Pesquisas no Google em 2017 — a facção PCC 1533

Vou lhe contar o que o Google pode nos dizer sobre o que foi pesquisado sobre o Primeiro Comando da Capital em 2017 e o que mudou nos últimos anos. Ao pesquisar sobre o assunto para mostrá-lo a você, me surpreendi com alguns dados que encontrei, mas começo este artigo com um trecho de um conto de Atenéia Araújo:

Quem me conhece, sabe bem que não tenho medo de cachorros, mesmo os de porte grande e, embora pouca gente acredite, quase todos os que encontrei sempre foram amistosos e, embora eu tenha dito isso a pessoas que têm medo deles para convencê-las de que não devemos ter medo deles, ouço muito que confio demais e que cachorros são traiçoeiros e não devemos confiar neles.
Há anos este site monitora os termos que envolvem a facção paulista, e este ano resolvi mostrar para você algumas das conclusões a que cheguei. Caso queira dar uma olhada em alguns dos gráficos, eles estão disponibilizados na página Estatísticas, com dados fornecidos on-line pelo Google Trends — se clicar nos gráficos dinâmicos eles direcionarão você para outra página cheia de opções de refinamento de dados.

Acesso para a página de Estatísticas → ۞

Aliados e Inimigos

Nós dois sabemos que não se pode falar de “crime organizado” no Brasil sem citar o Primeiro Comando da Capital. Acho que o que me surpreendeu foi descobrir que os usuários do Google não vinculam o Comando Vermelho ao tema… desculpa aí 2, no Google é tudo 3!!!

Nas buscas utilizando o termo “facção criminosa” aparecem apenas três gangues: PCC com 45 pontos, CV com 35 pontos, e a ADA com 11 pontos — tentei buscar os estados individualmente para analisar os dados das facções regionais, no entanto o banco de dados não teve fluxo suficiente para disponibilizar o resultado.

Tanto o PCC quanto o CV são buscados em todo o país, já os aliados do Primeiro Comando têm destaque apenas regional, sendo pouco comum pesquisas fora de seu reduto: Amigos dos Amigos (ADA, Rio de Janeiro), Bonde dos 13 (B13, Acre), e Guardiões do Estado (GDE, Ceará), e o Bonde do Maluco (BDM, Bahia).

Sendo assim, sabemos que o diabo existe e é conhecido, mas o Google diz que a população acha que ele não é tão feio quanto as autoridades e a imprensa tentam pintar.

As buscas quando o assunto é insegurança, segurança pública, violência, prisão, morte e medo foram relacionados pelos usuários do Google com fatos específicos como: homicídios, crimes, assaltos, polícia, violência sexual e de gênero e crimes domésticos — o Primeiro Comando da Capital só foi lembrado quando se pergunta sobre os motins no sistema prisional.

Curiosidade: quem pesquisa sobre cocaína no Google procura pelo Primeiro Comando da Capital ou pelo Comando Vermelho? É, meu caro, você errou! As buscas recaem sobre: Aécio Neves, Ivete Sangalo e Blairo Maggi.

O PCC só é lembrado pelo seu líder e pelos motins, e no dia a dia para conhecer como é seu funcionamento e estatuto.

Prova dessa tendência são os momentos em que o termo Primeiro Comando da Capital teve aumento nas buscas: as chacinas de janeiro no COMPAJ de Manaus e seus desdobramentos na Região Norte, e a de Alcaçuz no Rio Grande do Norte; e em novembro o motim no presídio de Cascavel.

Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola também foi protagonista de dois momentos de pico nas pesquisas, no entanto, não por preocupação, mas, sim, por curiosidade popular. Uma delas se deu em dezembro, quando ocorreu sua transferência para Presidente Venceslau, e a outra foi por causa de uma notícia sem fundamento, vazada de forma irresponsável, em abril, dando conta de um plano de fuga.

O que falei neste site sobre Marcola → ۞

As buscas feitas referentes ao PCC se baseiam principalmente no conhecimento de seu estatuto e em suas relações com o seu arqui-inimigo Comando Vermelho e seu aliado Amigo dos Amigos.

O que falei neste site sobre o Comando Vermelho → ۞

Nas artes, na mídia e na mente da garotada.

O grupo musical Facção Central não é o que já foi, mas ainda é o único vínculado pelos usuários à facção paulista. Não sei você, mas eu esperava encontrar também referência aos Racionais MCs e ao MC Zoi de Gato, mas não, só deu a Facção Central — a banda Racionais MCs tem 7 vezes mais consultas, no entanto não teve sua imagem vinculada ao PCC, e, sim, à luta contra a opressão do sistema sem vestir uma camisa. Algo que me surpreendeu foi o fato de que o público alvo dos dois grupos está majoritariamente fora do eixo Sul-Sudeste.

Os garotos também procuram bastante as frases referentes à facção de seu coração.

Merece destaque o trabalho jornalístico do site UOL Notícias para diversas ações de combate à facção, com artigos meticulosos, agradáveis e elaborados com cuidado para entender o assunto, sem aceitar apenas um ponto de vista. O trabalho foi reconhecido e o UOL foi o único que aparece vinculado pelo Google Trends à facção.

As matérias do UOL que foram citadas aqui neste site → ۞

Quem diria que Rogério 157 mudaria o comportamento de milhares de pessoas em todo o país? Você diria isso? Eu não.

Antes do conflito na Rocinha, o termo Primeiro Comando da Capital só era buscado ocasionalmente no Youtube, mas, durante a guerra pelo domínio da comunidade, vários youtubers cariocas passaram a incluir notícias e histórias da facção paulista — e hoje já são dezenas de páginas espalhadas por todo o país, que criaram um fluxo estável que não mais buscam fatos isolados sobre a facção, mas sim conhecer e divulgar a cultura do PCC 1533.

O que publiquei aqui neste site sobre a Rocinha → ۞

O brasileiro se preocupa cada vez menos com o PCC, principalmente o paulista.

Pela primeira vez o paulista pesquisa menos sobre o PCC — houve uma queda de 34 pontos. Muitos fatores podem ter levado a isso, mas a atuação discreta da facção contendo o número de mortes, as ações feitas exclusivamente contra instituições econômicas e a garantia de paz em áreas com pouca atuação do estado estão entre eles.

No Brasil, no geral, a facção está também chamando menos a atenção, havendo uma diminuição média de 11,5 pontos em relação ao registro histórico das 10 regiões que mais pesquisaram sobre o tema — exceções são as áreas onde está sendo travada a guerra entre os PCC e seus inimigos, como no Amazonas, Ceará, Rio Grande do Norte e Acre. Esses últimos dois não aparecem na lista dos TOP 10 possivelmente pela baixa população e acesso à rede, no entanto, pode-se perceber seu efeito quando se estuda a média geral e não a restrita.

Os 10 estados com maior volume de pesquisas 2017 MÉDIA

últimos 5 anos

MÉDIA
édia dos últimos 13 anos
Amazonas 70 100 69
Bahia 39 46 39
Ceará 100 61 76
Goiás 9 33 35
Minas Gerais 26 67 21
Paraná 40 56 45
Rio de Janeiro 19 38 22
Rio Grande do Sul 19 33 24
Santa Catarina 21 19 39
São Paulo 66 95 100

Cada povo pesquisa o PCC com um nome diferente.

Quando é alguém de casa, um amigo, temos costume de chamar pelo apelido ou apenas pelo seu prenome, e é por isso que em São Paulo, no Paraná e na Bahia a facção é mais pesquisada por PCC 1533; já para os que não são tão íntimos, como os que pesquisam do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul, preferem chamar a facção pelo nome correto: Primeiro Comando da Capital; agora, quando você não gosta de uma pessoa de jeito nenhum, você não quer nem falar o nome dela — e talvez seja por isso que só o Amazonas, terra da Família do Norte, as pessoas pesquisam utilizando-se da terceira pessoa: a Facção PCC.

Fora do Brasil, neste ano, o termo Primeiro Comando da Capital foi pesquisado principalmente em Portugal, na Argentina e na Holanda.

Na América do Sul, no Paraguai e no Uruguai, o termo buscado é Primer Comando Capital, enquanto na Bolívia e na Argentina eles preferem Primer Comando de la Capital.

Em inglês as pesquisas pelo termo First Commander of the Capital começaram a ser realizadas por ocasião dos ataques de maio de 2006, e eram feitas exclusivamente nos Estados Unidos, assim como, ao mesmo tempo e com muito mais intensidade, se pesquisava sobre o First Capital Command. Após uma matéria publicada pelo News Times, sobre as mortes de policiais em São Paulo na onda de 2012, o padrão utilizado pelo jornal acabou se tornando quase que hegemônico para as pesquisas (First Capital Command), contradizendo a lógica, pois existem três vezes mais material utilizando a outra opção.

O exército de 200 mil homens da facção PCC 1533

PCC, onde estão, quantos são, e qual sua força?, este foi o título de um artigo que publiquei no início do ano passado — sua base foi um levantamento feito pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, muito coerente com a realidade das ruas e, sendo assim, o comparei com o mapa do sistema carcerário e o publiquei.

Confio no número passado pelo MP-SP (20 mil — 2016); também creio no resultado dos levantamentos de órgãos de segurança pública (40 mil no início de 2017 com expectativa de 80 mil para o encerramento do ano); e abono a quantidade apontada pelo Gabinete de Segurança da Presidência da República (200 mil) — também acredito no site DefesaNet quando informa que o total do efetivo das forças armadas não chega a 30 mil homens.

A que ponto chegamos?

Considerando uma taxa de dependentes de 50% e de desemprego de 10%, e levando em conta que o Brasil possui 200 milhões de habitantes, concluímos que o Gabinete da Presidência trabalha com a possibilidade de que o Primeiro Comando da Capital sustente de maneira direta 320.000 habitantes.

Não fique aí só lendo — veja se tem lógica pelo que você conhece da sua cidade.

Corte três zeros do número de habitantes do seu município ou bairro……
Salto de Pirapora SP (40.132 = 40)
Sorocaba SP (586.625 = 586)
Campinas SP (1.080.113 = 1080)

… Lembre dos pontos de vendas de drogas, calcule dois por biqueira. Veja, esse é só um chutão, pois existem biqueiras que nem tem envolvidos com o Comando, por outro lado alguns tem vários, assim como tem aqueles que não se dedicam ao tráfico como os assaltantes, e tem aqueles que nem aparecem nas ruas, cuidando do administrativo, o operacional, e outros profissionais.

Sorocaba coloquei como exemplo propositalmente — apenas uma das unidades prisionais abriga outras facções, e são milhares de presos nas unidades PCCs. Não estou tentando provar que o número do Gabinete de Segurança da Presidência da República é válido ou não — essa parte estou deixando para você fazer, e caso queira, me diga a que conclusão chegou.

Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, afirmou que ele e a facção paulista não chegam aos pés do que a imprensa pinta, e em 2017, em duas ocasiões, il capo ma non troppo do PCC 1533 provou estar certo — mas não se engane, não vim aqui para criticar a mídia, mas, sim, para fazer um mea culpa: Pater, peccavi, pois me calei diante da injustiça.

O que falei neste site sobre Marcola → ۞

Por trás do silêncio existe um ser dizendo que é melhor do que o outro porque não falou ou expressou tamanha barbaridade. Isso é a arrogância do silêncio… Eu sou melhor do que ele porque não falo tantas besteiras! Talvez o indivíduo possa ser um falastrão, mas ele tem a sinceridade e a sensibilidade para expor quem ele é e não esconder sua arrogância por trás do silêncio. Bispo Sérgio Correia

Em uma das ocasiões, foi apresentado um plano de fuga para o Marcola quando até as pedras sabiam que a estratégia não seria essa, mas a outra situação foi ainda mais inusitada.

O repórter Flávio Costa publicou o artigo Em guerra contra rivais, PCC afrouxa regras de “batismo” para ter cada vez mais membros, no qual torna pública a campanha para o ingresso de novos membros para a facção, mas, ao contrário do que afirmou, a razão principal para o recrutamento é econômica, e não para aumentar o poder ofensivo.

Não é necessário ser um irmão batizado para ser enviado para as zonas onde o PCC está em guerra com o Comando Vermelho (CV), a Família do Norte (FDN) e o Sindicato do Crime do Rio Grande do Norte (SDC RN) — companheiros, aliados e até simpatizantes podem lutar e morrer, mas contribuir para o caixa da facção é só para os irmãos.

O que falei neste site sobre o Comando Vermelho → ۞
O que falei neste site sobre a Família do Norte → ۞
O que falei neste site sobre Sindicato do Crime → ۞

O sol nem se tinha posto no dia em que a matéria foi publicada e o site amazônico Brasil Norte Comunicação (BDC) aproveitou a chance para colocar uma chamada para a matéria, destacando a criação de um “exército” do crime: PCC cria exército para enfrentar FDN e novo massacre é ameaça.

O sol nem havia nascido novamente e o exército do crime, que foi criado a poucas publicações, duplicou na manchete do site português Jornal de Notícias: Grupo criminoso duplica “exército” para enfrentar guerra com rival em 2018.

Os repórteres Clayton Neves e Arlindo Florentino, do site MidiaMax, foram atrás da informação e produziram o sóbrio artigo Cada vez mais presente em Mato Grosso do Sul, PCC faz mutirão de filiações — foi a última reportagem que se pôde levar a sério sobre o assunto, as demais ou replicaram, ou acrescentaram mais pontos ao contar o conto.

Esta manhã acordo com essa manchete no Estadão, Uso do Exército para combater o crime nos Estados cresce pelo menos 3 vezes, na qual o repórter Marcelo Godoy expõe os dados que coletou sobre a utilização das forças armadas como ferramenta complementar das forças de segurança pública.

Gato escaldado tem medo de água fria, e eu gelei…

Em determinado ponto da reportagem, Godoy entrevista o cientista político Eliezer Rizzo de Oliveira, que afirma que o Gabinete de Segurança Institucional estima em 200 mil só os adeptos do Primeiro Comando da Capital (PCC) no País.

Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, tinha razão, o diabo talvez não seja tão preto quanto o estão pintando, mas desta vez, ao menos, não terei que vir até você para fazer um mea culpa: pois diante do perigo eu venho trazer o alerta e o esclarecimento:

Existem, sim, 200 mil pessoas envolvidas ao PCC no Brasil, que não formam um exército, muito longe disso — esse número compreende batizados e companheiros, se acrescentarmos aliados e simpatizantes, talvez esse número dobre, se acrescentarmos inimigos e criminosos sem camisa que aceitariam participar de ações, talvez esse número quadruplique, mas…

… nem esquenta, qualquer coisa é só colocar os 30 mil homens das forças armadas nas ruas, 20 mil se tirarmos os administrativos e os impossibilitados de ações de campo, 10 mil se tiramos os que tem que manter os postos e quartéis seguros e os que cuidam da logística e, no fim, se não errei nas contas, seria algo como dois soldados para cada cidade do país.

Candidatura de policial a deputado depende do PCC

Uma garota me deu muito trabalho. Talvez você conheça Gabriela, mas eu não a conhecia até poucos dias atrás quando trombei com sua monografia Violência se resolve na (bancada da) bala: Percepções sobre a Frente Parlamentar de Segurança Pública apresentada para conclusão do curso de Ciências Sociais da Universidade de Brasília.

O título já mostrava que o texto seria tendencioso, e a primeira coisa que vi ao abrir o arquivo foi o gráfico apresentando o número absoluto de candidatos das forças repressivas a deputado federal no Brasil, elaborado pelo Observatório de elites políticas e sociais do Brasil — era exatamente o que eu queria, em poucas horas teria um texto pronto.
Participação dos policiais e militares nas eleições 1998 - 2014
Explico: em ano de eleição, eu coloco minhas barbas de molho. Te conheço, e sei que não é seu caso, mas acredite, existem pessoas que julgam meus textos pela ilustração ou pelo título sem ao menos lê-los —, e a monografia de Gabriela Costa Carvalho, com todos os seus chavões panfletários, ilustraria minha decisão de me incluir fora das discussões políticas.

Gabriela, ao analisar a participação dos 972 policiais e militares que foram candidatos nas eleições para deputado federal entre 1998 e 2015, verificou que quanto maior a sensação de insegurança, maior o número de candidatos das forças de segurança pública. Sendo que o pico de candidaturas ocorreu após a onda de ataques do Primeiro Comando da Capital em 2006.

… as candidaturas estão condicionadas a contextos específicos, especialmente, aqueles que são exaustivamente explorados pela mídia.

E ela prova com números:

Foram eleitos 19 policiais (…). Além do crescimento expressivo no número de deputados federais eleitos frente aos pleitos anteriores, muitos dos parlamentares associados às carreiras policiais ou militares tiveram votações expressivas (…). Dos 19 deputados federais associados às forças de segurança, 5 foram os mais votados…

Segundo a pesquisadora, o sucesso desses candidatos se deu graças às próprias demandas da sociedade brasileira por alternativas repressivas, e faz um retrospecto histórico desde a colonização até a atualidade para encontrar as razões pelas quais preferimos investir na punição e não no aumento dos esforços sociais e preventivos.

Gabriela deixa claro que os policiais candidatos são ligados à direita, mas quem me apresentou números neste sentido foram Maria do Socorro Sousa Braga, Luciana Fernandes Veiga e Angel Miríade no artigo Recrutamento e Perfil dos Candidatos e dos Eleitos à Câmara dos Deputados nas Eleições de 2006:

Candidatos policiais e militares
67% — PFL/PP
10% — PT
23% restantes PMDB/PSDB
que cada um jogue onde quiser
(direita – centro – esquerda)

Aí vem Leôncio Martins Rodrigues no Mudanças na classe política brasileira dizendo que os partidos mudaram o perfil de seus candidatos para eliminarem a imagem de elite. Se no passado era um pré-requisito ter dinheiro e nome para impulsionar a campanha, hoje esses atributos passaram a ser deméritos — sobram vagas.

Maria do Socorro e suas colegas traçam o perfil desse novo indivíduo buscado pelos partidos políticos para compor seu quadro de candidatos: facilidade de falar com o público, imagem já veiculada pela mídia e afinidade com ela, ensino superior, flexibilidade de horários para poder se dedicar a campanha, um certo grau de apelo eleitoral e presença de espírito — enfim, um talking profession.

Os partidos mudaram e os policiais também.

Gabriela vincula o aumento da quantidade de policiais candidatos às ações do Primeiro Comando da Capital e à nossa raiz cultural punitivista e repressiva, ao mesmo tempo que critica os partidos e o eleitor, que não esperaram que o projeto segurança pública cidadã implementado nos governos petistas mostrasse seus frutos — o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (PRONASCI) implementado durante o governo Lula.

Agora que você já conhece, assim como eu, um pouco sobre Gabriela, vou explicar por que me enganei quando pensei que seria fácil usar a monografia dessa garota para demonstrar que devíamos tentar analisar a questão da segurança pública sem deixar nos levar por nossos conceitos e preconceitos políticos.

Após uma década apostando na polícia cidadã, o PRONASCI apresentou resultados e mudou o perfil do profissional de segurança pública. A consequência disso foi a mudança da forma de relacionamento do policial para com a população, a mídia e os partidos políticos.

Por esse resultado os criadores PRONASCI não esperavam.

O policial semianalfabeto e especializado em bater e matar, graças à filosofia trazida pelo PRONASCI, foi substituído pelo profissional de nível superior, treinado em táticas operacionais e com foco na negociação e convencimento, que com isso acabou ficando mais seguro de si e bom de mídia.

O policial semianalfabeto e especializado em bater e matar, graças à filosofia trazida pelo PRONASCI, foi substituído pelo profissional de nível superior, treinado em táticas operacionais e com foco na negociação e convencimento, que com isso acabou ficando mais seguro de si e bom de mídia.

Essa nova geração de policiais passou a ocupar as vagas que Leôncio anunciou estarem disponíveis dentro da busca dos partidos por pessoas fora da elite e da tradição partidária, já que eles agora possuem todos os atributos buscados pelos partidos, conforme demonstrou Maria do Socorro e suas colegas.

Podemos ficar em dúvida sobre as razões pelas quais os policiais se tornaram candidatos bons de voto, seja por atenderem a ânsia de vingança e imposição de uma política de força, seja pelo aumento de sua capacidade técnica e midiática somada à abertura de vagas para esse tipo de perfil, mas não podemos duvidar dos números apresentados por Gabriela…

As conclusões da pesquisadora se baseiam no aumento da quantidade de candidatos policiais ou militares nos períodos nos quais houve um aumento da sensação de insegurança, mas não apresenta números que comprovem essa afirmação. Existem trabalhos que falam especificamente sobre isso, mas eu fico só com o Google Trends…

Google Trends sequestro assalto bandido roubo

Os usuários do Google estavam mais preocupados com sua segurança em 2014 do que nos anos anteriores, mesmo no período após a onda de atentados promovidos pelo PCC em 2006, em que o Estado e as forças policiais foram afrontadas; essa insegurança não foi incorporada pelas pessoas — não discuta comigo, reclame com os usuários do Google.

Mas isso é apenas um detalhe…

Segundo ela, a quantidade de policiais e militares candidatos a deputado federal dobrou — 1989 (120) e 2014 (209). Só que não é bem assim: em 1989, 3.357 cidadãos se candidataram, sendo 120 policiais e militares (3,57%), e em 2014, houve 7.137 candidatos, sendo 209 das forças repressoras do estado (2,92%).

Como eu disse, Gabriela me deu muito trabalho, principalmente, porque talvez ela tenha razão, ou não. Esses últimos números tanto derrubariam a sua teoria como também a minha, que foi baseada no que Leôncio, Maria do Socorro e suas colegas me disseram — não sei quanto a você, mas eu acho que vou me juntar às pessoas que julgam os textos pelas ilustrações ou pelo título sem ao menos lê-los — dá muito menos trabalho.

CV, FDN e CRBC — táticas de guerrilha em São Paulo

A imprensa tem esse poder, mas o quanto você acha que eu, você, a imprensa ou o governo tem direito de esconder a verdade, mesmo que ela possa causar a morte ou salvar a sua vida ou a de outras pessoas? A decisão de esconder que a guerra entre facções chegou a São Paulo nada mais é que isso aí.

No fim do ano passado, coloquei em destaque um alerta passado pelo Primeiro Comando da Capital para que todos os seus membros ficassem preparados para a virada — era de conhecimento público que a Família do Norte e o Comando Vermelho haviam planejado ataques ao PCC em seu território, mas havia algo mais na mensagem da facção.

Naquele momento, ao analisar as mensagens, acreditei que eles não estavam apenas alertando os faccionados do norte e nordeste, mas que o salve seria nacional, inclusive para o estado de São Paulo — não consegui acreditar, me senti um americano no 11 de Setembro vendo um grupo rebelde atacar a maior potência militar do mundo.

Logo no primeiro dia do ano recebi as primeiras mensagens narrando as atrocidades que estavam sendo cometidas, principalmente contra os garotos da facção aliada, Guardiões do Estado, GDE 745; dezenas tiveram seus dedos cortados, mas o que mais me assombrou foram as mutilações dentro do estado de São Paulo: mãos cortadas.

A guerra chegou a São Paulo.

A princípio achei que seria apenas o Comando Revolucionário Brasileiro do Crime (CRBC) buscando retomar áreas, mas as informações chegavam indicando que era uma ação conjunta entre o Comando Vermelho (CV) e a Família do Norte (FDN), que teriam enviado células para atacar, sem informação se os alvos seriam aleatórios ou pré-definidos, com método de guerrilha: chegariam à cidade, atacariam e seguiriam para a próxima.

Se o CRBC estaria atuando em conjunto ou apenas aproveitando o momento, ainda é um mistério.

O que se viu no entanto foi uma operação bem planejada dos CVs e FDNs — os primeiros dias de ataque fizeram os números de whatsapp da facção fervilhar de alertas, levando o terror para as quebradas, para que só então, em alguns pontos, principalmente da região metropolitana, a manobra de tomada de alguma cabeça-de-ponte começasse.

A caça às bruxas começou. Todos os que foram ou vieram da região norte ou nordeste e podem ter alguma ligação com o crime, até mesmo aqueles que já estão morando há décadas em território paulista, podem ser vistos como possíveis infiltrados. Tudo indica que 2018, assim como foram os anos de 1992 e 2006, será fundamental para o futuro da Família 1533.

Se você é do mundo do crime, sabe de tudo isso; se for das forças policiais talvez, mas essa informação quase não chegou à população. O silêncio foi quebrado pela primeira vez pela repórter Tânia Campelo, do site de notícias Meon do Vale do Paraíba, no artigo Homicídios em São José podem ter relação com briga entre facções.

Nele, pela primeira vez é noticiada a ação das facções do norte, e é descrito o ataque de guerrilha de forma bastante clara. A repórter questionou o delegado Célio José da Silva, responsável pelo caso que lhe respondeu que “isso não existe” — dias depois algumas coisas que não existiam foram capturadas e mortas pela facção PCC 1533 em Guarulhos.

Podemos afirmar então que ou as autoridades policiais ainda não sabiam o que estava acontecendo dentro do estado, ou não quiseram admitir, repetindo o que aconteceu em 1995, quando a Secretaria de Segurança Pública afirmou que a imprensa estaria “vendo fantasmas” ao dizer que existia uma facção criminosa chamada PCC em São Paulo.

O assunto voltou com a matéria de Ivan Longo da Revista FórumPeriferias de São Paulo vivem nova onda de terror com guerra entre facções, mas coube ao repórter Lucas Simões do pouco conhecido site O Beltrano trazer um artigo repleto de fatos reais e, por incrível que possa parecer, inéditos: Estoura guerra de facções em SP.

Dizem que as bruxas não existem, mas devemos acreditar nelas. Como a história provou, não acreditar em fantasmas não os fizeram desaparecer ou ficarem menos perigosos. Até quando as autoridades e a imprensa continuarão plagiando o querido Padre Quevedo? “Isso non ecziste”.

Comando Vermelho capturado em São PauloVídeo com coisas que non eczistem capturados pelos PCCs na capital  paulista — note que enquanto nega ser CV, o primeiro deles faz o símbolo da facção com a mão. 

Lucas Simões nos deixa a dúvida: será que a imprensa tem esse direito? O quanto você acha que eu, você, a imprensa ou o governo temos o direito de esconder a verdade, mesmo que ela possa causar a morte ou salvar a sua vida ou a de outras pessoas? A decisão de esconder que a guerra entre facções chegou a São Paulo nada mais é que isso aí.

Nos últimos dias, alguns garotos que vendem umas paradinhas, para sustentar seu vício e ganhar uns trocos, morreram ou tiveram as mãos ou os dedos cortados, agora faltam os policiais, a dona Luíza, eu e você — quando você vai começar a se interessar pelo assunto?

Três mortos em São José do Rio Preto PCC vs CRVCUm setor de Inteligência da SSPDS considera que as tentativas de negar o avanço do crime organizado no Ceará só deram tempo e espaço para as facções se fortalecerem. — reportagem de Márcia Feitosa para o Diário do Nordeste: Crime organizado: um problema nacional que aflige o Ceará.