Condenados PCCs do Tribunal do Crime de Araguaína

Essa história aconteceu em 2019.

Quatro homens seguiram em um carro roubado em uma missão: encontrar e matar Elias no setor Costa Esmeralda em Araguaína no Tocantins.

Elias era do Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital estava limpando os vermelhos do território, e foi pego de surpresa andando por uma rua.

Disparos são dados. Elias corre e mesmo baleado se abriga em uma casa.

Amaurir, João Vítor, Ricardo e Lucas não vão atrás para conferir, aceleram deixando o bairro, mas por azar, quando caem na pista trombam com uma patrulha da Força Tática.

Perseguição. Perdem a direção e batem na parede de uma igreja.

João Vítor não consegue fugir e é preso na hora, os outros caem depois na investigação, e nessa segunda-feira foram todos condenados com penas entre 15 e 17 anos de prisão.

Elias, o CV, sobreviveu ao ataque. — fonte: AF Notícias

Autor: Wagner Rizzi

O problema do mundo online, porém, é que aqui, assim como ninguém sabe que você é um cachorro, não dá para sacar se a pessoa do outro lado é do PCC. Na rede, quase nada do que parece, é. Uma senhorinha indefesa pode ser combatente de scammers; seu fã no Facebook pode ser um robô; e, como é o caso da página em questão, um aparente editor de site de facção pode se tratar de Rícard Wagner Rizzi... (site motherboard.vice.com)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: