A facção PCC 1533 no nordeste do Paraguai

Um novo integrante da facção PCC 1533 segue para o nordeste do Paraguai para reforçar a organização criminosa Primer Comando Capital e o Ejército del Pueblo Paraguayo (EPP).

A facção PCC 1533 no nordeste do Paraguai

Estamos sozinhos: eu e ele.

Da porta do meu quarto o vejo em minha cama, deitado, com a roupa suja de sangue. Seu cheiro se espalha pela casa: uma mistura de suor, sangue, goró e crack. Será que esse é o verdadeiro cheiro do demônio, e não o enxofre?

Mesmo dormindo, seu rosto é puro ódio. As luzes estão apagadas, e com essa quarentena por causa do covid-19 a penumbra e o silêncio são ainda mais profundos.

Ele vira o rosto na minha direção, de olhos abertos. Eu gelo! Porra de susto! Ele está é dormindo com olhar noiado e respiração rápida e profunda coisa do demônio!

Volto pelo corredor, esperando não vê-lo até a hora de ele ir embora.

Não o convidei.

Me ligaram avisando que alguém iria se mocozá aqui até amanhã.

Ninguém é obrigado a fazer nada na Família 1533, no entanto, a recusa é notada. Por outro lado, sempre rola um dinheirinho que ajuda pagar as contas.

Antes de amanhecer, ele seguirá para o departamento de San Pedro, no Paraguai, onde se juntará aos PCCs na escolta de um carregamento a ser entregue pelo Exército Popular do Paraguai (EPP), e depois reforçará a segurança dos galpões e fazendas da facção.

O corredor do quarto para a sala é pequeno, apenas alguns metros, mas essa noite o escuro, o silêncio e aquele visitante fazem-no parecer muito longo. Ando em direção à sala, que parece nunca chegar – não me lembro de ter bebido nada.

Sinto um arrepio.

Posso sentir o medo nos olhos dos “Cús Vermelhos”, como são chamados pelos PCCs os inimigos, integrantes da facção carioca Comando Vermelho (CV), quando estiverem na ponta da faca desse cara em Concepción, Amambay e Canindeyú.

Enfim chego na sala, e a luz da tela de descanso do note me acalma.

Ele seguirá para a fronteira nordeste do Paraguai em algumas horas – horas que não passam.

Quando eu ia para o Paraguai, era só contrabando inocente, videocassetes e câmeras. Isso mudou em 2008, quando o EPP começou a atuar entre o norte de San Pedro e o sul de Concepción, e os primeiros PCCs se instalaram na província Alto Paraguay.

O Exército do Povo Paraguaio, para exigir uma mudança social, passou a agir com violência, atacando propriedades rurais e comerciais, queimando plantações, destruindo o que viam, envenenando o gado e sequestrando fazendeiros, políticos e comerciantes.

Eu nunca conversei com um soldado do EPP para poder afirmar se isso é verdade ou se alguém pintou o diabo mais feio do que ele realmente é – o povo fala demais, como naquela história do cheiro de enxofre.

Sinto que alguém me observa. Olho para o corredor escuro, mas não vejo ninguém. Uma correnteza de vento traz aquele “cheiro dos demônios” – a noite será longa.

No início, os PCCs que iam para o Paraguai fugindo das autoridades brasileiras chegavam com grama apenas para se esconder, mas hoje é diferente: quem chega já tem trabalho garantido:

“El Primer Comando Capital é o maior grupo armado atuando naquele país, e possui infraestrutura, armas, muita grana, plantações de maconha, distribuidoras de cigarros, está presente em todas as prisões do país, e influência na política.

Não conseguirei dormir.

Vou até a cozinha, preparo um café e olho para o relógio que não anda. O tempo parou? O frio é intenso, mais forte que o normal. Tremo. Estou com febre?

Coloco um filme no note e deito no sofá da sala. Não vou até o quarto pegar um outro cobertor. Prefiro passar frio do que ver de novo aquele rosto, mesmo sabendo que o frio não me deixará pegar no sono.

Será fácil para ele atravessar a fronteira longa e porosa. Quase não há controle, e os que existem não passam de bases mal equipadas com dois ou três agentes, que só estão vivos porque não incomodam, ou melhor, só incomodam turistas e muambeiros.

Daqui do interior de São Paulo até Canindeyú, de lancha pelo rio Paraná, demora uma hora; de avião, 45 minutos; de carro, umas 10 horas. A viagem só será ao amanhecer, e o relógio não está colaborando.

Todos temos que ganhar nosso pão.

Gosto de mocozar companheiros que precisam de ajuda, ouvir suas histórias, aventuras, sonhos e amores – e geralmente rola umas moedinhas para meu lado.

Volto ao sofá. O filme já acabou e a tela entrou em descanso. Deixa assim mesmo.

Só posso estar sonhando…

Estou ao lado do Richard Rojas, “el paraguayo más antiguo del PCC”, conversando com um oficial da polícia em Assunção, pegando informações e acertando o transporte de uma carga que será despachada por avião para São Paulo.

Richard é apenas um peão nesse jogo. Só naquela região, a célula do Primeiro Comando da Capital que utiliza a torcida organizada do Sportivo Luqueño movimenta 300.000 doses de cocaína, o que dá 1,5 milhão de dólares mensais.

Acordo ainda entorpecido, sem saber quanto tempo dormi. Estou consciente, mas não consigo me levantar. Aquele cara do inferno está passando pelo corredor olhando para mim e seguindo para a cozinha – ou foi minha imaginação?

Tem um barulho vindo de fora, talvez seja a polícia em busca do cara. Eu tenho que levantar para avisá-lo. Semiacordado, vou em direção ao corredor escuro, que agora parece tão distante. Não consigo acordar de vez – que diabo!

Chego ao corredor.

A luz da cozinha está acesa, e por ela vejo aquele homem infernal olhando para mim. Lux in tenebris: aponta a mão na minha direção, retira algo da mochila, deixa sobre a mesa e sai pela porta dos fundos.

Estou novamente sozinho e sobre a mesa ficou uma boa paga.

Roque – Facção PCC 1533 movimentando peças

O Primeiro Comando da Capital sofreu várias baixas importantes pelo mundo, e autoridades chegaram a afirmar que a facção PCC 1533 entra agora em declínio – será?

I – O DIÁLOGO

Ainda está escuro.

Marcel senta ao meu lado no beiral da escada, me entrega um copo com café que Sônia acabou de fazer. Mal dá para ver o marido dela ali perto cuidando dos animais, a escuridão da noite só não é mais profunda que o silêncio – ouve-se ao longe apenas um galo.

Não conversamos desde que entramos no carro em São Paulo, e nem o casal falou conosco quando chegamos noite passada naquele sítio em Marialva – o marido de Sônia apenas mostrou a cozinha e onde deveríamos dormir e se recolheu.

Desligamos nossos celulares antes de pegar a estrada, e ainda continuam desligados, o que aumenta o peso do silêncio. Marcel me diz, com olhar distante:

— “Vou seguir. Para lá não volto”.

— “A gente continua cuidando da sua família”, respondo.

— “Só agradece”.

— “Você sabe que te deixo aqui”.

Ele não responde. Me levanto e me despeço do casal com um aceno, mas eles também não respondem.

Entro no carro e sigo pela estradinha de terra vermelha uns dois quilômetros até a vicinal, e de lá uns cinco até a BR-369 – Marcel terá que caminhar muito, a menos que consiga uma carona.

II – POR TRÁS DO DIÁLOGO:

— “Vou seguir. Para lá não volto”.

“Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule…”

Apocalipse 13:18.

No dia 16 de março o Primeiro Comando da Capital determinou rebeliões e fugas em diversas unidades prisionais; no dia 17 de março o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) publicou a Recomendação 62, que determina a soltura seletiva por conta do covid-19.

Encarcerados do grupo de risco e daqueles que não tenham sido julgados e que não estejam respondendo por crimes violentos devem ser soltos e aguardar o julgamento…

… e foi assim que Marcel ganhou sua a liberdade.

A Recomendação 62 não impede a liberação dos integrantes de facções, mas várias comarcas negam o benefício aos membros do Primeiro Comando da Capital, no entanto, no processo de Marcel não é mencionada a sua ligação com a facção.

Ele sabe que se ficasse em São Paulo não demoraria a ser preso novamente, por isso aceitou o convite para se juntar no Paraguai ao Richard, “el soldado más antiguo del PCC”, mas pouco antes de pegarmos a estrada ficamos sabendo de sua prisão em San Lorenzo.

Com a prisão de Richard, Marcel desistiu de ir para o Paraguai, e assim seguiria de Marialva no Paraná, para o noroeste (Bolívia, via Dourados). Há anos conversamos sobre essa alternativa quando caíram diversos PCCs aqui na região.

— “A gente continua cuidando da sua família”.

Marcel sabe que a família de um irmão ou companheiro não é deixada de lado pela Família 1533 – desde sua prisão, sua mulher recebe parte do rendimento de uma biqueira, e assim continuará enquanto ele não se estabelecer.

Richard René Martínez Rojas recrutava novos PCCs entre aqueles que saíam do sistema prisional paraguaio, e as células criadas por ele planejavam e executavam meticulosamente grandes assaltos, assassinatos, sequestros e resgates de presos, assim raramente algum criminoso acabava preso ou morto, e os ganhos eram elevados.

Já no Mato Grosso do Sul e na Bolívia a conversa era outra, e por isso tentei assegurar a Marcel que ele poderia seguir sem medo, e que sua família estaria sendo cuidada.

— “Só agradece”.

Marcel sabia que não tinha o que agradecer, ele deu o maior apoio a um chegado meu, além disso ele não estava fugindo ou abandonando o PCC 1533, pelo contrário, eu o estava colocando a caminho do olho do furacão:

Houve um debate onde se decidiu que eu deveria lhe oferecer ajuda, convencê-lo e levá-lo em segurança até aquele sítio – ele acha que eu fui procurá-lo apenas para ajudá-lo.

Há alguns dias Fuminho foi preso em Moçambique, mas era da Bolívia que comandava a distribuição das drogas no Brasil e as rotas do tráfico transcontinental, desde os produtores latinos-americanos, passando pelos distribuidores brasileiros e portos africanos, até os atacadistas europeus.

A prisão de Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, derruba parte dessa estrutura, e se Marcel conseguisse aproveitar essa oportunidade, encaixando-se nas lacunas ganharia mais dinheiro do que poderia gastar, mas, caso não conquistasse a confiança da liderança, morreria.

— “Sabe que te deixo aqui”.

O acertado era levá-lo até aquele sítio, onde passaríamos a noite, e eu voltaria logo cedo. Após o almoço ele deveria esperar na BR-369, onde uma companheira passaria para pegá-lo e seguiria com ele como se fosse sua garota, para não chamar muita atenção.

Para atravessarem a fronteira com segurança, eles devem parar em Dourados para acertarem os contatos e rotas – mas sei o que o espera por lá, e não creio que ele chegará na Bolívia.

A minha parte da missão foi cumprida, e a garota, que é cria do 15, com aquele jeito que só elas têm, deverá convencer Marcel a entrar na guerra que o PCC trava no Mato Grosso do Sul para eliminar os inimigos do Comando Vermelho (CV).

Tudo ainda é incerto, mas Marcel talvez troque o seu sonho boliviano de riqueza, e decida assumir algumas missões de Walter Dantas Cabreira, conhecido como Xeque-mate, o assassino do PCC do MS que foi capturado essa semana quando planejava matar um agente público.

Seja no Paraguai, na Bolívia, no Mato Grosso do Sul ou na biqueira de qualquer bairro: uma peça cai, e outra entra em seu lugar e o jogo continua. Não é uma substituição, é um Roque, e todos nós somos apenas peças nesse tabuleiro: eu, a companheira, o casal e ele.

Na organização criminosa Primeiro Comando da Capital, a queda de um líder ou um membro não significa que outro o substituirá, mas seu espaço será ocupado de forma orgânica e imprevisível através das disputas internas e de acordo com os interesses e as escolhas de cada integrante.

Essa incerteza obriga que as forças que combatem a facção PCC 1533 recomecem suas investigações para entender o novo cenário criado e suas ramificações para, só então, tempos depois, lançar outro ataque – Roque!

Roque: no xadrez é a jogada que envolve a movimentação de duas peças em um único lance, usada para desarticular um ataque inimigo, obrigando-o a reorganizar outro ataque.

Esse texto foi inspirado no conto “Roque” de Jeff A. Silva publicado no site porandubarana.com.

Desvendar as operações transnacionais do PCC não é tão simples quanto reverter as políticas responsáveis ​​por sua ascensão, pois uma das características do PCC é que ele conseguiu instrumentalizar muitas das próprias políticas de segurança destinadas a combatê-lo. Como este relatório deixará claro, a luta contra o crime organizado transnacional no Brasil não termina com o encarceramento. Pelo contrário, só começa aí.

Ryan C. Berg

O PCC 1533 e a venda de drogas nas escolas

O Dri do PCC 1533, a escola e o estuprador

Ao ler o conto “Mundo Novo” revivi o dia no qual Dri da Vertente garantiu seu lugar como companheiro da facção Primeiro Comando da Capital:

A luz do sol não era muito intensa e a tarde já cedia lugar para a noite quando a primeira paulada lhe atingiu o ombro. Ele não gemeu, mas em um gesto que demonstrava dor levou a mão ao lugar atingido. Seu rosto expressava um medo intenso. Tentou fugir, mas o empurravam de volta…

Jota Alves descreve tão bem a cena que parece que estava lá ao meu lado quando o Dri matou o homem acusado de ter estuprado uma menina da comunidade ─ Dri tem 13 anos de idade, mas é maior e mais forte que a maioria dos adultos.

Ele não foi chamado para aquele Tribunal do Crime, mas chegou e pediu para ele mesmo fazer a justiça, o que só depois de muito debate com a liderança foi autorizado, mas o garoto se mostrou à altura da responsabilidade.

Não foi bonito de se ver.

Dri brincou com o cara que, apesar de ser adulto, não era páreo para o garoto. Ninguém ajudou o menino quando o homem tentou revidar. Dri da Vertente poderia tê-lo matado com um só golpe, mas ficou se divertindo: batendo e chutando aqui e ali e rindo.

Dri do PCC 1533 e o filho do polícia

Essa história do isolamento por conta do Coronavírus acabou atrasando o meu lado. Eu estava no Jardim Novo Horizonte para afinar uma sintonia, mas sem fluxo não teve o que fazer, então aproveitei esse tempo para conhecer algumas histórias desse moleque zika.

O esquema do Dri

A polícia já cansou de “dar geral” no garoto que sempre anda acompanhado das garotas tidas como as mais certinhas da escola, mas ele nunca está com nada ilegal, e de vez em quando o Tático ou as Rocans tentam dar um flagrante nos moleques na frente da escola, mas todo o fluxo é feito lá dentro ─ a droga entra na mochila do filho de um policial, que não recebe para isso, mas trabalha de mula só para não apanhar ou morrer.

O Dri do PCC e a diretora da escola

A pequena escola do Jardim Novo Horizonte era nova e até que bem ajeitada, mas quem comanda lá dentro é o Dri e os garotos do tráfico.

A facção PCC 1533 não determina como seus integrantes devem se comportar no ambiente escolar: uns não dão na vista para evitar a presença da polícia, mas outros, assim como Dri, querem aparecer mais que fogos de final de ano, e adoram um confronto.

Há algum tempo assumiu a direção da escola do Jardim Novo Horizonte uma educadora experiente que fez sua fama de enérgica na escola do Central Parque, muito maior e localizada em uma região ainda mais violenta.

Antes de assumir, enquanto todos falavam sobre sua vinda e como enfrentaria o Dri, Idelma conversara com os funcionários da escola traçando uma estratégia de abordagem, e ao entrar como diretora foi para o portão de entrada dos alunos.

Quando Dri entrou, ela chamou o garoto de lado e afirmou de maneira firme:

“De onde venho, você pode vender droga do portão para fora, AQUI dentro, se eu te pegar, te meto em cana.” – contou ela depois para a pesquisadora Ellís Regina Neves Pereira.

O moleque respondeu sem se alterar: “Você morre no dia seguinte. Escolhe”. E seguiu para dentro sem sequer olhar para trás.

O irmão do PCC 1533 e a diretora da escola

Não é verdade que Dri da Vertente é irmão do PCC, mas é um companheiro (na hierarquia da facção, alguém que ainda não foi batizado), e é ele quem controla a venda na escola do Jardim Novo Horizonte, mas aquela é só uma das biqueiras da quebrada.

Idelma não conseguiu parar o fluxo de drogas na escola e, por experiência, sabia que se tentasse acionar a polícia poderia ser pior para ela, para os funcionários e para os alunos.

Passado alguns dias, o irmão que comandava toda aquela quebrada mandou um recado que queria conversar com ela. Idelma aceitou, pensando implantar alí o mesmo acordo que tinha feito no Central Parque: nada de tráfico ou regras do crime dentro da escola.

Minha quebrada, minhas regras

O irmão do Novo Horizonte veio com papo reto:

“Nada vai acontecer com a senhora se a gente cuidar.”

Só que para isso ela não deveria se meter nos negócios dos garotos, a disciplina dentro da escola seguiria como sempre foi, e a escola, mesmo pequena, continuaria nova e até que bem cuidada.

Idelma sabia o que isso significaria, Dri continuaria não só traficando dentro da escola mas mantendo a disciplina, e isso era para ela inaceitável. Ellís Regina contou como a diretora lhe descreveu o que se passou depois que recusou o acordo e a proteção:

“Destruíram a escola, quebraram assim, tipo ‘quero ver, então, se você fica ai!’. Ele ia chegar lá, tipo um inspetor do aluno do tráfico dentro da minha escola? Meu! Você está doido que eu vou deixar alguém entrar aqui para lidar com os meus alunos! Quando não fiz esse ‘tal acordo’ com esse rapaz, a represália foi enorme, enorme! Depredação. Destruição. Parecia que tinha alguém de dentro da escola que falava para eles, então quando a gente comprava material pedagógico, que é uma verbinha no semestre e outra no fim do ano, os caras entregavam de dia e à noite meteram fogo em todo o material, novinho! Teve perícia, teve polícia, e eu passei a madrugada no meio do mato, no escuro, porque ninguém podia mexer no local… deu o quê? Nada! Aí quebraram vidro, quebravam carteira…”

A escola do Novo Horizonte continua nova e pequena, só que não é mais bem cuidada, e após a saída de Idelma ficou sem diretor.