Gegê do Mangue — um grande golpe para o PCC 1533

A logística de distribuição de drogas evoluiu sob a batuta de Gegê do Mangue. O Primeiro Comando da Capital deixou de depender exclusivamente das armas e das drogas vindas do Paraguai e da Bolívia, criando uma rota alternativa ao norte.

Morre Gê do Mangue, a hierarquia cobra o preço da disciplina

Todos acreditavam que Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, cuidariam de zerar Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, quando ele deixasse a tranca — era mais seguro para ele na segurança do sistema do que na rua.

Agora Gegê e Paca já eram, as lideranças das trancas voltaram a dominar, e sem rivais à altura na rua. Acabou essa da facção criar uma raiz fora do sistema prisional.

O que falei neste site sobre o Gê do Mangue → ۞

Uma das características da facção paulista, como em qualquer matilha, é o rígido sistema hierárquico cuja liderança é disputada à custa de sangue pelos diversos alfas — e essa é a melhor hipótese para a morte de Gegê e Pacas segundo a imprensa, os especialistas, os policiais e até entre os PCCs.

O Procurador de Justiça Marcio Sergio Christino lembra que a disputa pela liderança já aconteceu no passado com sangue. Se duvidarem, é só perguntar para Dionísio César Leite, o Cesinha, Jonas Mateus e Wander Eduardo Ferreira, o Cara Gorda.

Existe outra possibilidade.

A morte de alguns líderes, dentro e fora do sistema, teria sido engendrada por Gegê, e as execuções foram feitas sem seguir o procedimento da facção, com respeito às regras de hierarquia e defesa — e agora o errado foi cobrado.

No mundo das fofocas, correm boatos, também, de que eles estariam desviando dinheiro da facção, e outros falam até que Gegê estaria indo para o Ceará para tentar fechar um acordo com o Comando Vermelho (CV) e Família do Norte (FDN) sem aval da cúpula — e o medo era que ele resolvesse trocar de camisa…

O que falei neste site sobre o Comando Vermelho → ۞

O que falei neste site sobre a Família do Norte → ۞

… um indício de que o assassinato teria sido uma ordem vinda de dentro é o fato de, ao contrário do que sempre acontece, não ter ocorrido a tradicional homenagem aos mortos feita pelos PCCs nos pátios dos presídios, como nos conta Josmar Jozino:

“Os prisioneiros fazem uma roda no centro da quadra, baixam a cabeça em sinal de respeito ao morto, rezam o Pai Nosso e depois entoam o tradicional grito de guerra da organização: PCC, 1533, PCC, 1533, um por todos, todos por um. Um por todos, todos por um.”

O que ninguém leva a sério é que isso tenha sido uma ação do governo ou dos inimigos. Foi como uma cena de Hollywood, de filme americano, com helicóptero atirando nos chefes do tráfico no solo em uma reserva indígena, coisa, assim, que só o Primeiro Comando da Capital poderia produzir.

As consequências disso são impossíveis de serem imaginadas, e quem o fizer vai estar apenas “chutando”.

Como ficará a questão sobre as ligações feitas por Gê no mercado internacional de armas e drogas, e quanto o Primeiro terá que rever contratos e rotas?

Os que fechavam com Gê vão continuar fiéis à facção ou vai ter algum deles rasgando a camisa e pulando para os inimigos?

Eu , se tivesse que chutar, diria que a estrutura ficou ainda mais forte e coesa, mas, ao eliminar um líder forte e articulado, a facção vai perder capacidade de gestão e logística. Quem assumirá o gerenciamento e controle nas ruas dos sintonias dos países?

O que falei neste site sobre “sintonia” → ۞

A logística de distribuição de drogas evoluiu sob a batuta de Gegê do Mangue. O Primeiro Comando da Capital deixou de depender exclusivamente das armas e das drogas vindas do Paraguai e da Bolívia, criando uma rota alternativa ao norte (Venezuela-Colômbia-Ceará).

Para isso a cabeça de ponte é garantida nas ruas pelos aliados dos Guardiões do Estado GDE 745, fundamentais para quebrar a barreira dos inimigos. O ministro da Segurança Pública, Torquato Jardim, confirma que”quem conquistar o Ceará, conquistará o Nordeste.

Com essa mudança de estratégia de importação, Gegê estaria conseguindo minar os vínculos de confiança entre os FDN CV e SD RN com os seus fornecedores estrangeiros. Até quem combatia o bandido sabia de seu valor. O Promotor de Justiça Lincoln Gakiya comentou a respeito da morte de Gegê: “É um grande golpe para o PCC. Eles ajudaram muito a aumentar a arrecadação e o poder de crescimento do tráfico, principalmente, porque tinham autonomia, capacidade de gestão e gozavam da confiança da cúpula”“É um grande golpe para o PCC. Eles ajudaram muito a aumentar a arrecadação e o poder de crescimento do tráfico, principalmente, porque tinham autonomia, capacidade de gestão e gozavam da confiança da cúpula”.

O que falei neste site sobre os Guardiões do Estado → ۞

Além do tráfico de armas e drogas, Gegê também participaria da organização das mega-operações de assalto, como foi o caso da sede do PROSEGUR, na Ciudad del Este no Paraguai, e diversas outras ações dentro e fora do Brasil. Todos, inclusive eu, afirmavam que Gegê estava na Bolívia ou talvez no Paraguai, mas…

… para surpresa geral da galera “especialista”, o garoto parece que estava há mais de um ano morando com Paca, pertinho de onde foi morto. A dupla morava em um condomínio de alto padrão, o Alphaville do Porto das Dunas, em Aquiraz — pelo menos é o que afirma a Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco).

Então, além de estar com um cordão de ouro e um pingente em forma de cifrão avaliados em 400 mil reais e um relógio de 40 mil reais, Gegê ainda estava morando em uma mansão de dois milhões de reais — falta de humildade também mata, principalmente quando seus colegas te olham do outro lado da muralha.

Algo muito estranho é que, antes mesmo dos corpos serem identificados formalmente, alguma boa alma pagou para a funerária 100 mil reais pelo embalsamento dos corpos — como tem gente boa nesse mundo!

Para quem quer conhecer mais quem era o Gegê do Mangue, sugiro duas reportagens:

Kleber Tomaz do G1 SP conta entre outras coisas que o garoto além de empinar pipas foi coroinha da igreja e office-boy no centro de São Paulo…

Fabíola Perez do R7 SP também buscou informações de sua juventude e trás um depoimento inconformado de um mecânico que diz que o traficante “sempre pagava pelo atendimento, ao contrário dos policiais que não pagavam o reparos em viaturas”. A repórter ainda conta que vários estabelecimentos comerciais do bairro lavavam o dinheiro da facção.

Legalizar as drogas: sim ou não?

Policiais e bandidos concordam pelo menos em uma coisa: as vendas de drogas devem ser proibidas e combatidas, mas há presidentes americanos que discordam — qual a posição da facção paulista Primeiro Comando da Capital?

Liberar ou combater as drogas e a maconha e a facção PCC 1533

Perguntaria para o Marcola em Venceslau sobre essa questão, mas ele não atende ao celular, e está certo ele — então como posso saber qual a posição do Primeiro Comando da Capital, a facção PCC 1533, em relação a legalização das drogas?

Para infelicidade daqueles que trabalham com jornalismo, todas as fontes tem que ser conferidas para não cair em descrédito, mas, para minha felicidade, no mundo das crônicas é diferente.

Na semana que passou, trombei com uma publicação sobre segurança internacional da Conferência do Forte de Copacabana, organizada em conjunto pela Fundação Konrad Adenauer (KAS) e pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), com apoio da Delegação da União Europeia no Brasil:

A visão sul-americana para uma melhor colaboração entre a América do Sul e a Europa contra o Tráfico de Drogas

Thiago Rodrigues e Carol Viviana Porto foram os autores do artigo que, pelo menos para mim, suscitou uma dúvida: Como os traficantes e os líderes do crime organizado analisam a questão da liberação do uso das drogas?

Posso não ter certeza do que Marcola pensa sobre esse tema, mas três presidentes americanos se manifestaram sobre a política de repressão às drogas: Nixon, que considerou que a guerra contra as drogas era um grande fracasso; Obama, que a considerou inútil; e Carter que disse que a punição excessiva destruiu a vida de milhões de famílias.

No Brasil, jogamos no campo da ideologia questões técnicas, e abandonar a atual política de repressão e encarceramento na questão das drogas é um desses exemplos — coisa de comunista e de moleques nóias — mas qual dos dois casos se encaixam então os presidentes americanos Nixon, Obama e Carter?

E no Brasil — Lula e Dilma?

Ambos são assumidamente pessoas ligadas a “esquerda”, e no período de governo dos dois houve uma aceleração dos encarceramentos e do combate as drogas. Se levarmos em conta apenas os fatos aqui citados, veremos então que à “direita” representada pelo ponto de vista dos presidentes americanos é a favor do abrandamento, e a “esquerda” prefere prender os envolvidos.

Mas isso é puro sofisma!

Sabemos então o que pensam cinco presidentes, mas e Marcola, os traficantes e os líderes do crime organizado? Os garotos do corre, a ponta mais conhecida do tráfico, dão de ombros, não pensam sobre isso, os gerentes de biqueira não esquentam, sempre se viraram e sempre se virarão, e a cúpula? É fácil supor ao ler o artigo de Thiago e Carol:

O atual sistema de repressão ao tráfico de entorpecentes nos Estados Unidos não diminuiu o consumo naquela nação, mas impediu que se produzissem as drogas, permitindo rápida expansão das áreas cultivadas e da industrialização dos produtos para suprir o mercado americano — PCC, CV, FDN, GDE, SCRN e ADA agradecem.

O tempo para o amadorismo passou e o sistema de repressão ao tráfico de entorpecentes obrigou a criação de organizações criminosas com uma intrincada estrutura dentro do território brasileiro e com ramificações internacionais:

  • produção das folhas — Peru e na Bolívia;
  • produção da pasta e distribuição internacional — Colômbia;
  • entrepostos — Caribe, Canárias, Madeira, Guiné-Bissau, Guiné e Costa do Marfim;
  • portos — Galícia, Marselha e Nápoles; e
  • sistema financeiro — China, Uruguai e Caribe.

Enquanto a polícia posta foto de trinta tubetes formando a sigla PCC acompanhada da frase “dando prejuízo ao tráfico”, o mundo gira, a imprensa tem matéria para postar, um outro garoto vai substituir na biqueira aquele que foi levado pela polícia para fazer a doutrinação nas regras da facção dentro do sistema prisional, e o cidadão se sente mais seguro.

Só que a estrutura se fortalece e se profissionaliza ainda mais.

Para infelicidade daqueles que trabalham com jornalismo, todas as fontes tem que ser conferidas para não cair em descrédito, mas, para minha felicidade, no mundo das crônicas é diferente. Eu posso afirmar que Marcola, os traficantes e os líderes do crime organizado analisam a questão da liberação do uso das drogas como sendo prejudicial aos seus negócios — sem ter que perguntar a eles.

Thiago e Carol, em seu trabalho, fazem uma análise do fluxo internacional da cocaína e das metanfetaminas e da política de drogas na América do Sul e as suas consequências no número de homicídios com um quadro comparativo por país, além de uma análise da tendência de combate às drogas em países da União Européia e no Uruguai.

Os dois pesquisadores, o Uruguai e a Europa, estão buscando outras formas de resolver a questão das drogas, sem se preocuparem com o que o policial, você, eu ou Marcola pensamos a esse respeito — é um absurdo!