Negado HC para empresário de São Paulo acusado de tráfico internacional

Uma parada pode deixar um moleque satisfeito, um tijolo de cocaína pode fazer um dono de biqueira satisfeito, mas 699 tabletes de cocaína podem deixar Bruno Henrique preso por muito tempo.

Ele seria um dos envolvidos no preparativo de remessa dos mais de 808 quilos de cocaína mocozados em uma carga de bananas pelo Porto de Suape em Pernambuco.

A carga já estava para ser despachada para a Bélgica quando a casa caiu para Bruno Henrique e os outros envolvidos no envio, envolvendo empresários e financiadores internacionais.

Empresários chineses que atuam em São Paulo usavam empresas de fachada e de laranjas para custear o tráfico transnacional do Primeiro Comando da Capital.

Bruno, depois de preso, passou por diversos problemas de saúde e ficou 45 em prisão domiciliar, e entrou com um Habeas Corpus para poder continuar em casa até que a sentença fosse julgada por causa de sua saúde.

O Ministro Rogério Schietti Cruz do Superior Tribunal de Justiça negou o pedido do HC alegando que se já não bastasse a história das bananas ainda tinha outras acusações contra ele:

  • A empresa de Bruno em São Paulo, a B H S Soluções Empresariais, já estava na mira do COAF, apontando dezenas de movimentações estranhas e com valores incompatíveis, e
  • Jonatham Luiz Dall’Agnol que está sendo investigado pelo Ministério Público do Mato Grosso afirmou que esquentava dinheiro do PCC para Bruno Henrique, um traficante de São Paulo.

Autor: Wagner Rizzi

O problema do mundo online, porém, é que aqui, assim como ninguém sabe que você é um cachorro, não dá para sacar se a pessoa do outro lado é do PCC. Na rede, quase nada do que parece, é. Uma senhorinha indefesa pode ser combatente de scammers; seu fã no Facebook pode ser um robô; e, como é o caso da página em questão, um aparente editor de site de facção pode se tratar de Rícard Wagner Rizzi... (site motherboard.vice.com)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: