O caso da simpática Baleia Loka da Cidade Nova.

Orson Welles, um mestre entre os mestres, ao ouvir aquela história chamou-me de canto dizendo que era preciso ter dúvidas, pois só os estúpidos tinham confiança absoluta em si mesmos. O mestre teria razão neste caso?

A moça diz a verdade, suas palavras e seu olhar transbordam sinceridade, evidenciando este fato. Viviane Ferreira Silva, conhecida como Baleia Loka, é uma mulher trabalhadora que não mede esforços para ganhar seu dinheiro. Ela é revendedora de lingerie para uma sexy shop, a Oficina dos Prazeres. A empresária Vanessa Cristina de Souza mostra através de documentos os frutos do trabalho de Viviane. Mas não é apenas dali que Viviane tira seu sustento. Suas vizinhas, Fátima Maria de Souza Rosa e Elias Palozin, afirmam que Viviane é uma pessoa muito conhecida e extrovertida, do tipo que só leva alegria a vida dos outros. Seu único problema é ser dependente das drogas.

Terça-feira, 13 de outubro de 2009. 17:30
Avenida Felicidade snCidade Nova, Itu, SP

Viviane é presa. Os policiais patrulhavam as imediações e receberam a informação que uma mulher loira estaria traficando drogas numa área verde com um gramado baixo e perto da rotatória. Lá encontram Viviane senta em uma almofada. Ela nunca negou que estava naquele local e nem que as duas pedras de crack que estavam em sua boca lhe pertenciam, mas não haviam setenta pedras da droga em sua almofada, isso não, os policiais é que entrouxaram para ela.

Viviane contou a juíza da 1ª. Vara Criminal de Itu, Drª. Renata Carolina Casimiro Braga, que ela é sim usuária de crack há cinco anos, e naquele dia tinha saído com três homens para conseguir R$ 90,00 para comprar drogas. Já tinha duas paradas consigo, mas queria mais sete, foi até aquela biqueira e pediu as pedras para a garota de menor que faz as correrias, nisso chegaram os policiais que meteram a mão no seu sutiã pegaram a grana, mandaram a de menor embora, foram até um matinho lá perto e trouxeram um saquinho onde estavam estas drogas.

A Drª. Liliane Gazzola Faus, defensora de Viviane, lembra que os policiais apresentam-na na delegacia como trazendo a droga e não traficando, e o artigo 28 da Lei de 11.343/06 diz que quem … trouxer consigo, … é usuário.Viviane nunca negou ser usuária, ela sempre disse a verdade, suas palavras e seu olhar transbordam sinceridade, evidenciando este fato. Viviane é uma trabalhadora que não mede esforços para ganhar seu dinheiro para sustentar seu vício.Orson Welles que me perdoe, mas não é preciso ter dúvidas, pois só os estúpidos não têm confiança absoluta em si mesmos.

Antigamente o mordomo era sempre o culpado agora nos tempos modernos é a polícia, e ponto final.

Autor: Wagner Rizzi

O problema do mundo online, porém, é que aqui, assim como ninguém sabe que você é um cachorro, não dá para sacar se a pessoa do outro lado é do PCC. Na rede, quase nada do que parece, é. Uma senhorinha indefesa pode ser combatente de scammers; seu fã no Facebook pode ser um robô; e, como é o caso da página em questão, um aparente editor de site de facção pode se tratar de Rícard Wagner Rizzi... (site motherboard.vice.com)

Um comentário em “O caso da simpática Baleia Loka da Cidade Nova.”

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: