlar em torno de 300 caminhões que passam por suas estradas, e naquele momento estava fazendo escolta de um veículo com segurança particular. — hoy.com.py

A vida só é simples para quem não conhece a realidade. A vida só é simples para aqueles poucos que podem viver no país onde o que está escrito no papel é o que vale — e o pior, são esses poucos que decidem o futuro de todos dando suas opiniões em seus palácios de sonhos e ilusões,

Maria Eugênia não era uma dessas pessoas privilegiadas. Ela ajudava a mãe que tem um comércio em Cobija departamento de Pando, na província de Nicolás Suárez na Bolívia.

Seu trabalho naquela manhã era ir ao Mercado Municipal que fica a menos de 10 quilómetros para trocar na Zona Franca dos produtos provenientes de Antofagasta por outros brasileiros para abastecer a loja de sua mãe.

O mercado fica na cidade ao lado, em Epitaciolândia no estado do Acre e ela foi morta assim que desceu do carro e teve sua bolsa roubada, no entanto, nem a policia acredita que foi assalto.

A região faz parte do mundo real, onde o que está escrito nas leis não é levado muito a sério… mais ou menos como no Ministério da Saúde do governo Bolsonaro… e ter negócios com lado errado da guerra entre o Primeiro Comando da Capital e seu aliado o Bonde dos 13 (B-13) ou do lado Comando Vermelho pode custar a vida. — fonte: El dia

Começou o julgamento de uma célula de integrantes do Primeiro Comando da Capital no Paraguai que fazia uma ponte aérea permanente e mensalmente fazia aproximadamente 20 voos que rendiam a equipe cerca de 18,3 milhões de Reais.

Paulo Vicente era o piloto, Carlos Antônio era o operador logístico e também participavam do esquema Javier Alexis e Rafael, deixavam as drogas em uma pista clandestina localizada a cerca de 20 quilômetros ao sul do distrito de Bella Vista Norte, no departamento de Amambay, a 2 quilômetros da fronteira com o Mato Grosso do Sul — quando foram presos, com eles estavam meia tonelada de cocaína. — ministeriopublico.gov.py

Em abril de 2017 o policial federal penal Charlie Gama foi morto em Mossoró no Rio Grande do Norte. Passados quatro anos é preso executor que estava em Curitiba no Paraná — a Operação Ebenézer envolveu policiais federais dos dois estados e do Distrito Federal.

Charlie não foi morto no improviso com dois caras chegando em uma moto. Foi tudo planejado pelo Primeiro Comando da Capital, que até infiltrou uma empregada na casa dele para passar as informações. — fonte: site R7

Há 20 anos, em novembro de 2001, o Primeiro Comando da Capital planejou e executou a sua maior fuga: 108 escapam na maior fuga do Carandiru.

Fora do Brasil, na maior fuga, 75 se evadiram em janeiro de 2020 da Penitenciária de Pedro Juan Caballero.

A meta era bater o recorde nessas  Olimpíadas: seriam em uma única fuga 130 integrantes da facção que estavam presos do Centro de Rehabilitación Social (Cereso) na cidade de Encarnación, no departamento de Itapú no Paraguai.

Mas não foi dessa vez: duas semanas antes, os agentes já tinham recebido a informação de sua existência, mas não estavam conseguindo localizá-lo — uma infiltração e rachaduras acabaram por denunciar o local.

O túnel tinha 3 metros de diâmetro para possibilitar uma fuga rápida para as montanhas próximas.

Fim do túnel e presos ficaram no pátio. Quem veio a público para dar explicações foi ninguém menos que a Ministra da Justiça do Paraguai Cecilia Pérez. — La Nación

Segundo Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo, não será na Cracolândia que você encontrará crack para comprar. Então tá.

Felipe Resk e Marianna Gualter contam com detalhes como funciona e quanto rende o esquema do Primeiro Comando da Capital nas ruas do centro velho de São Paulo que rende mais de 550 mil de Reais por dia, em 30 barracas que rendem para seus donos 5 ou 6 mil reais por dia.

O abastecimento das barracas é feito aos picados por aviões que buscam no estoque que fica nos hotéis e ocupações no entorno e fazem também ao picado a recolha do dinheiro.

Juntamente com a feira das drogas funciona a feira da muamba, onde se vende de tudo, mas principalmente produtos furtados como celulares, bicicletas, roupas, fios de cobre e documentos para usar em golpes.

As casas de apoio montadas pelo Primeiro Comando da Capital são imóveis comerciais ficam em regiões administrativas e servem como bases onde o PCC armazenaria drogas e armas e hospedaria temporariamente integrantes vindos de outras localidades para visitar presos nas penitenciárias federais do Distrito federal.

Operação Guardião da Polícia Civil do Distrito Federal contou com 120 policiais e cumpriu 5 mandados de busca e 8 de prisão. Além dos locais visitados, os agentes acreditam haver outros e entorno dessas casas atuariam aproximadamente 30 integrantes do PCC que estariam criando uma estrutura permanente na cidade. — fonte: Alex Rodrigues para AgênciaBrasil

Com a prisão de Paulo Diego, o Dino, em São Paulo e Lucas, o Brutus, em Aquiraz, ficaram vagas suas posições dentro do esquema montado pelo Primeiro Comando da Capital em Fortaleza.

Dino, era o responsável pela aquisição das drogas em São Paulo e a distribuição na região fortalense e Brutus das biqueiras na Comunidade do Por do Sol, na Messejana.

Essa semana, diversas ações policiais derrubaram as novas lideranças do PCC do Ceará:

  • Rossi, como é conhecido André Gomes, substituto de Dino caiu em Aquiraz e a contadora do grupo caiu em Boa Vista; e
  • Tuchê, como é conhecido o traficante Alexandre, substituto do seu irmão Brutus caiu no Por do Sol, levando com ele para tranca Bidão e Bruno. — fonte: Angélica Feitosa para O Povo

Após ficar vinte e um anos foragido da Justiça, Fuminho, como é conhecido Pedro Hiran Esteves Ornelas, compareceu a uma audiência virtual na 2ª Vara Criminal de Itapecerica da Serra em São Paulo.

Durante a audiência ele ouviu o depoimento do oficial da Polícia Militar que comandou a invasão do sítio e a descoberta de um sofisticado bunker do Primeiro Comando da Capital com elevador e motor hidráulico usado na elevação de uma tampa de concreto: 450 kg de cocaína, 8 kg de maconha e 24 armas, incluindo fuzis e metralhadoras. — Josmar Jozino para o UOL

4 de agosto de 2021

Anabel era uma garota que não tinha nenhum envolvimento com o crime, ao contrário de seu namorado o Mateo, e os jovens namorados foram mortos em uma choperia em Pedro Juan Caballero — outros garotos mortos, até para desmentir a ridícula versão do Secretário de Segurança Antônio Videira, não eram assaltantes, mas sim traficantes.

A população que aplaude e se excita em seus sofás assistindo às mortes pela tv ou em sua segurança pelos celulares e computadores está alimentando um monstro confiando que o mal não irá atingi-las.

Se a retaliação vier, como sempre será sobre as forças de seguranças, principalmente policiais civis e guardas civis municipais que estão na linha de frente e não aqueles que se trancam dentro das delegacias e por trás dos muros de suas residências e comércios. — continue lendo…

29 de julho de 2021

Meus irmãos, aí um abraço, boa noite para todos da parte do André Júnior, tamô junto meus irmãos?

Bom meus irmãos, a caminhada é a seguinte.

Nós estamos reunindo para trocar um papo com vocês em relação a várias situações que vem acontecendo dentro dos estados, mas principalmente, estar conscientizando e estar tentando trazer uma imagem para vocês em relação a realidade que a gente vive hoje… — leia o documento completo

20 de julho de 2021

O caso de Vila Velha e Cariacica pode indicar que a política prisional do governo do estado do Espírito Santo do governador Renato Casagrande está perdendo o efeito de unir os grupos criminosos rivais?

Se assim for, haverá mais de mortes nas periferias ou as organizações criminosas estabelecerão novos e mais amplos acordos de paz e cooperação?

O governo está gestando uma nova geração de criminosos que correrão juntos, mesmo que divididos? — leia a matéria completa no site

9 de julho de 2021

Policiais Civis ficaram uma semana em campana em Jandira na Grande São Paulo para capturar Antony, um integrante do Primeiro Comando da Capital conhecido como Tio Patinhas.

Ele era o responsável pelo transporte das drogas que eram comercializadas na cidade de Iguatu no interior do Ceará, para onde agora ele deve ser mandado pela polícia paulista. — fonte: Plim Plim Cariri

Primeiro Comando da Capital está por trás da devastação que está em curso no Parque Municipal Fazenda da Juta em São Paulo. A área que deveria ser de preservação ambiental está se tornando uma favela cujos barracos são comercializados por integrantes da facção paulista.

Representantes de organizações sociais, políticos e educadores afirmam que a área verde está sendo desmatada sob as ordens da organização criminosa PCC.

Além de comandar o tráfico de armas e de drogas, os integrantes do PCC têm seguido a mesma cartilha dos milicianos do Rio de Janeiro. Para expandir seu domínio pela periferia paulistana, promovem grilagens de terra em territórios onde o poder público está ausente. — fonte: Dhiego Maia para a Folha de S. Paulo

O advogado João Manoel Armôa Júnior defensor de Talita, esposa do integrante do Primeiro Comando da Capital conhecido como Azul ou Colorido em São Vicente, que a não existe indícios da participação dela em qualquer ato criminoso ou envolvimento da facção:

O crime de Talita é o de ser mulher de suposta liderança do PCC. A rejeição da denúncia sinalizou que ela é inocente. Sem o contraditório e a ampla defesa, tudo o que o MP poderia produzir contra ela já foi exposto na sua acusação formal. Mas a minha cliente não participou de nada ilegal. Apenas foi citada em interceptações telefônicas, sem qualquer outro elemento de prova.

O juiz de primeira instância entendeu que não tinha nada de concreto contra Talita e que “ouve abuso no direito de acusar”, mas os desembargadores não tiveram o mesmo ponto de vista, e reverteram a decisão, deixando-a como ré no processo até ser inocentada ou condenada no final do processo. — Eduardo Veloso Fuccia para o Vade News

Quando os policiais federais souberam que na pequena São João do Piauí morreu o pai do Comilão, como é conhecido Fábio, um integrante do Primeiro Comando da Capital conhecido que estava é procurado desde 2013 por um mandado de prisão expedido em Limeira, no Estado de São Paulo e também é um dos investigados da Operação Gaiola de 2014 que investigou o envio de drogas através do porto de Santos para a Espanha. A Polícia Federa aproveitou o funeral de encarcerá-lo. — fonte: Laís Vitória para o Viagora

Ao que tudo indica, acabou em pizza o caso do piloto Edmur e seu comparsa Adevailson que forjaram um falso sequestro para levarem alguns homens para a fazenda na Bolívia do primo de Marcola, líder do Primeiro Comando da Capital.

Em junho de 2019 em Paranaíba no Mato Grosso do Sul e Renata Portela como contou ao MidiaMax:

Homens armados foram até a casa de Edmur, o renderam e foram ao hangar. Lá, renderam um servidor do aeroporto e levantaram voo em direção ao Paraguai. Depois, supostamente, Edmur teria sido obrigado a pilotar até a San Rafael na Bolívia e de lá escapou com o avião, pousando no Mato Grosso.

A juíza do caso disse que não tem prova alguma contra o funcionário do aeroporto; Adevailson foi condenado a 3 anos e 6 meses, mas como tem 80 anos não ficará preso; e o piloto Edmur foi condenado por comunicação falsa de crime, atentado contra a segurança de transporte aéreo e furto qualificado, o que soma 4 anos e 10 meses que na prática…

8 de julho de 2021

Leis não se definem apenas pelas instituições do direito. Em muitos contextos, valem as leis definidas de modo informal, em acordos e negociações cotidianas, por aqueles que de fato detém poder. Facções criminosas como o Primeiro Comando da Capital operam regimes de conduta bastante complexos, que regem não apenas os modos de agir de seus membros, mas se impõe sobre as comunidades sob controle do crime. 

Como essas leis ganham legitimidade e como regem a vida daqueles sob seu ordenamento? O sociólogo Gabriel Feltran (UFSCar) discute nessa edição o poder e influência da lei do crime. — ouça o áudio acima ou pelo site Diálogos Micila

8 de julho de 2021

Em 2016 um mega esquema de lavagem de dinheiro do Primeiro Comando da Capital foi descoberto no Paraguai.

Duas empresas foram criadas para tornar lícito os recursos da facção: Notle S. A y RSS S. A, com um capital de aproximadamente 150 milhões de Reais.

Está para quase caducar o processo contra o dono das empresas e agora um deles pediu um prazo maior, depois que seu advogado abandonou o processo. — pds.com.py

Bastou apenas um homem, Maurício Hernàndez Norambuena, o Comandante Ramiro, um chileno que chefiou a Frente Patriótica Manuel Rodrigues e que atualmente se encontra preso na Bolíviacair na mesma cela que Marcola durante a gestação do Primeiro Comando da Capital para mudar todo o conceito de crime organizado nas Américas ao ensinar o companheiro de cárcere táticas de guerrilha e como montar uma organização coesa com todas as partes autônomas.

O nome Comandante Ramiro, foi incluído na lista de 30 antigos presos políticos que devem ter seu pedido de anistia encaminhada junto com uma lista de presos por crimes graves como incêndio em estabelecimentos comerciais, no Metrô, roubo de farmácia ou incêndio em mulher com um Molotov durante os protestos de 18 de outubro contra a tentativa de golpe na Bolívia. — fonte: Ex-ante

Os integrante do Primeiro Grupo Catarinense (PGC) Claiton, Jesiel, Luan, Mikael, e Richard irão a Júri Popular pelo sequestro e assassinato de Lucas, e sequestro e tentativa de homicídio Roni do integrante do Primeiro Comando da Capital em São José em Santa Catarina em novembro de 2017.

Tio e sobrinho foram jogados no porta mala de um Fiat/uno vermelho e foram levados até o Morro da Boa Vista onde uns 20 integrantes da facção PGC fortemente armados estavam esperando. O Roni, integrante PCC, conseguiu fugir mas seu tio que não tinha nada a ver ficou para trás e foi torturado e executado. — Rícard Wagner Rizzi para o aconteceuemitu.org

7 de julho de 2021

Magalle alegou que seus filhos pequenos não teriam com quem ficar, e ela, jamais foi condenada em sua vida, mas a Justiça negou seu pedido.

Os policiais militares que a prenderam contaram que sua casa em Rondonópolis no Mato Grosso do Sul era um conhecido ponto de drogas, então ficaram de olho e quando viram um movimento por lá tentaram abordar os 3 homens que estavam com ela, mas que cada um vazou para um lado. Ela e outro acabaram sendo capturados, mas apesar dela alegar que era só uma usuária não colou.

O Juiz alegou para mantê-la presa que em outro processo que ela está respondendo um outro juiz deixou que ela fosse para casa e vinte dias depois ela foi presa de novo no mesmo lugar vendendo drogas de novo.

Além disso, segundo o juiz, Magalle tem uma posição importante no Primeiro Comando da Capital da cidade. — fonte: stf.jus

Todos se lembram dos mega ataques do Primeiro Comando da Capital de 2006 em São Paulo. Foi uma marco que dividiu a história da Segurança Pública no Brasil no antes e depois da criação da facção paulista.

Poucos lembram que houve em 2011 e 2012 duas pequenas ondas patrocinadas pelo PCC contra as forças policiais paulistas que estavam matando a vontade nas periferias.

Lelê, como é conhecido Leandro, recebeu em 2012 a missão de matar um Policial Militar ou Guarda Civil Municipal e o primeiro que ele encontrou foi Marco Aurélio de Santi que estava em seu carro e acabou sendo morto com seis disparos.

Agora, o Tribunal do Júri de São Carlos condenou Lele a 16 anos de prisão, no entanto o matador, já tem outras condenações que somam algumas outras dezenas de anos. — fonte: São Carlos Agora

Rondônia não é para fracos e aquele menor que estava andando pela Avenida Dedimes Cechinel em Vilhena estava lá para provar isso.

O moleque tem uma ficha corrida que poucos criminosos brasileiros possuem, são dezenas de assaltos, furtos e assassinatos — ele é, segundo dizem o matador do Primeiro Comando da Capital na cidade.

Entre outros, ele já confessou a morte do agente prisional André Borges Mendes, e apesar de estar tendo que cumprir medida restritiva ele circulava livremente pela avenida com um celular roubado. — fonte: Extra de Rondônia

Fernando Almeida de Lima, segundo a polícia estaria expandindo sua área de atuação no controle do tráfico de drogas do Guarujá para Itanhaém.

Com um mandado de busca e apreensão, a polícia invadiu sua casa mas não encontraram nada que o vinculasse ao tráfico de drogas, no entanto havia em sua casa no Jardim Virgínia diversos veículos de luxo, relógios e joias — o valor dos objetos apreendidos chega a meio milhão de reais .

A polícia espera conseguir provas de seu envolvimento com a análise de um celular, um pen-drive, um notebook e um caderno de anotações recolhidos, nos quais constariam o comércio de drogas disfarçado com nome de perfumes. — fonte: Eduardo Velozo Fuccia para o Santa Portal

Arqueiro, como é conhecido Edimar da Silva Santana, no ano passado na Operação Exílio do MPF. Ele era o resumo da disciplina do Mato Grosso do Sul e era afilhado do líder Bonitão do Primeiro Comando da Capital.

Na casa do Arqueiro foram encontradas meia tonelada de maconha, documento falso e três armas, ficando comprovado que a função dele era guardar as drogas e as armas para a facção.

Ele foi condenado a 27 anos e 3 meses, e é só um dos 170 integrantes da facção PCC envolvidos nessa mesma operação. — fonte: Renata Portela para o MidiaMax

Maracaju é uma cidade do Mato Grosso do Sul é famosa por ser a terra da linguiça, que tem um sabor que só lá é encontrado, mas os negócios são muito mais diversificados.

Não sei no que trabalhava Ricardo Roberto da Vila Juquita, mas a polícia disse que ele era conhecido no mundo do crime como “Zóio de Gato”, e foi morto durante uma operação de combate ao tráfico de drogas quando recebeu a bala as guarnições. — Adriano Fernandes com a colaboração de Hosana de Lurdes para o Campo Grande News

No local foram apreendidas três armas de fogo, dois revólveres calibre 38 e uma pistola adaptada para calibre 22, 10 munições calibre 38, uma munição calibre 22, além de R$ 1.125,00 uma balança de precisão, 15 papelotes de pasta base 3,9 gramas, 1 papelote de cocaína de 1,1 grama, e 630 gramas de maconha, sendo que boa parte estava embalada pronta para comercio. — fonte: Elaine Silva para o capitalnews

6 de julho de 2021

Em junho a Receita Federal do Brasil tentou quebrar as pernas dos milhares de muambeiros e do tráfico de drogas e armas Primeiro Comando da Capital concentrando sua fiscalização na Ponte da Amizade na fronteira entre o Brasil e o Paraguai.

A Operação Escudo contou com o apoio de 70 agentes federais, cães farejadores e equipamentos de busca, sistema de câmeras inteligentes, scanner e drones para fiscalizar a maior quantidade possível de veículos particulares, táxis, vans, caminhões e motocicletas.

A Operação também ocupou a BR-227, as estradas vicinais e saíram a caça dos 40 portos clandestinos usados pela facção e pelos contrabandistas autônomos. — laclave.com.br

Todo cuidado com quem andas. Na vida do crime um vacilo pode custar a vida nas mãos dos inimigos na Guerra entre as facções.

Quatro amigos foram de Balsas no Maranhão visitar dois irmãos que era amigo de um deles em Campos Lindos no Tocantins. O que os quatro PCCs não sabiam é que os caras eram ligados ao Comando Vermelho.

Foram rendidos, levados para o outro lado da fronteira no município de Riachão. Três foram mortos e um, apesar de ter levado 8 tiros conseguiu fugir e está internado no Hospital Regional de Araguaína no Tocantins.

Os corpos dos três amigos não foram localizados, só encontraram um par de chinelos de um deles. — AF Notícias

Julho negro para os PCCs no Piauí, os que ficaram estão enfrentando a guerra contra o Bonde dos 40 (B-40) — os crias do 15 reclamam o fortalecimento e o apoio por lá.

Pipocam notícias de integrantes do Primeiro Comando da Capital da Zona Sul de São Paulo que retornaram para o solo paulista: uns dizem que voltaram para voltar fortalecido para lá, outros dizem que deixaram para trás a guerra — eu é que não sei.

Dois caíram no caminho:

  • Um integrante da facção foi preso em Espinosa no norte de Minas Gerais onde estava residindo há um mês. Ele estava conversando em um bar quando foi abordado e com ele foi encontrado uma arma, assim como o dono do estabelecimento que também morador da cidade há um mês e foi preso; e
  • outro que estava no buzão direto para São Paulo quando o ônibus foi parado na BR 343 em Parnaíba ainda dentro do Piauí e foi encontrado com seu 38, levantada a ficha bateu: era o integrante do Primeiro Comando da Capital conhecido como Peu e que aparecia em vídeos com uma arma ameaçando os integrantes do Comando Vermelho no bairro da Ilha Grande em Santa Isabel. — fonte: Chamada Geral Paraíba

5 de julho de 2021

O Mato Grosso do Sul não é terra para fracos.

Crias de todas as facções lutam pela sobrevivência, pelo território, pelas rotas e pela camisa todos os dias. A guerra pelo domínio da fronteira e da Rota Caipira de acesso as drogas e armas para o interior do Brasil dependem do domínio do MS.

Renato, Lucas e Petherson estavam na Vila Cachoeirinha em Dourados quando foram um cara entrou e disparou contra eles — apesar de feridos, os três sobreviveram.

Segundo eles, o autor do ataque foi o Lento, como é conhecido Jhonatan Rodrigues, e teria sido ele também que teria matado há dois anos, em nome do Tribunal do Crime do Primeiro Comando da Capital, o Bugão, como era conhecido Vagner Sebastião dos Santos Haad. — fonte: Hélio Freitas para o Dourados News

Alguns comparam os ataques feitos pelo Primeiro Comando da Capital às pequenas e médias cidades de uma versão do cangaço do século 21 – gangues de bandidos ao estilo Robin Hood que vagavam pelo sertão nordestino no início do século passado sob a liderança de um lendário salteador chamado Lampião.

Macacos, como eram chamados os soldados do governo pelos cangaceiros de Lampião foram torturados e mortos, e hoje, passados cem anos, policiais continuam sendo mortos por esses grupos criminosos.

Sandra Aparecida Nunes, mãe do Policial Militar Jeferson Luiz Esmeraldino que teve seu fígado, pulmão, estômago e baço perfurados por um tiro de fuzil que varou seu colete balístico está aí para nos lembrar dessa realidade.

O site Gaúcha Zero Hora repercute o dramático apelo da senhora que teve que montar em sua casa uma UTI para cuidar do filho e tem que buscar ajuda na sociedade para cobrir as despesas.

O PM Esmeraldino foi ferido durante um mega assalto ao Banco do Brasil em Criciúma em Santa Catarina na noite do dia 30 de novembro e madrugada do dia 1º de dezembro de 2020, quando os criminosos raparam 125 milhões de Reais.

Inicialmente, alguns especialistas afirmavam que o assalto não tinha sido organizado pelo Primeiro Comando da Capital, como a lógica indicava, mas com a prisão do PCC Buda, Márcio Geraldo Alves Ferreira, terminam as dúvidas, como explicam Gabriela Clemente e Lilian Lima.

Com o avançar das investigações, a polícia conseguiu determinar que foram Kauane Rafaela Dutra e Alex Sandro Siqueira Antônio, conhecidos como “Bonnie e Clyde”, que planejaram e deram apoio logístico com a aquisição de veículos e locação de casas e galpões que foram utilizados como base para assalto do Banco do Brasil em Criciúma em Santa Catarina, e dos 30 criminosos que participaram da ação, 16 já foram identificados e 15 estão presas, sendo a maioria de São Paulo e integrantes do Primeiro Comando da Capital. — Sul em Destaque

Tanto o assalto em si quanto o drama e a comoção pública do Policial Militar ferido levantam a questão de como a narrativa dessas ações criminosas podem retroalimentar tanto a violência pelos grupos criminosos quanto dos policiais:

Para a antropóloga Jânia de Aquino, a repercussão via redes sociais interessa aos criminosos. Quando desfilam com armamentos pesados, disparam tiros sem necessidade e berram frases aterrorizantes, eles almejam paralisar a população. “Os vídeos e áudios trocados pelas redes sociais assustam não só os habitantes do município onde ocorre o assalto como os das cidades vizinhas. Em decorrência, todo mundo fica dentro de casa”, afirma a pesquisadora. “Quanto mais negativa a imagem que os ladrões passam, melhor. Eles querem parecer rudimentares, impulsivos e brutais, capazes de perder o controle a qualquer momento e atirar em quem se aproximar.”

Tiago Coelho para a Revista Piauí

No entanto, essas ações não apenas se retroalimentam como também são sementes que se espalham e se fortalecem com enxertos, mutações e aprimoramentos genéticos:

“Dá a ideia errônea de que eles são fruto sempre do mesmo grupo. Na verdade, não é bem assim. Os delinquentes profissionais aprendem tanto pela participação nos crimes quanto por meio de conversas, na cadeia ou fora dela. Portanto, o mais provável é que indivíduos que participam de um desses assaltos ganhem know how e passem a montar o próprio grupo de assaltantes. E aí a bola de neve cresce até a polícia também ganhar expertise e parar a avalanche que desponta no horizonte.”

Guaracy Mingardi para o site Terra

Enquanto a polícia civil do Mato Grosso do Sul fazia bonito mostrando para a imprensa que estava usando um condutivímetro, um equipamentos que detecta a variação magnética em até dois metros de profundidade no solo, os crias do 15 foram até o cemitério clandestino e colocaram fogo em cinco barracos de madeira que teriam sido usadas para mocosar e torturar antes de matar as vítimas do Tribunal do Crime. — fonte: Danielle Errobidarte para o MidiaMax

O cemitério clandestino atribuído ao Primeiro Comando da Capital foi encontrado na Vila Santo Eugênio em Campo Grande no Mato Grosso do Sul.

Talvez seja um exagero das autoridades, afinal só foi encontrado um corpo com resquícios de peças de roupas, mas os cães farejadores procuram outras ossadas. — Danielle Errobidarte para o MidiaMax

Havia um afundamento no crânio e também foram recolhidos ossos dos braços, caixa torácica e pernas. Outros ossos foram encontrados já a cerca de 1,5 metro de distância.

completa Renata Portela do MidiaMax

Os moradores da região sabem que se a palavra é de prata, o silêncio é de ouro e declaram a polícia:

“Quando a gente vê alguma coisa, a gente finge que não vê”

Thatiana Melo e Dayene Paz para o MidiaMax

O site acritica.net atualiza a informação e diz que foram dois os corpos encontrados, o outro estava a apenas um metro e meio de distância do primeiro e lembra também que há cinco anos foi descoberto o “Cemitério do Nando” no bairro Danúbio Azul.

Definida a pena de Luiz Guilherme Dutra Toppam, o Coxinha, ele era um dos integrantes do Primeiro Comando da Capital que organizava o esquema internacional da facção em território paraguaio.

Ele estava em Ponta Porã quando caiu na Operação Exílio, mas conseguiu responder em liberdade, mas daí caiu quando estava no Paraguai na Operação Fronteira Segura.

Além de Luiz Guilherme, Djonathan Augustinho Fuliotto Rodrigues Pimentel, também de Nova Andradina, e o advogado douradense Pedro Martins Aquino, foram presos em imóveis mantidos pela organização criminosa em Pedro Juan Caballero.

Adriano Fernandes para o Campo Grande News

Nessa operação, a policia apreendeu 14 granadas, 50 mil Reais, 4 fuzis, 2 pistolas, 7 carros e meia tonelada de maconha. 

Após a confirmação da condenação ele foi transferido do Mato Grosso do Sul para a Penitenciária Federal de Mossoró no Rio Grande do Norte.

4 de julho de 2021

Aquela Dakota Branca chamou muita atenção escondida atrás daquela casa no Jardim Colúmbia em Campo Grande no Mato Grosso do Sul e a garota não teve como negar que estava guardando para a irmã que juntamente com um companheiro haviam furtado o veículo para atender a uma encomenda do Primeiro Comando da Capital. — Anahi Zurutuza para o Campo Grande News

3 de julho de 2021

Uma parada pode deixar um moleque satisfeito, um tijolo de cocaína pode fazer um dono de biqueira satisfeito, mas 699 tabletes de cocaína podem deixar Bruno Henrique preso por muito tempo.

Ele seria um dos envolvidos no preparativo de remessa dos mais de 808 quilos de cocaína mocozados em uma carga de bananas pelo Porto de Suape em Pernambuco.

A carga já estava para ser despachada para a Bélgica quando a casa caiu para Bruno Henrique e os outros envolvidos no envio, envolvendo empresários e financiadores internacionais.

Empresários chineses que atuam em São Paulo usavam empresas de fachada e de laranjas para custear o tráfico transnacional do Primeiro Comando da Capital.

Bruno, depois de preso, passou por diversos problemas de saúde e ficou 45 em prisão domiciliar, e entrou com um Habeas Corpus para poder continuar em casa até que a sentença fosse julgada por causa de sua saúde.

O Ministro Rogério Schietti Cruz do Superior Tribunal de Justiça negou o pedido do HC alegando que se já não bastasse a história das bananas ainda tinha outras acusações contra ele:

  • A empresa de Bruno em São Paulo, a B H S Soluções Empresariais, já estava na mira do COAF, apontando dezenas de movimentações estranhas e com valores incompatíveis, e
  • Jonatham Luiz Dall’Agnol que está sendo investigado pelo Ministério Público do Mato Grosso afirmou que esquentava dinheiro do PCC para Bruno Henrique, um traficante de São Paulo. — stj.jusbrasil.com

Um pensador crítico chamado Sr. Keuner encontra-se com um caipira chamado Jeca e caminham juntos, dialogando sobre o mundo e a vida. Paralelamente, um filósofo se depara com o cabeça do Primeiro Comando da Capital (PCC) e trava-se entre eles um mortal duelo. O filme é um divertimento aliado a grandes reflexões sobre o mundo atual.

O filme busca investigar e atualizar o conceito de “Lúmpen”, criado por Karl Marx no século XIX, abordando o choque entre a ingenuidade de um cidadão comum com a lógica fria de um bandido esclarecido, cabeça pensante do Primeiro Comando da Capital (PCC). Utilizando recursos épicos-dialéticos, como o Efeito-V, o Efeito Coringa e a Bio-Mecânica, justapõe as linguagens do teatro e do cinema Underground e Marginal.

Os ingresso para a exibição no Youtube custam 15 Reais e será exibido dia 31 julho de 2021 — maiores informações e compra de ingressos no site Sympla

Há alguns anos, ainda antes da onda da Lava Jato, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado GAECO caçava políticos corruptos.

Aqui em Itu, havia um em especial que estava passando apertado, eram visitas semanais a Promotoria de Justiça MP-SP e o cerco fechava a cada dia — todo o dia alguém me ligava para saber se ele já estava preso.

Mas o esquema desse político era maior e envolvia muito mais interesses do que a Promotoria de Justiça podia imaginar.

Isso foi antes do Partido dos Trabalhadores PT no poder, que quase não interferia no MP (tanto que caiu), e foi antes de Bolsonaro, que não se avexa de ameaçar e trocar o comando e as regras de investigação.

Era um tempo onde se articulava com arte e inteligência.

Certo dia, veio a notícia de que o GAECO, pelo grande trabalho que estava fazendo e por seu poder de investigação passaria a investigar o Primeiro Comando da Capital.

Na hora publiquei um texto afirmando que essa foi uma manobra para tirar o foco dos políticos e…. dito e feito, o MP está aí, correndo atrás do rabo e secando gelo até enquanto políticos fazem a festa.

Aquele político que estava com a corda no pescoço não foi mais visto no MP-SP e hoje é um dos líderes do governo Bolsonaro no Congresso Nacional.

A nova chefe no GAECO-MS

Pouco muda para o dia a dia das biqueiras quem está a frente de órgãos especializados como o GAECO e a Polícia Federal, mas eles impactam nos grandes negócios da facção PCC.

Até o ano passado, a Política Federal e o GAECO-SP estavam batendo recordes de apreensões de drogas e desbaratamento de esquemas internacionais no Porto de Santos.

Paulo Maiurino, o novo diretor-geral da Polícia Federal, é primo e ex-assessor do ex-deputado federal Marcelo Squassoni, do Republicanos — preso pela PF em 2019, numa investigação sobre desvios em contratos milionários no porto de Santos.

Luiz Vassallo na Crusoé

Desde que Bolsonaro chegou a presidência, diversos delegados da Polícia Federal que atuavam nos portos e em regiões dominadas pelo crime organizado foram trocados por razões que a razão desconhece.

O GAECO não mais caça políticos, a Polícia Federal está nas mãos dos políticos e o Primeiro Comando da Capital é a cortina de fumaça para garantir notícias nos jornais e paz a classe política.

Sai do comando do GAECO do Mato Grosso do Sul a promotora de Justiça Cristiane Mourão Leal dos Santos sua colega Ana Lara Camargo de Castro, mais uma mudança para que nada mude.

2 de julho de 2021

A imprensa e os ataques do PCC em 2006

A imprensa sensacionalista apoiando a chacina policial daqueles que se assemelham com o estereótipo do criminoso.

Sob fontes acessadas em sua etnografia, o autor revela que a repressão policial após os “ataques do PCC em 2006” se voltou para todos aqueles que se “parecem” com “bandidos”.

“Morrem, nesse contexto, não necessariamente quem cometeu os crimes, mas quem tem a mesma idade e cor de pele, que usam as mesmas roupas ou os mesmos acessórios daqueles identificados publicamente como criminosos, ou seja, os jovens das periferias urbanas”.

Gabriel Feltran

2 de julho de 2021

Gabriel Feltran, no meio de uma pesquisa de campo em comunidades da periferia paulistana, em 2006, acompanhou um evento dramático: os ataques da organização criminosa Primeiro Comando da Capital às forças policiais e a prédios públicos.

O pesquisador acompanhou “de perto” as reações das pessoas de Sapopemba, e também “de longe”, via noticiários. Segundo Feltran, a repercussão do evento amplificou a “fala do crime”: a imprensa, sobretudo a sensacionalista, deu subsídios para que a “vingança” contra os “bandidos” fosse consumada. Embora inseridos formalmente num regime político fundado sobre a universalidade dos direitos, processa-se uma disputa simbólica em que o direito universal para “bandidos” seria uma afronta à própria democracia.

“Morrem, nesse contexto, não necessariamente quem cometeu os crimes, mas quem tem a mesma idade e cor de pele, que usam as mesmas roupas ou os mesmos acessórios daqueles identificados publicamente como criminosos, ou seja, os jovens das periferias urbanas”.

Gabriel Feltran

LEIA ARTIGO INTEGRAL NA REVISTA DOS DISCENTES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

O site abc en el Este em março de 2020 nos avisou que Armando Javier Rotela, o todo poderoso líder do Clã Rotela no Paraguai havia sido condenado há 19 anos e 8 meses de prisão.

No entanto, passado quase um ano, a prisão do chefe do maior grupo criminoso inimigo do Primeiro Comando da Capital no Paraguai pouco se refletiu no seu poder nas ruas.

O site Ultima Hora conta um pouco de sua história:

Armando Javier Rotela, que começou no mundo do crack sendo um dos pioneiros da modalidade delivery, que consistia em recrutar jovens que entregavam drogas em motocicletas, bicicletas ou outros veículos, construindo assim um império que hoje em dia ele se transformou em uma facção criminosa, que é uma das mais temíveis do país. Os investigadores afirmam que o homem controla uma grande percentagem do tráfego e tem uma legião significativa de reclusos que lhe são leais e que o ajudam a aumentar o seu poder dentro e fora dos muros da prisão.

1º de julho de 2021

Luana que foi presa em Ribeirão Preto em São Paulo pela Operação Kleptos requereu no Superior Tribunal de Justiça o direito de prisão domiciliar alegando ter um filho menor de 12 anos, que o crime a que é acusada não é violento, e que ela tem residência fixa e emprego.

O TSJ negou alegando que a criança já tinha completado 12 anos e para ter o benefício tinha que ser 12 anos incompletos, e além disso afirmou que ela pode não ter praticado um crime violento, mas que é suspeita de tráfico de drogas e pertencer a uma organização do crime organizado armado, o Primeiro Comando da Capital com a função de Geral das Femininas.

Segundo a denúncia, além de suas atribuições na estrutura da facção, Luana e outros cinco integrantes da facção, seriam os responsáveis pela distribuição das drogas nas biqueiras da cidade. — Superior Tribunal de Justiça

Tribunal de Justiça do Ceará nega recurso da Promotoria de Justiça que queria mandar de volta para trás das muralhas o piloto da facção PCC que levou para a emboscada na reserva indígena no município de Aquiraz no Ceará onde foram mortos os líderes da organização criminosa Gegê do Mangue e Paca.

Os Promotores de Justiça não se conformaram:

A decisão estimula a prática reiteradamente utilizada pelo Primeiro Comando da Capital, que há décadas utiliza greves de fome com o propósito de forçar o Estado a atender aos seus interesses.

Já a 2ª Turma do STJ-CE afirmou que se o Relator do HC decidiu decidiu e pronto, fica decidido, desde que o piloto continue a “assinar a carteirinha”. — Diário do Nordeste

Após 40 mortos na guerra entre as facções Primeiro Comando da Capital e Comando Vermelho no Piauí a polícia foi para as ruas, e após cumprir mandados na cidade do Parnaíba apreenderam uma certa quantidade de drogas, celulares e uma arma.

Os (40) homicídios deram informações para iniciar as diligências e com base nisso verificar a existência dessa guerra entre eles. Na realidade, a tentativa de tomada por força é um combate de quem domina a venda de drogas e quem consegue se estabelecer por aqui.

Delegado Federal Pedro Roberto Meireles Lopes

A Operação Dionísio II tenta entender como está funcionando o “Projeto Piauí” de uma das organizações criminosas que pretende conquistar o domínio da região litorânea do estado e implantar então a pacificação. — Cidade Verde

Pamella admitiu no Tribunal do Júri que era conhecida no Primeiro Comando da Capital como Emanoma, e que esse apelido significaria em tupi-guarani: “já morreu, meu amigo”.

Ela afirma que não participou da morte e decapitação de Coroa na Cachoeira do Ceuzinho em Campo Grande em Mato Grosso do Sul, que apenas foi chamada pela amiga Célia Ricarda para ajudar um garoto que estava tendo problemas com drogas e que precisaria ser internado mas não estava conseguindo vaga:

“Antes fui conhecer o projeto, me certifiquei dos cômodos. Me responsabilizei pelo menor (…) se me pedissem mais uma vez, eu faria de novo”

ela só teria aceitado a ajudar por já ter perdido o pai de um dos três filhos para a droga.

Ela então passou pelo Bairro Moreninhas e o garoto, filho do Coroa, estava aguardando em esquina e ela o levou para a clinica.

Já a acusação apresentou um áudio que ela nega ser ela, na qual uma mulher avisa para a pessoa que está cortando a cabeça do Coroa que “tem que puxar o pescoço”.

A promotoria afirmou que Pamella era ela quem chefiava os demais e acabou conseguindo a sua condenação a 28 anos de prisão. — Geisy Garnes, Aletheya Alves e Bruna Marques para o Campo Grande News


11 comentários em “ÚLTIMAS NOTÍCIAS — PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL”

  1. SALVE agradecido pelo que o comando faz tmj mesmo tbm pelos megas assaltos tamo junto é pra somar e parabéns pelo aniversário da faccao meus irmãos 26 anos eu 33

    Curtir

      1. marcos willian herbas camacho é o meu pai.? minha mãe chama shirley da conceição paci é o meu pai chama marcos willian herbas camacho.? oaia o pai do mário.? meu pai é o meu melor é isso ai grade mário.? com cerveja não é com certeza é com cerveja.? não é mesmo galerinha da internet vamos acessar há net há internet.?

        Curtir

    1. Ôxe! Bolsonaro disse que assim que entrasse ia acabar… depois disse que em 2020… agora virou 2021?

      Sim, o PCC vai acabar, assim como todas as outras facções criminosas, mas só quando houver um governo disposto a atuar no combate às organizações criminosas. Se Bolsonaro continuar, quero falar nada não, mas só vai dar 3!

      Curtir

  2. Um Salve á Família Do Justo PCC
    Vou estar citando uma caminhada em Itajubá MG
    Está havendo invasão de casas
    Com senhoras dentro da casa
    Com atitude de coisao coisa Brava e tem irmão na rua e eles não respeitam acham que pode passar por cima de tudo , juraria com mulheres de preso agressão muita opressão isso tem que acabar não acho certo isso problema que precisa ser resolvido ninguém resolve por aqi pque tem medo agradeço a atenção de vcs que defendem a população e o certo e Justo e correto forte abraço Família

    Curtir

Obrigado por deixar seu relato, ele é muito importante para que eu possa corrigir erros e rumos. Só serão mantido os comentários argumentativos ou com conteúdo considerado relevante, seja apoiando ou refutando fatos ou ideias do texto. Se considerar importante alterarei o texto original citando o crédito para o comentarista.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.